Artigos

Verdades e mentiras da gestão ambiental


Silvestre Gorgulho


“Tenho uma convicção: 90% do que escrevo é invenção. Só 10% é mentira”. A frase do poeta maior, Manoel de Barros, me vem à cabeça toda vez que assisto aos depoimentos nas três CPIs realizadas no Congresso Nacional. Uma coisa é a licença poética que garante a Manoel de Barros viver sua sensibilidade pantaneira escutando “até a cor dos passarinhos”, e outra é a licenciosidade maquiavélica dos políticos e empresários envolvidos em crimes eleitorais. Ao depor nas CPIs, eles são orientados por advogados para escolherem a tipificação do crime que já cometeram.


Também na gestão ambiental, muito que se diz é invenção. O resto perece mentira. Mesmo depois de todo escândalo que foi o aumento do desmatamento da Amazônia, no ano passado, agora no final de julho, o coração da Terra do Meio, no sudoeste do Pará, ardeu em chamas. Foram mais de dois milhões de árvores derrubadas e queimadas pelo fazendeiro José Dias Pereira. Simplesmente, ele colocou fogo na floresta para fazer pasto e criar gado. Foi o maior desmatamento registrado este ano. E por que José Dias ocupou a floresta? Simples: porque na floresta, além da malha de rios que facilita o transporte, estão sendo construídas estradas clandestinas pelo crime organizado. Essas estradas facilitam o acesso de madeireiros, garimpeiros, fazendeiros. A leitura desta realidade pode ser interpretada como a prova inconteste da ausência de governo e da indefinição de uma política florestal. Das duas, uma: ou os discursos dos gestores ambientais, das autoridades federais e estaduais são invencionices ou são mentiras, mesmo.


Mas existe o outro lado da medalha. Tal qual as florestas que estão sendo dizimadas do mapa da Amazônia por toda sorte de crime, outrora, no litoral brasileiro, as baleias sofriam do mesmo mal: durante dois séculos foram caçadas ao extremo. De uma população de 300 mil, elas chegaram a menos de 30 mil. Mas a sociedade soube reagir. No governo José Sarney, em 1986, o Brasil aderiu à medida proibitiva da caça à baleia e hoje é o país maior defensor destes mamíferos marinhos. A recompensa está aí: as baleias voltaram e atraem turistas do mundo inteiro. Segundo a bióloga Márcia Engel, uma baleia jubarte, ao longo de 60 anos de vida, proporciona cerca de um milhão de dólares para operadores turísticos, hotéis, lojas, e restaurantes das várias comunidades do litoral brasileiro. No mercado do peixe, no Japão, uma baleia caçada e esquartejada não vale mais do que 250 mil dólares.


Amigo leitor: comecei com Manoel de Barros e vou concluir com esse fascinante poeta que se criou no Pantanal, onde “as garças descem nos brejos que nem brisas. Todas as manhãs”. Onde “os patos prolongam meu olhar… Quando passam levando a tarde para longe…”. E onde, a mentira e a verdade têm os mesmos significados na minha cabeça e na do poeta: “Há histórias tão verdadeiras que, às vezes, parece que são inventadas”.


SUMMARY


Lies and truths


“I am convinced that 90% of what I write is make-believe. Only 10% is a lie.” This phrase, written by the great poet Manoel de Barros, comes to mind every time I watch the hearings from the three Parliamentary Commissions of Inquiry (CPI) currently being carried out in the National Congress. It is one thing to have a poetic license that guarantees Manoel to live his Pantanal sensitivity by hearing “even the color of the birds”, and quite another to have the Machiavellian license of the politicians and business people involved in these electoral crimes. As they go on the stand they are advised by the lawyers what type of crime to choose, even though they have already committed them.


Many of what is said in environmental management is also make-believe. The rest seems like lies. Even after all the commotion caused by the increase in the deforestation of the Amazon last year, just recently, towards the end of July the heart of the Terra do Meio, in the southwest of the state of Pará, burned into flames. Over two million trees were slashed and burned by the rancher José Dias Pereira. He simply burned the forest to make pastures for cattle raising. This was the largest deforestation registered this year. Why did José Dias settle in the forest? The answer is simple, the network of rivers as well as the illegal roadways built by organized crime facilitate transportation. These roadways facilitate the access for lumberjacks, miners, and ranchers. This reality is a result of the lack of government and an undefined forest policy. Either the speech of environmental managers and federal and state authorities is nothing but make believe, or lies.


There is another side to the coin. Just as the forest is being decimated from the map of the Amazon through all kinds of crimes, so were the whales, who suffered the same ailment for over two centuries along the Brazilian coastline, where they were hunted to the extreme. From a population of 300 thousand they decreased to fewer than 30 thousand. Society knew how to react. During the José Sarney government in 1986, Brazil adopted the whaling prohibition measure and is today the greatest defender of these marine mammals. The reward is that the whales are once again attracting tourists from all over the world. According to biologist Márcia Engel, the humpback whale, in its 60-year lifespan, generates around US$ 1 million for the tourism, hotel, retail, and restaurant business in the various Brazilian coastal communities. In the fish market, a caught and butchered whale is worth no more that US$ 250 thousand.



Dear reader, I began with Manoel de Barros and I will end with this fascinating poet that was raised in the Pantanal where the “egrets descend into the swamps like a breeze. Every morning.” Where “the ducks stretch my vision…As they pass by, taking the afternoon far away….” And where lies and truths have the same meaning in my mind and the mind of the poet: “There are stories that are so true they seem to be make-believe.”
SG

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Inovação verde

Sustentabilidade e a sigla ESG tem dominado grande parte da pauta de encontros empresariais

Published

on

 

O conceito da sustentabilidade e a sigla ESG tem dominado grande parte da pauta de encontros empresariais, seminários e congressos de negócios. O discurso garante não ser apenas mais um modismo, como tantos outros no passado, e sim um conceito que teria vindo para ficar, até porque não teríamos escolha, se quisermos salvar o planeta. Além disso, as gerações Y e Z estão mais atentas ao assunto e cobrando maior responsabilidade ambiental, social e de governança das empresas.  O mercado financeiro e as certificadoras também observam esse novo momento para oferecer vantagens e reconhecer as companhias que demonstrarem maior comprometimento com a sustentabilidade.

Nessa pauta, um dos principais desafios é desenvolver tecnologias que sejam sustentáveis, tanto economicamente viáveis quanto atraentes para o mercado.  Hitendra Patel, diretora do IXL Center da Hult International Business School, e que no Brasil é parceiro da Revista Amanhã em um ranking de inovação, criou o termo “greenovations” para essas soluções, e destaca a necessidade da viabilidade financeira para o assunto ganhar relevância entre as empresas. Boas ideias e tecnologias não são suficientes para criar produtos e serviços ambientalmente sustentáveis. É preciso torná-los lucrativos e atrativos, criando um círculo virtuoso.

As empresas precisam transformar essa pauta em cultura para que ela permeie os novos modelos de negócios. Os setores público e privado devem trabalhar juntos para evitar excessos na legislação, buscar eficiência nos licenciamentos, equilíbrio e ponderação nas fiscalizações e oferecer estímulos à inovabilidade. É a melhor maneira de transformar o que muitas vezes ainda é visto como moda, ou como um fardo a carregar, em um compromisso espontâneo e duradouro.

 

Escrito por Carlos Rodolfo Schneider – empresário

 

 

Continue Reading

Artigos

Brasil, falta de Neymar e resultado das urnas

Published

on

Tô pensando o seguinte:
NEYMAR faz muita falta à Seleção Brasileira. Assim como o VAR faz falta na eleição no Brasil.
Quando o Juiz vai pro VAR ele busca transparência e retidão no lance.
É tudo que se quer no resultado das urnas.
Continue Reading

Artigos

Debênture Verde: Biotrop investe R$ 92,5 milhões em sustentabilidade no primeiro ano

Com o crescimento acelerado da demanda por produtos biológicos e naturais na agricultura, empresa amplia investimentos em P&D, estruturas, laboratórios e prepara o lançamento de novos produtos, contribuindo cada vez mais com a agricultura regenerativa

Published

on

 

A Biotrop, empresa dentre as líderes em soluções biológicas e naturais para o agronegócio, através da sua controlada – Total Biotecnologia S.A., acaba de ser certificada pelo Bureau Veritas pela destinação de mais de R$ 92,5 milhões de recursos para as iniciativas sustentáveis, oriundas das debêntures verdes captadas.

Do valor de R$ 100 milhões obtidos com o título, um montante superior a 92% foi destinado para investimentos em três importantes blocos: capital de giro para a fabricação e distribuição de bioinsumos; investimentos na planta, que inclui a expansão fabril, equipamentos para os laboratórios, veículos e tecnologia da informação; e para as atividades de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), incluindo inovação, para garantir novos produtos destinados à agricultura sustentável. O valor restante dos recursos da debênture será alocado para novas demandas.

De acordo com o diretor financeiro, Adriano Zan, impressiona o montante que a Biotrop destinou de recursos já no primeiro ano da debênture. “Após a emissão, a companhia tem o prazo de até cinco anos para destinar os 100% de recursos. A rapidez desse processo é a prova da célere adoção de biotecnologias pelos agricultores, sobretudo as soluções sustentáveis da Biotrop. Um passo importante para a empresa e para a agricultura brasileira”, diz.

Para o CEO da empresa, Antonio Carlos Zem, esse relatório comprova o comprometimento e respeito da Biotrop com o mercado e principalmente a transparência com os investidores. “Utilizamos as debêntures verdes, entregamos indicadores financeiros melhores que os requeridos e usamos os recursos de modo sustentável para expandir a agricultura biológica. Pretendemos obter centenas de milhões em financiamentos verdes para 2023, dado o crescimento acelerado, o que pode ser uma ótima oportunidade para nossos credores”, diz.

Zem ressalta ainda as expectativas para o futuro. “Os agricultores no Brasil e na América Latina podem esperar o lançamento de novos produtos e maior capacidade de atender aos clientes. A Biotrop está liderando o mercado com uma robusta plataforma de inovação em várias dimensões dos biológicos. Ao associar P&D de ponta, acesso de mercado superior e equipe preparada e focada exclusivamente em biológicos, conseguimos crescer de forma exponencial, rentável, sustentável, com direção estratégica e através de pessoas extraordinárias!”, finaliza o executivo.

Sobre o título captado

Debêntures verdes são aquelas cujos recursos são investidos tanto em projetos com benefícios ambientais quanto sociais. Esses títulos de renda fixa são emitidos por empresas que precisam financiar um projeto, pagar uma dívida ou aumentar o capital. Para isso, elas pagam uma remuneração em troca do financiamento. No caso da Biotrop, as debêntures foram emitidas conforme a abordagem da ICMA (International Capital Market Association) e das Nações Unidas. O Banco Itaú BBA foi o coordenador-líder da emissão.

Sobre – A Biotrop é uma empresa brasileira, fruto da visão e empreendedorismo de um seleto grupo de profissionais apaixonados pelo agronegócio. Atua com foco em pesquisa e desenvolvimento de soluções diferenciadas e inovadoras, com o objetivo de contribuir para uma agricultura mais sustentável, saudável e regenerativa. Com escritório em Vinhedo (SP) e fábrica em Curitiba (PR), a empresa leva ao mercado o que há de melhor no mundo em soluções biológicas e naturais. Acesse www.biotrop.com.br.

 

 

 

Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010