Reportagens

GeoPark do Araripe

Os mistérios da vida na Terra

GeoPark do Araripe
Os mistérios da vida na Terra


Silvestre Gorgulho


As terras brasileiras são verdadeiramente sagradas. A exuberância da floresta amazônica ainda resiste a 506 anos de exploração e ocupação desordenada. O Brasil detém 12% da reserva mundial de água doce. E, agora, o mundo passou a admirar e estudar o maior depósito de fósseis do Planeta, justamente na bacia sedimentar do Araripe – Ceará. “Nas entranhas do Araripe estão os mistérios e segredos da vida na Terra”, explica a etnóloga Olga Paiva, do Iphan – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Com área de 10 mil km2, um terço de todos os répteis alados (pterossauros) descritos no planeta e mais de 20 ordens diferentes de insetos fossilizados, com idade entre 70 e 120 milhões de anos, a Chapada do Araripe foi incluída na Rede Mundial de Geoparks da Unesco. “No mundo existem, apenas, 37 geoparques e o do Araripe é o primeiro das Américas”, ressalta em entrevista o arquiteto e paisagista Carlos Fernando de Moura Delphin, do Iphan. 



                                                                                                                              Foto: Emídio Gonzaga


 Carlos Fernando de Moura Delphim – ENTREVISTA                      


Carlos Fernando nasceu jardineiro, estudou paisagismo e urbanismo, formou-se em arquitetura pela UFMG e trabalha hoje com projetos e planejamento para manejo e preservação de sítios de valor paisagístico, histórico, natural, paleontológico e arqueológico. Paisagista favorito de Oscar Niemeyer, já fez para ele vários projetos como o do Memorial da América Latina, em São Paulo, do Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, e da Universidade Norte Fluminense.
Suas pegadas estão hoje espalhadas por muitas regiões e cidades brasileiras. Elas podem ser encontradas em seus projetos como autônomo ou público, como o da restauração do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no Jardim Botânico de Brasília, nos Jardins do Brasil, em Osaka-Japão, na  Secretaria de Patrimônio Histórico do Rio Grande do Sul, nos Jardins Históricos da Fundação Nacional Pró-Memória, do IPHAN e de outros órgãos de preservação do patrimônio cultural brasileiro. Carlos Fernando trabalhou no IPHAN em Brasília, quando foi responsável pelo patrimônio arqueológico e pelos bens culturais tombados em nível federal. Atualmente assessora a direção do IPHAN-RJ.
Pioneiro da restauração de jardins históricos no Brasil, é autor do primeiro manual de intervenções em jardins históricos no mundo. Além disto emite pareceres sobre sítios propostos para Patrimônio Mundial da Unesco. Graças a um parecer seu as Florestas Tropicais Úmidas de Queensland, na Oceania, foram declaradas como patrimônio mundial. Seu mais recente estudo é uma nova e vanguardista proposta para a preservação de paisagens culturais no Brasil, no sul do Ceará, onde participa da implantação do Geopark do Araripe. Neste trabalho, Carlos Fernando, juntamente com a equipe da Universidade Regional do Cariri e com o IPHAN cearense, orienta a forma de proteção das paisagens dos “geotopes”, de acordo com  a legislação cultural e ambiental, no âmbito das leis municipal, estadual e federal. Orienta, também, as intervenções mais adequadas para o uso público e científico dos diferentes sítios.


Foto: Museu Urca


Santana do Cariri, centro do Geopark do Araripe, é considerada a capital cearense da paleontologia. Mais de 20 mil visitantes por ano passam pelo Museu de Paleontologia e pelos geotopes do Geopark.


Carlos Fernando de Moura Delphim – ENTREVISTA


Folha do Meio – Mas, afinal, o que é um Geopark?
Carlos Fernando – Vamos à história. A idéia inicial advém da RIO-92, se bem que só em 2001 a  Unesco concebeu o plano de  sua implantação. Os  geoparques são áreas protegidas,  portadoras de pontos de interesse geológico, paleontológico  e de  importância científica e cultural.  Segundo a Unesco, um geoparque deve atender às seguintes exigências: ter um território definido, contribuir para o desenvolvimento auto-sustentável da região onde está instalado e   possuir sítios com elementos relevantes para o  estudo da evolução do planeta Terra.


Folha do Meio – Quer dizer que a idéia é mais ampla do que um Parque Nacional?
Carlos Fernando – É, sim, bem mais amplo. Isso porque os geoparques são áreas que englobam elementos tanto ecológicos e geológicos, como históricos e culturais. O homem não é excluído de seu meio, pelo contrário, o geoparque procura oferecer formas de alternativas para sua subsistência.


Folha do Meio – E quantos já estão instalados no mundo?
Carlos Fernando – Decorridos cinco anos,  desde   a implantação do primeiro geoparque, em 2001,  já existem instalados hoje no mundo 33 unidades. Todos localizados na Europa e Ásia. Só a China possui 12 geoparques.


Folha do Meio – Idealizado, no Brasil, na RIO-92, até hoje não existe nenhum geoparque na América…
Carlos Fernando – Isso é verdade, mas mais uma vez o Brasil sai na frente e elabora um projeto para implantação do primeiro no nosso continente. Na verdade, o primeiro do Hemisfério Sul. Será no Sul do Ceará, o Geopark do Araripe. A iniciativa é do governo do Ceará, sob a brilhante coordenação da URCA – Universidade Regional do Cariri. O projeto caririense contempla todas as exigências feitas pela Unesco. Só assim será concedido o Selo de Reconhecimento.


Folha do Meio – Quais as peculiaridades do Geopark do Araripe?
Carlos Fernando – O Geopark do Araripe possui várias peculiaridades, dentre as quais podemos citar: no seu território está encravada a Floresta Nacional do Araripe, que é a primeira criada no Brasil. Existe  abundante  e  diversificada área fossilífera, em  grande parte ainda inexplorada, com o mais rico patrimônio paleontológico do mundo.   


Na região, há registros de vida animal e vegetal em um só fóssil e espécies, como a libélula de 120 milhões de anos. E as libélulas, até hoje ainda sobrevoam os campos do Vale do Araripe. Podemos ressaltar o fato de o Cariri possuir uma das mais exuberantes formas de cultura de todo o Brasil, que preserva manifestações da cultura popular advindas da península ibérica, da África, além de etnias indígenas.


Folha do Meio – Há outras particularidades?
Carlos Fernando – O Geopark do Araripe tem, ainda, dois outros pontos positivos: a existência, no seu território,  do   Museu de Paleontologia da URCA, localizado em Santana do Cariri. Esse museu enfoca o período Cretáceo mais completo do mundo. Tem também o fato dos fósseis da Bacia Sedimentar do Araripe serem  de excelente qualidade,  quando  comparados com similares de outras partes do planeta.


Folha do Meio – E como está o projeto?
Carlos Fernando – No projeto do Geopark do Araripe estão previstos nove geotopes. São nove pontos de observação para os visitantes que ficarão  localizados nos municípios de Santana do Cariri, Nova Olinda, Crato, Barbalha, Juazeiro do Norte e Missão Velha.
Além deles,  estão previstos  59  geosites, ou seja,  59 sítios,  onde serão feitos  estudos e pesquisas. Estarão localizados nos municípios de Crato, Barbalha, Milagres, Abaiara, Mauriti,  Jardim, Santana do Cariri, Nova Olinda,  Juazeiro do Norte e   Missão Velha.


Folha do Meio – Explique melhor o que é  geosite e geotopes?
Carlos Fernando – Dentro dos limites do Geopark existem muitos sítios geológicos, também chamados de geosites. É justamente a descrição dos sítios, que são muito aplicáveis para o entendimento dos processos geológicos da região. Já o  geotope, que do ponto de vista hierárquico, é superior ao geosite, é um sítio que se destaca entre vários sítios geológicos, por ser único e especial como uma verdadeira janela para o passado da Terra.
No geotope existe a possibilidade de uma promoção dos sítios com feições geológicas particulares. O geotope goza de proteção especial e tem o objetivo de conservar os patrimônios geológico, paleontológico, geomorfológico e de biodiversidade. Tudo com a visão de intensificar a educação sobre o patrimônio natural e realizar o desenvolvimento sustentável usando o turismo e investimento como ferramentas. 
 


  À esquerda, uma libélula fossilizada de 120 milhões de anos, símbolo do Museu de Paleontologia URCA. As libélulas ilustram muito bem a excepcional qualidade de preservação dos fósseis do Araripe. À direita, um escorpião fossilizado.


 



Fotos: Alexandre Sales / URCA


Prédio onde funciona o escritório do Geopark do Araripe e o Centro de Informações, situado na Rua Teófilo Siqueira, 754 –  CEP 63100-010 – Crato/CE


 


 


Geopark ou Geoparque?


Idealizado durante a ECO-92, desde 1999 a Unesco vem
incentivando seus países-membros a terem atenção especial com os sítios de importância geológica e paleontológica.
Buscando uniformizar a nomeclatura, a Unesco universalizou o nome e a grafia Geopark.  Estabeleceu, ainda, conceitos e critérios para sua implantação. Assim, Portugal tem o Geopark Naturtejo da Meseta Meridional;  em Hesse, na Alemanha, tem o Geopark Bergstrasse-Odenwald; na Escócia, o North West Highlands Geopark; a China tem vários, entre eles o Fangshan Geopark e Zhangjiajie Geopark.


summary


ARARIPE GEOPARK


The Chapada do Araripe, in the state of Ceará covers 10,000 square km, containing one third of all of the pterosaurs (winged reptiles) described on the planet and over20 different fossilized insect
orders, ranging from 70 to 120,000,000 years in age has been included in the UNESCO
International Network of Geoparks. The decision was made in September in Belfast, Ireland and it has now been placed among the list of 37 geoparks recognized for their importance especially in the protection of geological and paleontological riches. The concept of geological parks or geoparks is not widely known, although the idea for the creation of Geoparks was born in Brazil, in 1992, in Rio de Janeiro, during the World Conference on the Environment and Development.  All geoparks, until recently, had been located in Europe and Asia. There are 12 in China alone.  We have Mr. Carlos
Fernando de Moura Delphim, an architect and landscapist, who was key in the implementation of the Araripe Geopark, with us to discuss the geopark concept and more specifically the one in Brazil.


Carlos Fernando de Moura Delphim – INTERVIEW


Carlos Fernando was a born gardener, studied landscaping and urbanism, and graduated in architecture from UFMG, the Minas Gerais State Federal University and works today with projects and planning involving the management and preservation of valuable landscape, historical, natural, paleontological and archeological sites. Favorite landscapist of Oscar Niemeyer, he has worked on a number of projects with him such as the Latin America Memorial located in São Paulo, the Supreme Court of Justice in Brasília and Universidade Norte Fluminense. His most recent study is the new and pioneering proposal for the preservation of cultural landscapes in Brazil, in the south of the state of Ceará, where he is taking part in the implementation of the Cariri Geopark. He will be working together on this project with the Cariri Universidade Regional and the state IPHAN.


GEOPARKS – The initial idea for geoparks stems from the RIO-92 conference, although UNESCO only drew up the plans for their implementation in 2001. Geoparks are protected areas and contain geological and paleontological points of interest and scientific and cultural significance. The concept is much broader than that of a National Park.
A geopark must meet the following requirements: have defined territory, contribute toward self sustaining development of the region where it is located and have sites that contain relevant elements for the study of the evolution of planet Earth. Since the implementation of the first geopark in 2001, 37 units have been designated throughout the world. All of them so far have been located in Europe and Asia. China alone has 12 geoparks.  The Araripe Geopark has a number of peculiarities which include among others:  in the territory of the geopark is located the Araripe National Forest, which was the first national forest created in Brazil. There is an abundant and diverse fossilized area, a large part of which is yet unexplored and also features a wealth of paleontological world heritage, as well as records of animal and plant life in one single fossil and species such as the 120,000,000 year old dragon fly which still today hovers over the fields in the Araripe Valley. It should also be noted that the Cariri has one of the most exuberant cultural forms in Brazil.
The Araripe Geopark also has two other positive features:  URCA Paleontology Museum is located in Santana do Cariri, which focuses on the Cretaceous period and is one of the most complete collections in the world. There is also the fact that the fossils found in the Sedimentary Basin of Araripe are of exceptional quality when compared to similar ones in other parts of the world.
The Araripe Geopark will contribute to the region becoming self sustaining. There will be emphasis on tourism, environmental protection, generation of employment and income, in addition to the rich material and immaterial Brazilian heritage.


 Geoparques e a sustentabilidade



Localização dos geotopes na área do Geopark do Araripe


Folha do Meio – Como um visitante pode observar ou pode promover um estudo de campo nesses sítios?
Carlos Fernando – Este é um ponto muito importante porque o estudo de campo é a atividade chave do geotope. Os visitantes podem ter a oportunidade de observar as atividades do geoparque sobre a economia e as condições de vida dos habitantes locais.
O geotope tem uma estrutura inicial e algumas facilidades para as trocas entre o público e o sítios geológicos. Cada geotope promove a fórmula do Geoparque  que é geoconservação + desenvolvimento sustentável + educação.


Folha do Meio – Em relação à sustentabilidade, qual a importância de um Geoparque?
Carlos Fernando – A importância é total. Veja que o Geopark do Araripe vai  contribuir, substancialmente,  para a  auto-sustentabilidade da região. Haverá ênfase para o segmento do turismo, proteção do meio ambiente, promoção da educação e pesquisa, geração de emprego e renda,  além da difusão do nosso rico patrimônio material e imaterial.


Folha do Meio – Você poderia situar e dimensionar melhor o Geopark do Araripe?
Carlos Fernando – O território do Geopark é situado no sul do Ceará com uma área aproximada de 5 mil quilômetros quadrados.
O Geopark do Araripe deverá ter nove sítios estruturados para visitação e 59 sítios com potencial (veja mapa territorial e de geotopes), com excelentes afloramentos, fontes naturais e uma densa floresta nacional, com mais de 60 anos de criação.
O foco principal é a promoção do turismo científico e do geoturismo, organizando excursões regulares para alunos de escolas, faculdades, universidades e outros grupos de visitantes. Além de dar suporte ao trabalho prático de estudantes, especialmente com programas da Universidade Regional do Cariri e de seu Museu de Paleontologia.
A rica e diversa paisagem e formas de relevo oferecem uma excelente oportunidade para o estudo da história geológica-paleontológica dos eventos, processos e produtos.


Folha do Meio – Apesar das peculiaridades do geoparque, existe algum tema específico para o Geopark do Araripe?
Carlos Fernando – Existe sim. Pelo projeto o tema escolhido é “Os fósseis de Santana: traçando a evolução da vida, rochas e continentes”.


Folha do Meio – Você acha que existem outras regiões no Brasil que podem ser transformadas em geoparques?
Carlos Fernando – Muitas. A deslumbrante região de Bonito e a Serra de Maracaju, no Mato Grosso do Sul; a região da Quarta Colônia, Mata e São Pedro do Sul-RS; a região da famosa gruta de Terra Ronca, em Goiás; a Serra de São José com o Refúgio das Libélulas, em Tiradentes; a Serra da Piedade, próximo a Belo Horizonte; um complexo vulcânico em Nova Iguaçu-RJ; o Vale dos Dinossauros, na Paraíba; florestas fósseis em Teresina-PI e mais uma infinidade de paisagens de excepcionais qualidades no tempo e no espaço.
Para corresponder co conceito de Geopark da Unesco, o IPHAN está propondo a criação de uma nova figura de preservação, a Paisagem Cultural.


Localização dos geotopes na área do geopark (bacia sedimentar do Araripe)
As principais divisões do tempo geológico e o desenvolvimento da vida como mostrado pelos fósseis


 


 


 


 


 


 


 


 


Caleidoscópio cultural


A bacia sedimentar do Araripe é o maior depósito fossilífero do mundo. Os segredos da vida na Terra estão nas entranhas da Chapada do Araripe.


Olga Paiva
O Nordeste possui uma das mais ricas paisagens culturais do país: ao sul do Ceará, a Bacia Sedimentar do Araripe é um marco referencial no amplo Vale do Cariri, separando o Ceará do Piauí e de Pernambuco, e derramando-se em direção ao limite da Paraíba. Neste imenso espaço territorial está a Chapada do Araripe, que, por sua vez, contém a Floresta Nacional do Araripe, a primeira a ser criada no País. Sua geomorfologia e sua cobertura vegetal, pontuadas por fontes cristalinas, conformam paisagens de excepcional beleza cênica, registro de um passado que nos legou o maior depósito fossilífero do mundo do período Cretáceo inferior.


A exuberância da cultura, religião, esporte, natureza e arquitetura dos casarios formam o grande Polo Ecoturístico do Cariri


 


 


A região constitui também um verdadeiro celeiro de manifestações culturais de natureza imaterial, ou bens intangíveis, marca da identidade cultural da sua população. Com valor histórico indiscutível, é o antigo território dos índios Kariri, ponto de confluência de culturas desde tempos imemoriais, culminando com o encontro dos caminhos da colonização brasileira.
Já no século 20, tornou-se centro de quatro romarias anuais na cidade de Juazeiro do Norte: milhares de romeiros pagam suas promessas na terra do Padrinho Cícero, o sacerdote que se tornou o santo do Nordeste, o santo sem altar, entronizado em todos os lares devotos. “De caminhão, de pé no chão, lá vai a fé… todo caminho só é caminho pra quem tem fé…” Do alto da Colina do Horto, sua estátua abençoa todo o Vale do Cariri, ponto de chegada para o romeiro que chega à Terra da Mãe das Dores após enfrentar caminhos feitos de muitas léguas tiranas.
É a Juazeiro Celeste, que se formou sob a égide do Padrinho, e moldada segundo a máxima beneditina “ora e labora” que ele tornou em princípio: em cada casa um altar, em cada casa uma oficina.
Extraordinária usina da Mãe das Dores que abençoa os saberes e fazeres da culinária tradicional, o artesanato do couro, da palha, do cipó, que agora já toma novas formas de dinossauro, tiranossauro, que também são feitos de latas de Coca-Cola, os bichos, humanos e encantados feitos de madeira; pífanos e tambores feitas cipó e grandes árvores; as formas de expressão do cordel, dos cantadores, dos reisados, lapinhas, guerreiros, bandas cabaçais, penitentes, maneiro-pau; as celebrações dos santos padroeiros conhecidas como “festa do pau do santo”, a festa dos caretas, a queimação de judas, a festa dos cachorros, as procissões; os lugares sagrados pela piedade popular, onde as pedras têm lugar de destaque. Verdadeiras matrizes culturais a alimentar a produção científica e artística de pesquisadores anônimos e famosos como Pina Bausch, Mano Chao e Antônio Nóbrega.
Como explicar a permanência de tão rico caleidoscópio cultural? No Cariri, o surpreendente imaginário local é também alimentado por uma mãe: a Chapada do Araripe, que encerra em suas entranhas os segredos da vida na terra.


Antigo ambiente da laguna do Araripe em Santana do Cariri


 


 


 


 



Foto: Jeferson Hamaguchi


Quem é Olga Paiva
Natureza amazônica, sofisticação francesa e vitalidade do Cariri


 A etnóloga Olga Paiva é especial. Especialíssima! Além de uma profunda raiz com a cultura e a história brasileira, Olga é como as majestosas árvores da terra onde nasceu, às margens do rio Purus: uma frondosa copa abrindo-se para o firmamento universal. Isto porque, segundo seu amigo e companheiro de trabalho no Iphan, Carlos Fernando de Moura Delphim, em Olga alternam-se uma feliz conjunção, a complexidade da natureza amazônica e a sofisticação do mais refinado pensamento parisiense. Poderia acrescentar: e a fantástica vitalidade do Cariri.
 Para chegar ao Araripe, a pesquisadora Olga Paiva, como os rios de sua terra, não veio em linha reta: do Alto Amazonas, ainda criança, foi para Fortaleza, onde se licenciou em Filosofia. Atraída pela cosmologia e pela formação do conhecimento ao longo da história da Humanidade, ela atravessou o Atlântico para chegar ao Sena: estudou na École des Hautes Etudes en Sciences Sociales, onde obteve Diplôme d’Études Approfondies em Pesquisa Interdisciplinar – Relações de Poder e Processos Psicossociais, pelo Centre d’Ethonologie Sociale e Psicossociologie.
 Sua família tem raízes na cultura, o que explica, em parte, a atuação desde sempre nessa área, onde realizou pesquisas e estudos sobre o vasto campo da cultura tradicional popular. Seu DNA artístico é forte. Vale lembrar seus laços familiares com o escritor Manoel de Oliveira Paiva (1861-92) [Dona Guidinha do Poço] com o teatrólogo e cineasta B. de Paiva e com o grande músico Alberto Nepomuceno (Não tem pátria um povo que não canta em sua língua). 
 Olga Paiva foi diretora do Teatro José de Alencar, em Fortaleza. Como Chefe da 4ª Superintendência Regional do Iphan, hoje ela faz todas as parcerias e junta todas as forças na mobilização de órgãos públicos privados, para desenvolver um trabalho de preservação dos fósseis e o conseqüente reconheci mento da Chapada do Araripe, como um dos mais importantes sítios paleontológicos do mundo.    (Silvestre Gorgulho)


O Homem, a Natureza, a Cultura e a Terra
Segundo a Unesco, para ser geoparque uma área tem que ter:


1 – Uma paisagem natural unificada, com a identificação de geótopos geológico-paleontológicos únicos, ou seja, tanto as rochas quanto os fósseis precisam ser de grande valor científico.
2 – Deve dar uma notável contribuição para o desenvolvimento sócio-econômico da região como um todo (geoturismo, guias, artesanato etc.).
3 – Deve ter particular importância não apenas geológico-paleontológica, mas deverá apresentar também monumentos ecológicos, arqueológicos e histórico-culturais relevantes.
4 – Deve contribuir para a formação dos alunos, estudantes e adultos nas geociências, assim como para a educação ambiental.
5 – Deve contribuir, ainda, para a proteção e promoção do meio ambiente atual, bem como da herança geológico-palentológica nele existente.
6 – Deve interligar a história da Terra, a natureza, o homem e a cultura.


Spix, von Martius e os fósseis


Mais uma vez, na história do Brasil, entram as lendárias figuras dos naturalistas alemães Carl Friedrich Philipp von Martius e Johann Baptist von Spix. O primeiro desenho de um fóssil do Cariri foi apresentado por Martius e Spix, no Atlas que acompanha os três volumes de sua Viagem ao Brasil (Reise in Brasilien) (1823-1831).
Martius e Spix vieram ao Brasil, em 1817, participando da comitiva da primeira Imperatriz do Brasil, dona Leopoldina, da Áustria, que veio para se casar com D. Pedro I. O peixe fossilizado reproduzido por Martius e Spix, foi enviado a eles, em 1819, pelo  Governador Geral da Província do Ceará.
Segundo o pesquisador Gero Hillmer, professor de Geologia e Paleontologia na Universidade de Hamburgo, tratava-se, provavelmente, da espécie que mais tarde foi descrita como Rhacolepis buccalis. Gero Hillmer explica que Martius e Spix, depois de desenharem o fóssil, o repassou para o pesquisador escocês George Gardner, a fim de estudá-lo. Entusiasmado com os estudos, em 1838 o próprio Gardner visitou a região. Também o naturalista e ictiólogo suíço, Louis Agassiz, visitou a região de Santana  entre 1841 e 1844. Alguns dos peixes de Santana foram classificados e descritos por Agassiz, entre eles o peixe reproduzido por Spix e Martius.


Esta é a maquete do novo museu de Santana do Cariri. O acervo do Museu de Paleontologia de Santana do  Cariri, que recebe cerca de 20 mil visitantes/ano, está em processo de tombamento pela 4ª SR/Iphan e será o  primeiro acervo paleontológico a ser tombado como monumento nacional. O  ineditismo da ação adquire maior peso quando se sabe que os sítios  paleontológicos são considerados patrimônio cultural pela Constituição (Art. 216) mas estão sob a jurisdição do DNPM, órgão do Ministério das Minas e Energia, que os considera apenas como um bem mineral.



Fotos: Alexandre Sales /URCA


Madeira fossilizada


 


 


 


Uma planta fossilizada


 


 


 


Museus de Paleontologia do Cariri


O pesquisador Alexandre M. Feitosa Sales fez uma excelente tese de doutorado, na USP, sobre a geologia e paleontologia da Bacia do Araripe. Alexandre é hoje o Diretor do Museu de Paleontologia, em Santana.


Darwin e os fósseis de Santana


Segundo o pesquisador Gero Hillmer, ao lado de muitos outros documentos na história da Terra, os fósseis de Santana dão uma importante contribuição para a Teoria da Evolução de Darwin. Em conexão com a pesquisa genética, esses fósseis mostram o ritmo dos acontecimentos na evolução biológica. A grande idéia da evolução dos organismos, de Darwin, está hoje solidamente confirmada pelas descobertas de fósseis e pelas análises da herança genética.


 



 

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Histórias inspiradoras de mulheres que superaram o câncer de colo do útero

Se detectada a tempo, doença tem chances altas de cura, sinalizam especialistas

Publicado

em

 

Agência Brasília* | Edição: Chico Neto

 

A professora do ensino fundamental Sabatha Borges, 41, ia ao médico regularmente e fazia exames ginecológicos com frequência, pois sempre teve o sonho de ser mãe. Aos 39 anos, grávida, sofreu um aborto espontâneo e precisou fazer a retirada do saco gestacional, procedimento que detectou um câncer de colo do útero em fase inicial.

Após um aborto espontâneo, Sabatha Borges (na foto, com o marido e a filha, Ilke), teve um câncer detectado, tratou-se, passou por uma cirurgia e conseguiu engravidar novamente | Fotos: Divulgação/Agência Saúde

“Para mim, foi um grande baque”, conta. “A gente nunca imagina isso. Eu me senti sem chão. Já estava muito triste por ter perdido meu filho, e ainda receber essa notícia… Foi muito doloroso”.

“Faixa etária de 25 a 64 anos tem a maior ocorrência das lesões de alto grau, passíveis de serem tratadas para que não evoluam para o câncer”Sônia Gallina, médica

Após uma cirurgia difícil em setembro de 2021, quando Sabatha teve parte de seu útero retirado, os médicos fizeram de tudo para manter uma estrutura que permitisse a ela engravidar de novo. Oito meses mais tarde, isso aconteceu naturalmente. E, depois de uma gestação sem sustos, nasceu sua filha Ilke. Hoje curada, Sabatha faz o controle anual e sonha ter outros filhos.

“Nunca tive sintomas e sempre me cuidei”, relata. “Além disso, os médicos da Secretaria de Saúde foram um grande apoio. Tive o suporte e o acompanhamento da doutora Sônia Maria Ferri Gallina e do doutor Fernando Henrique Batista da Mota, do Hospital Regional de Ceilândia. Eles me disseram que meu sonho de ser mãe ainda seria possível.”

A ginecologista Sônia Gallina, do Hospital de Base, lembra que os exames preventivos sempre são importantes: “Se diagnosticado precocemente, o câncer apresenta uma alta taxa de cura e se o tratamento for iniciado logo após o diagnóstico, aumenta a sobrevida e as chances de cura da paciente”.

O Mês da Mulher é marcado também pelo Dia Mundial da Prevenção do Câncer de Colo do Útero, celebrado neste domingo (26).

“Não tenham medo de investigar algo incomum por conta do resultado. Idade não é regra, e o autocuidado salvou minha vida”Sabatha Borges, professora

Conselhos

Terceiro tumor maligno mais frequente na população feminina (com exceção do câncer de pele não melanoma) e a quarta causa da morte de mulheres por câncer no país, o câncer de colo do útero é um problema de saúde pública no Brasil. Apesar de ser uma doença frequente, as lesões iniciais podem ser identificadas pelo teste de Papanicolau e, quando tratadas, evitam o surgimento da doença.

Sabatha aconselha mulheres mais jovens: “Conheçam-se, façam seus exames, como a citologia cervical. Não tenham medo de investigar algo incomum por conta do resultado. Sua vida e sua saúde são o que importa. O diagnóstico precoce aumenta as chances de cura. Idade não é regra, e o autocuidado salvou minha vida”.

Histórico familiar

Especialistas alertam que o histórico familiar é um indicativo para começar a prevenção o quanto antes. Dois ou mais parentes de primeiro grau (mães, irmãs ou filhas) ou de segundo (neta, avó, tia, sobrinha, meia-irmã) com câncer de útero, mama e/ou de ovário já indicam alto risco de surgimento da doença.

Mislene Dantas (à esquerda) teve câncer de colo de útero e um tumor no rim, mas venceu tudo com o tratamento: “Eu me sinto renascida, começando tudo de novo”

É o caso da dona de casa Mislene Dantas, 44. Em 2019, sua mãe teve câncer na bexiga. Um ano antes, Mislene apresentou um sangramento e descobriu que estava com câncer de colo do útero. “O câncer já estava em estado avançado”, lembra. “Tive que começar um tratamento rápido de quimioterapia e radioterapia. Todo o meu tratamento foi no HRT [Hospital Regional de Taguatinga]”. Ainda abalada com a notícia, ela também descobriu um tumor no rim. “Foi literalmente uma bomba na família. Veio tudo de uma vez, eu achei que não ia conseguir. Tive realmente medo de morrer”. Já a mãe de Mislene não sobreviveu.

Mãe de Camila, 24, e Thaynara, 26, Mislene esteve em tratamento durante cinco anos, com radioterapia, quimioterapia e braquiterapia. Hoje curada, faz acompanhamento anual pelo SUS. “Eu me sinto renascida, começando tudo de novo. Sempre que volto ao HRT para repetir os exames, fico com medo, mas neste ano a equipe de médicos me disse que estamos na reta final, que depois desses exames vou estar totalmente liberada. Isso quer dizer que não tenho mais sinal de câncer.”

Mislene agora sonha em voltar a estudar e ajudar pessoas que passam pela mesma situação: “Quero fazer psicologia, tenho muitos sonhos. Pretendo ajudar pessoas e fazer tudo que eu sempre quis. Eu tive uma segunda chance”.

Prevenção

O exame de Papanicolau deve ser feito pelas mulheres ou qualquer pessoa com colo do útero, na faixa etária de 25 a 64 anos que já tiveram atividade sexual. Isso inclui homens trans e pessoas não binárias designadas mulher ao nascer.

“Essa faixa etária tem a maior ocorrência das lesões de alto grau, passíveis de serem tratadas para que não evoluam para o câncer”, aponta a ginecologista Sônia Gallina. “Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a incidência deste câncer aumenta nas mulheres entre 30 e 39 anos de idade e atinge seu pico na quinta ou sexta década de vida.”

A vacina contra o HPV é uma das principais formas de prevenir a doença. Está disponível gratuitamente pelo SUS, sendo destinada a meninas e meninos de 9 a 14 anos. A eficácia do imunizante chega a prevenir até 70% dos cânceres de colo de útero e 90% das verrugas genitais.

Outra orientação é o uso do preservativo em todas as relações sexuais, atitude que favorece a diminuição do risco de contágio do vírus. As consultas médicas, bem como os exames preventivos periódicos, também são fundamentais para o diagnóstico de qualquer alteração na saúde.

*Com informações da Secretaria de Saúde

 

 

 

Continue Lendo

Reportagens

Especialistas dizem que produzir trabalho decente no Brasil é desafio

Resgate de trabalhadores em condição degradante tem aumentado

Publicado

em

 

Produzir trabalho decente no Brasil é desafiador, mas caminho necessário para o enfrentamento ao trabalho análogo ao escravo. A avaliação é de especialistas ouvidos pela Agência Brasil em meio a repercussões do grande número de casos de resgate de trabalhadores nessas condições nos últimos meses.

Para o procurador do Ministério Público do Trabalho em Alagoas (MPT-AL) e coordenador regional de Combate ao Trabalho Escravo, Tiago Muniz Cavalcanti, o enfrentamento dessas situações se faz em duas vertentes: a repressiva e a preventiva.

“Quando falamos em prevenção, existem duas formas, a prevenção primária é quando o crime ainda não ocorreu. A secundária é quando o crime já ocorreu e precisamos acolher essa vítima, reverter os fatores de vulnerabilidade e reincluí-la no trabalho digno, para que não volte a ser novamente vítima do trabalho escravo. A vertente preventiva, tanto primária quanto secundária, é o nosso grande gargalo”, explicou.

Segundo ele, é dever do Estado implementar políticas públicas de acesso a direitos sociais, sobretudo trabalho decente, nas comunidades das vítimas em potencial. “O que fazemos diariamente, eu digo Estado, Ministério Público e sociedade civil que combate trabalho escravo, é tentar reverter todos os fatores de vulnerabilidade da população, para que tenhamos o mínimo de exploração. Ou seja, para que a exploração não seja aviltante a ponto de termos que resgatar aqueles trabalhadores de situações que chamamos atualmente de análogas à escrava porque a escravidão já não existe”, disse Cavalcanti.

Na mesma linha, a diretora executiva do Instituto do Pacto Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo (InPacto), Marina Ferro, avalia que o período da pandemia de covid-19 levou ao aumento do desemprego e a oportunidades mais precarizadas de trabalho. “Combater o trabalho escravo é também produzir oportunidade e reduzir a desigualdade. Quanto mais você tem desigualdade social, mais fácil vai ficar de precarizar as situações, quanto mais você tira as pessoas da pobreza, da fome e gera oportunidades dignas, menos isso acontece”.

Para ela, a herança escravocrata no Brasil ainda é muito forte, pois com a abolição da escravidão não houve a inserção social de quem vivia nessa condição. “Por isso, continuamos um país muito desigual, que reproduz muita vulnerabilidade e que não trata o ser humano com dignidade, como um par”, afirmou.

As terceirizações, segundo Marina, também são fatores importantes para a precarização do trabalho. “É fator muito sensível para as empresas se anteciparem, prestar atenção e fazer a devida diligência na sua cadeia. Elas precisam olhar a cadeia produtiva, contratos com terceiros e não se eximir dessa responsabilidade. Então, acho que há um papel do Estado no combate ao trabalho escravo e um papel das empresas, que podem antecipar essa questão e evitar que isso aconteça”.

A legislação brasileira atual classifica como trabalho análogo à escravidão toda atividade forçada ou submetida a jornadas exaustivas, ou ainda desenvolvida sob condições degradantes ou com restrição da locomoção do trabalhador. Também é passível de denúncia qualquer caso em que o funcionário seja vigiado constantemente, de forma ostensiva, por seu patrão.

Outra forma de escravidão contemporânea reconhecida no Brasil é a servidão por dívida, que ocorre quando o trabalhador tem seu deslocamento restrito pelo empregador, sob alegação de que deve liquidar determinada quantia de dinheiro.

O presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait), Bob Machado, alertou que, ao longo dos últimos anos, houve redução de orçamento e “redução drástica” do número de auditores fiscais do trabalho. Hoje, o país tem o menor número de auditores fiscais dos últimos 33 anos e cerca de 45% dos cargos estão vagos.

“Isso tem impacto direto no combate ao trabalho escravo, ao trabalho infantil, na inserção de aprendizes no mercado de trabalho, na inserção de pessoas com deficiência, no combate a fraudes trabalhistas, que visam majoritariamente reduzir a remuneração de trabalhadores, e também a busca por ambiente de trabalho mais seguro, visando à redução de acidentes”, disse Machado. Ele destacou outras atribuições dos auditores que visam à criação de trabalho decente.

Na última semana, o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, informou que pretende promover concurso para recompor o quadro de fiscais do trabalho.

Aumento de casos

O início de 2023 trouxe novamente à tona casos de trabalhadores em situações análogas à de escravidão. No Rio Grande do Sul, 207 trabalhadores enfrentavam condições de trabalho degradantes nas terras das vinícolas Aurora, Garibaldi e Salton, em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha. As empresas assinaram termo de ajuste de conduta com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e se comprometeram a pagar R$ 7 milhões em indenizações.

Trabalho escravo no Brasil
Trabalho escravo no Brasil – Arquivo/Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Em Goiás e Minas Gerais, um grupo de 212 trabalhadores que prestava serviço a usinas de álcool e produtores de cana de açúcar foi resgatado, durante operação do Grupo Móvel de Combate ao Trabalho Escravo. Na última sexta-feira (24), mais pessoas foram resgatadas, dessa vez no festival de música Lollapalooza, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo. Em todos esses casos, os trabalhadores eram contratados por uma empresa de prestação de serviços terceirizados que intermediava a mão de obra.

Desde 1995, as fiscalizações e os resgates de trabalhadores são feitos pelo Grupo Especial de Fiscalização Móvel, coordenado por auditores fiscais do Trabalho, em parceria com o MPT, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, o Ministério Público Federal e a Defensoria Pública da União, entre outras instituições.

Os resgates vêm aumentando nos últimos anos. Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), até o início de março as autoridades resgataram 523 vítimas de trabalho análogo ao escravo. Em 2022, conforme o Painel de Informações e Estatísticas da Inspeção do Trabalho, 2.575 trabalhadores foram encontrados em situação de escravidão contemporânea, um terço a mais que em 2021.

O MPT e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) também desenvolveram o Observatório de Erradicação do Trabalho Escravo e do Tráfico de Pessoas, com dados e informações sobre políticas de trabalho.

O procurador Tiago Cavalcanti destacou que, de acordo com a organização internacional Walk Free Foundation, em 2014 o Brasil tinha cerca de 150 mil pessoas escravizadas. “Os números mais recentes mostram que a gente tem 370 mil, ou seja, mais do que duplicou o número de pessoas escravas, pessoas que estão, na verdade, aguardando resgate”, disse ele, explicando que a média de resgates é de pouco mais de 2 mil trabalhadores por ano.

Precarização do trabalho

Para Cavalcanti, no mundo capitalista sempre existirá escravidão. “A escravidão, na sua accepção mais pura e fiel, que é a exploração aviltante do ser humano, ou seja, o uso e o descarte de seres humanos, é inerente à nossa sociedade”, afirmou, acrescentando que a solução para o problema passa por uma mudança cultural.

Adicionalmente, segundo ele, a agenda de políticas públicas dos governos que se sucederam após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff não favoreceram a população de baixa renda e aumentaram o nível de miserabilidade da população. Por isso, o número de pessoas que se submetem a qualquer trabalho aumentou vertiginosamente.

“Eu poderia citar inúmeros exemplos. Tivemos um estancamento da política de reforma agrária, um aumento da desigualdade social, o aumento das relações autoritárias de poder, ou seja, o coronelismo voltou com força muito maior. Tivemos uma precarização dos níveis de proteção social, ou seja, a legislação trabalhista foi flexibilizada, desregulamentada, a proteção social, da Previdência Social, ela foi flexibilizada. Tivemos o fenômeno da uberização (uso de aplicativos) das relações de trabalho de forma muito intensa, de certo modo fomentado, incentivado pelos últimos governos”, disse o procurador.

Para o secretário de Inspeção do Trabalho do MTE, Luiz Felipe Brandão de Mello, a narrativa do governo anterior, que defendia que “o importante é o trabalho e não só os direitos”, intensificou a precarização do emprego no Brasil. “Então, uma série de fatores juntos que levam a esse quadro. É inacreditável que em pleno 2023 estejamos discutindo o trabalho escravo no Brasil. Isso não é trabalho de uma instituição, mas preocupação que deve ser de toda a sociedade e ter grande mobilização”, destacou.

O presidente do Sinait, Bob Machado, concorda que, associada à cultura da escravatura, a reforma trabalhista e a terceirização irrestrita promovida pelos últimos governos reduziram as condições de trabalho decente. “Nós vivemos um período muito grande de contraposição entre o trabalho e os direitos, o que é direito, o que é emprego. E nesse sentido alguns interpretaram de maneira extrema, reduzindo os trabalhadores à condição análoga de escravos”, observou.

Cadeia produtiva

Segundo Marina Ferro, do InPacto, o setor produtivo precisa de práticas políticas para a prevenção de trabalho escravo nas cadeiras, dedicar recursos e esforços constantes na identificação de riscos. “As empresas precisam se comprometer com a causa e criar procedimentos, ter estrutura interna, ter gestão de riscos sobre aqueles possíveis e até os potenciais que possa vir a ter numa cadeira produtiva.A partir desse mapeamento de riscos inerente a cada setor, você consegue então dedicar esforços, ações para evitar que eles aconteçam”, disse.

Trabalho escravo
Trabalho escravo – Ministério Público do Trabalho – Divulgação

O Instituto do Pacto Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo (InPacto) é apoiado por grandes empresas do país e é uma das respostas institucionais do setor privado do Brasil ao problema. Ele atua na busca de soluções para as cadeias produtivas globais, na prevenção ao trabalho escravo, envolvendo diversos atores e organizações sociais.

Uma das ferramentas criadas pelo instituto é o Índice de Vulnerabilidade InPacto, que permite estabelecer uma escala de risco de trabalho escravo no país, para que as empresas se antecipem na promoção do trabalho decente em seus locais de produção.

“Está ficando cada vez mais claro também, não só pela nossa legislação, mas também para quem exporta, por exemplo, para a União Europeia, há uma legislação de fora que está cada vez mais colocando a questão da devida diligência como algo essencial para os setores produtivos. Então, cada vez mais, as empresas vão ser cobradas pela responsabilidade de fiscalizar toda a sua cadeia, então não vai ter como dizer ‘contratei de um terceiro, não tenho responsabilidade’. O ‘eu não sabia’ não vai mais rolar, a empresa do futuro precisa se precaver”, afirmou Marina.

O agronegócio é o setor econômico mais frequentemente envolvido em casos de trabalho análogo ao escravo. De 1995 a 2022, das 57.772 pessoas resgatadas dessa situação, 29% atuavam na criação de bovinos, 14% no cultivo de cana-de-açúcar e 7% na produção florestal.

Para a especialista, a transformação do agro no Brasil está atrelada à sua produtividade. “Há setores que já demonstram uma mudança, tanto no sentido de trazer a renda para o produtor, mas também de dar boas condições de trabalho. Então, acho que que é preciso uma transformação cultural, principalmente na forma de pensar essa produção, mas também de oferecer condições. Com essa legislação cada vez mais forte, tanto nacional quanto internacional, a questão reputacional, se as empresas não começarem a se antecipar e se adequar, lá na frente a conta chega”.

O procurador do Trabalho, Tiago Cavalcanti, explica que nem todos os beneficiários do trabalho escravo podem ter o dolo (a má-fé) de escravizar, mas a culpa eles têm. “É muito fácil saber que as condições de execução do trabalho são precárias na medida em que o pagamento é muito baixo, à medida que você não tem uma fiscalização correta. As empresas que estão na ponta da cadeia, ou seja, empresas poderosas economicamente, a partir do momento em que elas subcontratam e fecham os olhos, passam a ser responsáveis por aquilo que ocorre na sua cadeia produtiva, principalmente quando a produção ocorre na sua propriedade”, disse, citando como exemplo o caso das vinícolas no Rio Grande do Sul.

Cavalcanti chama de “cegueira deliberada” essa atitude dos setores produtivos. “A identificação é óbvia. Ou seja, é uma cegueira proposital, ela [a empresa] fecha os olhos, finge que não conhece aquela realidade, quando na verdade ela tem todos os elementos para saber que aquilo existe de fato”, explicou.

Instrumentos de repressão

Na vertente da repressão, do combate ao trabalho escravo, o procurador avalia que o Brasil, “até certo ponto”, é modelo em âmbito internacional. “Temos alguns instrumentos importantes, como o Grupo Móvel que deflagra a força tarefa de combate ao trabalho escravo, a lista suja, existem órgãos que lidam de forma boa em relação à repressão, do ponto de vista administrativo, trabalhista e criminal”. Ele lembrou que, recentemente, a Justiça reconheceu a imprescritibilidade do crime trabalho escravo.

Cavalcanti confia que, com o novo governo, “teoricamente mais compromissado com a política de direitos humanos”, esses instrumentos sejam preservados. O procurador contou que a estrutura de combate a esse crime esteve ameaçada, mas conseguiu resistir durante o período pós-impeachment graças à mobilização dos órgãos públicos fiscalizadores e da sociedade civil organizada.

Segundo o procurador, a última grande medida de combate ao trabalho escravo é do governo Dilma, a emenda constitucional que alterou o Artigo 243 da Constituição Federal para prever a expropriação de terra daqueles que escravizam. “É importante ressaltar que não veio o governo do nada e criou esses instrumentos. Temos esses instrumentos porque o Brasil foi demandado em âmbito internacional para que fizesse alguma coisa em face do trabalho escravo”, destacou.

lista suja do trabalho escravo é o cadastro de empresas autuadas pelo Ministério do Trabalho por submeter seus empregados a condições análogas à escravidão. A inclusão do nome do infrator na lista só ocorre após decisão administrativa final. Ela é publicada a cada seis meses e a última foi em outubro do ano passado.

Segundo Marina Ferro, um dos compromissos dentro do Pacto Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo é que as empresas usem a lista suja para não fazer acordos comerciais com empresas que estejam lá. “Então, a lista suja se tornou um super instrumento para que as empresas conhecessem quem estivesse utilizando mão de obra análoga à escrava e impusessem restrições comerciais a essas pessoas jurídicas. É ferramenta de demonstração. Nenhuma empresa quer estar lá, porque além de ter a consequência monetária, também tem a reputacional. Depois é complicado para as empresas reconstruir”, explicou.

Segundo o secretário de Inspeção do Trabalho do MTE, Luiz Felipe Brandão de Mello, o objetivo do governo é fortalecer a fiscalização para identificar e coibir a exploração criminosa da mão de obra no país. “Temos que fazer uma avaliação, na verdade, para ver realmente o que está acontecendo para essa explosão do número de casos. Em cima disso, teremos que fazer análise para ver haverá redirecionamento das ações. Diferentemente do que já foi, no passado, que era muito concentrado numa determinada região do país, agora está ocorrendo em todas as áreas, então temos que ver como atuar”.

Na última semana, o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, também defendeu a revisão de normas de terceirização trabalhista.

Para o presidente do Sinait, Bob Machado, a revisão da reforma trabalhista e da política de terceirização precisa ser feita no âmbito do Congresso Nacional, de maneira ampla, em debate com as entidades da sociedade civil. “Para que possa, a partir daí, resultar em alterações na legislação que visem prioritariamente proteger os trabalhadores, garantir trabalho digno para todos”, destacou.

Canais de denúncias

Bom Jardim de MInas (MG) 05.03.2023 - Operação resgata três trabalhadores em condições análogas à escravidãono Sítio Serra Verde, em Bom Jardim de Minas (MG). Foto: Minstério do Trabalho/Divulgação
Bom Jardim de MInas (MG) 05.03.2023 – Operação resgata três trabalhadores em condições análogas à escravidãono Sítio Serra Verde, em Bom Jardim de Minas (MG). Foto: Minstério do Trabalho/Divulgação – Ministério do Trabalho/Divulgação

As denúncias de trabalho análogo ao escravo podem ser feitas pela população, de forma anônima, por meio de canais como o Disque 100, o site do Ministério Público do Trabalho (MPT) e o Sistema Ipê, da Auditoria Fiscal do Trabalho.

O procurador do Trabalho, Tiago Cavalcanti, alerta que as denúncias precisam ser fortes e com o máximo de informações possíveis, que levem ao resgate de trabalhadores. Segundo ele, as diligências envolvem diversos órgãos e têm um custo para o Estado.

“Às vezes, as denúncias que chegam são frágeis, ou seja, não têm a localização exata, a identificação do empregador, não diz quais são os fatos que ensejam trabalho escravo, ou seja, o trabalhador tá sem comida, tá dormindo no curral com a vaca, enfim, os fatos que caracterizam o trabalho escravo contemporâneo”, exemplificou. “Então, só fazemos esse tipo de diligência quando a denúncia, de fato, é mais sólida, no sentido de que acreditamos que vai resgatar trabalhadores”, explicou.

Edição: Graça Adjuto

 

EBC

 

 

 

Continue Lendo

Reportagens

CPI solicita reunião com ministro Alexandre de Moraes

Foto: Rinaldo Morelli/CLDF

Publicado

em

 

Os membros da CPI dos Atos Antidemocráticos da Câmara Legislativa enviaram, nesta sexta-feira (24), ofício ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, solicitando reunião para tratar de questões pertinentes à investigação em curso. De acordo com o presidente da comissão, deputado Chico Vigilante (PT), alguns requerimentos aprovados pela CPI da CLDF têm relação com depoentes ou fatos apurados nos inquéritos em que Moraes é relator.

Os distritais também se colocam à disposição para contribuir com investigação em curso no STF.

 

 

* Com informações da assessoria de imprensa do deputado Chico Vigilante 

Agência CLDF

 

 

 

Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010