Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

As lágrimas de março

Silvestre Gorgulho

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É o copo, é a lata, é até canudinho
É plástico e mais plástico, é o fim da picada
É sujeira, é feiura, é nojeira danada
São os sujismundos de férias
Inundando o verão
Com promessas de lixo no seu coração...

Março está chegando. Tempo de lembrar da belíssima canção Águas de Março, do saudoso maestro Antônio Carlos Jobim. Com lirismo e beleza, Tom cantou os encantos da natureza quando vai fechando o verão. E é justamente quando fecha o verão, quando acabam as férias é que se pode avaliar o péssimo comportamento do brasileiro que usou e abusou dos recantos naturais. Aí, então, a hora é de cantar as Lágrimas de Março. Depois dos Reveillons, das grandes férias e dos carnavais, a natureza chora o comportamento daqueles que fazem das praias, das grutas, das dunas, das ilhas, dos lagos, dos rios e dos parques, um mar de lixo. É o fim da picada...

As praias, coitadas, localizadas nos grandes centros urbanos oferecem um espetáculo digno do Homem da Pedra, que agora, pelo visto, virou o Homem do Plástico. É garrafa e embalagens de plásticos por todos os lados, formando um círculo vicioso em proporção geométrica: os banhistas sujam, não existem lixeiras nas praias e nos parques e os administradores públicos não gerenciam a retirada do lixo. Um caos. O fim do caminho...

O ser humano tem que ter consciência de que quando ele compra um produto, esse produto lhe pertence. Para o bem e para o mau. O carro vai ajudá-lo a ir e vir, mas se não respeitar o novo Código de Trânsito, pronto, as multas também vão chegar. Ao comprar um guaraná, ele poderá deliciar-se do refrigerante, mas a embalagem é de sua responsabilidade. Virou lixo. E o lixo também lhe pertence. Assim, se cada um se responsabilizar pelo seu lixo, já não será mais o fim do caminho. Será um bom início.

Nada mais democrático do que uma praia: lá se relacionam, longe das grifes e da alta costura, o rico e o pobre, o negro e o branco, o católico e o budista. Em qualquer país. Nos reinos, nos impérios, nos socialistas e nos capitalistas. A praia é uma praça pública, onde as pessoas vão despojadas da moda. Aliás, a moda é justamente a pessoa ficar cada vez mais nua. A praia proporciona uma convivência natural, democrática. A praia iguala as pessoas. Aliás, um motivo a mais para respeitá-la, não é?

Veja só este dado: neste verão carioca os banhistas deixaram diariamente nas praias - do Leme à Barra da Tijuca - cerca de 85 toneladas de lixo. Todo o dia foram 85 mil quilos de plásticos, vidros e latinhas. Uma catástrofe ambiental provocada pelo comportamento humano. É o fim da picada...

Se o homem tem sua culpa porque suja e os governos (federal, estadual e municipal) têm sua culpa porque não promovem uma limpeza eficiente, as indústrias também têm culpa no cartório: veja o exemplo das embalagens de plástico descartáveis para refrigerantes, as chamadas “Pet”, que em nome do lucro puro e simples se esqueceu a qualidade ambiental. Antigamente era muito normal a “troca de casco” e proporcionava um reaproveitamento perfeito das embalagens. Chegou a “Pet” - que trouxe comodidade, agilidade e lucro. Mas estas vantagens foram pequenas em vista das terríveis desvantagens que elas provocaram: o lixão do plástico. As embalagens “Pets” foram para os terreiros, para os rios, para os canais e para as galerias fluviais. Resultado: quando elas não estão boiando no mar, nos rios e nos lagos, estão nos bueiros aumentando as inundações e desabamentos.

É hora de dar um basta! Aqueles que curtem a natureza, que buscam as praias, as cachoeiras, as grutas, os rios e os parques para um momento de lazer precisam se despertar para a gravidade do problema. Precisam dar o exemplo e pedir explicitamente aos freqüentadores que eles também respeitem. Não é fácil. Evidente que as questões de meio ambiente envolvem respeito à natureza. E como conseguir levar estas idéias aos humanos que não respeitam nem mesmo os seres da mesma espécie? É ou não é o fim do caminho!

Tom, você que sempre foi maior, e que agora está MAIOR ainda, nos ajude a estancar essas Lágrimas de Março... Nenhum outro país tem a riqueza natural e a exuberância do Brasil. São 4 milhões de km2 de paraísos ecológicos. Uma verdadeira nação verde que seria a sétima do mundo em extensão. Ela precisa ser respeitada e amada. Senão, amigos, não tem jeito, será mesmo o fim da picada...