Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

Gabriela Fuão Cunha

GABRIELA FUÃO DA CUNHA conseguiu a perfeição: trabalhar se divertindo e se divertir trabalhando. E mais: fazendo, a cada novo minuto de trabalho, uma coleção de novos amigos. Brasiliense da gema, Gabriela trabalha com turismo desde os 19 anos. É uma profissional preocupada em fazer seu mercado e fazer cada vez mais clientes. Mas ela tem uma virtude muito esquecida no mundo de hoje: solidariedade. Gabriela mergulha na natureza com os executivos de Brasília que raramente deixam o gabinete com ar condicionado. Ela ensina, educa, mostra a beleza dos campos, das cachoeiras e das cavernas, proporcionando um descanso da mente. Mas Gabriela não esquece de quem precisa de mais apoio da sociedade brasileira: os meninos de rua. Vez por outra, essa loirinha que tem dois olhos da cor da mata, pega um grupo de meninos de rua de Brasília sai pelo Cerrado visitando cavernas, fazendo trilhas, tomando banho de cachoeiras, ensinando a vida e plantando amor. Do pouco que plantou, Gabriela não sabe onde guardar tanta colheita. Gabriela Fuão da Cunha escala hoje a "Janela da Corte" e conta para quem quiser ouvir: quem vive a natureza, vive a vida. Descansa a alma.

1 - Duas coisas que mais a incomodam em Brasília.
Trafegar de carro em nossa capital e ver esses menores de rua sem nenhuma perspectiva de vida.

2 - Duas coisas que mais lhe agradam em Brasília.
O meio ambiente ecológico de nossa região e a forma de ver de sua população, que são as bases para tornar Brasília o centro de mudanças da mentalidade de nosso país. Brasília está se tornando o centro irradiador do Brasil do Terceiro Milênio. Cheia de energia e mais espiritualista.

3 - Os brasilienses têm idéia da beleza natural existente ao redor do DF?
Como Operadora de Ecoturismo posso dizer que o brasiliense tem alguma idéia sobre as nossas belezas naturais. Mas é quando os brasilenses mergulham na aventura da beleza do Cerrado é que vem o deslumbramento. São as imensas quedas d'águas, as corredeiras e a grande diversidade da vegetação. O Cerrado é considerado pelos estrangeiros como o melhor safári fotográfico do país. É o ano todo florado e rico em alimentos. Tem 25 espécies diferentes de frutos comestíveis catalogados.

4 - Quais os 5 pontos de maior beleza natural que você costuma freqüentar com os grupos de ecoturistas?
A Chapada dos Veadeiros - muito rica em cachoeiras, com águas cristalinas e sua fauna imensa (araras, tucanos, papagaios, lontras, ariranhas, pacas, antas e até onças). O Parque Nacional de Terra Ronca (próximo a S. Domingos) o maior complexo espeliológico do mundo (cavernas). A Fazenda Indaiá - Ribeirão Itiquira - com belíssimas cachoeiras, inclusive com o Salto Itiquira, com 169 metros de altura. Topázio, uma reserva particular de águas cristalinas situada a 100 km. de Brasília. Pirenópolis, onde se encontra a fazenda Vagafogo, apropriada para educação ambiental para alunos dos 1º e 2º graus e possui uma trilha da época dos Bandeirantes. Existe a Serra do JK, ainda inexplorada, a 160 km. de Brasília, para a qual a equipe da "Sociedade pé na Estrada" fará uma expedição na próxima semana, com acompanhamento da Globo, com objetivo de documentar o local, que possui inscrições rupestres (feitas por outras civilizações) de no mínimo 500 anos atrás, e um muro de mais de 200 km. de comprimento feito na época da escravidão.

5 - Vale a pena ser uma empresária do Ecoturismo?
Sem dúvida. Mas é um investimento grande e de longo prazo por dois motivos: o primeiro é que temos que transmitir aos brasilienses tudo de positivo que existe ao entrar em contato com esta maravilhosa natureza. O segundo motivo é que existe a necessidade de ver o aspecto ecológico de uma forma profissional e madura, com ferramentas, equipamentos e veículos apropriados. Daí o fato de termos que formar uma equipe com muita prática, responsabilidade e consciência, assim como bons Guias - técnicos profissionais do ramo, o que não é fácil de se encontrar. A "Pé na Estrada " possui hoje a melhor equipe de Brasília, contando com especialistas do Cerrado e em sobrevivência na selva.

6 - Em um ano de trabalho, com quantos grupos você já botou o pé na estrada?
Conseguimos, levar até agora, 27 grupos de aproximadamente 15 pessoas. De janeiro à abril, fazemos expedições internacionais. A partir de maio, quando começa a temporada no Cerrado, damos início aos passeios ecológicos no Cerrado.

7 - Tem ecoturista que sai entusiasmado para o passeio e depois volta reclamando que você o levou para um mau caminho?
Não. De forma alguma. Porque sempre informamos antecipadamente a respeito do caráter rústico e primitivo (hotéis simples ou barracas) de nossas excursões.

8 - As pessoas costumam repetir o "trekking" (caminhada em trilhas) com que freqüência?
Quase cem por cento de nossos clientes retornam com mais um participante. Daí ter surgido a necessidade de se criar a "Sociedade Pé na Estrada".

9 - E a segurança de entrar pelas matas, grutas e descer corredeiras?
A segurança é o fator de maior importância para a realização de nossas expedições. Até hoje nunca aconteceu nenhum acidente. Temos uma equipe de especialistas e nosso grupo já realizou vários resgates de outros grupos de ecoturismo. Como foi o caso de Araras, onde algumas pessoas faziam "Rappel" noturno e ficaram ilhados até às 3 horas da manhã, devido a uma enxurrada e por falta de pessoas e equipamentos especializados.

10 - Nos seus grupos só vão fanáticos por natureza ou já tem executivos que deixam seus escritórios para curtir uma aventura?
Os executivos estão começando a descobrir que a saída dos escritórios fechados para um contato com a natureza os torna mais criativos e compreensivos. Já foram em nossas expedições executivos do Banco Central e do Senado. Agora vamos levar técnicos do Serpro para a fazenda Indaiá.

11 - O pessoal tem mais medo de cobra ou da noite na floresta?
As pessoas são tão bem informadas antes da partida. Ao se deparar com qualquer situação já estão preparadas e tem sempre um especialista de apoio.

12 - Uma aventura destas mexe com a cabeça das pessoas?
Sim, pois o objetivo ao colocar as pessoas em contato com a natureza é modificar a sua forma de ver o seu dia-a-dia, no trabalho ou no âmbito de sua família. A pessoa se torna mais compreensiva, mais criativa e mais espiritualista. Os passeios são anti-depressivos e anti-estressantes.

13 - O que você falaria para alguém que acha que descanso é enfrentar um aeroporto, ir para Miami, visitar a Disney e fazer compras?
As excursões são ótimas para as nossas mentes. É um descanso da alma. Uma pausa para essa nossa vida consumista e burocrática. A natureza proporciona um descanso barato, duradoura e de fácil acesso. Qualquer um pode ir. A ida à Disney é muito positiva, porém cara e cansativa.

14 - Como brasiliense da gema: quatro nomes que sabem honrar Brasília.
Fernando Henrique Cardoso, Eduardo Jorge Pereira, José Antônio Arocha e Cícero Ernani Piau (nosso chefe da Equipe).

15 - Qual o pecado capital de Brasília?
Estar predestinada a ser a capital da civilização do Terceiro Milênio. Isto dá inveja a muita gente que não tem a felicidade de morar aqui.

silvestre@gorgulho.com