Artigos

ACONCÁGUA

Aventura e degelo na maior montanha do Hemisfério Sul. O montanhista brasileiro Pedro Hauck fala sobre as mudanças climáticas e a escalada do Aconcágua.

 

Cadê o gelo que estava aqui? Pergunta o montanhista brasileiro Pedro Hauck, 42 anos, a cada vez que lidera uma expedição ao Aconcágua, na Cordilheira dos Andes, a maior montanha do ocidente e do hemisfério sul, com 6.961 metros de altitude. Nesta entrevista exclusiva à Folha do Meio Ambiente, Hauck fala sobre sua experiência em alta montanha e as alterações que têm percebido em mais de duas décadas de escaladas.

 

Pedro Hauck, paulista de Itatiba, radicado há 17 anos em Curitiba, é geógrafo formado pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), pós-graduado na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e guia de expedições de montanhismo, além de sócio da loja Alta Montanha e da agência Soul Outdoor, que organiza viagens de montanhismo. Hauck já escalou 170 montanhas acima de 5 mil metros de altitude. A mais recente expedição foi ao Aconcágua, alcançando o seu cume, no período de 18 de janeiro a 04 de fevereiro deste ano, quando concedeu a entrevista à Folha do Meio e logo depois engatou uma escalada à montanha  Ojos del Salado, a mais alta do Chile, com 6.893 metros de altitude, a segunda maior montanha do hemisfério sul. Enquanto você lê essa entrevista, Hauck ministra aulas de escalada em rocha no município paulista de Pedra Bonita, uma região considerada escola de escalada a céu aberto.

 

 

Pedro Hauck no cume da montanha nos Andes, lado chileno da cordilheira. Com o degelo nos Andes, até corpos de montanhistas estão aparecendo. Pedro Hauck explica que em suas expedições é feito de tudo para zerar o impacto ambiental. “Não deixamos nada e ainda recolhemos o que é encontrado de lixo no caminho”. (Foto: acervo Pedro Hauck)

 

PEDRO HAUCK – ENTREVISTA

 

Folha do Meio – Como surgiu teu interesse pelo montanhismo?

PEDRO HAUCK – A inspiração chegou aos poucos. Meu padrasto, Ernst Mossembock, é austríaco, ele viajou muito pelo mundo, eram viagens de aventura, não de montanhismo. Quando eu via as fotos dessas viagens eu achava muito legal. Minha mãe, Solange Vicentini, quando era jovem, fez uma viagem pela Bolívia, chegando até Machu Picchu, no Peru. As fotos dessas viagens também me impressionaram bastante. A primeira vez que vi montanhas foi viajando com eles, nas férias escolares, fomos para a Argentina, quando vi montanhas nevadas pela primeira vez na minha vida e sonhei em fazer escaladas. Com 18 anos, junto com um amigo, fiz algumas viagens de carona pela Argentina e algumas escaladas em alta montanha, mesmo sem muito conhecimento, na base da aventura. Portanto, estou nessa vida há 26 anos e eu amo o que faço. 

 

FMA – Nessas quase três décadas de montanhismo, quais os maiores desafios?

HAUCK – A expedição mais difícil que realizei foi a primeira, aos 18 anos de idade, que durou seis meses, porque eu tinha pouca experiência. Fui de carona até Ushuaia, na Argentina, e a primeira montanha de altitude que escalei foi o Cerro Plata, em Mendoza, com 5.968 metros de altitude, considerada uma montanha-escola para quem deseja chegar ao cume do Aconcágua. Como eu não tinha dinheiro, dependia muito da ajuda dos outros, e cheguei a dormir na rua quando montei a barraca em um terreno de área urbana e ocupei uma casa abandonada para dormir.

 

FMA – Sim, mas quais os maiores desafios?

HAUCK – Uma das expedições mais difíceis que fiz foi a escalada do Aconcágua – 6.961 metros de altitude – sem o uso de mulas para carregar os equipamentos. A escalada demora, em média, uns 14 dias e depende muito das condições climáticas. São quase 40 km para chegar na base da montanha caminhando. É uma aproximação demorada e eu carregava uma mochila com mais de 40 kg. Encarei tempestades terríveis e, além disso, a comida acabou antes que eu alcançasse o cume. Precisei pegar comida que havia sido descartada por outros montanhistas no caminho. Emagreci 8 kg nessa jornada. A montanha não foi a mais difícil. Difícil mesmo foram as condições. Eu tenho 1m73 e peso 70 kg. A mochila cargueira que costumo levar nas expedições tem mais de 30kg. Sem dúvida, a prática do montanhismo exige muito preparo físico e uma lombar bem fortalecida.

 

FMA – E fora do Hemisfério Sul?

HAUCK – Recentemente estive no Paquistão, uma montanha de 8 mil metros, a Gasherbrum II – 8.035 metros de altitude. É uma escalada perigosa e muito técnica. Quando eu estava perto do cume o tempo virou e tivemos de descer e quando voltamos ao acampamento a tempestade estava muito forte e soterrou toda a nossa estrutura de escalada, como as cordas fixas, elas sumiram na neve e tivemos de procurar o material. A rota foi coberta por muita neve e ficou difícil encontrar o caminho. Nesses meus 26 anos de montanhismo, eu já realizei cerca de 170 ascensões a montanhas de grande altitude. Enfrentei vários tipos de dificuldades nesse tempo, inclusive políticas, em países que passavam por crises de governo, mas no fim tudo dava certo.

 

 

Montanhistas do grupo de Pedro Hauck  escalando os Andes.

 

FMA – Nas tuas fotos é possível ver o degelo nas montanhas. Que leitura você faz sobre esse fenômeno?

HAUCK – Eu sou uma testemunha das mudanças climáticas globais. Em 2002, na minha primeira experiência no Aconcágua, a montanha era totalmente diferente de hoje. Em fevereiro, que é uma época em que o derretimento do gelo está mais avançado, mesmo assim eu escalava em gelo, isso na Plaza de Mulas, que é onde fica o acampamento base, a 4.300 metros de altitude. Atualmente, e eu acabei de voltar de lá, na Plaza de Mulas, não tem nada de gelo. Zero gelo. Já escalei montanhas nos Andes cuja rota era pelo gelo, o gelo derreteu, como na montanha Rincon, com 5.590 metros de altitude. Era uma rota por uma canaleta de gelo e agora a escalada é em rocha pura. É muito perigoso, porque essas rochas estão soltas, elas estavam estáveis por conta do gelo, que funciona como cimento.

 

 

As mudanças climáticas não são apenas alterações na temperatura. O clima é muito mais do que temperatura, o clima é precipitação, é vento, é irradiação. Todos esses elementos mudaram e aqui nos Andes uma coisa que mudou muito é a precipitação, tem nevado cada vez menos, sem falar na temperatura que subiu muito.

 

 

FMA – Parece que as mudanças climáticas vão além da temperatura…

HAUCK – Verdade. As mudanças climáticas não são apenas alterações na temperatura. O clima é muito mais do que temperatura, o clima é precipitação, é vento, é irradiação. Todos esses elementos mudaram e aqui nos Andes uma coisa que mudou muito é a precipitação, tem nevado cada vez menos, sem falar na temperatura que subiu muito. A média de temperatura no inverno nos Andes oscilava entre 14 graus centígrados negativos e zero. As rotas técnicas, com gelo, estão desaparecendo, assim como todos os glaciares, agora estão surgindo as rochas soltas. As estações de esqui estão fechando porque não há mais gelo.

 

FMA – O fenômeno afeta as estações de esqui?

HAUCK – E muito! A estação de esqui de Chacaltaya, na Bolívia, perto de La Paz, que era a estação de esqui mais alta do mundo, a 5.421 metros de altitude, fechou em 2009. Acabou o gelo por completo e a estação foi abandonada. Um amigo boliviano me disse que antigamente, a van do Clube Boliviano de Montanhismo passava na casa dos associados e eles iam para o cerro Chacaltaya e passavam o fim de semana esquiando no gelo. Com o fim da neve no cerro, acabou o Clube Boliviano, a estação de esqui, os empregos e a geração de renda oriunda dessas atividades.

 

 

FMA – E isso afeta também suas atividades?

HAUCK – Pois é, eu ministro um curso de alta montanha na Bolívia há algum tempo. São aulas práticas de técnica de escalada em gelo. Há três anos eu levava o grupo até 4.900 metros de altitude para praticarmos a escalada em gelo. Não tem mais gelo nessa altitude. Agora nós precisamos subir até 5.300 metros para encontrar gelo e praticar a técnica. Abaixo dessa altitude é tudo rocha exposta ao Sol e às variações climáticas.

Recentemente, a estação de esqui Vallecitos, no cerro Cordon del Plata, a cerca de 5 mil metros de altitude, na Argentina, foi totalmente abandonada, não tem mais gelo. A estação de esqui de Penitentes, 4.350 metros de altitude, ao lado da Rota 7, que vai de Mendoza, na Argentina, a Santiago, no Chile, está parcialmente abandonada desde 2016 porque não é em todos os invernos que há neve suficiente para a prática do esporte.

 

FMA – E como fica a questão da água para consumo?

HAUCK – Esse é outro problema sério. Por conta do degelo, lugares que tinham abundância de água, agora não têm mais e as pessoas acabam abandonando suas terras e o estilo de vida e migram para as cidades. Em agosto de 2023, a região dos Andes, no pé da cordilheira, registrou temperatura de 38,9 graus centígrados.  E foi em agosto, mês de inverno.

 

Nas minhas expedições faço de tudo para zerar o impacto. Não deixamos nada e ainda recolhemos o que é encontrado de lixo no caminho. Muitos dos locais que frequentamos são unidades de conservação e têm suas regras de controle e, por isso mesmo, não encontramos muitos resíduos.

 

FMA – Qual tua estratégia nas expedições para diminuir o impacto ao meio ambiente?

HAUCK – Nas minhas expedições faço de tudo para zerar o impacto. Não deixamos nada e ainda recolhemos o que é encontrado de lixo no caminho. Muitos dos locais que frequentamos são unidades de conservação e têm suas regras de controle e, por isso mesmo, não encontramos muitos resíduos. Tem ainda uma questão importante, que são as fezes, sempre levamos banheiros, não é químico, e as pessoas fazem suas necessidades dentro de um saquinho, e a gente traz de volta. As expedições ao monte Roraima, no Brasil, também adotam essa prática.

 

FMA – Sim, não fica nada na montanha. Não tem ninguém pensando numa estrutura de aproveitamento para dar mais sustentabilidade?

HAUCK – É uma questão para ser aprimorada. Na montanha acaba não ficando nada. De fato, deveria haver uma estrutura local para transformar o resíduo biológico em algum tipo de nutriente. É necessário pensar em soluções para essa questão. A gente vê que nesses destinos de montanhismo existe cada vez mais uma consciência ambiental, mas ainda falta boas inciativas e melhor organização.

 

 

Artigos

Brasília em Cores: A Poesia Urbana de Jeff Duprado

Explorando a Capital Além dos Palácios no Espaço Cultural STJ

Publicado

em

 

No próximo dia 5 de junho, às 18h30, o Espaço Cultural STJ abrirá suas portas para receber a tão aguardada exposição “Brasília Além dos Palácios”, uma criação do talentoso artista Jeff Duprado. A mostra estará disponível para visitação até o dia 3 de julho de 2024, de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h.

A exposição convida os espectadores a mergulharem nas paisagens urbanas e cotidianas que compõem a identidade singular da capital brasileira. Sob a perspectiva subjetiva de Jeff Duprado, os monumentos cedem espaço para a intimidade das ruas, revelando Brasília em sua essência mais pura. Cada pincelada do artista conta uma história, entrelaçando-se com as tramas urbanas e proporcionando uma visão única e renovada a cada ângulo explorado. A busca poética de Duprado encontra inspiração em cada detalhe, desde as sombras projetadas sobre os carros nas quadras residenciais até as texturas dos cobogós, conferindo significado e profundidade às suas composições.

Contudo, a arte de Jeff Duprado vai além do mero retrato visual; ela mergulha na materialidade da cidade ao incorporar elementos colhidos nos arredores da capital em suas tintas. Terra e plantas são manipulados e transformados em pigmentos, não apenas retratando Brasília, mas infundindo suas obras com a própria essência da cidade, criando uma simbiose única entre arte e localidade, onde a pintura se torna uma expressão tangível da inspiração que emana da capital.

Venha descobrir Brasília sob uma nova perspectiva, através dos olhos sensíveis de Jeff Duprado, em uma jornada poética que não pode ser perdida.

Sobre o Espaço Cultural STJ

O Espaço Cultural STJ desempenha um papel fundamental na promoção do acesso e divulgação de bens culturais, contribuindo para a formação crítica e reflexiva do público sobre si mesmo e o mundo ao seu redor. Desde 2001, é amplamente reconhecido e visitado pelo público apreciador das artes visuais, especialmente pelos servidores do Tribunal.

As oportunidades de ocupação do espaço são divulgadas de forma democrática, resultando em um cronograma anual de exposições cuidadosamente selecionadas.

Serviço

Abertura: 5 de junho, das 18h30 às 21h Visitação: De 6 de junho a 3 de julho de 2024, de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h Local: Espaço Cultural STJ, no mezanino do Edifício dos Plenários (segundo andar).

Fonte: Comunicação STJ

 

 

Continue Lendo

Artigos

Brasília recebe primeira Parada do Orgulho da Pessoa com Deficiência

Evento oferece atrações culturais no centro da cidade

Publicado

em

 

Quem aproveitou a tarde de sol e calor para visitar a região da Torre de TV, no centro de Brasília, neste domingo (26), encontrou uma série de apresentações artísticas com grupos formados exclusivamente por pessoas com deficiência (PcD).

Break dance em cadeira de rodas, banda de percussão formada por pessoas surdas e declamação de poesias são algumas das atrações que transformaram o centro da capital do país em ponto de encontro e convivência para PcD’s.

Um dos fundadores da parada, o soteropolitano Marcelo Zig, explica que a ideia é ocupar um espaço de alta visitação com uma programação cultural toda formada por pessoas com deficiência.

“Ela é originalmente uma manifestação de pessoas com deficiência para pessoas com deficiência”, afirmou Marcelo Zig. “É um evento em que todos os setores têm a participação de pessoas com deficiência, na organização, na realização e na apresentação”.

A primeira Parada do Orgulho PcD do Brasil ocorreu em setembro, em São Paulo, por ocasião do Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência. Com o sucesso, os organizadores buscam agora replicar o evento em outras cidades. Além de Brasília, a parada já ocorreu em Salvador e no mês que vem segue para Belo Horizonte. Em setembro, ocorre a segunda edição na capital paulista.

“É a melhor experiência essa oportunidade para gente ter esse sentimento de pertencimento. Nunca imaginei que isso poderia ser possível”, relatou Inês Salvínia, de 24 anos, que é cega e moradora de Sobradinho, no entorno de Brasília.

“É uma oportunidade que a gente tem de as pessoas se conhecerem, se conectarem, conversar e projetar futuros, e também de PcDs interagirem com pessoas sem deficiência”, completou.

Além da programação cultural neste domingo, que segue até a noite, a 1ª Parada do Orgulho PcD de Brasília contará ainda com uma sessão solene na Câmara Legislativa do Distrito Federal, na próxima terça-feira (28).

Brasília (DF) 26/05/2024 - Brasília recebe primeira Parada do Orgulho da Pessoa com Deficiência.
Foto: Luérgio de Sousa/Divulgação
Parada do Orgulho da Pessoa com Deficiência. Foto: Luérgio de Sousa/Divulgação

Edição: Carolina Pimentel

ebc

 

 

Continue Lendo

Artigos

Clima de festa junina: Confira dicas para aproveitar sem risco de acidentes

Temporada amada pelos brasilienses demanda cuidados com fogueiras, fogos de artifício, alimentos quentes e aglomerações

Publicado

em

 

Por Ana Flávia Castro, da Agência Brasília | Edição: Vinicius Nader

 

Junho ainda não chegou, mas o brasiliense está ansioso por uma das temporadas festivas mais amadas do ano. Com o clima de festa junina, vem a necessidade de atenção às medidas de segurança diante dos fogos de artifício, fogueiras, alimentos quentes e outras atividades típicas da época.

Segundo o médico Ricardo de Lauro, chefe da unidade de queimados do Hospital Regional da Asa Norte (Hran), esta época reúne uma combinação “altamente inflamável” com a reunião de pessoas, o aumento do consumo de bebidas alcoólicas e situações ambientais que favorecem o surgimento de acidentes.

Brincadeiras como pular a fogueira devem ser evitadas | Foto: Marcelo Casal Jr / Agência Brasil

“Apesar de esta não ser a época de maior número de registros de queimaduras aqui no Hran, a quantidade de pacientes queimados em termos absolutos tem aumentado ao longo dos anos, principalmente queimaduras provocadas por líquidos inflamáveis. Essas queimaduras, independente de serem em época de festas juninas, geralmente são mais intensas e mais profundas, portanto mais graves”, alerta o profissional.

O Hran é referência nacional no atendimento a casos de queimaduras. De acordo com De Lauro, é fundamental que as pessoas redobrem os cuidados. “Pular a fogueira, de jeito nenhum. Os fogos de artifício também provocam queimaduras, pessoas cozinhando em ambientes improvisados na festa junina, preparando gorduras e líquidos quentes, e pessoas correndo soltas. Isso tudo é uma receita propícia ao surgimento de queimaduras”, detalha.

Proibido brincar com fogo

“No caso dos fogos de artifício, eles devem ser manuseado apenas por adultos, e distante de áreas de vegetação, de residências e de animais”

J. Nascimento, segundo-tenente do Corpo de Bombeiros

O segundo-tenente do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF), J. Nascimento, reforça o alerta e frisa que os perigos da época atingem especialmente idosos, crianças e pessoas com deficiência.

“Pais, tenham atenção especial às crianças. No caso dos fogos de artifício, eles devem ser manuseado apenas por adultos, e distante de áreas de vegetação, de residências e de animais. O bicho, por exemplo, pode se assustar e morder as pessoas que estão próximas. As crianças também podem sair correndo e idosos podem cair. Qualquer emergência, ligue 193”, destaca o bombeiro.

Além disso, lembre-se de seguir as instruções do fabricante. No caso de fogueiras, atente-se aos detalhes:

⇒ Procure um terreno plano, com uma superfície rígida e sólida. Por exemplo, terra batida ou concreto;

⇒ Acenda a fogueira em um local, no mínimo, 30 metros distante de vegetação, construções e residências de alvenaria ou, principalmente, de barracas;

⇒ Ao acender o fogo, não utilize material ou combustíveis inflamáveis, como gasolina, álcool 70 ou similares. Opte por pastilhas sólidas ou álcool gel;

⇒ Crianças e pessoas consumindo bebidas alcoólicas não devem se aproximar da área da fogueira;

⇒ Após o fim do evento, apague a fogueira mesmo que pareça apenas uma “brasinha”. Jogue água porque no outro dia pela manhã, alguém distraído ou uma criança pode pisar no local e se ferir;

⇒ Fogo não combina com brincadeiras. Nada de “pular a fogueira” ou atividades do tipo, porque você pode cair;

⇒ A fogueira não deve ser muito alta, nem ficar perto de áreas eletrificadas – como postes e fiações.

Decoração

Soltar balões juninos é proibido em todo o território nacional. Desde 1998, a fabricação, venda e soltura desses dispositivos são crimes ambientais

A mesma regra vale para a decoração. Enfeites não devem ser pendurados em postes de energia. Para colorir o local da festa, opte sempre por construir estruturas com hastes, bambus ou ripas que servirão de apoio para bandeirinhas e outros adornos.

É sempre importante lembrar: soltar “balões juninos” é proibido em todo o território nacional. Desde 1998, a fabricação, venda e soltura desses dispositivos são crimes ambientais. “Eles (os balões) podem cair em uma área de vegetação, ou em uma residência e causar incêndios. É proibido porque pode trazer danos materiais e humanos”, explica Nascimento.

Cuidado com a alimentação

As festas juninas são uma tradição adorada pelo brasiliense | Foto: Bento Viana/ Agência Brasil

Uma das características mais marcantes das festividades juninas, o preparo e consumo de comidas também precisa de cuidados porque os alimentos são, em maioria, consumidos quentes. No caso das cozinhas, é importante verificar se o botijão de gás está devidamente tampado e a mangueira posicionada corretamente.

“O quentão, a canjica, o caldo e todas as demais comidas quentes precisam ser consumidas com cuidado para que não haja queimaduras ou o derramamento no corpo, o que pode causar uma lesão. No caso dos pais, é importante ter uma atenção especial: quando for entregar um pastel para a criança, faça uma abertura para retirar o vapor quente. Essas ações são importantes para evitar queimaduras na festa, e você não passar nenhum dissabor”, frisa o J. Nascimento.

Crianças também não devem circular livremente pelas cozinhas, por conta do óleo e de outros insumos aquecidos. E esteja de olho o tempo inteiro no seu pequeno: em época de festa, muitos deles se perdem dos responsáveis.

 

 

Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010