Silvestre Gorgulho

Silvestre Gorgulho

"Na praça de Hiroshima, onde caiu a bomba Atômica, foi construído um Parque onde tremula a bandeira branca da Paz"

JORGE FERREIRA

 

 

JORJÃO, O FEITIÇO DA LUZ

Silvestre Gorgulho

 

A mesa do bar está vazia. Nem chopp e nem uma rodada de truco.

Jorge de Todos os Amigos... Jorge Alegria, Jorge Amizade, Jorge Tira-Prosa se foi. 

A amizade, ao contrário do amor, dispensa juramentos e papelórios de cartório. 
Se o amor é cego, a amizade convive com olhos abertos e serenos. 
A amizade tem o poder de duplicar as alegrias e dividir as tristezas.
Prá mim, cada amigo é um foco de luz. Foco que milagrosamente esparge luz sobre a face de cada outro amigo.
Um amigo que se vai é um foco de luz que se apaga. E cada amigo que fica perde um pouco da intensidade de sua própria luz.
Perdi o foco de luz que Jorge Ferreira teimava em iluminar a mim e a uma multidão de amigos de Brasília, do Rio de Janeiro, de Cruzília e de São Lourenço.


A vida perdeu muito de seu brilho e de seu charme.

Como bom mineiro, Jorjão trucou para a sorte.

Depois de deixar as salas de aula, ele aprendeu mais ainda sobre comportamento humano. Teoria e prática. Acompanhei Jorge há décadas, quando largou de lado as teorias e, de zape em punho -  trucou para a vida acadêmica, pulou o balcão e, com um primo, abriu seu primeiro restaurante, o Gordeixo.

Depois abriu seu segundo restaurante, o Feitiço Mineiro – um sucesso cultural e gastronômico em Brasília, pentacampeão em prêmios gastronômicos.

Em 1998, Jorjão abriu o Café do Brasil e logo em seguida o Bar do Brasil, depois o Armazém do Ferreira, depois outros e mais outros. 
E não parou aí. Fez “O Esplanada”, se enveredou por terras paulistanas com o “Cervejaria Imperial” e Museu da Cerveja...

Livros e poesias? Êta trem bão. Vários! Começou com “Serra, Mar e Bar – Causos de Minas” escrito por ele e mais quatro pescadores mentirosos.

Agora, de Zape e sete de copas, Jorjão trucou pela última vez dia 4 de julho, em pleno Campo da Esperança.

Ao embaralhar as cartas, ele embaralhou a vida. Deixou uma legião de amigos sem rumo.

A mesa do bar está vazia!