Poesias

Minhas Primas

Published

on

Minhas Primas


Silvestre Gorgulho


Como era bom ver minhas primas
Deitadas em meus poemas…
Eram deusas e musas… Muitas delas
Enfeitiçavam minhas rimas…
Brilharam em noites de chuva,
Em noite de lua e em noite estrelas.
Sempre belas…


Como é bom rever minhas primas
Depois que elas conquistaram o mundo.
Todas realizaram sonhos e deixaram rastros.
São cometas de um luzir profundo,
Que souberam galopar os astros…


Nas meninas dos olhos de minhas primas
Enxergo ni-ti-da-men-te meu passado…
No sorriso, um quê de saudade e futuro…
Cada uma delas, do alto de sua elegância,
Consegue me espiar no escuro.
Mas, no duro, podem acreditar,
Seus olhos revelam, mesmo, as aventuras
Dos tempos de infância.


 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Poesias

Ao Navegante

Published

on

(Ao assumir a Presidência da República, em 15 de março de 1990, Fernando Collor inovou no marketing pessoal, no exagero ao culto da personalidade e nas suas loucuras por água, por terra e por ar.)



AO NAVEGANTE


Silvestre Gorgulho


Collor que busca aventura
N´água, na terra e no ar
Agora quer muito mais:
Vai voar num Mirrage,
Deixando o som para trás.


Mas se cuide, oh Presidente,
E veja o que você faz.
Esse pessoal também erra
E seus erros são fatais.


Tenha muita paciência
E pense um pouquinho mais:
O Iraque em plena guerra
Perdeu bem menos Mirrage
Do que o Brasil na Paz!


 

Continue Reading

Poesias

Aconcágua serás!

Published

on

(Poesia feita por ocasião da morte dos três alpinistas brasileiros – Mosart Catão, Othon Leonardos e Alexandre Oliveira – que morreram no dia 03 de fevereiro de 1998, quando tentavam o feito inédito de chegar ao cume do Monte Aconcágua pela face sul. Essa poesia foi capa da Folha do Meio Ambiente, edição Ecoturismo – Março de 1998)


 


Aconcágua serás! 


 Silvestre Gorgulho



Meu fascínio é teu desafio
e ambos são os preços para tua glória.
Fascínio e desafio são minhas oportunidades
para fazer amigos e heróis.
Amigos: aqueles que chegam aqui em cima, me acariciam e voltam.
Heróis: aqueles que aqui permanecem
e que, por todo o sempre, dormirão ao meu lado,
dividindo comigo magias e encantos.


Eu sinto falta de meus amigos,
aqueles que me visitam e retornam às suas casas.
Sentirás falta de teus amigos,
aqueles que aqui plantam sua morada.
Não chores por eles.
São meus heróis. Meus escolhidos.
Serão sentinelas brancas,
marcando o território de suas pátrias.
Serão Aconcáguas como eu.


Neste meu céu, sem pássaros e sem flores,
sem o vôo solitário do Condor,
minha natureza é o ar, a pedra, a neve e meus alpinistas.
Sim, meus 85 alpinistas, meus 85 heróis,
que como Mozart, Alexandre e Othon
deram um tempo na sua escalada
e quedaram neste céu para sempre.
Todos eles buscaram a glória. E a tiveram.
Venceram o ermo e a solidão.
Cada um deles tem consigo a bandeira congelada de sua Pátria
que seria desfraldada em calorosas emoções, risos e lágrimas.


Montanhista!
Ao beijar a minha testa,
terás o mundo a teus pés.
Mas, se por acaso, o destino
deixar que repouses ao meu lado,
dorme… dorme, meu herói!
Dorme tranqüilo que velarei por ti eternamente…
Aconcágua serás!


 

Continue Reading

Poesias

O menino sonhador

Published

on

Silvestre Gorgulho


Era uma vez um menino que vivia de sonhar.
Ele tinha o gen do sonho na alma.
Seu bisavô, Enrico Mylius Dalgas, foi um sonhador: plantou todas as florestas da Dinamarca.
Seu pai, Svend, foi outro sonhador:
desenhou todas espécies de aves brasileiras.
E ele, aos 5 anos de idade, aprendeu a sonhar: assobiava os cantos das aves
que viviam no jardim de sua casa.


Seus sonhos sempre tinham floresta no meio.
Ele sonhava com o zumbido do vento,
com o tilintar das folhas secas que caíam,
com o som das cachoeiras e com a beleza das aves.
Cresceu sonhando com a natureza.
De tanto sonhar, aprendeu que cada floresta
tinha um som diferente,
porque tinha ruídos diferentes,
porque tinha cantos diferentes e
porque tinha vida diferente.


Aí resolveu cair na realidade e conhecer
todas as florestas brasileiras. Uma a uma.
Visitou a Mata Atlântica, os Campos do Sul,
a Caatinga, o Cerrado, o Pantanal e
a Floresta Amazônica.
Quanto mais se embrenhava na floresta, mais sonhos ele tinha.
Sonhos que viraram paixão.
Aí sua alma se mudou para os campos e
ele se apaixonou de vez pelos pássaros,
os habitantes mais alegres e
mais charmosos das florestas.


Era uma vez um menino que sonhou a vida inteira e, aos 75, ainda não acordou.
Ainda sonha que os homens façam pelas aves,
o que fazem por si próprios.
Sonha que as cidades respeitem mais estas jóias da natureza dando-lhes maior proteção, comer e beber.
Sonha, ainda, em viver eternamente apaixonado e que esta paixão escorra das páginas deste novo livro para dentro dos olhos, das mãos e
da alma de cada um dos habitantes desta bendita Terra que possui a maior biodiversidade do mundo.


Johan Dalgas Frisch deixa na sua história de menino-passarinho muitas mensagens.
A melhor delas: vida sem paixão é vida que se vai como folha seca de uma árvore que cai.
Vida com paixão é vida que se vive intensamente, prazerosamente e que deixa um rastro de luz
para iluminar eternamente nossas pegadas.


Era uma vez um menino que vivia de sonhar e
seus sonhos tinham sempre floresta,
paixão e o cantar fantástico, doce e
melodioso das Aves Brasileiras

Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010