Artigos

Decálogo de uma campanha política

(Os milagres de uma urna de promessas)


Silvestre Gorgulho


A cada eleição, uma nova lição. O voto eletrônico foi um salto. Um salto em mega-bites. Candidatos e eleitores agora ficam menos tensos com a possibilidade das fraudes eleitorais na apuração. Era terrível aquela contagem de votos jurássica. Um a um. Cadê a u-r-n-a? Que número é esse? Que letra é essa? Vale ou anula? Informatizar também significa racionalizar, organizar, democratizar.


A verdade é que a televisão, a informática e as pesquisas vêm mudando os rumos das campanhas políticas. E mudando para o bem e para o mal. Hoje, uma campanha política se divide em quatro categorias: primeiro, aquelas campanhas que usam e abusam do dinheiro para fazer marketing, vender idéias, barganhar interesses, comprar prestígios e, assim, angariar votos; segundo, aquelas que usam e abusam do corporativismo para representar os interesses de uma determinada classe social ou de um segmento econômico; terceiro, aquelas campanhas que nascem no serviço público: usa-se um cargo de influência para favorecer regiões ou grupos de interesse, a fim de se conseguir um mandato parlamentar; e, a quarta categoria, que é movida pelo único interesse em servir, ou seja, daqueles que buscam um mandato eletivo com o objetivo primordial de representar uma comunidade no Legislativo (Senado, Câmaras Federal, Estadual e Municipal) ou no Executivo (Presidente, Governadores e Prefeitos). A cada eleição, uma nova safra de políticos. E a cada nova safra, uma realidade: a demagogia e o populismo podem ser sinônimos de uma classe política em extinção.


Queiramos ou não, são estes quatro tipos de campanha que vão eleger os cinco tipos de político que existem por aí: a turma da imunidade parlamentar; o grupo do negócio; os companheiros da representação corporativa; os políticos que mesclam um pouco de interesse público com o muito de interesse pessoal; e os abnegados que querem apenas servir à Pátria. Mas para cada tipo de político, existe também o eleitor correspondente. Afinal de contas, uns e outros são movidos por interesses específicos, que podem ser nobres ou, simplesmente, o do toma-lá-dá-cá.
E, assim, o mundo político vai girando na base dos interesses. Dos interesses legítimos e ilegítimos. De candidatos e de eleitores.


Por sua vez, existem também quatro tipos de eleitores: os que fazem do título de eleitor um cartão de crédito e são ávidos em pedir, pois sabem que só podem usar seu “cartão de crédito” de dois em dois anos. Existem os que votam pela sobrevivência, e neste caso é importante a eleição do líder corporativo. Esse líder pode ser porta-voz de um grupo de funcionários públicos ou pode defender um nicho da economia (donos de hospitais, o sistema financeiro, Planos de Saúde, as escolas particulares, o esporte). Existem os eleitores que votam pela amizade, pela vizinhança e pelo parentesco. E, finalmente, existem aqueles que enxergam os interesses da comunidade: votam nas idéias e nas propostas que beneficiarão a Pátria. Estes também são eleitores em extinção.


E quais os aparatos que usam os políticos para sensibilizar os eleitores? São vários. Quanto mais rico o candidato, mais profissional. E quanto mais profissional, melhor tem que ser o marketeiro. E o marketeiro é o grande responsável pela imagem do candidato. Qualquer homem de marketing sabe: candidato a um mandato é igual candidato a um emprego: tem que ser santo, trabalhador e honesto. A perfeição chega na hora de preencher o currículo ou de se apresentar ao eleitor. E quais as ferramentas para conquistar o eleitor? São muitas: o rádio e a televisão jogam a campanha na rua; as pesquisas influenciam; as assessorias de imprensa e de relações públicas mobilizam; um bom sistema de informática garante a organização; a publicidade e os eventos (carreata, showmícios, inaugurações, lançamentos) arregimentam as pessoas; a confecção de brindes agrada; e as faixas, as pichações de muros, os out-doors e cartazes fixam a imagem. Mas há uma peça fundamental para quem quer se eleger: arrebanhar o maior número possível de cabos eleitorais. Por mais moderna, mais eletrônica que seja uma eleição, a figura do cabo eleitoral continua sendo essencial. Ele é o grande intermediário. Sua missão é ampla, geral e irrestrita. Ele representa o candidato, denuncia os candidatos invasores e se coloca como um elo entre a coordenação da campanha e a comunidade.


Tudo isto pode ser muita teoria. Na prática, na hora do vamos ver, na abertura da urna sempre haverá surpresas. De verdade mesmo, o velho ensinamento lá das Minas Gerais: – Não adianta dar conselhos racionais a um homem em três situações: quando está apaixonado, quando está bêbado ou quando é candidato. Com ou sem conselhos, valendo ou não a teoria, vai aqui um decálogo fruto de um estudo que fiz sobre as quatro últimas campanhas políticas em Brasília.


Decálogo de Campanha


1. Pesquisa política virou arma de campanha. Das maiores. Parece até horóscopo: a gente lê, se impressiona, mas não acredita. Os candidatos aprenderam a usá-las: se os fatos são melhores que as pesquisas, acredita-se nos fatos. Do contrário, usa-se e abusa-se das pesquisas. Um verdadeiro crime eleitoral.


2. Campanhas políticas são como salsichas: é melhor não ver como elas são feitas.


3. Jamais vá para o debate com um idiota. Os eleitores podem não perceber quem é quem.


4. Candidato e eleitor devem confiar no jogo político. Mas nunca podem deixar de marcar a carta do baralho.


5. Candidato sempre aumenta as contas para arrecadar mais dinheiro dos financiadores. E os empresários sempre supervalorizam as doações para aumentar o cacife político.


6. Todo mundo fantasia os custos de campanha de todo mundo. E candidato sempre gasta muito mais do que declara no Tribunal.


7. Político esperto tem duas características: primeiro, é igualzinho espiga de milho, não tem lado, de qualquer jeito está de frente; e, segundo, sabe que se o importante for competir, é bom mesmo ir praticar esporte.


8. Eleição é investimento: candidato vencedor fica com as sobras de campanha, paga as contas e começa a preparar a caixinha para a próxima. Candidato perdedor, nem as contas paga.


9. Cada campanha fortalece ainda mais o velho ditado do Barão de Itararé: os vivos serão sempre governados pelos mais vivos. Bom de voto é o candidato que tem apoio de quem é bom de voto.


10. Consolo de eleitor, depois de morto, é um só: ser eternamente lembrado pelas malas diretas.

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Brasília

A Capital Brasileira com Melhor Qualidade de Vida

Publicado

em

 

Brasília é conhecida não só por sua arquitetura mundialmente famosa, mas também pela qualidade de vida que oferece. De acordo com o Índice de Progresso Social (IPS) Brasil 2024, a capital federal se destacou como a cidade que melhor atende às necessidades básicas dos seus habitantes e proporciona a maior qualidade de vida.

Índice de Progresso Social (IPS)

O IPS Brasil é o estudo mais abrangente sobre a realidade socioambiental dos 5.570 municípios brasileiros. Ele avalia as cidades em três categorias: necessidades humanas básicas, fundamentos do bem-estar e oportunidades, atribuindo notas de 1 a 100. No ranking divulgado em julho, Brasília obteve uma nota geral de 71,25, ficando à frente de Goiânia (GO) e Belo Horizonte (MG).

Água e Saneamento

Brasília se destacou na categoria Água e Saneamento, com uma pontuação de 88,46. Nos últimos cinco anos, o Governo do Distrito Federal (GDF), por meio da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), investiu cerca de R$ 1,5 bilhão em manutenção, expansão e melhorias no sistema de captação de esgoto e água. A meta é investir mais de R$ 2,8 bilhões até 2027.

Atualmente, o DF é a unidade da federação com a maior taxa de esgoto tratado do país, com 94,1% dos moradores tendo esgotamento adequado, comparável a países desenvolvidos. A infraestrutura inclui 18 mil km de redes de água e esgoto, atendendo 99% da população com água tratada e 93% com coleta de esgoto. Desde 2021, o DF atende aos níveis de universalização previstos no Marco Legal do Saneamento Básico.

Infraestrutura

A melhoria na infraestrutura urbana também contribui para a qualidade de vida em Brasília. Em 2023, a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) pavimentou 53.314 m² de asfalto nos primeiros seis meses. O programa Drenar DF alcançou 7,5 km de escavação para escoamento de águas pluviais, ajudando a reduzir problemas de alagamento. Além disso, cerca de 40% da iluminação pública já foi modernizada com tecnologia LED, com a meta de substituir todas as luminárias até 2026.

Social

Na área social, o GDF investiu R$ 35.194.415 no Cartão Prato Cheio e no DF Social. O Cartão Prato Cheio beneficia cerca de 100 mil famílias com crédito de R$ 250 para auxiliar em situações de insegurança alimentar. O DF Social fornece R$ 150 mensais para famílias de baixa renda. A Secretaria de Desenvolvimento Social também distribui cestas verdes com frutas, verduras e legumes, complementando a assistência alimentar.

Segurança

Na segurança pública, Brasília tem registrado a redução de diversos índices criminais graças ao uso de dados estatísticos para mapear áreas de risco e implementar políticas de prevenção. A segurança no transporte público também foi reforçada com a introdução de câmeras corporais para os agentes do Metrô-DF.

Referência Turística

Além de sua qualidade de vida, Brasília é um destino turístico atraente, com monumentos icônicos, ruas arborizadas, parques e setores planejados para o bem-estar. A cidade foi a primeira capital moderna a ser incluída na Lista do Patrimônio Cultural da Humanidade da Unesco. Em 2024, Brasília foi destacada pelo The New York Times como um dos 52 lugares para se visitar.

Esses fatores fazem de Brasília uma cidade exemplar em termos de qualidade de vida e um destino atrativo para visitantes de todo o mundo.

 

Continue Lendo

Artigos

Temporada de floração dos ipês-amarelos colore as ruas do Distrito Federal

De julho a setembro, o brasiliense aprecia a mistura com os ipês-roxos enquanto aguarda a chegada das árvores com flores nas cores rosa e branco

Publicado

em

 

Por Ana Paula Siqueira, da Agência Brasília | Edição: Débora Cronemberger

 

No Distrito Federal, quanto mais o tempo estiver seco, mais bonita fica a cidade. Pelo menos no quesito de uma espécie bem especial. É que quanto mais durar a estiagem, maior o tempo de floração dos ipês, árvores símbolo do Quadradinho. Agora, chegou a hora dos amarelos, que, junto aos roxos, conferem uma coloração de encher os olhos por toda parte.

De julho a setembro é a vez da floração dos ipês-amarelos; até o fim do ano, a Novacap vai plantar mais 40 mil ipês no Distrito Federal | Foto: Matheus H. Souza/Agência Brasília

Por aqui, são três espécies de ipês-amarelos cultivadas pela Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap): o ipê-amarelo-felpudo, também conhecido como peludo, o ipê-caraíba e o ipê-de-petrópolis.

Os três possuem diferenças nas folhas e no caule, além de alguma variação nos tons no amarelo das flores. Somadas, as árvores já floridas, até o final do ano, podemos esperar uma explosão de cores. Isso porque, entre junho e agosto, desabrocham os ipês-roxos. De julho a setembro, é a vez dos amarelos e, entre agosto e setembro, entram em cena o rosa e o branco. Seja qual for a cor, o brasiliense tem motivos de sobra para, entre esses meses, ir às ruas apreciar os ipês e registrá-los em fotografias e na memória.

O chefe do Departamento de Parques e Jardins da Novacap, Raimundo Silva, observa que os amarelos estão entre os ipês que se adaptam da melhor forma ao clima do Cerrado. “Eles se comportam bem, o que pode ser observado pelo crescimento e florescimento mais rápidos. Alguns [exemplares] plantados há três anos já apresentam flores”, destaca Silva.

As árvores que fazem parte do cartão-postal do brasiliense são tombadas como Patrimônio Ecológico do Distrito Federal, e o seu cultivo não para. Das 100 mil árvores que serão plantadas pela Novacap até o final deste ano, 40 mil são ipês – desses, 20 mil amarelos e os demais. divididos entre outros tipos da espécie. A meta do Governo do Distrito Federal (GDF) é chegar a 1 milhão de árvores em todo o Quadradinho. Atualmente, são cerca de 270 mil em todo o DF.

Além dos ipês, serão plantadas outras 30 espécies, como imbaúba, barbatimão, angico e aroeira, nativas do Cerrado, e outras oriundas de biomas diversos que se adaptam muito bem às condições do DF.

Mais que deixar a cidade bonita, a Novacap trabalha para que a fauna tenha sempre alimentos disponíveis. Por isso, muitas espécies frutíferas têm cultivo contínuo, como amoreiras, abacateiros e goiabeiras. “Temos o cuidado de fazer uma composição mista para a nossa floresta urbana que tanto nos enche de orgulho”, destaca Silva.

Para garantir essa diversidade, a companhia adquire sementes e mudas em um raio de 400 quilômetros de distância do DF, em estados como Goiás, Tocantins e Minas Gerais. “São plantas que não apresentam nenhum tipo de praga ou patógeno”, explica o chefe do Departamento de Jardins da Novacap. Qualquer plantio em área pública só pode ser feito pela Novacap. Em caso de dúvidas, basta entrar em contato pelo telefone 162.

Continue Lendo

Artigos

Livros, relógios, discos e Muita paixão pelas aves

Quem foi o articulador para criar do Dia da Ave? Dalgas Frisch. Quem articulou para fazer do Sabiá Laranjeira a Ave Nacional? Dalgas Frisch. Que empresário usou toda sua criatividade e dinheiro para bancar sua paixão passarinheira? Dalgas Frisch. Sim, Johan Dalgas Frisch, um Engenheiro Civil Industrial Químico, escritor, empresário, ornitólogo, ambientalista e ex-presidente da APVS – Associação de Preservação da Vida Selvagem, teve no seu currículo uma história de vida dedicada às águas, às aves, às florestas e aos índios. É chamado de Herói de dois mundos, da Dinamarca (terra de seus antepassados) e das Américas.

Publicado

em

 

Foram quatro discos: “Vozes da Amazônia”, que inclui o canto do uirapuru, “Sinfonia das Aves Brasileiras”, “A Ave, a Selva e a Melodia” e “Aves Brasileiras”. É de sua autoria também dois tipos de relógios com cantos de aves, que acompanham os livros “Doze Cantos do Brasil” e “Cantos Harmoniosos da América”. Em 1994, lançou com seu filho Christian, o livro “Jardim dos Beija-Flores”.

Em 2005, lançou os livros “Aves Brasileiras e Plantas que as atraem” e Aves Brasileiras Minha Paixão”.

Lançou ainda: “Para que as Primaveras não se `Calem para Sempre” e, logo depois, o livro “Uirapuru – Joia do Tumucumaque”.

 

Dalgas Frisch construiu sua própria parabólica para captar

o canto das aves.

 

O RELÓGIO DOS PÁSSAROS – O relógio de Dalgas é um hinário, que eleva nossos sentimentos a despertarem novas ações para a preservação destas espécies canoras que acompanham importantes cantos da natureza. Os segundos, minutos e as horas indicados e despertados, são importantes para acalentar nossos sentimentos pela natureza. Em vários modelos, o relógio musical, redondo, ilustrado é   acompanhado por um livro que ilustra a história dos 12 pássaros que fazem a hora acontecer.

 

  

Em 1994, lançou com seu filho Christian, o livro “Jardim dos Beija-Flores”.

A última publicação de Dalgas “Uirapuru – Joia do Tumucumaque”

 

O mesmo livro em português e em inglês.

Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010