Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

Miguel Von Behr

Silvestre Gorgulho, de Brasília

Jalapão - O Sertão das Águas será lançado no dia 11 de maio, em Brasília, no restaurante Carpe Diem, da 104 Sul. O livro tem 230 páginas e será vendido a R$ 80,00

A exuberância dos ecossistemas brasileiros sempre encantaram biólogos, fotógrafos, pesquisadores e jornalistas - estrangeiros e brasileiros - e há vários séculos frequenta grandes publicações nacionais e internacionais. Cada uma com sua característica. De Carl Friedrich von Martius, passando por Saint Hilaire, Langsdorff, Arne Sucksdorff até os contemporâneos como Miguel von Behr que lança, no próximo dia 11 de maio, em Brasília, seu novo livro: Jalapão - o Sertão das Águas. Miguel von Behr é arquiteto, fotógrafo e ambientalista. Funcionário do Ibama, von Behr trabalha com a criação e implantação de unidades de conservação, planejamento urbano e corredores ecológicos, e é autor do selo editorial Série Ecossistemas Brasileiros História, Cultura e Natureza. Seus trabalhos (Guarakessaba - Chapada dos Veadeiros, o Berço das Águas do Novo Milênio - a Serra da Bodoquena - e, agora, O Jalapão - Sertão das Águas) mostram o que ocorre - ou ocorreu - em termos históricos e culturais ao redor das unidades de conservação e contribuem para inseri-las na realidade regional. Seus livros apresentam cada ecossistema de uma forma global, fortalecendo a identidade e a relação homem-natureza. O Jalapão está no extremo leste do Tocantins e concentra uma das maiores extensões dos 20% de Cerrado brasileiro ainda conservados. É área pouco pesquisada, importante por estar na transição com a Caatinga e prioritária para a conservação da flora, da fauna, dos recursos hídrico e do patrimônio espeleológico do bioma.

Miguel von Behr é arquiteto, fotógrafo e ambientalista.Seus livros têm uma forma holística de abordagem

Como surgiu a série Ecossistemas Brasileiros?
Miguel von Behr -
Essa série foi resultado de uma séria experiência profissional de mais de 20 anos como ambientalista, fotógrafo e arquiteto. Como ambientalista eu pude entender melhor essa teia que envolve as relações de vida entre os recursos minerais, a flora, a fauna e nós homens sobre a Terra. Como fotógrafo eu pude registrar e eternizar imagens fantásticas desta relação. E como arquiteto eu pude entender a harmonia, a orquestração e a dinâmica das forças, das belezas e dos mistérios da natureza.
Evidente que para fazer essa Série Ecossistemas Brasileiros eu tive o apoio do Ibama, do Ministério do Meio Ambiente, de governos estaduais e de alguns parceiros da iniciativa privada, aproveitando as leis estaduais e federal de incentivo à cultura.

O que acho importante nas suas publicações é a forma holística de sua abordagem, ou seja, natureza, cultura, povo, processo histórico de ocupação humana. Como nasceu esta sua preocupação?
Miguel -
Olha, eu sou um apaixonado pela natureza e gosto de enxerga-la com olhos de ambientalista, de antropólogo, de fotógrafo, de arquiteto, de historiador e até de espiritualista.
Não dá para fotografar e registrar a beleza e a importância de um sítio histórico ou de uma natureza exuberante sem entender em que contexto aquele sítio está inserido na vida do homem e daquela região no passado, no presente e no futuro.
Na verdade eu gosto de fazer um trabalho para sociedade como um todo, para comunidade local, para os turistas, para os formadores de opinião, para os formuladores de políticas públicas e para os tomadores de decisão. Por quê? Para que todos sintam a responsabilidade que têm no sentido de preservar e de contribuir para que a região se desenvolva dentro de um ritmo sustentável e de uma forma que as atuais e futuras gerações se beneficiem daquelas riquezas e belezas.

Quais foram os títulos já publicados e quais os próximos livros?
Miguel -
Foram vários. Guarakessaba, uma fantástica reserva de Mata Atlântica do Paraná. Chapada dos Veadeiros, uma das regiões mais lindas de Goiás, berço das águas do novo milênio; e a Serra da Bodoquena, outra região lindíssima de Mato Grosso do Sul. Agora sai este livro sobre o Jalapão, uma das três áreas prioritárias para conservação da biodiversidade do bioma Cerrado, que já perdeu um pouco mais da metade da sua cobertura vegetal original. Quanto aos próximos, duas obras estão na reta final: Costa dos Corais, em Pernambuco e Alagoas, e Arquipélago do Marajó, no Pará, além de já ter finalizado fotos e texto sobre o Lago da Serra da Mesa, em Goiás.

Por que um livro sobre o Jalapão?
Miguel -
Porque não existe uma obra com registros fotográficos que englobe os ricos aspectos históricos, culturais e naturais do Jalapão. Ou seja, um livro que literalmente apresente a região de uma forma global para a sociedade. O livro é proposto também para que possamos despertar a atenção da sociedade para o desenvolvimento sustentável da região, por meio de uma comunicação de qualidade, contribuindo para fortalecer a política de turismo regional, integrando as três linhas temáticas mais exploradas pelo turismo: histórico, cultural e natural.

Qual a importância do Jalapão para a conservação do Cerrado?
Miguel -
Porque o Jalapão é uma área semidesértica, formada por enormes áreas de rochas areníticas, mas cheia de pequenos rios que nunca secam. A erosão provocada pela chuva e pelo vento na serra do Espírito Santo formam as dunas, uma das principais atração turística do Jalapão, além das dezenas de cachoeiras.

Quais os resultados da Expedição Científica do Ibama ao Jalapão que você chefiou em 2001?
Miguel
- O principal resultado foi a imediata criação da Estação Ecológica da Serra Geral do Tocantins, a maior unidade de conservação do Cerrado criada na época, com 712 mil hectares, maior que o Líbano. Outro resultado, apesar do pouco tempo disponível, foi a avaliação dos aspectos ambientais como botânica, fauna, espeleologia e antropologia, mostrando a presença de espécies raras, endêmicas e em processo de extinção.
A presença, por exemplo, do tatu-bola. Além de ser uma indicação da influência do bioma de Caatinga é de relevante importância por ser uma espécie ameaçada de extinção.
O relatório produzido divulgou os resultados utilizados hoje pelas escolas da região, no desenvolvimento de projetos regionais, corredores ecológicos do Cerrado e gestão biorregional do Jalapão.

Houve outras expedições científicas ao Jalapão?
Miguel -
Houve várias outras e muito importantes. No século retrasado e passado houve a expedição dos ingleses George Gardner e James Wells. Teve também a do alemão Guilherme Dodt, no século 19, e dos brasileiros Agenor Augusto de Miranda, dr. Júlio Paternostro e Gilvando Simas Pereira no século passado. Todas elas deixaram interessantes e importantes relatos sobre a realidade cultural e ambiental da época em que foram realizadas.

Por que “Sertão das Águas"?
Miguel -
Porque a região é de águas emendadas, pois possui nascentes de afluentes de rios de três grande bacias hidrográficas brasileiras: Tocantins, São Francisco e Parnaíba.
A Chapada das Mangabeiras é o maciço central de onde partem águas para essas três bacias, formando-se na região um enorme lençol d'água subterrâneo e um imenso manancial hídrico de rios e córregos permanentes, favorecendo ainda mais a biodiversidade.
Devido a grande quantidade areia, a água passa facilmente entre os poros dos terrenos, impedindo a sua concentração na superfície. A aridez da paisagem esconde uma enorme quantidade de água, dando vida à região. Por isso, "Sertão das Águas".

Naturatins divulga portaria de proteção ao capim dourado

O presidente do Naturatins, Isac Braz da Cunha, assinou portaria que ordenou a coleta e manejo do capim dourado. A portaria 005 proíbe a coleta de capim dourado (Shyngonanthus nitens) nos municípios de São Félix do Tocantins, Mateiros e Ponte Alta do Tocantins, em virtude da pressão sobre a espécie, devido ao elevado interesse pelo artesanato.

A coleta poderá ser feita somente pelos credenciados nas associações Capim Dourado do Povoado de Mumbuca, Comunitária de Artesãs e Pequenos Produtores de Mateiros, Comunitária dos Extrativistas, Artesãos e Pequenos produtores do Povoado do Prata e a Associação Esperança dos extrativistas e Pequenos Produtores da Fazenda Nova.

A proibição para coletores não credenciados é por tempo indeterminado. Já, entre os autorizados será feita de forma seletiva, deixando-se exemplares intocados.

Quais as medidas tomadas para ordenar o turismo no Jalapão?
Miguel -
Em primeiro lugar é bom dizer que é possível tirar proveito do turismo, por sinal a única atividade econômica que cresceu no Jalapão nos últimos anos.
O turismo ajudou a gerar riqueza, empregos e a distribuir lucros. As visitas se transformaram também numa experiência de educação ambiental para os turistas.
A principal medida foi a criação de unidades de conservação pelo governo do Tocantins e pelo Ibama, formando o maior mosaico de diferentes áreas protegidas do Cerrado brasileiro, com mais de 1,5 milhão de hectares, atualmente em processo de implantação.
Relacionado com turismo está o conhecido capim dourado, uma das razões para os turistas se dirigirem à região e conhecer este artesanato que já é admirado internacionalmente. Atualmente há controle sobre o corte do capim. (ver boxe abaixo).

Mais um trabalho concluído. Qual a melhor lembrança?
Miguel -
É saber que existe a esperança de utilizar a fotografia como meio de elevar a auto-estima do homem, construindo uma ponte de identidade entre o passado, o presente e o futuro. É bom saber que este esforço vai interferir positivamente na vida das pessoas e ajuda a preservar a memória do Jalapão. Tudo isso contribui para despertar uma reflexão de como compatibilizar a tão necessária conservação da biodiversidade com o também tão necessário desenvolvimento.

silvestre@gorgulho.com