Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

A revitalização do Parque do Itatiaia

itatiaia_01.jpg

Abaixo, a Pedra da Tartaruga, na parte alta do Parque do Itatiaia, e a vegetação característica de Mata Atlântica na parte baixa do Parque

Foto: Marcos Sá Correa

 

Silvestre Gorgulho, de Brasília
O Ministério do Meio Ambiente resolveu agir e revitalizar a primeira unidade de conservação criada no Brasil: o Parque Nacional do Itatiaia, localizado na serra da Mantiqueira, divisa do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. A ministra Marina Silva lançou, dia 12 de abril, na sede do Parque, várias ações elaboradas pela Diretoria de Áreas Protegidas do MMA, marcando o início das comemorações pelos 70 anos do Itatiaia. Foi assinada uma portaria com as Diretrizes para Visitação em Unidades de Conservação e um compromisso de programa de reformas para o Parque.

Criado em junho de 1937 pelo então presidente Getúlio Vargas, o Parque Nacional do Itatiaia foi a primeira unidade de conservação criada no Brasil. Abrange uma área de cerca de 30 mil hectares, que guarda centenas de nascentes, formações rochosas (como o pico das Agulhas Negras), além de uma importante reserva de Mata Atlântica, refúgio para uma rica fauna, incluindo o sapo flamenguinho (Melanophryniscus moreirae), espécie que só existe na região.

 

Jefferson Rudy

Marina Silva anunciou no Parque do Itatiaia o programa de uso público dos parques nacionais

Pelo documento assinado pela ministra, o MMA propõe o desenvolvimento do turismo nessas áreas de forma compatível com um dos principais objetivos do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (Snuc): a preservação da biodiversidade. Segundo Marina Silva, o governo entende que a atividade, cuja demanda vem crescendo a cada ano, pode gerar recursos para a conservação da natureza nas UCs e ainda potencializar o uso sustentável dos serviços vinculados aos ecossistemas.

Os recursos para as obras são provenientes de compensações ambientais. No pacote de obras, a ministra assinou termo de compromisso com a empresa Novatrans no valor de R$ 3 milhões e Furnas, no valor de R$ 500 mil. Os recursos vão ser aplicados na ampliação do centro de visitantes, que possui uma biblioteca com obras raras, auditório para 50 pessoas, um museu para abrigar dezenas de espécies empalhadas da Mata Atlântica, e também na reforma de trilhas e estradas e nova sinalização.

Durante a solenidade, a ministra Marina Silva fez o pré-lançamento do Programa Nacional de Estruturação de Uso Público em Parques Nacionais, com ações para expandir a visitação de turistas brasileiros e estrangeiros aos parques nacionais.

A idéia - explicou a ministra Marina - é conceder à iniciativa privada licença para investir e explorar o potencial turístico desses parques. O Parque Nacional do Itatiaia, da Tijuca e da Serra dos Órgãos (RJ), o Parque Nacional do Iguaçu (PR), Abrolhos (BA), além do Arquipélago de Fernando de Noronha serão as primeiras unidades beneficiadas. A ministra também anunciou a mais nova Unidade de Conservação criada pelo governo federal, em fevereiro deste ano: a Estação Ecológica Guanabara.

A área de proteção integral de uso sustentável vai proteger os últimos remanescentes do manguezal no estado do Rio de Janeiro, além de permitir o repovoamento das espécies de peixes.

Nas belas terras do Visconde
As atrações da Mantiqueira: a parte alta e a parte baixa do Parque Nacional do Itatiaia

Silvestre Gorgulho
Visconde de Mauá é hoje um belo e pequeno município encravado na serra da Mantiqueira, com charmosíssimas pousadas, que faz divisa com o município mineiro de Aiuruoca, do outro lado do espinhaço. Visconde de Mauá foi o que sobrou em nome e sobrenome de todas as terras do empresário Irineu Evangelista de Souza, o Visconde de Mauá. Foi seu filho, Henrique Irineu de Souza, que instalou os dois núcleos coloniais: Visconde de Mauá e Itatiaia. Em 1908, a Fazenda Nacional adquiriu essas terras para a criação dos núcleos. De um lado e de outro, a serra da Mantiqueira é exuberante em atrações naturais. É um dos mais importantes maciços montanhosos do País que se espalha pelas divisas de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Sua linha de cumes começa no de Bragança Paulista seguindo na direção norte-nordeste por uns 500km, até a cidade mineira de Barbacena. Nesse contexto geológico, a Mantiqueira forma picos, vales, planaltos e uma paisagem de encher os olhos. O nome Mantiqueira vem do tupi-guarani e se justifica pela grande quantidade de nascentes, riachos, cachoeiras e lagos que se formam em suas encostas: é a "Serra que chora". Já Itatiaia, também vem do tupi-guarani e significa "Pedra com pontas".

Entre 1908 e 1916, foi instalado na região do Parque Nacional do Itatiaia um programa de fixação de europeus, chamado de Serviço de Povoamento do Solo Nacional. Ocuparam os núcleos coloniais imigrantes suíços, alemães, austríacos e ibéricos. Como o empreendimento não foi bem, as terras foram para o Ministério da Agricultura que, em 1929, criou uma Estação Biológica subordinada ao Jardim Botânico do Rio de Janeiro.
Desde 1913, já havia uma idéia do botânico Alberto Lofgren de transformar as terras em Parque Nacional. Ainda neste ano, José Umbmayer advogou essa causa, através de uma conferência realizada na Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro, que contou com apoio e simpatia de Derby Lofgren e o Barão Homem de Melo. Mas somente em 1937, o então presidente Getúlio Vargas criou o primeiro Parque Nacional do Brasil - o Parque do Itatiaia.

Ecoturismo
Toda a região da Mantiqueira, em São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro é muito procurada pelos ecoturistas, que buscam desfrutar de um clima europeu, paisagens deslumbrantes, pousadas de charme, culinária típica e opções de passeios em trilha, canoagem, rapel e banhos de cachoeira. Em Minas, criou-se - além da APA da Mantiqueira - um conceito turístico de Terras Altas da Mantiqueira, que engloba nove municípios chaves: Itamonte, Passa Quatro, Itanhandu, Virgínia, Alagoa, Pouso Alto, São Sebastião do rio Verde, Delfim Moreira e Marmelópolis.

Atrações na parte baixa do Parque

Lago Azul
Essa atração é uma piscina natural do rio Campo Belo e fica bem próxima do centro de visitantes. A trilha é bem acessível, mas há uma escadaria com aproximadamente 120 degraus.

Cachoeira Poranga
Partindo do centro de visitantes, a cachoeira Poranga fica a 2,5 km subindo a partir do Centro de Visitantes. Uns 450 metros depois têm outra piscina natural que cai pelo rio Campo Belo.
Devido o acesso difícil, tanto das trilhas como das atrações, os visitantes devem ter alguma experiência, mesmo assim devem tomar muito cuidado.

Maromba
A 4km do centro de visitantes está o complexo do rio Maromba, onde podem ser encontrados uma piscina natural de Maromba (1.110 metros de altitude) a cachoeira de Itaporani e a famosa cachoeira Véu de Noiva.
Segundo orientação do próprio diretor do Parque do Itatiaia, Walter Behr, os Três Picos é um outro atrativo a que se pode ter acesso. Mas leva um dia de caminhada, numa trilha íngreme de 6 km por dentro da Mata Atlântica. O lugar é especial e oferece uma boa visão do vale do Rio Paraíba, do Parque e dos contrafortes da Serra da Mantiqueira e da Serra do Mar. Todos esses acessos para ser mais seguro devem ser feitos na companhia de um guia local.
Na parte baixa ainda pode ser visitada a Pedra de Fundação, que está à beira da estrada, em frente ao portão de acesso à Sede do Parque. E também o Mirante do Último Adeus. Local com uma vista panorâmica e privilegiada do Parque, do Vale do rio Campo Belo e da Serra do Mar.
O diretor Walter Behr ressalta que em épocas de chuva sempre há que ter mais cuidado devido as chamadas de cabeças d’água, que é um fenômeno decorrente do acúmulo de água na cabeceira do rio, provocando uma enchente repentina.

Atrações na parte alta do Parque

O acesso à parte alta se dá pela via Dutra (Rio-São Paulo) entrando em Engenheiro Passos, tomando a rodovia para São Lourenço e Caxambu. Na divisa com Minas Gerais, na chamada Garganta do Registro, tem início a estrada de terra de 13km que chega à entrada do Parque.
Lá em cima, a 2.400 metros de altitude nasce o rio Campo Belo, que percorre 38 km pelo Parque e abastece a cidade de Itatiaia. É ele o principal responsável pelo equilíbrio da fauna, flora e forma a maior parte das belezas naturais do Parque.

Pico das Agulhas Negras e Maciço das Prateleiras
Na Parte Alta também encontramos o Pico das Agulhas Negras (2.791 metros de altitude) e o Maciço das Prateleiras (2.548 metros de altitude). Quando o tempo está limpo, que é difícil por causa da neblina e das nuvens, pode-se avistar todo o vale do rio Paraíba. À noite, pelos focos de iluminação, pode-se um grande número de cidades.
Próximo às Prateleiras - formada por imponentes blocos de rochas - existem diversos lagos e curiosas formações rochosas como a Pedra da Tartaruga, a Pedra da Maçã e a Pedra Assentada.

Vale do Aiuruoca e Pedra do Altar
Vale ressaltar a importância de ter um guia experiente para evitar contratempos na visita, inclusive o risco de se perder. Do lado oeste da Serra da Mantiqueira, ou seja, do lago de Minas Gerais está o vale do Aiuruoca, com muitas nascentes, formações rochosas, cachoeiras e lagos.
Outra atração muito visitada é a Pedra do Altar, a 2.530 metros de altitude, que tem um difícil grau de acesso.