Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

Parque Estadual do Rio Preto

A imponência da Cachoeira do Crioulo, no Parque Estadual do Rio Preto, que teve seu plano de manejo apresentado ao Conselho Administrativo do Instituto Estadual de Floresta de Minas Gerais, no dia 13 de setembro. Agora só falta a publicação no Diário Oficial para o plano de manejo começar a ser implantado. O plano de manejo é fundamental para o gerenciamento de uma unidade de conservação. Ele apresenta um conjunto de estratégias para a preservação da biodiversidade e a melhor utilização da unidade para uso público e científico. Pelo plano, pode ser oferecida à população local uma nova alternativa econômica para a viabilização do ecoturismo no parque e em seu entorno.

Outubro de 2004

Por Silvestre Gorgulho

As montanhas de Minas são grandioloquentes. Falam por si. Contam histórias e estórias. Delas se ouvem ecos libertários da Pátria que consagraram a mineiridade como estado de espírito e se ouvem acordes da vasta tradição e da consagrada prudência das Gerais. Mas as montanhas de Minas guardam também um outro tesouro: a fantástica biodiversidade de flora, fauna, nascentes e belezas deslumbrantes. Fora os muitos parques municipais, as reservas ecológicas, Minas tem também incrustados em suas montanhas grandes parques nacionais, como da Serra do Cipó, da Serra da Canastra, da Serra do Caparaó, Cavernas do Peruaçu e Grande Sertão Veredas. Mas tem, também, pelas escarpas de suas montanhas onze parques estaduais: Serra do Rola Moça, Serra do Brigadeiro, Serra Negra, Itacolomi, Biribiri, Itambé, Sete Salões, Parque do Rio Doce, do Ibitipoca, da Nova Baden e o Parque Estadual do Rio Preto. Todas estas unidades de conservação existem para proteger os recursos naturais e culturais da área e proporcionar oportunidades para visitação pública, lazer, pesquisa e educação ambiental. Nessa edição vamos conhecer o Parque Estadual do Rio Preto, próximo à Diamantina. Incluído no roteiro da Estrada Real, o parque acaba de receber a visita do ministro Walfrido dos Mares Guia, do Turismo, e do Secretário do Meio Ambiente de Minas, José Carlos Carvalho, que anunciou o plano de manejo para o Parque do Rio Preto

Poço da Areia, no rio Preto

Pintura rupestre vista na entrada principal da gruta

Pedra da Carranca, abaixo da cachoeira do Crioulo

Forquilha, onde o córrego das Éguas e o córrego da Embira encontram o Rio Preto

As pinturas rupestres comprovam: há alguns milhares de anos a região seduz os que a visitam. Não foi diferente com Saint-Hilaire, no século 19, que cita as povoações de rio Manso e rio Preto em seu relato sobre a visita às Forjas do Bonfim, por volta de 1820.

O zoólogo Johans Baptist von Spix e o botânico Carl Friedrich Philipp von Martius também passaram pela região. Os dois cientistas europeus vieram ao Brasil na comitiva da princesa Leopoldina, que veio para casar-se com o futuro Imperador Pedro I. De 1817 a 1820, saindo do Rio de Janeiro e atravessando a Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga e Amazônia, Spix e Martius foram até Belém do Pará. Na região do Parque do rio Preto, eles deixaram os limites do distrito diamantino pelo registro de rio Manso.

A mudança do nome para Couto de Magalhães de Minas e a reforma que descaracterizou sua antiga capela deixam claro aos que passam pela rodovia sua ruptura com o passado. Ao contrário, a vizinha Rio Preto retomou sua antiga denominação e, determinada a preservar suas riquezas naturais, descobre a alternativa do turismo. O grande atrativo é o Parque Estadual do Rio Preto. A serraria que funcionava perto da Cachoeira do Crioulo foi desativada. Uma administração eficiente permite que a região recupere aos poucos sua exuberância e que o tamanduá-bandeira, o tatu-canastra, o veado, a onça, o lobo guará e outros animais voltem a repovoá-la.

Aspectos gerais do Parque do Rio Preto

Está localizado na Serra do Espinhaço, no município de São Gonçalo do Rio Preto, a 350 km de Belo Horizonte. O município tem cerca de 3 mil habitantes e sua origem remonta a uma sesmaria pertencente ao Contratador dos Diamantes João Fernandes de Oliveira, famoso por seu romance com Chica da Silva. Desde o século XVIII, São Gonçalo, conhecida como Rio Preto, era um dos principais produtores de alimentos para os garimpeiros do Arraial do Tijuco (hoje Diamantina) e região. O município emancipou-se de Diamantina em 1962. O nome Felisberto Caldeira, uma homenagem ao Contratador de Diamantes Felisberto Caldeira Brant, vigorou até meados da década de 1980, quando um plebiscito permitiu que seus conscientes habitantes retomassem a antiga denominação.

Diante da ameaça do garimpo, uma lei municipal de 1991 transformou o rio Preto em rio de preservação permanente. O Parque Estadual do Rio Preto foi criado em 1994 e é administrado pelo Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais.

O Parque conta com inúmeros atrativos turísticos, todos com surpreendente beleza, destacando-se as cachoeiras do Crioulo e da Sempre-Viva, as pinturas rupestres e os mirantes naturais que irão permitir aos visitantes a contemplação de toda a área.

O rio Preto possui como cobertura vegetal nativa, os campos de altitude, os campos rupestres, os cerrados, os cerradões e as matas de altitude, tipologias vegetacionais, que cobrem mais de 99,5% da área.

Na área do Parque predominam espécies vegetais importantes do estrato arbóreo como o pau-d'óleo, a sucupira, o ipê, o cedro, o jatobá, o ingá, a candeia, esta última bastante freqüente em áreas de transição entre a mata e os campos de altitude.

A extraordinária beleza cênica do parque, com seus imensos afloramentos rochosos, formações vegetais exuberantes, inúmeras cachoeiras e piscinas naturais, conferem à área enorme potencial para visitação e turismo ecológico.

As nascentes do rio Preto e de seu principal afluente, o Córrego das Éguas, assim como o Pico Dois Irmãos de 1.825m de altitude estão abrigados na área de 11 mil hectares do parque.

Depois de atravessar o município de São Gonçalo, retribuindo o respeito com que é tratado na forma de muitos poços e praias imaculadamente brancas protegidos por mata ciliar ainda preservada, o rio Preto deságua no Rio Araçuaí, um dos principais afluentes do rio Jequitinhonha.

Como chegar...................... De Diamantina, pegar a BR-367 em direção a Couto de Magalhães de Minas (antiga Rio Manso). Aproximadamente 9km após Couto de Magalhães, num trevo bem sinalizado, toma-se a MG-214, estrada não pavimentada e de uso constante, até São Gonçalo do Rio Preto. De São Gonçalo, seguir a sinalização até o parque. Qualquer automóvel, em boas condições mecânicas, fará o percurso sem problemas, mesmo com chuva.

Distâncias........................... Da BR-040 até Diamantina - 176km De Diamantina até Couto de Magalhães - 34km De Couto de Magalhães até o trevo de São Gonçalo - 9km Do trevo até São Gonçalo (terra) - 8km De São Gonçalo até o Parque - 15km

 

 

 

 

 

 

 

 

 

silvestre@gorgulho.com

 

 

Mais informações:
O parque tem excelente
estrutura para receber
pesquisadores e
visitantes.
Coordenadoria de
Unidades de Conservação:
(31) 3295.7086

Para pesquisas científicas,
deve-se contactar
a Coordenadoria de
Proteção à Vida Silvestre
(31) 3295.7514.
IEF em Diamantina:
(38) 3531.3919