Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

Enfim, o espetáculo do crescimento

Silvestre Gorgulho

O espetáculo do crescimento aconteceu… e ainda no ano de 2003. Longe dos olhos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ministro Antônio Palocci. Onde? Bem nos confins da Amazônia. Foi lá que o Brasil deu um respeitável salto de mais de 200%. Aliás, muito mais de 200% se forem computados, além dos frios dígitos numéricos, os valores agregados e periféricos contidos na melhoria da renda, na saúde, na educação, no resgate da cultura, nas condições de trabalho, no astral positivo e na perspectiva de vida. Aí, creia amigo leitor, o espetáculo do crescimento foi um absurdo! Podemos dizer assim, algo imensurável. Talvez, maior do que exuberância e os mistérios contidos na própria Amazônia.

E onde está este espetáculo do crescimento? Está literalmente ao norte do estado do Amazonas e ao sul de Roraima, ao lado da rodovia BR 174, que liga Manaus a Boa Vista. À margem esquerda do rio Negro, nas bacias do rios Jauaperi e Camanaú e de seus afluentes os rios Alalaú, Curiaú, Pardo e Santo Antônio do Abonari, vive um povo que, em menos de 20 anos, saiu do inferno para encontrar a paz. Esse é o território kinja itxiri onde vive a tribo Waimiri Atroari.

Antes do contato com os brancos, um povo guerreiro e forte. Depois dos primeiros contatos com os brancos, uma tribo perseguida, subnutrida e massacrada.

De exímios caçadores, estes índios viraram caça. Uma presa fácil de mineradores e madeireiros. Seus cânticos e cerimônias na floresta deram lugar aos lamentos e pedidos de socorro. Em 1987, a tribo tinha sido reduzida a cerca de 300 índios. Todos doentes, famintos e perambulando pela estrada. Entregues à própria sorte.

Parecia um Brasil com a cara de 1.500, ano do Descobrimento, quando os primeiros habitantes desta Terra de Vera Cruz foram sendo contactados, se tornando vítimas das ardilosas ações do homem branco. Antes livres na floresta como tantas outras tribos brasileiras, os Waimiri Atroari também estavam sendo acuados e destruídos.

Deixa fazer um parênteses para conceituar bem o que significa ser um país desenvolvido em relação à natureza. Neste ponto, gostaria de focar três conceitos lembrados pelo indianista Eduardo Almeida, em entrevista à Folha do Meio Ambiente, e que traduzem muito bem o que é desenvolvimento e subdesenvolvimento de uma nação:

Primeiro: O Brasil precisa acabar com essa conversa de que índio atrapalha o desenvolvimento, sob pena de nos igualarmos àquele ´apartheismo` comum na África.

Segundo: Demarcar e respeitar terra e cultura indígenas é uma postura de desenvolvimento.

Terceiro: Os índios também devem produzir um excedente para que possam vender e não precisem implorar ajuda. Eles não querem só a subsistência.

Fechado o parênteses, foi com este ponto de vista que entrou em jogo um outro indianista chamado Porfírio Carvalho. Em 1986 ele visitou os Waimiri Atroari e saiu arrasado com o que viu: doenças, suicídios, fome e abandono. De milhares de índios, restavam apenas uns 300. O fim de um povo estava próximo. Não! Não podia ser assim. O mesmo homem branco que teve a capacidade e tinha armas para destruir uma cultura, também deveria ter, pela solidariedade, armas e capacidade para reerguê-la. E Porfírio foi atrás de armas e capacidade para agir. Conseguiu. Primeiro ganhou a confiança dos caciques. Depois lutou para ter mais parceiros nessa jornada. E terceiro saiu a campo num projeto de resgate que deveria levar mais de uma década. Foram 15 anos de luta, incompreensões e até perseguições para poder virar um jogo perdido. Conseguida a aliança com a Eletronorte, construtora da Usina de Balbina em terras dos Waimiri Atroari, Porfírio pode celebrar agora no final de 2003, o ressurgimento de um povo. Saudáveis, alegres e novamente senhores de si, os Waimiri Atroari acabam de celebrar o nascimento do milésimo indiozinho. Dia 7 de dezembro, Iwaraky – que nasceu dia 26 de setembro - foi apresentado à sua tribo, de acordo com o ritual marybá. Uma festa como se fosse “batizado” nos costumes do homem branco.

A solidariedade venceu. O homem branco que destruiu, teve a capacidade de reconstruir e de promover, em plena floresta amazônica, o grande espetáculo do crescimento.

silvestre@gorgulho.com