Reportagens

Os desafios do E do ESG

Published

on

 

*Marcus Nakagawa

 

O Acordo de Paris foi fortalecido na COP26 com a meta de chegarmos ao aquecimento de 1,5ºC até 2030, comparado aos tempos pré-industriais. Para quem está começando agora a compreender o aquecimento global (ou como os especialistas chamam, emergência climática), chegamos até este momento devido aos Gases de Efeito Estufa (GEE) que o nosso atual estilo de vida trouxe como consequência. Ou seja, todo este modelo de produção, consumo e descarte com a base de combustíveis fósseis.

Óbvio que, se não tivéssemos todos estes processos ao longo dos séculos, não teríamos as melhorias da qualidade de vida de algumas populações e o avanço tecnológico que temos hoje, lembrando sempre que nem todos os habitantes do planeta aprimoraram a sua qualidade de vida, que se enquadra no S do ESG.

Segundo o World Resources Institute, já com o aquecimento global de 1,5º C, teremos várias mudanças no clima com 14% da população global exposta a ondas de calor, pelo menos uma vez a cada cinco anos, e se chegar a 2ºC este número sobe para 37%. A quantidade de 4,8 milhões de km² de gelo permanente (permafrost) derreterá com 1,5ºC e com 2ºC serão 6,6 milhões de km². Os recifes de corais, que são os ecossistemas de muitos peixes e a base para a multiplicação de vários outros animais marinhos, diminuirá de 70% a 90% a 1,5ºC e a 99% se chegarmos a 2ºC. Fora a quantidade de catástrofes naturais como temporais, inundações, secas, furacões, entre outros que continuam aumentando e afetando todo um planejamento de cultivos e criações de animais.

Podem parecer números inimagináveis ou em um tempo longo demasiado, porém, todas estas mudanças já estão interferindo nas atividades de produção e investimentos das empresas e governos. A base do desenvolvimento sustentável é exatamente este, como colocado no Relatório Nosso Futuro Comum  (https://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/5987our-common-future.pdf) elaborado pela Comissão Mundial sore o Meio Ambiente e Desenvolvimento em 1987, o qual já confirmava que precisamos atender as necessidades do presente sem comprometer a possibilidade das futuras gerações atenderem às suas necessidades. É desta maneira que necessitamos pensar urgentemente!

Uma das formas é realizarmos a gestão do Carbono, um dos principais Gases de Efeito Estufa que gera o aquecimento global. Na última reunião da COP foram definidas algumas regras para esta compra e venda de carbono global, gerando a oportunidade de negócios, não necessariamente a diminuição das emissões, pois permite ainda alguns países e empresas a emitirem e depois compensarem.

No entanto, existe uma campanha chamada “Race do Zero” (https://unfccc.int/climate-action/race-to-zero-campaign), ou seja, traduzindo literalmente, uma corrida para o zero. A ideia é que este movimento global engaje lideranças de países, estados, cidades, empresas, investidores para zerar as emissões líquidas dos gases de efeito estufa até 2050. Lançada no Dia Mundial do Meio Ambiente, esta coalizão conta com iniciativas de líderes representando 733 cidades, 31 regiões, 3.067 empresas, 173 dos maiores investidores e 622 Instituições de Ensino Superior. Coletivamente estes atores representam cerca de 25% de emissões de CO2. O formulário de inscrição para este movimento busca as informações em torno de quatro áreas principais para aprimoramento: a criação de planos verificáveis; acompanhamento de ação e medição de impacto; encorajar uma política positiva para garantir a integridade; e apoiar os membros e responsabilizá-los por seus compromissos.

No caso do Brasil, quatro estados, 12 cidades e mais de cem empresas assinaram este compromisso nos primeiros meses do movimento. Os estados de Pernambuco, Pará, Minas Gerais e São Paulo estão na campanha. Outros atores do ecossistema também fazem crescer este movimento como o Green Building Council Brasil (GBC Brasil), que possui uma certificação de construção Net Zero, no qual busca reduzir as emissões de carbono em construções novas ou já existentes. Já existem projetos registrados em várias cidades do país, dois bons exemplos são o Centro Sebrae de Sustentabilidade, em Cuiabá, MT, e a Sede da Geotérmica em Tamboará, PR.

Também no nosso país, o ImPacto NetZero (https://www.impactonetzero.com/) é um chamado para a mobilização que a Klabin e a Rede Brasil do Pacto Global da ONU para empresas e organizações de todos os tamanhos, e também pessoas físicas, se comprometam a reduzir suas emissões de carbono até 2050.

Estes movimentos e os nossos desafios urgem por “corridas” que precisamos acelerar cada vez mais, pois as questões ambientais, o E de Environmental do ESG estão na pauta empresarial cada dia mais. E se não dermos um foco para resolver estes problemas do mundo perderemos todas as corridas.

 

* Marcus Nakagawa é professor da ESPM; coordenador do Centro ESPM de Desenvolvimento Socioambiental (CEDS); idealizador e conselheiro da Abraps; idealizador da Plataforma Dias Mais Sustentáveis; e palestrante sobre sustentabilidade, empreendedorismo e estilo de vida. Autor dos livros: Marketing para Ambientes Disruptivos, Administração por Competências e 101 Dias com Ações Mais Sustentáveis para Mudar o Mundo (Prêmio Jabuti 2019).

www.marcusnakagawa.comwww.diasmaissustentaveis.com  ;

@ProfNaka

 

 

 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Reportagens

Petrobras conclui venda de campos terrestres no Ceará

Published

on

 

A Petrobras, em continuidade ao comunicado divulgado em 14/08/2020, informa que finalizou hoje a venda da totalidade de suas participações nos campos terrestres de Fazenda Belém e Icapuí, denominado conjuntamente de Polo Fazenda Belém, localizados na Bacia Potiguar, no estado do Ceará, para a 3R Fazenda Belém S.A., anteriormente denominada SPE Fazenda Belém S.A..

Após o cumprimento das condições precedentes, a operação foi concluída com o pagamento à vista de US$ 4,6 milhões para a Petrobras, já com os ajustes previstos no contrato. O valor recebido hoje se soma ao montante de US$ 8,8 milhões pagos à Petrobras na data da assinatura do contrato de compra e venda. Além desse montante, a companhia ainda receberá US$ 10 milhões, no prazo de um ano após o fechamento da operação, o qual será corrigido com base nas condições previstas no contrato de compra e venda.

A presente divulgação está de acordo com as normas internas da Petrobras e com as disposições do procedimento especial de cessão de direitos de exploração, desenvolvimento e produção de petróleo, gás natural e outros hidrocarbonetos fluidos, previsto no Decreto 9.355/2018.

Essa operação está alinhada à estratégia de gestão de portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando à maximização de valor e maior retorno à sociedade. A Petrobras segue concentrando os seus recursos em ativos em águas profundas e ultraprofundas, onde tem demonstrado grande diferencial competitivo ao longo dos anos.

O Polo Fazenda Belém

O Polo compreende os campos terrestres de Fazenda Belém e Icapuí, localizados no estado do Ceará, onde a Petrobras é detentora de 100% de participação. A produção média do Polo Fazenda Belém de janeiro a julho de 2022 foi de aproximadamente 575 barris de óleo por dia (bpd).

Sobre a 3R Fazenda Belém S.A.

A 3R Fazenda Belém S.A. é uma empresa com foco no redesenvolvimento de campos maduros e em produção, subsidiária integral da 3R Petroleum Óleo e Gás S.A., companhia listada no Novo Mercado da B3.

Continue Reading

Reportagens

CLDF realiza homenagem à Sociedade Brasileira de Eubiose

A Sociedade Brasileira de Eubiose (SBE) de Brasília completa 60 anos

Published

on

 

Proposta pelo deputado Robério Negreiros, a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) realizou nesta quarta-feira (10/8) uma sessão solene para homenagear os 60 anos de fundação da Sociedade Brasileira de Eubiose (SBE) em Brasília, e o Dia Nacional da Eubiose. Guiada pelo 2º secretário da Casa, a celebração foi transmitida ao vivo pela TV Câmara Distrital e contou com a presença de diversas personalidades.

Ao abrir a sessão solene, Robério Negreiros explicou os fundamentos da Eubiose. “Trata-se de uma filosofia de vida que tem uma causa muito nobre, que é de ensinar a viver em equilíbrio com o nosso meio ambiente e com as outras pessoas de forma mais pacífica e tolerante e a lidar melhor com as adversidades, isso tudo com o foco voltado ao desenvolvimento mental, espiritual científico e artístico entre os seres humanos.”

O parlamentar sublinhou também a relevância da instituição na melhoria da qualidade de vida e desenvolvimento pessoal daqueles que buscam seguir a filosofia. “É uma organização que sempre atuou com diversos projetos de forma efetiva na vida das pessoas. Apontando o caminho de uma construção crítica de autoconhecimento acabando por se tornar uma das chaves para uma vida mais saudável, feliz e em harmonia.”

O coordenador de ética e política da Sociedade Brasileira de Eubiose, Fernando Nascimento, agradeceu a homenagem à instituição. “Hoje é um dia de muita alegria para nós, finalizamos aqui a comemoração dos 60 anos da criação do departamento de Brasília. A homenagem à instituição que entende a importância do Brasil nessa construção de uma civilização mais justa e mais fraterna é importante.”

Fernando frisou ainda o papel da SBE no período eleitoral. “Nesse ano de eleições estamos trazendo especialistas de dentro e de fora da Eubiose para falar sobre os problemas brasileiros e das soluções que a gente deve tomar. Mais do que pensar na posição do candidato A ou B, acho que nosso dever seria buscar mais informações sobre o país, sobre os problemas brasileiros, para que a gente tenha um voto mais consciente e saiba avaliar se o candidato A fez pelo Brasil o que deveria fazer, se o candidato B fez, e qual é uma posição consciente em relação a isso e não uma briga de vaidade, de egos e reprodução de fake news que não leva a nada.”

Ariel Jefferson de Souza, mestre de ordem da SBE, pontuou algumas ações desenvolvidas pela instituição e seu papel destacado no Distrito Federal. “Temos tido atuação marcante na formação cultural do povo brasiliense. Nesses 60 anos, foram proferidas inúmeras palestras públicas em nossa sede e em diversos auditórios de instituições da cidade. A nível social, temos contribuído com instituições filantrópicas com campanhas para distribuição de alimentos, roupas e brinquedos para famílias carentes do DF. Nosso fundador, professor Henrique José de Souza, disse que Brasília é a centralização da obra, essa obra grandiosa em prol da fraternidade universal e da união entre os povos.”

Leonardo Faria Jefferson de Souza, jovem presidente da Sociedade Brasileira de Eubiose, reforçou o papel e o foco da SBE. “Num breve retrospecto, grandes mudanças ocorreram dentro e fora da nossa instituição, mas independentemente, seguimos nosso caminho de forma inabalável, no intuito de promover o engrandecimento cultural, espiritual e material do povo brasileiro”, disse.

Ao final da sessão solene, foram entregues moções de louvor aos presentes que contribuíram de maneira ativa à Sociedade Brasileira de Eubiose, no Distrito Federal.

Isabella Almeida – Agência CLDF

Continue Reading

Reportagens

Senado aprova PL que altera limites da Floresta Nacional de Brasília

Projeto de lei prevê ajuste em duas áreas, a fim de promover a regularização urbana de dois assentamentos. Texto abre espaço a novas definições, no futuro, para compensação da Flona

Published

on

 

Flona dispõe de áreas com trilhas e infraestrutura abertas ao público – (crédito: Flona/Divulgação)

A Floresta Nacional de Brasília (Flona) pode ter os limites alterados em breve. O Senado Federal aprovou, nesta quarta-feira (10/8), o Projeto de Lei (PL) nº 2.776/2020, que modifica áreas da unidade de conservação para regularização urbana de dois assentamentos.

A Flona se localiza próximo às regiões administrativas de Taguatinga e Vicente Pires. O PL prevê que duas partes dela deixem de integrar a floresta, pois na Área 2, com 996,47 hectares, fica o assentamento 26 de Setembro; e, na Área 3, de 3.071 hectares, encontra-se o Maranata.

Além disso, o limite da Área 4 será reduzida para, aproximadamente, 1.887 hectares. Por outro lado, a Área 1 será ampliada, para abranger a Área de Proteção de Mananciais (APM) dos Córregos Currais e Pedras, passando a ter 3,7 mil hectares.

A Área 1 é considerada a porção mais preservada, onde ficam trilhas e as partes com infraestrutura abertas aos visitantes da Flona. O PL prevê novas definições, no futuro, para fins de compensação da floresta, desde que consideradas as viabilidades ambiental, social e econômica.

Agora, o projeto de lei segue para o Palácio do Planalto, onde passará por avaliação do presidente Jair Bolsonaro (PL), que pode sancionar ou vetar a proposição.

Com informações da Agência Senado e da Agência Brasil

 

 

 

Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010