Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

Lucio Costa e Brasília: 55 tons de sonhos

 Lucio Costa e Brasília: 55 tons de sonhos

 

Silvestre Gorgulho

Aos 55 anos, o arquiteto e urbanista Lucio Costa inventou uma cidade. Por coincidência, esta invenção faz agora, dia 21 de abril, também 55 anos.
A vida de Juscelino Kubitschek, o construtor, e de Lucio Costa, o inventor, se entrelaçaram três vezes no tempo e no espaço.
Primeiro, ambos nasceram no mesmo ano: 1902.
A segunda vez foi em 1924. O jovem Lucio foi comissionado pela Sociedade Brasileira de Belas Artes para estudar e fazer levantamentos da arquitetura da cidade de Diamantina. Muito atento, Lucio confessou que ao visitar, estudar e fazer algumas aquarelas da terra natal de JK, ele caiu em cheio no passado no seu sentido mais despojado e puro. Um passado que ignorava... "Diamantina foi uma revelação!"
Será que, naquela época, Lucio Costa sabia alguma coisa de Juscelino? Será que eles, ainda com 24 anos, se encontraram pelas ruas centenárias de Diamantina? Talvez sim, talvez não. Mas Diamantina o marcou profundamente. Tanto que Lucio deixou registrado: "Mal sabia que, trinta anos depois, eu iria projetar nossa capital para um rapaz da minha idade nascido ali."

O terceiro entrelaçamento de vida veio justamente, em 1956, quando JK assumiu a Presidência da República. Mais estreitamente a partir de 1957, quando Lucio Costa ganhou o concurso para a construção de Brasília. E aí o entrelaçamento se eternizou em colaborações, sonhos, cobranças, parcerias, invenções, cumplicidades, utopias e realidade.
Nasceu Brasília, a nova Capital do Brasil.

Há 113 anos, em 27 de fevereiro de 1902, nascia o inventor de Brasília.
Aos 55 anos, idade que Brasília completa agora, Lucio Costa teve as bênçãos de dois personagens de primeira grandeza para realização de seu sonho: JK e Israel Pinheiro. Assim, sob proteção dessas duas referências e acompanhado sempre por seu fiel escudeiro, Augusto Guimarães, Lucio ganhou seu mais importante cúmplice e parceiro: Oscar Niemeyer.
A parceria entre eles era mais antiga. Vinha de 1935 quando Oscar, com apenas 28 anos, começou a estagiar no escritório de Lucio Costa.
Em 1936, quando o escritório de Lucio foi convidado pelo governo Getulio Vargas para ocupar o espaço do Morro do Castelo, no Rio, com a construção do Ministério da Educação e Saúde, um grupo de profissionais, por circunstâncias diferentes, se debruçaram no projeto. O grupo era formado por Lucio Costa, Carlos Leão, Affonso Eduardo Reidy, Jorge Moreira, Ernani Vasconcellos e Oscar Niemeyer.
Novos projetos vieram, como o Pavilhão do Brasil na Feira Mundial de Nova York, em 1939.
E assim, Lucio e Oscar foram construindo uma parceria de gênios até culminar com a construção da nova Capital.

Um concebeu o urbanismo, inovou com as superquadras, determinou a volumetria espacial da cidade e plantou os espaços verdes entre os prédios a serem edificados para dar origem à cidade-parque.
O outro traduziu toda força e originalidade do projeto vitorioso na beleza dos prédios, palácios e monumentos. Um sabia que podia contar com a excepcional qualidade profissional do outro. E vice-versa. Desta parceria, só podia dar no que deu. Nasceu uma cidade linda, ousada, esparramada, generosa, fotografada e filmada. Tanto que, Brasília ainda jovem - aos 27 anos, no governo José Aparecido de Oliveira - conseguiu da Unesco a chancela de Patrimônio Cultural da Humanidade.

E nessa caminhada, fortalecida após março 1957 pela escolha do projeto vencedor do concurso e início da construção, Lucio Costa e Oscar Niemeyer colecionaram muitos outros parceiros, colaboradores e cúmplices: Israel Pinheiro, Joaquim Cardoso, Augusto Guimarães Filho, Roberto Burle Marx, Athos Bulcão, Alfredo Ceschiatti, Ernesto Silva, Bruno Giorgi, Marianne Peretti, Maria Elisa Costa, Carlos Magalhães da Silveira, Fernando Andrade e tantos outros. Alguns estão aí vivos para contar histórias e rememorar um tempo difícil mas regado por muita criatividade, perseverança e compromissos.
Nós, meros mortais brasilienses e brasileiros, apaixonados por estas obras de Lucio e Oscar que encantam o Brasil e o mundo, pedimos licença para entrar, como admiradores e parceiros, nessa caminhada de sucesso.
Nossos corações também são cúmplices na contemplação e no olhar.
A bênção Lucio Costa!

silvestre@gorgulho.com