Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

Lucio Costa

 

 DR. LUCIO - PATRIMÔNIO MUNDIAL DO URBANISMO

Silvestre Gorgulho  (julho 1997)

Quem inventou Brasília? Foi o arquiteto Lucio Costa que, por influência de Le Corbusier, virou um dos mais importantes urbanistas brasileiros. Nascida de dois riscos cortando o cerrado do Planalto Central, formando o sinal da cruz, Brasília só foi possível graças ao empenho de uma santíssima trindade: o presidente Juscelino Kubitschek com sua vontade política; Lucio Costa com seu planejamento urbano livre e disciplinado; e Oscar Niemeyer com seu traço mágico. Precisamente no dia 15 de março de 1957, a Comissão Julgadora formada pelo inglês William Holford, Stamo Papadaki, André Sive e Oscar Niemeyer anunciou o projeto de Lucio Costa como o vencedor do Concurso para escolha do Plano Piloto de Brasília. Três anos depois a cidade era inaugurada. E funcionando. Lucio Costa, filho do engenheiro naval baiano, Almirante Joaquim Ribeiro da Costa, e da amazonense Alina Gonçalves Ferreira, pai de duas filhas, Maria Elisa e Helena Costa, nasceu em Toulon (França) em 27 de fevereiro de 1902. Com um ano já estava morando no Leme, no Rio de Janeiro, mas voltou aos 8 para a Europa, só retornando ao Brasil em 1917, aos 15 anos, quando entrou na Escola de Belas-Artes do Rio. Formou-se em 1922. Seu caminho, seus projetos, suas obras, sua contribuição ao patrimônio cultural brasileiro, sua vida profissional e pessoal são exemplos para o brasileiro admirar, se orgulhar e seguir. Imagina só, caro leitor, que Lucio é co-autor da única obra contemporânea que é Patrimônio Cultural da Humanidade! Um homem destes tem, também que ser, ele próprio, um Patrimônio da Humanidade. Lucio Costa disse que o “mar de Brasília é o céu” sempre amplo e cintilante. E é sob este céu, ou mar, que todo candango gosta de lembrar que o Dr. Lucio é o único brasileiro vivo que pode abrir esta Janela da Corte e dizer: - Inventei uma capital. Inventei uma cidade, cuja realidade superou a utopia! Nas suas respostas rápidas, mas profundas, o leitor verá que Lucio Costa considera sua grande obra encerrada. Ai a gente fica pensando: será que felizmente ou infelizmente?

1 - Com quais críticas a Brasília o senhor concorda?
As críticas simpáticas eu as recebo de bom grado. As antipáticas são de pessoas que já vêm prevenidas contra a cidade.

2 - O que mais lhe agrada em Brasília?
O simples fato dela existir.

3 - Sua obra maior, Brasília, está feita. Tem quem goste, a grande maioria, e tem aqueles que gostam de criticar. Se o senhor pudesse refazer o projeto, o que gostaria de mudar?
Nada, eu sou uma pessoa só.

4 - Brasília é Patrimônio da Humanidade. O senhor é autor do projeto urbanístico da única obra da contemporaneidade incluída no que a Unesco define como herança do Planeta. Como o senhor se sente com esta valiosa contribuição à cultura brasileira e mundial?
Me sinto muito honrado.

5 - Doutor Lucio: qual o futuro da W-2 e da W-3 Sul com aquele tipo de comércio e de residências?
Não conheço o problema o bastante para opinar.

6 - O senhor admitiria alguma mudança no uso nas construções do lado oeste da W-3 Sul, uma vez que o tempo já introduziu muitas modificações?
Lamento essa mania de querer desfazer as coisas que foram feitas.

7 - E esta história de fechar as Superquadras em Condomínios?
Inconcebível!

8 - Há cinco anos que o senhor não vem a Brasília. Mesmo aos 95 anos, o senhor não está deixando sua “filha” um pouco órfã?
Brasília já é adulta. Fiz minha parte e não me cabe, agora, estar paparicando.

9 - O que Brasília tem que nenhuma outra cidade do mundo tem?
Ela é única!

10 - Doutor Lucio, como o senhor vê as invasões do Comércio nas Entrequadras de Brasília?
É o resultado do crescimento da cidade.

11 - Sempre tem gente propondo modificações e acertos no projeto do Plano Piloto de Brasília. O que o senhor acha destes colaboradores?
Já disse que há muitas oportunidades de fazerem outras coisas. Que façam!

12 - Como o senhor vê a atitude do senador Antônio Carlos Magalhães proibindo a “Micarecandanga” em frente ao Congresso Nacional?
Acho que se as pessoas gostaram, não cabia proibir.

13 - Qual a grande lição que o senhor deixa para a geração dos anos noventa?
Apenas a minha experiência pessoal.

14 - Qual a grande lembrança que o senhor tem de JK?
Lembrança de admiração e agradecimento pelo que ele permitiu ser feito.

15 - Dê o nome de cinco brasileiros que o senhor mais admira.
Cinco?
São 150 milhões de brasileiros que admiro!

16 - As divergências que dizem que o senhor tem com o arquiteto Oscar Niemeyer são verdadeiras?
São intrigas da oposição.

17 - Está correto dizer que Brasília não tem esquina?
Totalmente incorreto. Toda entrada de Unidade de Vizinhança (conjunto de quatro Superquadras) é uma esquina.

18 - Quem lhe ajudou mais no desenvolvimento do Projeto de Brasília?
Foi o Augusto Guimarães Filho. (Augusto Guimarães Filho é engenheiro e foi responsável pela chefia do escritório que desenvolveu o Plano Piloto, desde 1957, no Rio, sob a supervisão do dr. Lúcio Costa, que o conheceu quando foi construído o Parque Guinle, nos anos 40, e será o próximo personagem da Janela da Corte).

19 - Quem lhe atrapalhou mais?
Pessoalmente, ninguém.

20 - Quando Maurício Jopert, presidente do Clube de Engenharia, escreveu que o projeto do lago Paranoá era uma besteira porque o solo poroso do Planalto não iria reter a água. Qual foi sua reação?
Nunca levei a sério.

21 - Brasília tem algum pecado capital?
Se tem, não me cabe assinalar.

silvestre@gorgulho.com

.