Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

Arne Sucksdorff

 

Brasília, maio de 2001

 

Anna Karina, cineastra brasileira, quando esteve com Arne, em Estocolmo, para fazer seu documentário sobre o grande mestre do cinema. A foto e história do documentário foi matéria da Folha do Meio Ambiente

Por Silvestre Gorgulho

Morreu dia 5 de maio, em Estocolmo, Arne Sucksdorff, aos 84 anos, sem ter seu último desejo atendido: voltar para o Brasil, onde morou por mais de 30 anos e teve uma das fases mais produtivas de sua vida: fez filmes, escreveu livros, fotografou e foi um dos maiores responsáveis pelo Movimento do Cinema Novo Brasileiro. A fama de Arne Sucksdorff na Suécia só é comparada a outro diretor de cinema, Ingmar Bergman, e à atriz Ingrid Bergman.
Arne Sucksdorff foi uma legenda do cinema e um dos pioneiros, no mundo, na luta ecológica. Tem uma história de vida fantástica e que a nova geração brasileira não conhece. Sucksdorff nasceu em Estocolmo, Suécia, em 1917, escreveu livros, roteiros, fotografou, dirigiu e produziu 15 filmes de longa-metragem e vários de curta-metragem. Mais do que um apaixonado pelo que fez, Arne foi um gênio que soube fazer. Com o documentário "Ritmo da Cidade", ganhou o Oscar da Academia Americana de Cinema.

Arne ganhou, ainda, a Palma de Ouro do Festival de Cannes com o filme "A Grande Aventura" e o Festival de Veneza com o filme "O Vento e o Rio". Chegou ao Rio de Janeiro em 1962 para dar um curso de cinema para jovens brasileiros: eram seus alunos, Vladimir Herzog, Nelson Pereira dos Santos, Eduardo Escorel, Luiz Carlos Saldanha, Arnaldo Jabor, Joaquim Pedro de Andrade e José Wilker. Mas algo não estava no roteiro e entrou rápido no script: Arne Sucksdorff começou a dividir, para sempre, sua vida entre o Brasil e a Suécia. Sua paixão pelo Brasil aumentou cada dia. Fascinado pela natureza, do Rio de Janeiro resolveu conhecer e fotografar o Pantanal matogrossense. Nova paixão à primeira vista: no Pantanal acabou morando durante 30 anos. Lá escreveu livros, filmou, fotografou, casou, teve filhos. Seu livro "Pantanal, um Paraíso Perdido" encantou o mundo.

A última entrevista de Arne foi dada à Folha do Meio, na edição de abril de 1999. Algumas frases dessa entrevista:

LEIA em: http://www.gorgulho.com/?sessao=materia&idMateria=243&titulo=ARNE-SUCKSDORFF

Frases de Arne:

"É preferível caminhar livre nos terrenos desertos,
do que estar na cadeira confortável recebendo comida dos outros"

"O homem não está onde estão seus pés, mas onde estão seus sonhos"

"A natureza é o sorriso de Deus, um raio
de luz na escuridão dos seres humanos"

"A vida parece curta demais para se ocupar
apenas de coisas que estão na mídia"

"Para quem segue sempre sua consciência, a
vida nunca é vazia e sem sentido"

"Só os peixes mortos se vão pelas correntezas dos rios" 

silvestre@gorgulho.com