Reportagens

Mil agentes de Vigilância Ambiental trabalham no combate à dengue

Entre novembro de 2020 e novembro deste ano houve redução significativa no número de casos – de 58.254 para 19.561; um recuo de quase 70%

 

CATARINA LIMA, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: RENATA LU

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal está identificando por meio do Levantamento do Índice Rápido de Amostragem (Liraa) os principais focos de dengue na cidade. Desde o dia 16 de novembro, 500 novos agentes de Vigilância Ambiental, contratados em processo seletivo temporário, estão percorrendo as ruas das diversas regiões administrativas para fazer o trabalho de monitoramento e prevenção dos casos de dengue. Eles se juntaram a outros 500 já contratados.

O ovo do mosquito pode viver 450 dias, mais de um ano. Basta ter contato com a água para que ele ecloda, forme larvas e, depois, o mosquitoJadir Costa Filho, diretor de Vigilância Epidemiológica

Os mil agentes vão reforçar – agora pelo Liraa – o combate ao mosquito, trabalho que é feito durante o ano todo pelos órgãos do Distrito Federal envolvidos no combate a arboviroses. O resultado é uma queda de 70% nos casos de dengue, registrada entre novembro de 2020 e novembro deste ano: 58.254 para 19.561.

“Para realizar o Liraa, o agente precisa entrar no imóvel e coletar possíveis amostras de focos do mosquito Aedes aegypti para descobrir o índice de manifestação. Na semana seguinte, os agentes voltam aos locais e fazem o tratamento de 100% das casas, ou seja, o tratamento é realizado em um raio de 300 metros do local identificado com foco”, explica a chefe do Núcleo de Vigilância Ambiental de Ceilândia, Ana Bispo de Castro.

“O trabalho de combate aos focos da dengue é feito durante todo ano, com visitas às residências, conscientização da população e recolhimento de entulho. O ovo do mosquito pode viver 450 dias, mais de um ano. Basta ter contato com a água para que ele ecloda, forme larvas e, depois, o mosquito”, explica o diretor de Vigilância Epidemiológica, Jadir Costa Filho.

A maior incidência da doença é de setembro a abril, período de chuvas. “As ações nas regiões são desenvolvidas de acordo com a necessidade de cada região”, diz o diretor. Combate à dengue no DF é realizado de acordo com o Plano Para Enfrentamento da Dengue e Outras Arboviroses (2020-2023), que traz todas as informações das ações desenvolvidas no DF. Este documento pode ser acessado por aqui.

Ceilândia, Paranoá e Planaltina

Para a região de Ceilândia foram enviados 60 agentes, que ficarão responsáveis pelo Liraa na localidade. De acordo com o método, 20% dos imóveis da região foram selecionados para serem submetidos à vistoria completa. Desta forma é possível identificar os locais onde existem mais focos do mosquito, como caixas-d’água, vasilhas, plantas e baldes.

De acordo com o último boletim epidemiológico, publicado em novembro, em Ceilândia foram notificados 1.183 casos. O número representa uma queda de 78,4% em relação ao mesmo período de 2020, quando ocorreram 5.151 casos. No Paranoá, a Vigilância à Saúde registrou, em 2021, 570 casos e uma queda de 6,7% em relação às 617 notificações de novembro do ano passado.

Embora o Liraa esteja sendo realizado em todo o DF, o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, aponta Ceilândia, Paranoá e Planaltina como as cidades mais suscetíveis a casos de dengue. “Planaltina tem muitos focos. É uma cidade antiga, com baixa corrente de vento”, explicou.

 

Para a região de Ceilândia foram enviados 60 agentes, que ficarão responsáveis pelo Liraa na localidade. De acordo com o método, 20% dos imóveis da região foram selecionados para serem submetidos à vistoria completa | Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde DF

Em Planaltina houve um aumento de 28,3% em relação ao mesmo período de 2020. Os números passaram de 2.449, em 2020, para 3.173 neste ano. Para reduzir a quantidade de casos da doença, a administração da RA trabalha no recolhimento de entulhos nas ruas e orientação às pessoas com relação ao descarte correto do lixo.

A estudante de Filosofia, Marília das Neves, de 21 anos, moradora de Planaltina, contraiu duas doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Aos 15 anos, em 2016, ela foi diagnosticada com Chikungunya e, quatro anos depois, contraiu dengue hemorrágica. “Da segunda vez que contraí a doença eu morava perto de uma feira de hortifrúti, um local em que existem focos do mosquito”. “Foi bem ruim, fiquei muito doente, perdi vários dias de aula na UnB”, disse Marília.

A diretora regional de Atenção Primária Saúde, Charmene Menezes, disse que a contratação dos 500 agentes de Vigilância Ambiental possibilitará às equipes da saúde da família contar com profissionais desse setor, o que intensificará o trabalho de conscientização da população acerca do combate à dengue.

 

 

 

 

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Selo educativo comemora Dia Mundial da Água

Distintivo, que reconhece o trabalho de escolas voltadas à sustentabilidade, será lançado nesta quarta (22) pela Adasa

Publicado

em

 

Agência Brasília* | Edição: Chico Neto

 

No Dia Mundial da Água, comemorado nesta quarta-feira (22), a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF (Adasa) lançará um selo educativo voltado ao reconhecimento de instituições de ensino que desenvolverem atividades relacionadas à sustentabilidade ambiental.

Arte: Adasa

O selo Adasa – Guardiões da Água será apresentado às 9h30, na Escola Parque da Natureza e Esporte do Núcleo Bandeirante, em evento promovido em parceria com a Secretaria de Educação (SEE) para o qual são esperados 400 crianças e pré-adolescentes.

O objetivo do novo projeto é dar continuidade às atividades desenvolvidas pela agência no âmbito do programa Adasa na Escola nas redes pública e privada de ensino. Ao se inscreverem para concorrer ao selo, as instituições deverão cumprir uma série de requisitos, como a produção de vídeos que promovam o debate em torno da preservação dos recursos hídricos e do descarte responsável de resíduos e a implementação de projetos de sustentabilidade na unidade.

As instituições que seguirem as diretrizes receberão o selo Escola Guardiã, como forma de valorizar as atividades adotadas em prol da conscientização dos estudantes e da população. Já os alunos serão agraciados com a pulseira do guardião. A Adasa divulgará em suas redes sociais os materiais produzidos.

 

 

 

 

 

 

Novos guardiões 

Para despertar o interesse dos estudantes, a Adasa também divulgará, durante o lançamento do selo, uma produção audiovisual que conta a história dos Guardiões da Água. No episódio, a personagem Tita fica sem água em casa e é convocada pelo vovô Totó para participar de um curso de formação.

No desenrolar da história, ela aprende lições sobre a importância da gestão adequada dos recursos hídricos e dos resíduos sólidos para a garantia da disponibilidade da água e da preservação do meio ambiente.

Vovô Totó e Tita convidam os espectadores a passarem pelos testes aplicados pelo programa Adasa na Escola para receber a pulseira que os tornará novos guardiões. O episódio é narrado por uma personagem humana, um boneco e personagens de desenho animado.

O programa ficará disponível no  canal da Adasa no YouTube.

*Com informações da Adasa

Continue Lendo

Reportagens

Estudantes da rede pública aprendem sobre uso sustentável da água

Escola Classe 27 de Taguatinga reforça trabalhos de conscientização sobre a preservação dos recursos hídricos

Publicado

em

 

Agência Brasília* | Edição: Chico Neto

 

A frase da estudante Alice Ponte, 9, resume a importância da data de hoje: “Não é só comemorar e pensar em preservar; são necessárias ações no dia a dia”. Especialmente nas unidades de ensino, o Dia Mundial da Água, o 22 de março é dedicado à importância de colocar em discussão as medidas de uso consciente dos recursos hídricos.

Atividades que estimulam o uso racional da água são desenvolvidas durante todo o ano na escola | Foto: André Amendoeira/SEE

A temática do uso sustentável da água já faz parte da vivência dos estudantes da Escola Classe (EC) 27 de Taguatinga. Durante todo o ano letivo, a instituição promove palestras, filmes, músicas, produção de textos e exposições sobre o assunto.

Atualmente com 720 alunos da educação infantil até o quinto ano do ensino fundamental, a escola desenvolve atividades das quais todos participam. “Nosso projeto traz a ideia do uso consciente da água nos diversos aspectos possíveis do cotidiano”, resume a coordenadora da escola, Valéria Carvalho.

Mais do que debater o tema, os estudantes aprendem as lições na prática. Na escola, há um sistema de captação de água da chuva em duas caixas-d’água com capacidade total de 25 mil litros. O material recolhido é utilizado para lavar a quadra, os banheiros e os pátios do local. O uso sustentável da água também teve um impacto positivo financeiro para a escola: a conta de água baixou de R$ 15 mil para R$ 5 mil mensais.

Cidadania e consciência

Este ano, a EC 27 retoma a realização da passeata no Dia Mundial da Água – atividade interrompida durante a pandemia – para alertar a sociedade para o uso consciente desse recurso hídrico. Os alunos do quarto ano da turma da professora Marisa Borges estavam empolgados com a preparação de cartazes para a passeata e com o ensaio de músicas para a ação.

O estudante Ismael Carlos dos Santos, 9, afirma que a conscientização já faz parte de sua rotina. “Eu gostei muito de participar das atividades para uso da água e já parei com o desperdício”, conta. “A criança capta muito rápido a mensagem e passa a transmitir para família e policiar nossas ações dentro da escola com pequenos hábitos que valem muito”, ressalta Marisa.

 

*Com informações da Secretaria de Educação

 

 

 

Continue Lendo

Reportagens

Câmara Legislativa aprova mais projetos alusivos ao Mês da Mulher

Matérias foram votadas em primeiro turno e ainda voltarão a ser apreciadas em segundo turno e redação final, antes de serem enviadas à sanção governamental

Publicado

em

 

A Câmara Legislativa do Distrito Federal prosseguiu, na sessão deliberativa desta terça-feira (21), a apreciação de projetos relacionados às mulheres, nas mais diversas áreas. O “esforço concentrado” faz parte do acordo para votar, durante as sessões de março, proposições alusivas ao Mês da Mulher. A condução dos trabalhos, nesta tarde, ficou a cargo da deputada Doutora Jane (Agir) e a deputada Dayse Amarilio (PSB), secretariou.

As matérias foram votadas em primeiro turno e ainda voltarão a ser apreciadas em segundo turno e redação final, antes de serem enviadas à sanção governamental. Foram os seguintes os projetos aprovados:

Projeto de lei nº 116/2023. De autoria da deputada Dayse Amarilio (PSB), institui uma política de amparo à saúde da mulher em uso abusivo de álcool. “A situação é tão grave que, por conta da complexidade do tema, muitas mulheres sequer procuram o atendimento, e tais situações alcançam a família, o que torna importante o engajamento do Poder Público para permitir o acolhimento e para que sejam concedidas as condições de recuperação”, explicou a parlamentar.

Projeto de Lei nº 218/2023. Também proposto pela deputada Dayse Amarilio (PSB), estabelece a criação de local reservado nas unidades de saúde do Distrito Federal para atendimento a vítimas de violência doméstica. Além de proporcionar atendimento adequado, de acordo com a situação, a medida evita constrangimentos, entre outras circunstâncias.

Projeto de Lei nº 198/2023. Apresentado pela deputada Paula Belmonte (Cidadania), trata da proteção contra a discriminação no trabalho para a mãe solo nos órgãos e entidades da administração pública direta e indireta do Distrito Federal. A ideia é garantir a igualdade de oportunidades às mulheres que, sozinhas, sustentam seus filhos e a família.

Projeto de Lei nº 95/2023. De autoria do deputado Gabriel Magno (PT), altera a Lei nº 4.949/2012 – que estabelece normas gerais para realização de concurso público pela administração direta, autárquica e fundacional do DF – para incluir o direito das lactantes à amamentação durante os certames. As mães deverão ser acompanhadas por fiscais e o tempo dispendido deverá ser compensado em igual período.

Projeto de Lei nº 2.774/2022. Do deputado Hermeto (MDB), cria o “Programa de Apoio às mulheres com Neoplasia Trofoblástica Gestacional (NTG)”, como é chamado um grupo de doenças da placenta, capazes de evoluir, inclusive, para formas malignas. É predominantemente observada em adolescentes e mulheres com mais de 35 anos idade. O programa tem por finalidade apoiar, orientar, tratar, reabilitar e reintegrar pacientes e ex-pacientes acometidas pela NTG.

Projeto de Lei nº 1.778/2021. De autoria do deputado Eduardo Pedrosa (União), o PL altera e acrescenta dispositivos a Lei nº 6.022/2017 – que assegura a criação do Banco de Empregos para Mulheres Vítimas de Violência Doméstica e Familiar – para promover a qualificação de mão de obra e a melhoria do nível educacional e cultural das mulheres em situação de violência doméstica. A intenção é estabelecer mecanismos para habilitar as mulheres profissionalmente.

Projeto de Lei nº 165/2023. Outra proposição do deputado Eduardo Pedrosa (União), altera a Lei nº 6.795/2021 – que cria o Programa de Prevenção à Endometriose e Infertilidade no Distrito Federal – para instituir ações de prevenção, diagnóstico e tratamento da Doença de Endometriose, com o intuito de garantir atendimento de qualidade às mulheres diagnosticadas com o problema pelo sistema de saúde.

Marco Túlio Alencar – Agência CLDF

 

 

Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010