Reportagens

GeoPark do Araripe

Os mistérios da vida na Terra

Publicado

em

GeoPark do Araripe
Os mistérios da vida na Terra


Silvestre Gorgulho


As terras brasileiras são verdadeiramente sagradas. A exuberância da floresta amazônica ainda resiste a 506 anos de exploração e ocupação desordenada. O Brasil detém 12% da reserva mundial de água doce. E, agora, o mundo passou a admirar e estudar o maior depósito de fósseis do Planeta, justamente na bacia sedimentar do Araripe – Ceará. “Nas entranhas do Araripe estão os mistérios e segredos da vida na Terra”, explica a etnóloga Olga Paiva, do Iphan – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Com área de 10 mil km2, um terço de todos os répteis alados (pterossauros) descritos no planeta e mais de 20 ordens diferentes de insetos fossilizados, com idade entre 70 e 120 milhões de anos, a Chapada do Araripe foi incluída na Rede Mundial de Geoparks da Unesco. “No mundo existem, apenas, 37 geoparques e o do Araripe é o primeiro das Américas”, ressalta em entrevista o arquiteto e paisagista Carlos Fernando de Moura Delphin, do Iphan. 



                                                                                                                              Foto: Emídio Gonzaga


 Carlos Fernando de Moura Delphim – ENTREVISTA                      


Carlos Fernando nasceu jardineiro, estudou paisagismo e urbanismo, formou-se em arquitetura pela UFMG e trabalha hoje com projetos e planejamento para manejo e preservação de sítios de valor paisagístico, histórico, natural, paleontológico e arqueológico. Paisagista favorito de Oscar Niemeyer, já fez para ele vários projetos como o do Memorial da América Latina, em São Paulo, do Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, e da Universidade Norte Fluminense.
Suas pegadas estão hoje espalhadas por muitas regiões e cidades brasileiras. Elas podem ser encontradas em seus projetos como autônomo ou público, como o da restauração do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no Jardim Botânico de Brasília, nos Jardins do Brasil, em Osaka-Japão, na  Secretaria de Patrimônio Histórico do Rio Grande do Sul, nos Jardins Históricos da Fundação Nacional Pró-Memória, do IPHAN e de outros órgãos de preservação do patrimônio cultural brasileiro. Carlos Fernando trabalhou no IPHAN em Brasília, quando foi responsável pelo patrimônio arqueológico e pelos bens culturais tombados em nível federal. Atualmente assessora a direção do IPHAN-RJ.
Pioneiro da restauração de jardins históricos no Brasil, é autor do primeiro manual de intervenções em jardins históricos no mundo. Além disto emite pareceres sobre sítios propostos para Patrimônio Mundial da Unesco. Graças a um parecer seu as Florestas Tropicais Úmidas de Queensland, na Oceania, foram declaradas como patrimônio mundial. Seu mais recente estudo é uma nova e vanguardista proposta para a preservação de paisagens culturais no Brasil, no sul do Ceará, onde participa da implantação do Geopark do Araripe. Neste trabalho, Carlos Fernando, juntamente com a equipe da Universidade Regional do Cariri e com o IPHAN cearense, orienta a forma de proteção das paisagens dos “geotopes”, de acordo com  a legislação cultural e ambiental, no âmbito das leis municipal, estadual e federal. Orienta, também, as intervenções mais adequadas para o uso público e científico dos diferentes sítios.


Foto: Museu Urca


Santana do Cariri, centro do Geopark do Araripe, é considerada a capital cearense da paleontologia. Mais de 20 mil visitantes por ano passam pelo Museu de Paleontologia e pelos geotopes do Geopark.


Carlos Fernando de Moura Delphim – ENTREVISTA


Folha do Meio – Mas, afinal, o que é um Geopark?
Carlos Fernando – Vamos à história. A idéia inicial advém da RIO-92, se bem que só em 2001 a  Unesco concebeu o plano de  sua implantação. Os  geoparques são áreas protegidas,  portadoras de pontos de interesse geológico, paleontológico  e de  importância científica e cultural.  Segundo a Unesco, um geoparque deve atender às seguintes exigências: ter um território definido, contribuir para o desenvolvimento auto-sustentável da região onde está instalado e   possuir sítios com elementos relevantes para o  estudo da evolução do planeta Terra.


Folha do Meio – Quer dizer que a idéia é mais ampla do que um Parque Nacional?
Carlos Fernando – É, sim, bem mais amplo. Isso porque os geoparques são áreas que englobam elementos tanto ecológicos e geológicos, como históricos e culturais. O homem não é excluído de seu meio, pelo contrário, o geoparque procura oferecer formas de alternativas para sua subsistência.


Folha do Meio – E quantos já estão instalados no mundo?
Carlos Fernando – Decorridos cinco anos,  desde   a implantação do primeiro geoparque, em 2001,  já existem instalados hoje no mundo 33 unidades. Todos localizados na Europa e Ásia. Só a China possui 12 geoparques.


Folha do Meio – Idealizado, no Brasil, na RIO-92, até hoje não existe nenhum geoparque na América…
Carlos Fernando – Isso é verdade, mas mais uma vez o Brasil sai na frente e elabora um projeto para implantação do primeiro no nosso continente. Na verdade, o primeiro do Hemisfério Sul. Será no Sul do Ceará, o Geopark do Araripe. A iniciativa é do governo do Ceará, sob a brilhante coordenação da URCA – Universidade Regional do Cariri. O projeto caririense contempla todas as exigências feitas pela Unesco. Só assim será concedido o Selo de Reconhecimento.


Folha do Meio – Quais as peculiaridades do Geopark do Araripe?
Carlos Fernando – O Geopark do Araripe possui várias peculiaridades, dentre as quais podemos citar: no seu território está encravada a Floresta Nacional do Araripe, que é a primeira criada no Brasil. Existe  abundante  e  diversificada área fossilífera, em  grande parte ainda inexplorada, com o mais rico patrimônio paleontológico do mundo.   


Na região, há registros de vida animal e vegetal em um só fóssil e espécies, como a libélula de 120 milhões de anos. E as libélulas, até hoje ainda sobrevoam os campos do Vale do Araripe. Podemos ressaltar o fato de o Cariri possuir uma das mais exuberantes formas de cultura de todo o Brasil, que preserva manifestações da cultura popular advindas da península ibérica, da África, além de etnias indígenas.


Folha do Meio – Há outras particularidades?
Carlos Fernando – O Geopark do Araripe tem, ainda, dois outros pontos positivos: a existência, no seu território,  do   Museu de Paleontologia da URCA, localizado em Santana do Cariri. Esse museu enfoca o período Cretáceo mais completo do mundo. Tem também o fato dos fósseis da Bacia Sedimentar do Araripe serem  de excelente qualidade,  quando  comparados com similares de outras partes do planeta.


Folha do Meio – E como está o projeto?
Carlos Fernando – No projeto do Geopark do Araripe estão previstos nove geotopes. São nove pontos de observação para os visitantes que ficarão  localizados nos municípios de Santana do Cariri, Nova Olinda, Crato, Barbalha, Juazeiro do Norte e Missão Velha.
Além deles,  estão previstos  59  geosites, ou seja,  59 sítios,  onde serão feitos  estudos e pesquisas. Estarão localizados nos municípios de Crato, Barbalha, Milagres, Abaiara, Mauriti,  Jardim, Santana do Cariri, Nova Olinda,  Juazeiro do Norte e   Missão Velha.


Folha do Meio – Explique melhor o que é  geosite e geotopes?
Carlos Fernando – Dentro dos limites do Geopark existem muitos sítios geológicos, também chamados de geosites. É justamente a descrição dos sítios, que são muito aplicáveis para o entendimento dos processos geológicos da região. Já o  geotope, que do ponto de vista hierárquico, é superior ao geosite, é um sítio que se destaca entre vários sítios geológicos, por ser único e especial como uma verdadeira janela para o passado da Terra.
No geotope existe a possibilidade de uma promoção dos sítios com feições geológicas particulares. O geotope goza de proteção especial e tem o objetivo de conservar os patrimônios geológico, paleontológico, geomorfológico e de biodiversidade. Tudo com a visão de intensificar a educação sobre o patrimônio natural e realizar o desenvolvimento sustentável usando o turismo e investimento como ferramentas. 
 


  À esquerda, uma libélula fossilizada de 120 milhões de anos, símbolo do Museu de Paleontologia URCA. As libélulas ilustram muito bem a excepcional qualidade de preservação dos fósseis do Araripe. À direita, um escorpião fossilizado.


 



Fotos: Alexandre Sales / URCA


Prédio onde funciona o escritório do Geopark do Araripe e o Centro de Informações, situado na Rua Teófilo Siqueira, 754 –  CEP 63100-010 – Crato/CE


 


 


Geopark ou Geoparque?


Idealizado durante a ECO-92, desde 1999 a Unesco vem
incentivando seus países-membros a terem atenção especial com os sítios de importância geológica e paleontológica.
Buscando uniformizar a nomeclatura, a Unesco universalizou o nome e a grafia Geopark.  Estabeleceu, ainda, conceitos e critérios para sua implantação. Assim, Portugal tem o Geopark Naturtejo da Meseta Meridional;  em Hesse, na Alemanha, tem o Geopark Bergstrasse-Odenwald; na Escócia, o North West Highlands Geopark; a China tem vários, entre eles o Fangshan Geopark e Zhangjiajie Geopark.


summary


ARARIPE GEOPARK


The Chapada do Araripe, in the state of Ceará covers 10,000 square km, containing one third of all of the pterosaurs (winged reptiles) described on the planet and over20 different fossilized insect
orders, ranging from 70 to 120,000,000 years in age has been included in the UNESCO
International Network of Geoparks. The decision was made in September in Belfast, Ireland and it has now been placed among the list of 37 geoparks recognized for their importance especially in the protection of geological and paleontological riches. The concept of geological parks or geoparks is not widely known, although the idea for the creation of Geoparks was born in Brazil, in 1992, in Rio de Janeiro, during the World Conference on the Environment and Development.  All geoparks, until recently, had been located in Europe and Asia. There are 12 in China alone.  We have Mr. Carlos
Fernando de Moura Delphim, an architect and landscapist, who was key in the implementation of the Araripe Geopark, with us to discuss the geopark concept and more specifically the one in Brazil.


Carlos Fernando de Moura Delphim – INTERVIEW


Carlos Fernando was a born gardener, studied landscaping and urbanism, and graduated in architecture from UFMG, the Minas Gerais State Federal University and works today with projects and planning involving the management and preservation of valuable landscape, historical, natural, paleontological and archeological sites. Favorite landscapist of Oscar Niemeyer, he has worked on a number of projects with him such as the Latin America Memorial located in São Paulo, the Supreme Court of Justice in Brasília and Universidade Norte Fluminense. His most recent study is the new and pioneering proposal for the preservation of cultural landscapes in Brazil, in the south of the state of Ceará, where he is taking part in the implementation of the Cariri Geopark. He will be working together on this project with the Cariri Universidade Regional and the state IPHAN.


GEOPARKS – The initial idea for geoparks stems from the RIO-92 conference, although UNESCO only drew up the plans for their implementation in 2001. Geoparks are protected areas and contain geological and paleontological points of interest and scientific and cultural significance. The concept is much broader than that of a National Park.
A geopark must meet the following requirements: have defined territory, contribute toward self sustaining development of the region where it is located and have sites that contain relevant elements for the study of the evolution of planet Earth. Since the implementation of the first geopark in 2001, 37 units have been designated throughout the world. All of them so far have been located in Europe and Asia. China alone has 12 geoparks.  The Araripe Geopark has a number of peculiarities which include among others:  in the territory of the geopark is located the Araripe National Forest, which was the first national forest created in Brazil. There is an abundant and diverse fossilized area, a large part of which is yet unexplored and also features a wealth of paleontological world heritage, as well as records of animal and plant life in one single fossil and species such as the 120,000,000 year old dragon fly which still today hovers over the fields in the Araripe Valley. It should also be noted that the Cariri has one of the most exuberant cultural forms in Brazil.
The Araripe Geopark also has two other positive features:  URCA Paleontology Museum is located in Santana do Cariri, which focuses on the Cretaceous period and is one of the most complete collections in the world. There is also the fact that the fossils found in the Sedimentary Basin of Araripe are of exceptional quality when compared to similar ones in other parts of the world.
The Araripe Geopark will contribute to the region becoming self sustaining. There will be emphasis on tourism, environmental protection, generation of employment and income, in addition to the rich material and immaterial Brazilian heritage.


 Geoparques e a sustentabilidade



Localização dos geotopes na área do Geopark do Araripe


Folha do Meio – Como um visitante pode observar ou pode promover um estudo de campo nesses sítios?
Carlos Fernando – Este é um ponto muito importante porque o estudo de campo é a atividade chave do geotope. Os visitantes podem ter a oportunidade de observar as atividades do geoparque sobre a economia e as condições de vida dos habitantes locais.
O geotope tem uma estrutura inicial e algumas facilidades para as trocas entre o público e o sítios geológicos. Cada geotope promove a fórmula do Geoparque  que é geoconservação + desenvolvimento sustentável + educação.


Folha do Meio – Em relação à sustentabilidade, qual a importância de um Geoparque?
Carlos Fernando – A importância é total. Veja que o Geopark do Araripe vai  contribuir, substancialmente,  para a  auto-sustentabilidade da região. Haverá ênfase para o segmento do turismo, proteção do meio ambiente, promoção da educação e pesquisa, geração de emprego e renda,  além da difusão do nosso rico patrimônio material e imaterial.


Folha do Meio – Você poderia situar e dimensionar melhor o Geopark do Araripe?
Carlos Fernando – O território do Geopark é situado no sul do Ceará com uma área aproximada de 5 mil quilômetros quadrados.
O Geopark do Araripe deverá ter nove sítios estruturados para visitação e 59 sítios com potencial (veja mapa territorial e de geotopes), com excelentes afloramentos, fontes naturais e uma densa floresta nacional, com mais de 60 anos de criação.
O foco principal é a promoção do turismo científico e do geoturismo, organizando excursões regulares para alunos de escolas, faculdades, universidades e outros grupos de visitantes. Além de dar suporte ao trabalho prático de estudantes, especialmente com programas da Universidade Regional do Cariri e de seu Museu de Paleontologia.
A rica e diversa paisagem e formas de relevo oferecem uma excelente oportunidade para o estudo da história geológica-paleontológica dos eventos, processos e produtos.


Folha do Meio – Apesar das peculiaridades do geoparque, existe algum tema específico para o Geopark do Araripe?
Carlos Fernando – Existe sim. Pelo projeto o tema escolhido é “Os fósseis de Santana: traçando a evolução da vida, rochas e continentes”.


Folha do Meio – Você acha que existem outras regiões no Brasil que podem ser transformadas em geoparques?
Carlos Fernando – Muitas. A deslumbrante região de Bonito e a Serra de Maracaju, no Mato Grosso do Sul; a região da Quarta Colônia, Mata e São Pedro do Sul-RS; a região da famosa gruta de Terra Ronca, em Goiás; a Serra de São José com o Refúgio das Libélulas, em Tiradentes; a Serra da Piedade, próximo a Belo Horizonte; um complexo vulcânico em Nova Iguaçu-RJ; o Vale dos Dinossauros, na Paraíba; florestas fósseis em Teresina-PI e mais uma infinidade de paisagens de excepcionais qualidades no tempo e no espaço.
Para corresponder co conceito de Geopark da Unesco, o IPHAN está propondo a criação de uma nova figura de preservação, a Paisagem Cultural.


Localização dos geotopes na área do geopark (bacia sedimentar do Araripe)
As principais divisões do tempo geológico e o desenvolvimento da vida como mostrado pelos fósseis


 


 


 


 


 


 


 


 


Caleidoscópio cultural


A bacia sedimentar do Araripe é o maior depósito fossilífero do mundo. Os segredos da vida na Terra estão nas entranhas da Chapada do Araripe.


Olga Paiva
O Nordeste possui uma das mais ricas paisagens culturais do país: ao sul do Ceará, a Bacia Sedimentar do Araripe é um marco referencial no amplo Vale do Cariri, separando o Ceará do Piauí e de Pernambuco, e derramando-se em direção ao limite da Paraíba. Neste imenso espaço territorial está a Chapada do Araripe, que, por sua vez, contém a Floresta Nacional do Araripe, a primeira a ser criada no País. Sua geomorfologia e sua cobertura vegetal, pontuadas por fontes cristalinas, conformam paisagens de excepcional beleza cênica, registro de um passado que nos legou o maior depósito fossilífero do mundo do período Cretáceo inferior.


A exuberância da cultura, religião, esporte, natureza e arquitetura dos casarios formam o grande Polo Ecoturístico do Cariri


 


 


A região constitui também um verdadeiro celeiro de manifestações culturais de natureza imaterial, ou bens intangíveis, marca da identidade cultural da sua população. Com valor histórico indiscutível, é o antigo território dos índios Kariri, ponto de confluência de culturas desde tempos imemoriais, culminando com o encontro dos caminhos da colonização brasileira.
Já no século 20, tornou-se centro de quatro romarias anuais na cidade de Juazeiro do Norte: milhares de romeiros pagam suas promessas na terra do Padrinho Cícero, o sacerdote que se tornou o santo do Nordeste, o santo sem altar, entronizado em todos os lares devotos. “De caminhão, de pé no chão, lá vai a fé… todo caminho só é caminho pra quem tem fé…” Do alto da Colina do Horto, sua estátua abençoa todo o Vale do Cariri, ponto de chegada para o romeiro que chega à Terra da Mãe das Dores após enfrentar caminhos feitos de muitas léguas tiranas.
É a Juazeiro Celeste, que se formou sob a égide do Padrinho, e moldada segundo a máxima beneditina “ora e labora” que ele tornou em princípio: em cada casa um altar, em cada casa uma oficina.
Extraordinária usina da Mãe das Dores que abençoa os saberes e fazeres da culinária tradicional, o artesanato do couro, da palha, do cipó, que agora já toma novas formas de dinossauro, tiranossauro, que também são feitos de latas de Coca-Cola, os bichos, humanos e encantados feitos de madeira; pífanos e tambores feitas cipó e grandes árvores; as formas de expressão do cordel, dos cantadores, dos reisados, lapinhas, guerreiros, bandas cabaçais, penitentes, maneiro-pau; as celebrações dos santos padroeiros conhecidas como “festa do pau do santo”, a festa dos caretas, a queimação de judas, a festa dos cachorros, as procissões; os lugares sagrados pela piedade popular, onde as pedras têm lugar de destaque. Verdadeiras matrizes culturais a alimentar a produção científica e artística de pesquisadores anônimos e famosos como Pina Bausch, Mano Chao e Antônio Nóbrega.
Como explicar a permanência de tão rico caleidoscópio cultural? No Cariri, o surpreendente imaginário local é também alimentado por uma mãe: a Chapada do Araripe, que encerra em suas entranhas os segredos da vida na terra.


Antigo ambiente da laguna do Araripe em Santana do Cariri


 


 


 


 



Foto: Jeferson Hamaguchi


Quem é Olga Paiva
Natureza amazônica, sofisticação francesa e vitalidade do Cariri


 A etnóloga Olga Paiva é especial. Especialíssima! Além de uma profunda raiz com a cultura e a história brasileira, Olga é como as majestosas árvores da terra onde nasceu, às margens do rio Purus: uma frondosa copa abrindo-se para o firmamento universal. Isto porque, segundo seu amigo e companheiro de trabalho no Iphan, Carlos Fernando de Moura Delphim, em Olga alternam-se uma feliz conjunção, a complexidade da natureza amazônica e a sofisticação do mais refinado pensamento parisiense. Poderia acrescentar: e a fantástica vitalidade do Cariri.
 Para chegar ao Araripe, a pesquisadora Olga Paiva, como os rios de sua terra, não veio em linha reta: do Alto Amazonas, ainda criança, foi para Fortaleza, onde se licenciou em Filosofia. Atraída pela cosmologia e pela formação do conhecimento ao longo da história da Humanidade, ela atravessou o Atlântico para chegar ao Sena: estudou na École des Hautes Etudes en Sciences Sociales, onde obteve Diplôme d’Études Approfondies em Pesquisa Interdisciplinar – Relações de Poder e Processos Psicossociais, pelo Centre d’Ethonologie Sociale e Psicossociologie.
 Sua família tem raízes na cultura, o que explica, em parte, a atuação desde sempre nessa área, onde realizou pesquisas e estudos sobre o vasto campo da cultura tradicional popular. Seu DNA artístico é forte. Vale lembrar seus laços familiares com o escritor Manoel de Oliveira Paiva (1861-92) [Dona Guidinha do Poço] com o teatrólogo e cineasta B. de Paiva e com o grande músico Alberto Nepomuceno (Não tem pátria um povo que não canta em sua língua). 
 Olga Paiva foi diretora do Teatro José de Alencar, em Fortaleza. Como Chefe da 4ª Superintendência Regional do Iphan, hoje ela faz todas as parcerias e junta todas as forças na mobilização de órgãos públicos privados, para desenvolver um trabalho de preservação dos fósseis e o conseqüente reconheci mento da Chapada do Araripe, como um dos mais importantes sítios paleontológicos do mundo.    (Silvestre Gorgulho)


O Homem, a Natureza, a Cultura e a Terra
Segundo a Unesco, para ser geoparque uma área tem que ter:


1 – Uma paisagem natural unificada, com a identificação de geótopos geológico-paleontológicos únicos, ou seja, tanto as rochas quanto os fósseis precisam ser de grande valor científico.
2 – Deve dar uma notável contribuição para o desenvolvimento sócio-econômico da região como um todo (geoturismo, guias, artesanato etc.).
3 – Deve ter particular importância não apenas geológico-paleontológica, mas deverá apresentar também monumentos ecológicos, arqueológicos e histórico-culturais relevantes.
4 – Deve contribuir para a formação dos alunos, estudantes e adultos nas geociências, assim como para a educação ambiental.
5 – Deve contribuir, ainda, para a proteção e promoção do meio ambiente atual, bem como da herança geológico-palentológica nele existente.
6 – Deve interligar a história da Terra, a natureza, o homem e a cultura.


Spix, von Martius e os fósseis


Mais uma vez, na história do Brasil, entram as lendárias figuras dos naturalistas alemães Carl Friedrich Philipp von Martius e Johann Baptist von Spix. O primeiro desenho de um fóssil do Cariri foi apresentado por Martius e Spix, no Atlas que acompanha os três volumes de sua Viagem ao Brasil (Reise in Brasilien) (1823-1831).
Martius e Spix vieram ao Brasil, em 1817, participando da comitiva da primeira Imperatriz do Brasil, dona Leopoldina, da Áustria, que veio para se casar com D. Pedro I. O peixe fossilizado reproduzido por Martius e Spix, foi enviado a eles, em 1819, pelo  Governador Geral da Província do Ceará.
Segundo o pesquisador Gero Hillmer, professor de Geologia e Paleontologia na Universidade de Hamburgo, tratava-se, provavelmente, da espécie que mais tarde foi descrita como Rhacolepis buccalis. Gero Hillmer explica que Martius e Spix, depois de desenharem o fóssil, o repassou para o pesquisador escocês George Gardner, a fim de estudá-lo. Entusiasmado com os estudos, em 1838 o próprio Gardner visitou a região. Também o naturalista e ictiólogo suíço, Louis Agassiz, visitou a região de Santana  entre 1841 e 1844. Alguns dos peixes de Santana foram classificados e descritos por Agassiz, entre eles o peixe reproduzido por Spix e Martius.


Esta é a maquete do novo museu de Santana do Cariri. O acervo do Museu de Paleontologia de Santana do  Cariri, que recebe cerca de 20 mil visitantes/ano, está em processo de tombamento pela 4ª SR/Iphan e será o  primeiro acervo paleontológico a ser tombado como monumento nacional. O  ineditismo da ação adquire maior peso quando se sabe que os sítios  paleontológicos são considerados patrimônio cultural pela Constituição (Art. 216) mas estão sob a jurisdição do DNPM, órgão do Ministério das Minas e Energia, que os considera apenas como um bem mineral.



Fotos: Alexandre Sales /URCA


Madeira fossilizada


 


 


 


Uma planta fossilizada


 


 


 


Museus de Paleontologia do Cariri


O pesquisador Alexandre M. Feitosa Sales fez uma excelente tese de doutorado, na USP, sobre a geologia e paleontologia da Bacia do Araripe. Alexandre é hoje o Diretor do Museu de Paleontologia, em Santana.


Darwin e os fósseis de Santana


Segundo o pesquisador Gero Hillmer, ao lado de muitos outros documentos na história da Terra, os fósseis de Santana dão uma importante contribuição para a Teoria da Evolução de Darwin. Em conexão com a pesquisa genética, esses fósseis mostram o ritmo dos acontecimentos na evolução biológica. A grande idéia da evolução dos organismos, de Darwin, está hoje solidamente confirmada pelas descobertas de fósseis e pelas análises da herança genética.


 



 

Continue a Ler
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Meu amigo Orlando Villas-Bôas seu nome é paz!

Carta de saudade

Publicado

em

 

A vida ensina sempre. Ensinou a você, Orlando, Álvaro, Leonardo e Claudio, ensina a mim e ensina aos nossos filhos. Uma das coisas que aprendi é que só a saudade faz a gente parar no tempo. Sua despedida neste 12 de dezembro 2003, me fez voltar ao mesmo dezembro de 1972, quando você, que tinha acabado de chegar das margens do rio Peixoto, no Xingu, onde contactava os Krenhacãrore, pegou uma kombi em São Paulo e foi para Belo Horizonte paraninfar a turma de Comunicação da UFMG 1972. Por três dias ficou hospedado na minha “república” no 26ª andar do edifício JK, na praça Raul Soares.

À véspera da formatura, 20 de dezembro de 1972, meus 29 colegas e eu tivemos uma verdadeira Aula Magna de Brasil. Foi a mais importante aula dos meus quatro anos de universidade. A aula que direcionou meu caminhar profissional: o jornalismo de meio ambiente. Éramos 30 formandos que, na véspera da grande festa, sentamos no chão do meu apartamento, em círculo como nas tribos, para embevecidos escutar você falando de florestas, de índios, de brancos, de rios, de solidariedade e de bichos.

Sua primeira lição foi, para mim, ex-seminarista, um susto:

“Desde o Descobrimento o homem branco destrói a cultura indígena. Primeiro para salvar sua alma, depois para roubar sua terra”.

Depois vieram as perguntas para matar nossas curiosidades. Suas respostas doces, duras e definitivas vinham aquecidas pela vasta vivência de décadas na Amazônia, como último dos pioneiros da saga da expedição Roncador/Xingu. Eram ouvidas com máxima atenção:

“Foram os índios que nos deram um continente para que o tornássemos uma Nação. Temos para com os índios uma dívida que não está sendo paga”.

“Não fosse a Escola Paulista de Medicina, a Força Aérea Brasileira e a nossa teimosia, muitas tribos já teriam sido aniquiladas”.

“O Serviço de Proteção ao Índio, no Brasil, nunca teve lugar seguro: começou no Ministério da Guerra, com o Marechal Rondon. Depois foi transferido para o Ministério da Agricultura, estagiou no Ministério do Interior e estacionou no Ministério da Justiça. Como o próprio índio, esse serviço parece um estorvo”.

“O índio só pode sobreviver dentro de sua própria cultura”.

 

AMIGO ORLANDO, você junto com Leonardo, Álvaro e Cláudio, irmãos aventureiros na solidariedade, sempre devem estar relembrando histórias fantásticas. Para os índios, vocês vão se juntar ao Sol e ao trovão para virar lenda. E, para os brancos, deixam uma lição de vida e de coragem.

Das lições daquela noite de 20 de dezembro de 1972, eu guardo uma muito especial. Em vez de ensinar, o homem branco deveria ter humildade para aprender. Você falava da harmonia em uma tribo:
“O velho é o dono da história, o homem é o dono da aldeia e a criança é a dona do mundo”.

 

Meu amigo, obrigado pelas lições dadas há exatos 49 anos.

Obrigado por você ter me apresentado o Brasil e ensinado a ser brasileiro.

Nunca mais vou esquecer que para a criança ser a dona do mundo, nós temos que seguir seu exemplo de garra, de audácia e de aventura para defender nossas culturas, conservar nossa diversidade, preservar nossas florestas, proteger nossos rios e contactar sempre em nome da paz.

A PAZ não se pode manter pela violência e pela força, mas sim pelo respeito, pela tolerância e pela serenidade.

 

MEU AMIGO ORLANDO VILLAS-BÔAS. SEU NOME É PAZ!

 

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

Primeira brigada comunitária de São Pedro de Joselândia, no Pantanal de MT, será formada neste fim de semana

Publicado

em

 

Sesc Pantanal

SOS PANTANAL

SESC PANTANAL APOIA PRIMEIRA BRIGADA COMUNITÁRIA
Treinamento da SOS Pantanal, em parceria com o Polo Socioambiental Sesc Pantanal, acontece nos dias 19, 20 e 21 de junho
Começa neste final de semana, o treinamento para a formação da primeira brigada comunitária de São Pedro de Joselândia (171 km de Cuiabá), distrito de Barão de Melgaço, no Pantanal mato-grossense.
A turma de 28 pessoas, que inclui moradores e guarda-parques da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN Sesc Pantanal), faz parte da iniciativa do Instituto SOS Pantanal para estabelecer 28 brigadas no bioma.
São Pedro de Joselândia faz divisa com a RPPN, unidade do Polo Socioambiental Sesc Pantanal que é parceiro da ação e responsável pelos equipamentos doados pela SOS Pantanal em benefício da comunidade. A RPPN Sesc Pantanal é a maior reserva natural privada do país, com 108 mil hectares, e também está localizada no município de barão de Melgaço.
COMBATE À INCÊNDIOS FLORESTAIS
As brigadas serão treinadas com apoio do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos recursos naturais renováveis (Ibama), em convênio com a SOS Pantanal. Também apoiam o treinamento o Corpo de Bombeiros e o Serviço Florestal dos Estados Unidos.
A capacitação consiste em duas etapas. A primeira é uma parte teórica, onde são passadas as instruções e os procedimentos para organização das equipes durante o combate. A segunda é a parte prática, onde os brigadistas aprendem no campo como funciona o combate às chamas.
BRIGADAS PANTANEIRAS
Durante os meses de junho e julho, a SOS Pantanal capacitará cerca de 200 brigadistas, em 8 municípios diferentes de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. As brigadas estão espalhadas nos principais pontos onde historicamente o fogo é mais intenso e recorrente.
SESC PANTANAL
Com 20 anos de experiência na prevenção e combate a incêndios no Pantanal, a Brigada Sesc Pantanal também fará parte da formação. A instituição já realizou no mês de maio a sua capacitação anual de novos brigadistas, em Poconé e Barão de Melgaço, que faz parte das ações preventivas do Polo para a temporada da seca no bioma. Realizada em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso, a formação foi destinada a 40 pessoas, entre guarda-parques, funcionários de fazendas e comunidades rurais e pantaneiras.

Continue a Ler

Reportagens

Como será o trânsito do futuro?

Para pensar soluções estratégicas, o Detran-DF terá um centro de inovação tecnológica

Publicado

em

 

Impulso tecnológico por uma Brasília mais moderna – Agência Brasília

 

O Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) avança mais uma etapa no processo de modernização e transformação digital e começa a desenhar seu futuro no campo da tecnologia com a inauguração do Centro de Inovação Tecnológica – CITDetran.

A nova instalação do Detran, no Edifício de Governança do Parque Tecnológico de Brasília – BioTIC, irá abrigar uma parte da Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação (Dirtec), que terá como prioridade construir uma agenda de desenvolvimento tecnológico voltada, exclusivamente, para pensar o trânsito da capital para as próximas décadas, de forma inovadora e estratégica. Lá será o centro de criação de soluções que irão transformar o dia a dia do trânsito.

“É disso que o Departamento de Trânsito necessita: olhar para o futuro, pensar como será o trânsito daqui a 10 ou 20 anos. E para isso precisamos nos antecipar”, declarou Zélio Maia, diretor-geral do Detran-DF, que quer desenvolver novas tecnologias o mais rápido possível para enfrentar o trânsito cada vez maior e mais complexo do Distrito Federal.

E para o diretor de Tecnologia do Detran, Fábio de Souza, não é apenas uma mudança institucional, mas um novo modelo de desenvolvimento para todo o Departamento. “E não há nada melhor para se fazer isso do que estar em um ambiente de inovação”, explica Fábio, fundamentando a escolha pela Biotic que será, num futuro próximo, o principal polo de desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação do Distrito Federal e que permitirá o estímulo, criação e consolidação dos projetos do Detran, além de possibilitar que as pesquisas se transformem em negócios, assim como estímulo ao desenvolvimento de ações que dinamizem o processo de geração de novos empreendimentos em tecnologia.

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010