Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

Johan Dalgas Frisch

Silvestre Gorgulho

Era uma vez um menino que vivia de sonhar.
Ele tinha o gen do sonho na alma.
Seu bisavô, Enrico Mylius Dalgas, foi um sonhador: plantou todas as florestas da Dinamarca.
Seu pai, Svend, foi outro sonhador: desenhou todas espécies de aves brasileiras.
E ele, aos cinco anos de idade, aprendeu a sonhar: assobiava os cantos das aves que viviam no jardim de sua casa.

Seus sonhos sempre tinham floresta no meio.
Ele sonhava com o zumbido do vento, com o tilintar das folhas secas que caíam, com o som das cachoeiras e com a beleza das aves.
Cresceu sonhando com a natureza.
De tanto sonhar, aprendeu que cada floresta tinha um som diferente, porque tinha ruídos diferentes, porque tinha cantos diferentes e porque tinha vida diferente.

Aí resolveu cair na realidade e conhecer todas as florestas brasileiras. Uma a uma.
Visitou a Mata Atlântica, os Campos do Sul, a Caatinga, o Cerrado, o Pantanal e a Floresta Amazônica.
Quanto mais se embrenhava na floresta, mais sonhos ele tinha.
Sonhos que viraram paixão.
Aí sua alma se mudou para os campos e ele se apaixonou de vez pelos pássaros, os habitantes mais alegres e mais charmosos das florestas.

Era uma vez um menino que sonhou a vida inteira e aos 75 ainda não acordou.
Ainda sonha que os homens façam pelas aves, o que fazem por si próprios.
Sonha que as cidades respeitem mais estas jóias da natureza dando-lhes maior proteção, comer e beber.
Sonha, ainda, em viver eternamente apaixonado e que esta paixão escorra das páginas deste novo livro para dentro dos olhos, das mãos e da alma de cada um dos habitantes desta bendita Terra que possui a maior biodiversidade do mundo.

Johan Dalgas Frisch deixa na sua história de menino-passarinho muitas mensagens.
A melhor delas: vida sem paixão é vida que se vai como a folha seca de uma árvore que cai. Vida com paixão é vida que se vive intensamente, prazerosamente e que deixa um rastro de luz para iluminar eternamente nossas pegadas.

Era uma vez um menino que vivia de sonhar e seus sonhos tinham sempre floresta, paixão e o cantar fantástico, doce e melodioso das Aves Brasileiras.