Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

Fábio Colombini

Silvestre Gorgulho

Fábio Colombini tem freqüentado as páginas da Folha do Meio muitas vezes. Profissional respeitado, ele busca a imagem perfeita. Pela primeira vez, foi quando garimpou uma outra floresta Amazônica debaixo da floresta Amazônica e escancarou com suas fotos a beleza da vida nos detalhes da biodiversidade. No livro “Natureza Brasileira em Detalhe” que publicou com outro perfeccionista da natureza, Evaristo Eduardo de Miranda, Colombini mostra os mistérios e a sedução da macrofotografia. Aos 45 anos, formado em Arquitetura pela USP e cursando Publicidade e Propaganda, Fábio Colombini – premiadíssimo - tem seus trabalhos publicados em mais de 2.600 livros, 110 calendários de grandes empresas e inúmeras revistas. Membro da Afnatura – Associação de Fotógrafos de Natureza, Colombini lança agora em novembro o livro Fotografia de Natureza Brasileira, um guia prático para todos aqueles que se interessam pela fotografia de natureza. Tem o objetivo de incentivar novos talentos profissionais e amadores. Com 180 páginas, o livro destaca a importância da fotografia ambiental enquanto instrumento de educação, preservação e conscientização.

E N T R E V I S T A - Fábio Colombini

Folha do Meio - Como surgiu este novo livro?
Colombini - Tempo para nascer e tempo para morrer. Tempo para plantar e tempo para colher. Tempo para calar e tempo para falar. Como nos diz o Eclesiastes, há tempo para tudo. Nesses quase 30 anos que lido com fotografia de natureza, dos quais 22 profissionalmente, tive várias solicitações para palestras, workshops, aulas em faculdades, mas sempre priorizei as viagens e produções fotográficas. Agora, recebi o convite da Editora Photos para colocar minha experiência num livro. Pensei no tempo de aprender e no tempo de ensinar. E assim surgiu essa obra, escrita em muitos estados do Brasil, hotéis, aeroportos, aviões, ao longo da produção fotográfica do livro Jardins Botânicos do Brasil, a ser lançado ainda esse ano pela Editora Metalivros.

FMA - Não tem livros de natureza o bastante...
Colombini - Não! E faltava no mercado um livro que falasse da fotografia de natureza brasileira escrito por um brasileiro, abordando as particularidades, virtudes e dificuldades de nossos ecossistemas. É contraditório imaginar um país tão grande como o nosso, detentor de megabiodiversidade, num momento histórico crítico para o meio ambiente, que haja poucos fotógrafos dedicados a essa área.

FMA - Como é a vida de um fotógrafo no Brasil?
Colombini - O fotógrafo brasileiro de natureza tem sido um idealista. Levado pelo amor ao meio ambiente, abraça causas ecológicas, enfrenta muitas dificuldades e obstáculos para exercer sua profissão e se manter financeiramente. Nossa atividade costuma ser pouco reconhecida frente a tantos benefícios que traz ao país, como conhecimento científico, educação ambiental, incremento do turismo, instrumento para conservação e denúncia, expressão artística, terapia para equilíbrio emocional. Enfrentamos adversidades do tempo, doenças tropicais, desconfortos, estradas ruins, caros equipamentos. Pior: e ainda hoje barreiras para fotografar em unidades de conservação - motivos pelos quais foi criada neste ano a AFNATURA, uma união da categoria em prol da atividade fotográfica.

FMA - Como é o livro?
Colombini - O livro procura abordar muitas questões relativas à fotografia de natureza, de ordem prática e teórica, para fomentar uma postura ética, uma visão diferenciada, uma atitude profissional. Nele são enfocados aspectos técnicos como equipamentos, acessórios, luz, abordagem de animais, características dos ecossistemas, dicas para iniciar na profissão, assim como questões de beleza e sensibilidade.

FMA - É um livro definitivo sobre o tema?
Colombini - Certamente não tenho a pretensão de esgotar o assunto, mas sim abrir caminho para novas e necessárias obras que meus colegas fotógrafos produzirão. Destaco que não é uma referência apenas para os fotógrafos que desejam seguir a especialidade de natureza, mas para todos que de forma amadora querem obter melhores resultados em suas fotografias. Sinto-me agraciado por ter participado de tantos projetos fotográficos de natureza. Próximo de lançar este guia no dia em que completo 45 anos, concluí que tenho responsabilidade de ensinar, mas que preciso continuar a aprender ...

"Sinto-me agraciado por ter participado de tantos projetos fotográficos de natureza. Ao completar 45 anos, concluí que tenho responsabilidade de ensinar. Mas preciso continuar a aprender..."

Editora Photos - www.fabiocolombini.com.br

Vista do Morro do Pai Inacio
 Chapada Diamantina - Lençois-BA

 

 

Parque Estadual Carlos Botelho (São Miguel Aracanjo-SP)

Besouro Chrysomelidade sobre flor de manacá-da-serra na Mata Atlântica

Ninhal do Rio Vermelho - Passo do Lontra-MS - Pantanal

 Jacaré-do-pantanal entre alfaces-dágua- Miranda-MS - Pantanal

Suçuarana espreguiça no
Zoológico de Brasília-DF