Artigos

Aeroporto de Brasília: Navegando pelos Capítulos de sua História

Entre Partidas e Chegadas: O Papel Significativo do Aeroporto de Brasília na História Candanga

 

Pode soar estranho dizer que o aeroporto estava incluso nos pontos de lazer de Brasília, mas ir à pista de pouso e decolagens ver os aviões foi, por muitos anos, um dos passeios favoritos dos moradores da capital recém-criada. O terminal, inaugurado em 3 de maio de 1957, também faz parte da história da construção da cidade de Juscelino Kubitschek e esse é o tema de mais uma matéria da série Brasília sexagenária.

Os visitantes ficavam a alguns metros das aeronaves em um terraço. Dali viam os aviões subirem e descerem, a tripulação embarcar e desembarcar. Entre os tchauzinhos e sorrisos de despedidas e reencontros, a servidora pública Juliana Campos, 44, à época com apenas 5 anos, encantava-se com o tamanho das aeronaves. “Quando íamos buscar meu pai no aeroporto, eu me animava. Tenho a cena guardada na minha memória, das pessoas olhando os aviões. Era muito bom. Às vezes, a gente ia só para passear mesmo. Era um local de passeio”, recorda.

As lembranças dos passeios ao terminal fazem Juliana sentir um carinho especial pelo lugar. “Fico tentando encontrar na planta do novo as partes do antigo. Ele era tão pequeno. Hoje, mesmo diferente, traz muito memória afetiva”, ressalta. Juliana recorda que o espaço era um dos points da cidade. “Muita gente ia só para tomar café da manhã. Muitos jovens saíam à noite (para a balada) e, de manhã, iam direto para lá”, diz.

Uma casa

Se para Juliana o Aeroporto de Brasília remete à diversão de infância, para Marcos Trindade, 59, o espaço é sinônimo de crescimento profissional. No terminal, o gerente de logística conseguiu o primeiro emprego na capital, há 41 anos. “Eu vim do Piauí para Brasília em 1979. Fiz um teste para trabalhar no estacionamento. Uma semana depois, me chamaram para trabalhar no setor de cargas”, relata. A função era de separador, apenas o início de uma carreira. À época, Marcos nem imaginava que chegaria ao cargo de gerência na área. “Eu sou responsável por toda carga que vem ou vai para o exterior. Todos os objetos importados ou exportados passam pela gente”, acrescenta.

No aeroporto, Marcos também conheceu a mulher, Maria Edileuza, 62, com quem é casado há 36 anos. “Ela trabalhava em uma companhia aérea. A gente começou a se falar no Parque da Cidade. Aqui a gente se via, mas não conversava”, lembra. No terminal, Marcos presenciou as regras da ditadura militar, com soldados vigiando os portões, e o vai e vem de autoridades quando o regime terminou. “Eu lembro da posse de Fernando Collor. Veio muito chefe de Estado. Aqui era pequeno, foi uma loucura”, recorda. O gerente de logística também lembra do aeroporto como um ponto de encontro. “As pessoas vinham bem arrumadas, salto alto, bem vestidas, maquiadas, como se fosse um passeio em shopping”, completa.

Oscar Niemeyer

Antes de ser instalado onde está hoje, o Aeroporto de Brasília funcionava na Base Aérea de Brasília, bem perto. Ali, construíram a primeira pista, onde pousavam e decolavam as grandes aviações. Em 3 de maio de 1957, o terminal foi oficialmente inaugurado com o primeiro voo comercial da companhia aérea Pan American, para Nova York. Na data, ocorria também a primeira missa da cidade, na Praça do Cruzeiro. Tempos depois, fizeram uma segunda pista, de 4 mil metros. À época, a estação de passageiros ainda era de madeira, assim como muitas outras coisas na cidade. Nos três primeiros meses, a movimentação era grande, com 268 pousos e decolagens, sendo 2,7 mil desembarques e 2,5 mil embarques.

Alguns anos depois da inauguração de Brasília, em 1971, vieram as pistas definitivas e a edificação de alvenaria. O historiador Adirson Vasconcelos lembra da polêmica sobre o projeto. “Todas as obras eram assinadas por Oscar Niemeyer, e ele era declaradamente comunista. O governo da época era militar. Por isso, ele foi colocado de escanteio, porque arquitetaram o aeroporto em uma área militar”, conta.

O nome também entrou em discussão anos depois. “Vários defendiam que o nome deveria ser Juscelino Kubitschek. Eu mesmo fiz alguns artigos defendendo isso. Passados alguns anos, o então senador José Roberto Arruda apresentou um projeto solicitando que o nome fosse em homenagem ao idealizador de Brasília e, assim, conseguimos”, relata Adirson.

Em 1999, batizaram o terminal como Aeroporto Internacional de Brasília Presidente Juscelino Kubitschek. “Tivemos uma solenidade linda, em homenagem ao fundador e aos construtores. Hoje, temos o melhor do Brasil”, avalia o historiador. Entre 1973 e 2013, a administração ficou sob a responsabilidade da Infraero. Atualmente, a gestão é da Inframerica.

Linha do tempo

  • Novembro de 1956 — Inicia-se a construção do aeroporto.
  • Maio de 1957 — Inauguração oficial do Aeroporto de Brasília com o 1º voo comercial para Nova York. Na data, foi celebrada a primeira missa da nova capital, na Praça do Cruzeiro.
  • Abril de 1959 — Presidente Juscelino Kubitschek pousa no Aeroporto de Brasília.
  • 1971 — O terminal de passageiros de madeira é desativado e é construído o novo terminal, onde está localizado até hoje.
  • Junho de 1980 — O papa João Paulo II visita o Brasil pela primeira vez e pousa no Aeroporto de Brasília.
  • 1999 — O aeroporto é batizado com o nome oficial: Aeroporto Internacional de Brasília Presidente Juscelino Kubitschek.

Fonte: Aeroporto de Brasília

 

Artigos

JEAN DE LÉRY FALA DO ESPÍRITO SANTO E DO RIO DE JANEIRO DE 1500

Jean de Léry viu coisas no Rio de Janeiro que não têm preço, não só porque era a primeira vez que eram vistas e descritas, mas também porque foi há 474 anos.

Publicado

em

 

Miguel Flori Gorgulho

 

A história de Jean de Léry (1536-1613) é preciosa e precisa ser acompanhada. Este é o segundo capítulo da viagem de Jean Léry ao Brasil. Ele entrou de gaiato no navio do poderoso Nicolas Durand de Villegaignon (1510-1571) e, para nossa sorte, passou a fazer relatos importantes sobre o Brasil recém-descoberto. As histórias que o artesão e futuro pastor calvinista deixou aos brasileiros deveria ser leitura obrigatória em todas as escolas. Com a mesma competência, trabalhava o couro e as palavras. Os sapatos e botas que saíram de suas mãos não mais existem, mas suas aventuras e observações estão eternizadas.

 

 

Claude Lévi-Strauss em ‘Tristes Trópicos’, assim se refere a Léry: “A leitura de Léry me ajuda a escapar de meu século, a retomar contato com o que eu chamaria de ‘sobre realidade’, não aquele de que falam os surrealistas, mas uma realidade ainda mais real do que aquela que testemunhei. Léry viu coisas que não têm preço, porque era a primeira vez que eram vistas e porque foi há mais de quatrocentos anos”.

 

ÍNDIOS CAPIXABAS

Jean Léry aporta pela primeira vez nesta “quarta parte da Terra” ao norte de Espírito Santo no final de fevereiro de 1557 e tem a oportunidade de observar de perto os índios, durante um escambo. Seis homens e uma mulher visitam o navio e “depois que admiraram nossas peças e tudo o mais que desejaram no navio, (…) tratamos de pagar-lhes os víveres que nos haviam trazido. Mas como desconhecessem o pagamento em moeda, foi o mesmo feito com camisas, facas, anzóis, espelhos e outras mercadorias usadas no comércio com os índios. Essa boa gente que não fora avara ao chegar, de mostrar-nos tudo quanto trazia no corpo, do mesmo modo procedeu ao partir, embora já vestisse camisa. Ao sentarem-se no escaler, os índios arregaçaram-se até o umbigo a fim de não estragar as vestes e descobriram tudo que convinha ocultar, querendo, ao despedir-se, que lhes víssemos ainda as nádegas e o traseiro. Agiram como honestos cavalheiros e embaixadores corteses. Contrariando o provérbio comum entre nós de que a carne é mais cara do que a roupa, revelaram a magnificência de sua hospedagem mostrando-nos as nádegas, na opinião de mais valem as camisas do que a pele”.

 

 

O Forte Coligny, hoje desaparecido, estava localizado no interior da baía da Guanabara, na ilha de Henri, atual Ilha de Villegaignon. Este forte foi o núcleo do estabelecimento colonial francês na baía da Guanabara – a França Antártica (1555-60), sob o comando de Nicholas Durand de Villegagnon (1510-71). Em março de 1557 uma segunda expedição, sob o comando do Capitão Bois-le-Compte, sobrinho de Villegagnon, chegou à Guanabara com reforços: três navios novos e bem artilhados, transportando 290 colonos. O calvinista Jean de Léry, integrante desse reforço, resumiu a chegada dos primeiros franceses (“Histoire d´un voyage en terre de Brésil”, 1578): “(…) Assim, antes de partir de França, Villegagnon prometeu a alguns honrados personagens que o acompanharam, fundar um puro serviço de Deus no lugar em que se estabelecesse. E depois de aliciar os marinheiros e artesãos necessários, partiu em maio de 1555, chegando ao Brasil em novembro, após muitas tormentas e toda a espécie de dificuldades”.

 

GUANABARA

Depois de um quase naufrágio na região de Macaé, ocasião em que o mestre e o piloto do navio “em vez de se mostrarem os mais imperturbáveis e animarem os companheiros, vendo o perigo exclamaram duas ou três vezes: ‘estamos perdidos’”, as naus passam por Cabo Frio, “aí que pela primeira vez vimos papagaios voando alto e em bando como os pombos e gralhas na França, e pude observar que andam sempre acasalados à maneira de nossas rolas. (…) No domingo, 7 de março, deixando o mar alto à esquerda, do lado do leste, entramos no braço de mar chamado Guanabara pelos selvagens e Rio de Janeiro pelos portugueses, que assim o denominaram por tê-lo descoberto, como afirmam, no 1º de janeiro”.

 

 

Ilha de Villegagnon, detalhe de pintura de Alfred Martinet, ao fundo o Pão de Açucar.

 

O grupo é recebido por Villegaignon, o pai Colás dos indígenas, no forte em construção. Após as orações e a troca de amabilidades, as intenções religiosas são reafirmadas. Uma refeição “de farinha feita de raízes e peixe moqueado” precede o primeiro regalo de pai Colás: “Como sobremesa própria para refazer-nos dos trabalhos no mar, mandaram-nos carregar pedras e terra para as obras do Forte Coligny, que se achava em construção”.

 

PÃO DE AÇUCAR, O ROCHEDO PIRÂMIDE

 

Na descrição da paisagem à entrada da baía, Léry assim se refere ao Pão de Açúcar: “Faz-se mister, em seguida, transpor um estreito que não chega a ter um quarto de légua de largura, e é limitado à esquerda por um rochedo em forma de pirâmide, não somente de grande altura, mas ainda maravilhoso porque de longe parece artificial. E por ser redondo como uma torre imensa, denominaram-no os franceses hiperbolicamente ‘pot-au-beurre’”.

 

Logo as dissensões filosóficas se estabelecem e depois de oito meses de mão de obra barata, o forte é terminado. Jean de Léry e alguns companheiros são expulsos do forte e se instalam com “na praia, ao lado esquerdo do rio Guanabara, num lugar denominado pelos franceses ‘Briqueterie’ (olaria) e que dista apenas meia légua do fortim”.

A convivência entre os selvagens, “pelos quais éramos tratados com mais humanidade que pelo patrício que gratuitamente não nos podia suportar, e comíamos e bebíamos entre eles”, se prolonga por mais alguns meses, enquanto aguardam oportunidade de retornar à França.

 

 

PRÓXIMA EDIÇÃO 363 – junho de 2024 – JEAN DE LÉRY – Parte 3

O que Jean de Léry observa e anota permanecerá por séculos como documento raro do reencontro de seres humanos, separados há 40 mil anos, desde que deixaram a África para dominar o planeta. O modo de viver dos indígenas impressiona nosso magoado cronista, recém egresso de um ambiente em litígio filosófico. 

 

 

Continue Lendo

Artigos

Festa do Divino, circo e brincadeiras de rua fazem parte da agenda cultural deste fim de semana

Confira as atrações fomentadas pelas secretarias de Cultura e Economia Criativa e de Turismo que compõem a programação de sexta (17) a domingo (19) no Distrito Federal

Publicado

em

 

Por Jak Spies, da Agência Brasília | Edição: Débora Cronemberger

 

De festivais de rua a espetáculos de circo, diversas programações contam com o fomento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, por meio de recursos do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal (FAC-DF), além do apoio da Secretaria de Turismo do DF. Confira as atrações que preenchem a agenda dos brasilienses de sexta-feira (17) a domingo (19).

Festa do Divino

No sábado (18), os cavaleiros que participam dos festejos em homenagem ao Divino Espírito Santo, em Planaltina, vão ter um grande almoço preparado por voluntários | Foto: Renato Alves/Agência Brasília

De sexta (17) a domingo (19), das 7h às 20h, Planaltina recebe a etapa final da segunda maior celebração religiosa de Brasília, reunindo fiéis para dias de festejos, cavalgadas e missas em homenagem ao Divino Espírito Santo.

No sábado (18), às 13h, as novenas se reúnem para o Encontro das Bandeiras na Praça da Paróquia São Sebastião para o Giro da Folia, o ponto alto da Festa do Divino. Neste encontro, é servido um grande almoço para os cavaleiros, preparado por voluntários e entusiastas das festividades.

No domingo de Pentecostes, a Procissão da Coroa aproxima-se da igreja matriz, celebrando com fogos de artifício e músicas. O Imperador do Divino e seu cortejo entram pela porta principal e se colocam junto ao altar, de frente para o povo, dando continuidade ao festejo até a celebração da missa pelo padre. Após a missa, as tradicionais cantigas da festa são cantadas e tocadas.

Circo e brincadeiras de rua

Fercal vai receber, neste sábado (18), a partir das 15h, a segunda edição rural do Festival de Brincadeiras de Rua | Foto: Divulgação

A segunda edição rural do Festival de Brincadeiras de Rua vai acontecer neste sábado (18) no Córrego do Ouro, região rural da Fercal. Com início às 15h, serão estações de brincadeiras onde crianças e adultos poderão brincar de pular corda, futebol, corrida de tampinha, queimada, bola de gude, bete e outras brincadeiras populares.

Aproveitando a data, o Conselho Tutelar da Fercal fará uma palestra sobre o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Para finalizar o dia, o Coletivo Ambidestro apresentará o Palco Aberto, um espetáculo de variedades circenses. Haverá, ainda, sorteio de brinquedos populares ao final do evento.

Espetáculo com palhaços vai animar a Estrutural nesta sexta-feira (17) | Foto: Divulgação

E para quem gosta de circo, os palhaços Chaubraubrau e Raquaquá se preparam para mais uma caravana, que começa nesta sexta (17), na Estrutural. As apresentações são às 10h no Centro de Educação Infantil 01 e às 17h no Coletivo da Cidade.

Shows

Neste sábado (18) e no domingo (19), ocorre o encerramento da segunda edição do Afro em Movimento, uma grande celebração da cultura e do empreendedorismo negro no Sesc 504 Sul, com entrada gratuita.

A programação conta com DJ, shows, aulas abertas e a Feira Afro – que vai reunir moda, artesanato e diversos outros artigos de 12 produtores negros que estarão em exposição nos dias 18 e 19 de maio, a partir das 14h. A programação musical tem abertura do DJ Áfrika e também contempla artistas como Flor Furacão e Ellen Oléria.

 

 

Continue Lendo

Artigos

Aberta consulta pública sobre requalificação do Centro Urbano de Planaltina

Até o dia 16 de junho, a população poderá contribuir com sugestões para o desenvolvimento do projeto; formulário online está disponível no site da Seduh

Publicado

em

 

Por Agência Brasília* | Edição: Carolina Caraballo

 

O Centro Urbano de Planaltina contará com um projeto de requalificação elaborado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação do Distrito Federal (Seduh). A população terá a oportunidade de contribuir com sugestões para a formulação desta proposta por meio de consulta pública virtual, disponível até o dia 16 de junho. A participação efetiva dos cidadãos permitirá que as demandas da comunidade sejam atendidas no projeto.

A área para qual o projeto será elaborado tem aproximadamente 600 mil m² | Imagem: Divulgação/ Seduh

Para participar, basta que o interessado acesse o formulário online disponível no próprio site da Seduh, na aba Consultas Públicas. Nele, serão analisados os problemas identificados pela população, assim como o que se deseja implantar em cada um dos trechos.

A área para qual o projeto será elaborado tem aproximadamente 600 mil m², abrangendo o Setor Recreativo Cultural, o Terminal Rodoviário e Setor de Hotéis e Diversões, a Praça do Estudante, o Setor Educacional e o Setor Comercial.

“Trata-se de uma área urbana consolidada, com grande circulação de pessoas. Nosso objetivo com o projeto é a criação de rotas acessíveis, revitalização dos espaços livres e reordenamento dos estacionamentos”, adiantou o subsecretário de Projetos e Licenciamento de Infraestrutura da Seduh, Vitor Recondo.

Após análise técnica das contribuições enviadas durante a consulta pública, o projeto será elaborado pela Seduh. Em seguida, deverá ser aprovado por portaria.

*Com informações Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh)

 

 

Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010