Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

Manuel Bandeira

Manuel_bandeira.jpg

Bom remador - O poeta Manuel Bandeira, no Lago de São Lourenço, quando fazia estação de água naquela Estância hidromineral por recomendação médica. Ano: 1938.

 

Silvestre Gorgulho

MANUEL Carneiro de Sousa BANDEIRA Filho nasceu em Recife, em 19/04/1886 e faleceu no Rio, em 13/10/1968. Manuel Bandeira é mais conhecido como poeta, mas foi importante crítico literário e de arte, professor de literatura e tradutor. Como poeta, Bandeira é um dos poetas brasileiros mais admirados, inspirando, até hoje, novos escritores e compositores.
De estilo sóbrio, simples e direto, Manuel Bandeira foi o mais lírico dos poetas. Aborda temáticas cotidianas e universais, às vezes com uma abordagem de "poema-piada", lidando com formas e inspiração que a tradição acadêmica considera vulgares. Mesmo assim, conhecedor da Literatura, utilizou-se, em temas cotidianos, de formas colhidas nas tradições clássicas e medievais.

Minha Grande Ternura

Minha grande ternura
Pelos passarinhos mortos,
Pelas pequeninas aranhas.

Minha grande ternura
Pelas mulheres que foram meninas bonitas
E ficaram mulheres feias;
Pelas mulheres que foram desejáveis
E deixaram de o ser;
Pelas mulheres que me amaram
E que eu não pude amar.

Minha grande ternura
Pelos poemas que
Não consegui realizar.

Minha grande ternura
Pelas amadas que
Envelheceram sem maldade.

Minha grande ternura
Pelas gotas de orvalho que
São o único enfeite
De um túmulo.

 

O Barco Sonhador do poeta Manuel Bandeira

navegou pelas do Lago de São Lourenço-MG 

Não sou barqueiro de vela,
mas sou um bom remador
No lago de São Lourenço
Dei prova de meu valor.

 

Remando contra a corrente
Ligeiro como a favor
contra a neblina enganosa
Contra o vento zumbidor.

 

Sou nortista destemido

Não gaúcho roncador

No Lago de São Lourenço

Dei prova de meu valor.

 

 Uma só coisa faltava
No meu barco sonhador
Ver assentado na popa
O vulto do meu amor.

Aí era bom demais...
- Sorriso claro dos anjos

Graça de Nosso Senhor!  

 

 

 

silvestre@gorgulho.com