Artigos

A RIQUEZA ROUBADA DA FLORESTA BRASILEIRA

A HISTÓRIA DE FORDLÂNDIA E DE BELTERRA

Published

on

 

A vida não é fácil. Nem para as pessoas e nem para a natureza. Onde estão as riquezas, seja mineral, seja de flora e de fauna, também estão os problemas. Assim é com o petróleo, com o ouro, com a prata e com as benesses das florestas. Onde está a riqueza do cacau, está o vírus ou as bactérias que vivem desta mesma planta. Onde está a seringueira, idem. E assim, na terra da seringueira, na floresta Amazônica, está a doença que vive da seringueira. Daí a história da Fordlândia e de Belterra, bem próximas a Alter do Chão.

 

FORDLÂNDIA é a cidade-projeto abandonada pelo milionário Henry Ford na Amazônia. O projeto “Fordlândia”, que emprestou o nome ao atual distrito de Aveiro, foi vasta área de terras adquiridas pelo empresário norte-americano Henry Ford, através de sua empresa Companhia Ford Industrial do Brasil. Foi uma concessão do Pará, por iniciativa do governador Dionísio Bentes e aprovada pela Assembleia Legislativa, em 30 de setembro de 1927. O projeto foi oficialmente encerrado em 24 de dezembro de 1945. Os técnicos e habitantes foram deslocados justamente para Belterra.

 

BELTERRA – Após o fracasso das plantações de seringueira em Fordlândia, causada pelo Mal das Folhas e pelo tipo de terreno que não favoreceu o desenvolvimento dos seringais, Henry Ford teve que começar a buscar outro lugar para que seu projeto fosse continuado. Várias expedições foram realizadas até encontrar um lugar que ficou conhecido como Bela Terra. Tal área é conhecida entre os cientistas pelo seu famoso solo fértil de ‘Terra Preta’, que deve ter sido um dos critérios para a escolha do local.

 

A cidade amazônica que não nasceu portuguesa, Belterra foi construída pelos norte-americanos.

 

AS DOENÇAS TROPICAIS

A doença que acabou com o projeto da seringueira chama-se MAL DAS FOLHAS. É provocada por um “vírus”, o Microcyclus ulei, que é o agente que levou ao abandono cerca de 100 mil hectares de seringais plantados na Amazônia.

O Cacau e a Seringueira são plantas naturais da Amazônia. Mas tem um problema: lá também estão as doenças e hospedeiros que vivem dessas plantas: o Mal das Folhas, para as seringueiras, e a Vassoura de Bruxa, para o cacaueiro.

Foi da Amazônia que levaram as sementes de seringueira para as colônias inglesas na Ásia. O inglês Henry Wickham, autor do furto de milhares de sementes de seringueira da Amazônia, foi um dos responsáveis pela decadência do ciclo da borracha no Brasil.

Os ingleses foram responsáveis pelo maior tráfico de gens do mundo. Eles fizeram uma severa quarentena para as sementes, a fim de que as mesmas não levassem também a doença.

Detalhe: foi sob o pretexto de buscar penas de cores vibrantes para chapéus femininos das inglesas da Era Vitoriana, que o Henry Wi­­ckham desembarcou no coração da Floresta Amazônica. Mas seu plano era furtar sementes de seringueira, enroladas em folhas de bananeira, para serem entregues ao Jardim Botânico Real da Inglaterra, onde fariam a quarentena.

Depois da quarentena, as sementes foram a Malásia, Indonésia, Índia e Tailândia.

Hoje a Indonésia, Tailândia, Índia, Vietnã e Malásia são os maiores produtores de látex de borracha do Planeta. O Brasil está na nona posição com menos de 100 mil toneladas de borracha natural.

Em tempo: a Amazônia é extremamente cobiçada pela sua biodiversidade e pelas grandes reservas minerais. Daí o interesse de várias nações, de ONGs, missionários, aventureiros e do tráfico internacional da fauna e flora.

AMAZÔNIA, COBIÇA INTERNACIONAL

A Amazônia total está localizada em nove países: Brasil, Peru, Colômbia. Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa. Em território brasileiro está 60,3% do bioma Amazônico. O segundo país que mais detém área na Amazônia é a Colômbia: apenas 6,95%.

A luta do atual governo brasileiro em defender a Amazônia para os brasileiros está certa, mas os países que perderam seus braços sobre a riqueza da Amazônia não perdoam o presidente Jair Bolsonaro.

 

 

 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos

OURO PRETO E MARIANA

História e Cultura no coração de cada visitante

Published

on

 

Ouro Preto e Mariana – cidades históricas e das artes mineiras, ali uma do lado da outra – faz cada visitante, cada turista, brasileiro ou estrangeiro, perder o fôlego. Além de ser um lugar especial para quem procura beleza, charme e tranquilidade, Ouro Preto e Mariana (como também Congonhas do Campo e Tiradentes) se abraçam num circuito de onde jorra uma cascata de História do Brasil colonial e imperial. Em Ouro Preto, a mais importante cidade do Circuito do Ouro, nasceu Minas Gerais. A região é fascinante. Ali se misturam todos os tipos de turismo: histórico, cultural, de eventos, pedagógico, religioso, patrimonial e turismo de aventura. As artes, o folclore e o artesanato desaguam no coração e na alma de todos os moradores e visitantes. Por este caleidoscópio de propriedades, Ouro Preto é Cidade Monumento Nacional desde 1933. E, desde 1980, é Patrimônio Cultural da Humanidade, chancelado pela Unesco.

 

A origem de Ouro Preto está no arraial do Padre Faria, fundado pelo bandeirante Antônio Dias de Oliveira, pelo Padre João de Faria Fialho e pelo Coronel Tomás Lopes de Camargo, e um irmão deste, por volta de 1698. Para o jornalista e ex-ministro da Cultura, Ângelo Oswaldo Araújo dos Santos, atual prefeito de Ouro Preto, (eleito no seu quarto mandato) o Brasil pode ter sido iniciado no litoral. E começou em vários pontos do litoral como Porto Seguro, Salvador, Rio de Janeiro, Recife, São Luís do Maranhão, mas a concepção do Brasil como nação foi forjada em Vila Rica. Por vários motivos: pela produção do ouro e diamante que movimentou a engrenagem dos interesses econômicos e de riquezas dos tempos coloniais e pelos sonhos libertários dos inconfidentes. Nesse rol estão Felipe dos Santos, Pascoal Guimarães e os membros da Inconfidência Mineira capitaneados por Joaquim José Francisco da Silva Xavier. Todos eles plantaram a semente da Liberdade e da Independência. Por isso, o sábio conselho do historiador Marcelo JB Resende para quem percorre as ladeiras da velha Vila Rica: “Apure seus ouvidos ao andar pelas ruas de Ouro Preto. Sem muito esforço e alguma imaginação é possível ouvir os sussurros conspiratórios, os ideais subversivos e as intrigas palacianas”.

 

Ouro Preto tendo ao fundo o Pico do Itacolomi (foto: Mylena Lira)

 

 

BOA POUSADA E SUSTENTABILIDADE
As cidades históricas de Minas Gerais, como Ouro Preto, Mariana, Congonhas, Tiradentes e São João d’el Rei têm bons serviços de hotelaria. A rede de hotéis e pousadas é grande e de ótima qualidade. Aliás, o Brasil tem se destacado no setor hoteleiro, ocupando lugar de destaque no mundo. O turismo – conhecido como a indústria da paz – exige uma constante modernização, pois o setor hoteleiro é a alavanca para o desenvolvimento econômico local e regional.
De acordo com a pesquisa Meios de hospedagem – Estrutura de Consumo e Impactos na Economia, além da geração de emprego e de colaborar para o aumento de negócios em outros setores que dependem do turismo, os hotéis também contribuem para outras áreas, como ao consumir bens industriais. A hotelaria consome milhares de televisores, aparelhos elétricos e eletrônicos, roupas de cama e banho, cosméticos e tantos outros itens, que movimentam as economias dos estados e municípios.

 

 

 

Continue Reading

Artigos

O CÉU MAIS AZUL

Meu adeus ao jornalista e amigo Adriano Lafetá.

Published

on

 

ADRIANO veio de Minas. Lá de Montes Claros. Trouxe para Brasília o sentimento da mineiridade envolta na bandeira da Liberdade, da magnanimidade e da Nação AZUL. Cruzeirense como eu, ele estava feliz pela campanha fenomenal do time deste ano. Ainda viu o Cruzeiro ser campeão e quebrar todos os recordes.
Na UnB se capacitou em ser um dos jornalistas mais competentes e íntegros do Brasil. Texto primoroso. Editor que ajudou forjar a credibilidade e universalidade do CORREIO BRAZILIENSE. O jornalista Adriano Lafetá se despede da vida com um legado de exemplos pessoais e profissionais. Adeus amigo.
Continue Reading

Artigos

MERCADO DE CARBONO FUNCIONAMENTO E COMPENSAÇÕES FINANCEIRAS

Créditos de carbono emitidos por países e empresas dispostos a compensarem emissões de gases de efeito estufa movimentam bilhões de dólares aliando interesses econômicos e sustentáveis

Published

on

 

Por GUILHERME JUSTINO – Jornalista especializado em Ciência e Sustentabilidade, membro da Rede Brasileira de Jornalismo Ambiental, da Associação Nacional de Jornalistas de Educação e da Alliance for Health Promotion.

A viabilização de um mercado de carbono tem sido um dos temas mais discutidos recentemente no cenário global. Aliando o interesse econômico à preocupação mundial com ações de sustentabilidade, o assunto tem se fortalecido como uma das principais propostas para combater a crise climática de maneira prática, justa e engajada, permitindo que países negociem créditos para reduzir significativamente as emissões dos gases que causam o efeito estufa. Mas o que é o mercado de carbono? Como se comporta? Quais suas vantagens?

MERCADO DE CARBONO VEM DA RIO-92

O mercado de carbono surgiu a partir da criação da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (UNFVV, em inglês), durante a ECO-92, no Rio de Janeiro. Posteriormente, em 1997, durante uma de suas mais importantes reuniões, em Quioto, no Japão, foi decidido que os países signatários deveriam assumir compromissos mais rígidos para a redução das emissões de gases que agravam o efeito estufa. Isso ficou conhecido como Protocolo de Quioto.

Para o protocolo entrar em vigor, era preciso reunir países que representassem 55% das emissões globais de gases de efeito estufa, o que só aconteceu de fato em 2005. Foi então que a redução das emissões passou a ter valor econômico, diante do objetivo central de que os países limitassem ou reduzissem suas emissões desses gases.

COMO FUNCIONA O MERCADO DE CARBONO

Em resumo, os créditos de carbono são uma “autorização” para que uma empresa ou um país emita gases de efeito estufa até determinado limite. Quem polui e emite mais tem que comprar créditos. Quem emite menos pode vender suas licenças extras. Cada crédito corresponde a uma tonelada de dióxido de carbono (CO2).

É como se cada país pudesse liberar na atmosfera uma determinada quantidade de gases. Alguns não atingem a meta, e podem comercializar sua “cota” excedente na forma créditos de carbono. Outros têm atividades econômicas tão poluidoras que superam o limite e, por isso, devem comprar créditos de quem emite menos ou possui áreas de floresta conservada. (Veja o quadro abaixo. Arte: Thiago de Jesus).

 

 

Essas negociações sustentáveis movimentam uma cadeia multibilionária: o volume de negócios de créditos de carbono chegou a 229 bilhões de euros em 2020 — cinco vezes mais do que em 2017, segundo a consultoria global Refinitiv. É mais de R$ 1 trilhão. Ou seja, um mercado pujante, mas que ainda precisa crescer muito para dar conta da demanda global.

“De acordo com a ambição estabelecida no Acordo de Paris, devemos, coletivamente, reduzir entre 1 e 2 bilhões de toneladas de CO2 ao ano das emissões mundiais, algo entre 10 e 20 vezes o mercado voluntário atual. Portanto, o mercado de créditos de carbono teria que aumentar, no mínimo, 14 vezes em relação ao tamanho atual e manter esse patamar de expansão todos os anos”, destaca Julio Carepa, gerente de projetos na WayCarbon, consultoria de soluções de tecnologia e inovação voltadas para a sustentabilidade.

TIPOS DE MERCADO DE CARBONO

Há dois tipos de mercados funcionando de forma paralela, em âmbito nacional e internacional: o voluntário e o regulado.

O mercado voluntário é formado por empresas comprometidas por conta própria a compensar emissões comprando créditos de quem é capaz de provar que está tirando carbono da atmosfera, com atividades florestais ou substituição de uma energia suja, como o carvão, por fontes limpas, como usinas solares. Nessa modalidade, empresas com metas de neutralização de carbono negociam seus certificados segundo a lei de oferta e demanda.

Já o mercado regulado é mantido por governos dispostos a ajustar de alguma forma o comércio de carbono. Nesse mercado, as empresas precisam concordar em tomar medidas para emitir menos. O mercado regulado mais importante é o europeu, chamado Emissions Trading System e mantido pela União Europeia, mas há órgãos relevantes na Califórnia e na China, que implantou um sistema assim em 2020. (Veja o quadro abaixo: Arte: Thiago de Jesus).

 

 

 

Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010