Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

Tartarugas Maritimas

Como a Caravana Rolidei, em 30 anos, plantou um projeto que salvou milhares de tartarugas marinhas no Brasil

O que são trinta anos na vida de uma tartaruga? Muito pouco, se for levado em conta a pacata realidade de um mundo vivido há dois ou três séculos. Mas 30 anos podem representar uma eternidade se forem levados em conta o esforço, a dedicação e a luta de um grupo de cientistas que tirou um animal longevo, como a tartaruga, da lista de animais ameaçados de extinção. A verdade é que as últimas três décadas mostraram que o homem pode, com sua inteligência, usar a ciência para preservar e salvar muito da diversidade do planeta. E o exemplo mais concreto está aí: as tartarugas marinhas. Elas foram salvas por um inciativa do projeto que nasceu em 1980: o Projeto Tamar.

A captura desenfreada, a pesca indiscriminada, a coleta de ovos nas praias para comercialização, a simples matança para alimentação e para o uso do casco como matéria prima para muitos produtos industrializados, tudo isto provocou um alerta: as tartarugas marinhas foram incluídas na lista de espécies em extinção.
Em 1976, ainda na época do IBDF- Instituto Brasileiro de Florestas, ligado ao Ministério da Agricultura, os pesquisadores começaram a fazer as primeiras expedições para estudar as tartarugas. A maioria destes pesquisadores era de estudantes de Oceanografia da UFRS- Universidade Federal do Rio Grande. Depois dos primeiros estudos e de um relatório minucioso, o então IBDF resolveu criar o Tamar, um projeto para salvar e proteger as TArtarugasMARinhas.

Caravana Rolidei monitora as desovas
O sucesso do momento era o filme de Cacá Diegues “By By Brasil”, inspirado na “Caravana Rolidei”, premiado no Festival de Cannes. E o nome de “Caravana Rolidei” foi dado às andanças científicas dos primeiros pesquisadores que estudaram o comportamento destes animais, o monitoramento das desovas e propuseram as primeiras iniciativas de conscientização das comunidades.

Apoios e parcerias
A meta era ambiciosa. Nem os cientistas sozinhos e muito menos os órgãos governamentais iam dar conta de tocar o projeto com a urgência e profundidade que era preciso. Daí, nasceram os apoios e parcerias. Os primeiros parceiros foram os pescadores e suas famílias. Depois foi a Marinha do Brasil. Aí, em 1983, chegou a Petrobras. Os próprios estudantes de oceanografia procuraram a Petrobras, apresentando todo o levantamento já feito, o trabalho em curso, função e objetivos. A empresa comprou a ideia. Primeiro forneceu apenas o combustível para abastecer três jeeps velhos, que os três mosqueteiros do projeto – Guy Marcovaldi, o Catu (José Catuêtê de Albuquerque) e Neca Marcovaldi - ainda estudantes, foram pedir. Depois, contratou três pescadores... Depois, os estagiários... depois, bem depois, se encantou com o alcance social, econômico e socioambiental do projeto Tamar e nunca mais se separou dele. E os laços de compromisso entre a Petrobras e o Tamar foram crescendo até chegar hoje: casamen­to em comunhão de bens, de ideais e de fé. Hoje, o suporte do projeto Tamar vem de um tripé formado pelo Instituto Chico Mendes, pela Petrobras e por um inteligente programa de marketing em auto-sustentação. O marketing traz três fontes de receita: a venda de produtos com a marca Tamar, o ecoturismo e produtos das lojas do Projeto.

Na festa de aniversário dos 30 anos do Tamar, um tempo especial para a música. No show, Lenine e Luiz Caldas. Na foto: Rômulo Mello, presidente do ICMBio, Wilson Santa Rosa, diretor da Petrobras, Lenine, uma artista local e Guy Marcovaldi

De couro ou gigante Dermochelys coriacea

Oliva Lepidochelys olivacea

As tartaruguinhas nascem e saem em direção ao mar. Pelas pesquisas do Tamar, apenas uma a duas, em cada mil, vão sobreviver

Técnicos do Tamar, com a ajuda de 400 “tartarugueiros”, conseguem monitorar a postura das tartarugas em 23 bases em 1.100km de praias. Hoje, cerca de 970 mil filhotes são colocados no mar.

Aruanã ou verde Chelonia mydas

De pente, verdadeira ou legítima Eretmochelys imbricata

Cabeçuda ou Mestiça Caretta caretta

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Espécie encontradas no Brasil
As populações locais são essenciais na medida em que podem influir diretamente nas condições do habitat desses animais, reduzindo a pressão sobre os ecossistemas e as espécies.

As tartarugas marinhas

As tartarugas marinhas desempenham importante papel ecológico nos ambientes. Elas ocorrem nas áreas costeiras a grandes profundidades oceânicas (as chamadas regiões abissais). Elas são fonte de alimento para predadores marinhos e terrestres, inclusive o homem, e importantes consumidores de organismos marinhos, servindo como substrato para mais de 100 outras espécies.

As tartarugas marinhas têm um ciclo de vida de longa duração e são conhecidas pela grande capacidade migratória. São 1.100km de praias monitoradas pelo Tamar na costa brasileira. Pescadores e estagiários fazem marcação e biometria das fêmeas, contagem de ninhos e ovos. A cada temporada, são protegidos cerca de quatorze mil ninhos e 650 mil filhotes.
O comportamento das tartarugas marinhas é interessante. Elas são solitárias e ficam submersas durante muito tempo. Isto dificulta os estudos do seu comportamento. Por isso, a maior parte do que se conhece sobre elas refere-se à desova, que acontece na praia.
As tartarugas têm uma fantástica capacidade de orientação. Animais migratórios por excelência, vivem dispersas na imensidão dos mares e, mesmo assim, quando atingem a maturidade sexual sabem o momento e o local de se reunir para a reprodução. Nessa época, realizam viagens transoceânicas para voltar às praias onde nasceram e desovar.

Diferencial do Tamar
O Tamar conseguiu nestes 30 anos quatro milagres, que representam uma vitória fundamental fundamentais para o projeto: 1) mobilização das comunidades de pescadores para a causa ambiental; 2) salvar a espécie da extinção; 3) envolver vários parceiros e a própria mídia no esforço de salvamento das espécies; 4) interagir com as comunidades envolvidas e c com outros atores sociais, dando suporte para a sustentabilidade das ações a longo prazo. Este é o diferencial: a equipe do Tamar compreendeu que é preciso cuidar primeiro das pessoas, para que elas tenham condições de proteger a natureza, o mar e as tartarugas marinhas.


As solturas das tartaruguinhas é um tempo
de lições de preservação para alunos e turistas.

Os três mosqueteiros do Tamar

Neca, Guy e Catu: o trio de ouro que tirou as tartarugas marinhas da extinção

GUY: Elegemos o litoral baiano como o melhor lugar para reprodução das tartarugas marinhas

Guy Marcovaldi – Carioca do Leme, formado em Oceanografia pela Faculdade do RS, Guy Marie Fabio Guagni dei Marcovaldi é fundador e Coordenador Nacional do Projeto Tamar. Admirador de Jacques Cousteau, Guy passa sua infância entre mergulhos para fotografar e filmar a vegetação e flora marinha. Aos 20 anos, troca o calor do Rio pelas águas geladas de Rio Grande do Sul, quando vai estudar na primeira escola de oceanografia do país. No segundo ano de faculdade conhece Neca, parceira de sonhos e projetos até hoje. Em 1997, recebeu o Prêmio J. Paul Getty, considerado o Nobel de Ecologia.
Em 1998, o casal foi escolhido pela revista TIME um dos 50 “Heróis” do Planeta.


Catu: mais velho e mais irreverente plantou o projeto Peixe-Boi

José Catuêtê de Albuquerque (Catu) – Quem diz é Cláudio Savaget, um dos mais importantes jornalistas ambientais do Brasil: “Catu não era apenas o mais velho da turma, era também o mais irreverente, o mais despojado e o mais empreendedor. Estudante gaúcho do curso de Oceonografia, José Catuêtê de Albuquerque foi morar na Paraíba, montou equipe própria e trabalhou até 1987 na implantação do Centro Peixe-boi/Ibama. Hoje, a sede nacional fica em Itamaracá-PE. Catu morreu em abril de 1987, em conseqüência de um acidente de carro em Santa Catarina. Catu deixou saudades entre os companheiros e amigos que fez ao longo do litoral brasileiro e também os alicerces das quatro bases que atualmente integram o Projeto Peixe-Boi.


Neca: ações que buscam não só proteger as
tartarugas marinhas, mas também a melhoria na
qualidade de vida das comunidades

Neca é Maria Ângela Azevedo Dei Marcovaldi – Formada em oceonografia pela Fundação Universidade do Rio Grande, Neca Marcovaldi sempre teve preocupação especial com a situação das tartarugas marinhas no litoral brasileiro o que guiou sua trajetória profissional. É coordenadora de vários programas voltados para a conservação do ambiente marinho, como o Programa de Marcação e Avaliação das Populações das Tartarugas, na Praia do Forte e adjacências, onde busca melhorias nas técnicas de conservação e de manejo dentro do Tamar, projeto do Ibama, co-administrado pela Fundação Pró-Tamar, da qual é fundadora. Promove ações que buscam não só proteger as tartarugas marinhas, mas também a melhoria na qualidade de vida das comunidades envolvidas. É representante brasileira em muitas instituições que desenvolvem trabalhos de conservação de recursos naturais.

silvestre@gorgulho.com