Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

Sem chances na mídia

Silvestre Gorgulho

Durante o mês da Copa do Mundo a mídia mundial só teve espaço para o planeta bola. É natural. Afinal de contas, esse é o evento esportivo mais espetacular e de maior visibilidade na face da Terra. O futebol é o esporte mais popular. Por tudo isto, a Copa do Mundo virou um grande negócio social, político, econômico, cultural, financeiro e até esportivo.

Todas as mídias cobriram cada minuto das seleções, das torcidas e fizeram uma varredura ampla e irrestrita do país sede. Para se ter uma idéia do tamanho e da visibilidade do negócio Copa do Mundo, segundo a Fifa, 60% da população mundial assistiram aos jogos. E o telespectador teve onipresença garantida pelos olhos de 48 modernas câmeras de tevê e centenas de fotógrafos postados em cada uma das 64 partidas.

Pena que os gols feitos e perdidos, as lágrimas e alegrias das torcidas e a própria cabeçada de Zidane em Marco Materazzi tiveram muito mais divulgação e repercussão do que o programa Gol Verde que a Fifa, o Pnuma/ONU e o governo alemão fizeram para tornar a Copa do Mundo um evento sustentável.

O programa Gol Verde foi criado para marcar posição em quatro áreas: água, lixo, energia e mobilidade. Klaus Toepfer, ambientalista alemão, coordenador do Gol Verde, explicou em entrevista exclusiva à Folha do Meio Ambiente, edição de maio, que pela primeira vez os cuidados com o meio ambiente foram prioridade máxima numa competição. E que os objetivos foram claros e mensuráveis: conscientizar para a reutilização, reciclagem, reúso da água e economia de energia. Tudo para neutralizar as 100 mil toneladas de dióxido de carbono geradas pelo sistema de transportes, construção e manutenção dos estádios, como também pela presença dos mais de 3 milhões de espectadores.

A idéia do programa nasceu no início da década de 90, quando a Federação Alemã de Futebol começou a pensar em sediar a Copa de 2006. Questões ambientais ainda nem faziam parte da lista de deveres da FIFA.

Foi triste perder o hexa. Mais triste, ainda, foi ver uma seleção brasileira desestimulada. Mas triste, também, foi ver que, como sempre, a mídia trata a questão ambiental só quando tem crise, crime ou tragédia. Nunca como um processo educativo, para mudar comportamentos e padrões de consumo e de produção.
O Gol Verde não teve a chance merecida nos espaços da mídia. Parece que o processo de educação, de formação cidadã e de preservação do planeta continua sem chances.

Nem o Brasil, que se prepara para a realização de um grande evento esportivo, o PAN 2007, no Rio de Janeiro, está sabendo tirar proveito das lições do programa Gol Verde. Assim, o vexame da seleção nas quadras alemãs, será acrescido de um outro ainda maior: a absoluta falta de interesse dos governos na gestão ambiental.

silvestre@gorgulho.com

SUMMARY

During the month-long World Cup event the international press had only space for the realm of football. What could be more natural, after all, this is the most spectacular and visible sporting event on the face of the earth and football is indeed the most popular sport there is, which is why the World Cup has become a major social, political, economic, cultural financial and even sporting phenomenon.

Every type of media covers each minute of the teams and the fans and takes a sweeping look into the host country. Just to have an idea of the size and the visibility of the event, according to the organizers, FIFA, 60% of the world's population watches the games. Television viewers are guaranteed complete coverage owed to the lenses of 48 modern TV cameras and hundreds of photographers posted at every single one of the 64 games.

It is a shame that the goals won and lost, the tears and joy of the fans and even the head blow that Zidane delivered Marco Materazzi received greater coverage and comment than did the Green Goal that FIFA, the UN Pnuma and the German government had sponsored to make the World Cup a sustainable event.
The Green Goal program was created to emphasize four areas: water, waste, energy and mobility. Klaus Toepfer, a German environmentalist, coordinator of the Green Goal, explained in an exclusive interview with the Folha do Meio Ambiente, in the May edition, that for the first time environmental concerns were the highest priority at any games and that the objectives were clear and measurable. These efforts were to make the public aware of reclamation, recycling and reuse of water and energy conservation to offset the 100,000 tons of carbon dioxide generated by the transportation system, construction and maintenance of the stadiums, as well as the presence of over three million spectators.
The idea for the program first came about in early on in the 90s when the German Football Federation began thinking about hosting the World Cup in 2006. Environmental issues were not yet part of list of FIFA responsibilities.

Although it was sad to see Brazil lose out on winning its sixth championship, and witness an unenthusiastic Brazilian team, it is sadder still to see the media, as usual, deal with the environmental issue only in times of crisis, crime or tragedy, and not as an educational process to change behavior, consumer habits and production standards.

The Green Goal did not have the chance it deserved in the press and to all appearances, the educational process, building citizenship and preservation of the planet have no chance at all. Even Brazil as it prepares to hold a major sporting event, the PAN 2007, in Rio de Janeiro, does not know how to take advantage of the lessons of the Green Goal program. Thus, the absolute lack of interest on the part of governments in environmental management will be added to the shame of the Brazilian team on the German fields.

silvestre@gorgulho.com