Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

Manoel De Barros

Silvestre Gorgulhos

Manoel Wenceslau Leite de Barros é igualzinho ao Tuiuiú: pantaneiro por excelência. Nasceu em Cuiabá, viveu muito tempo em Corumbá e mora em Campo Grande-MS. Em dezembro completa 93 anos. Aos 18 anos, quase foi preso por ter pichado “Viva o comunismo” num monumento. O policial o liberou ao ver seus escritos: "Nossa Senhora de Minha Escuridão”. Ganhou a liberdade, mas perdeu os originais de seu primeiro livro de sonetos.
Manoel de Barros é um pesquisador de expressões. Faz magias com as palavras. Seu regionalismo é global. Nascem da natureza pantaneira e do cotidiano para ser universal. É ele próprio que diz: “A evolução para a linguagem enxuta é a evolução para o absoluto. Meus escritores favoritos são aqueles que se encaram como seres de linguagem. O Dalton, o Machado, o Guimarães Rosa, o Gregório de Matos, o João Cabral, o Augusto dos Anjos, o Pessoa, a Clarice Lispector.”
Seu primeiro livro foi publicado no Rio de Janeiro, há mais de sessenta anos, e se chamou "Poemas concebidos sem pecado". Foi feito artesanalmente por 20 amigos, numa tiragem de 20 exemplares e mais um, que ficou com ele. Hoje tem uma entidade, a Fundação Manoel de Barros que nasceu com a missão de promover e apoiar cultura e assistência social com ações nas áreas pesquisas e da ciência, da tecnologia e da arte, visando o desenvolvimento da qualidade de vida de toda a sociedade. (www.fmb.org.br)

FRASES DE MANOEL DE BARROS

"Noventa por cento do que escrevo é invenção. Só dez por cento é mentira".

“Onde eu não estou, as palavras me acham.”

“O ínfimo tem sua grandeza e ela me encanta. Gosto muito das coisas desimportantes, como os insetos. Não só das coisas, mas também dos homens desimportantes, que eu chamo de desheróis".

"No Pantanal não se pode passar a régua. A
régua impõe limites e o Pantanal não tem
limites. Tem uma estrutura aquática que não
permite que ele seja modificado.”

“O estilo é coisa quase genética. Todo escritor surge de uma doença. Quanto mais um escritor é atingido pela anormalidade, mais seu
estilo aparece.

“Eu gozo com as palavras. Meu gozo é no fazer. É no fazer o verso que o poeta goza. Eu tenho isso: todo verso meu, eu gozei nele. Não escrevo muito porque eu demoro muito para gozar. Eu trabalho muito em cima das palavras, bolino muito as palavras, acaricio”.

Gratuidade das aves e dos lírios

“Sempre que as gratuidades pousam em
minhas palavras, elas são abençoadas por pássaros e por lírios.

Os pássaros conduzem os homens
para o azul,para as águas,
para as árvores e para o amor.

Ser escolhido por um pássaro para ser a
árvore dele: eis o orgulho de uma árvore.

Ser ferido de silêncio pelo vôo dos
pássaros: eis o esplendor do silêncio.

Ser escolhido pelas garças para ser o rio delas: eis a vaidade dos rios.”
(...)
Ah, que estas palavras gratuitas possam agora servir de abrigo para todos os
pássaros do Brasil.

ÁRVORE
Um passarinho pediu a meu irmão
para ser sua árvore.
Meu irmão aceitou de ser a árvore
daquele passarinho.
No estágio de ser essa árvore,
meu irmão aprendeu de sol, de céu e
de lua mais do que na escola.
No estágio de ser árvore, meu irmão aprendeu para santo mais do que os padres lhes ensinavam no internato.
(...)