Artigos

O CORAÇÃO DO IMPERADOR

BRASIL RECEBEU A RELÍQUIA PARA AS COMEMORAÇÕES DOS 200 ANOS DA INDEPENDÊNCIA.

 

Pela primeira vez o coração de D. Pedro I do Brasil (e Pedro IV de Portugal) é exposta ao público, na Igreja da Lapa, no Porto. E, depois de muitas tratativas com a Irmandade da Lapa, a relíquia deixou Portugal para ser exposta ao público no Brasil. O coração de Pedro I saiu de Portugal num voo especial da FAB, dia 21 de agosto, e chegou na manhã de segunda-feira, 22, em Brasília, para as comemorações do Bicentenário da Independência do Brasil.

 

A relíquia – Coração de D. Pedro I – conservado há 187 anos, está guardada a cinco chaves em mausoléu que fica na cidade do Porto, em Portugal. O coração fica guardado em um vaso de vidro com formol, numa urna trancada por cinco chaves dentro de um cofre na Irmandade da Lapa. (Fotos: Guilherme Costa Oliveira/Câmara do Porto).

 

Antes do transporte da relíquia para o Brasil, o coração de D. Pedro I foi exposto na Igreja da Irmandade de Lapa, no Porto. O órgão será levado de volta a Portugal no dia 9 de setembro, depois das comemorações dos 200 Anos da Independência do Brasil. A relíquia ainda vai ficar exposta por mais dois dias na cidade do Porto antes de ser guardada novamente no cofre.

 

DUAS PÁTRIAS NUM SÓ CORAÇÃO

PEDRO I: O REI DAQUI E D’ALÉM MAR

Não tem outro fato igual nesse mundão velho de Deus. Nenhuma nação pode contar uma história como a que o Brasil viveu. Sem guerra e sem sangue, o Brasil deixou de ser colônia de Portugal e conquistou sua Independência em 7 de setembro de 1822 pelas mãos de D. Pedro I, filho do Rei de Portugal, D. João VI, o país colonizador. Mais inusitado ainda. Nove anos depois de fazer a Independência do Brasil, o filho do Rei de Portugal renuncia o trono no Brasil, volta para Portugal, ganha uma guerra contra o irmão Miguel e torna-se Rei de Portugal como D. Pedro IV. E assim, D. Pedro I torna-se rei d’aqui e d’além mar.

 

A primeira-dama Michelle Bolsonaro e o presidente Jair Bolsonaro participam da cerimônia oficial de chegada ao país do coração de Dom Pedro I, no Palácio do Planalto. (Fotos: Agencia Nacional)

 

 

CORAÇÃO, A RELÍQUIA CHEGA AO BRASIL

O coração de Dom Pedro I chegou ao Brasil dia 22 de agosto, às 9h50m. A relíquia veio da cidade do Porto, em Portugal, e aterrissou na Base Aérea de Brasília em uma aeronave VC-99, da Força Aérea Brasileira (FAB). O órgão veio em cabine de passageiros, junto com três autoridades portuguesas e um representante do governo brasileiro. Na Base Aérea, foi recebido com honrarias, por autoridades como o embaixador de Portugal no Brasil, Luiz Felipe Melo, e os ministros Paulo Sérgio Nogueira, da Defesa, e Marcelo Queiroga, da Saúde.

Depois das Honras Militares concedidas a Chefe de Estado, o coração de D. Pedro I foi levado ao Palácio do Itamaraty, em operação “silenciosa”. O retorno a Portugal está marcado para 9 de setembro.

 

Na Base Aérea de Brasília, o coração de D. Pedro I foi recebido com honrarias, por autoridades como o embaixador de Portugal no Brasil, Luiz Felipe Melo, e os ministros Paulo Sérgio Nogueira, da Defesa, e Marcelo Queiroga, da Saúde.

 

O ministro Paulo Sérgio Nogueira, em cerimônia na Base Aérea, falou em nome do governo brasileiro: “É com muita satisfação que nos reunimos nesta manhã, como parte das comemorações alusivas ao Bicentenário da Independência do Brasil, para receber esta importante relíquia, que representa além da bravura e da paixão, a imensurável força de nosso primeiro imperador, onde estiver o seu tesouro, ai também estará o seu coração”.

No dia 23 de agosto, com direito a Rolls-Royce, escolta dos Dragões da Independência e show da Esquadrilha da Fumaça, a relíquia subiu a rampa do Planalto do Planalto. Houve uma cerimônia com a presença do presidente da República, Jair

 

Coração de D. Pedro I em chão brasileiro e no céu, desenhado pela Esquadrilha da Fumaça.

 

Corpo diplomático recebeu, em cerimônia no Palácio Itamaraty, o coração de D. Pedro I onde ficou exposto para visitação.

 

 

 

Artigos

TUPI GUARANI e o PORTUGUÊS

Published

on

Pensando alto: os Yanomami, outrora longe dos ‘homens brancos’, eram felizes na Floresta Amazônica. Atualmente, enfrentam a ameaça da destruição pela intensa presença de garimpeiros ilegais.

Na verdade, o Brasil de 1500 era dos índios. Aqui viviam mais de 5 milhões deles. Depois da Descoberta por Cabral, a população indígena foi se definhando e a ocupação e exploração de suas terras virou uma triste realidade.

A propósito dos índios Ianomami, estava pensando na contribuição do Tupi Guarani à nossa Língua Portuguesa.

De acordo com o Censo, que leva em consideração pessoas com mais de 5 anos de idade que usam o idioma em seu próprio domicílio, as línguas mais usadas no Brasil são o tikuna (com 34 mil falantes), o guarani kaiowá (com 26,5 mil), o kaingang (22 mil), o xavante (13,3 mil) e o yanomami (12,7 mil).

O TUPI diz respeito à língua Tupinambá, que era falada pelas comunidades indígenas existentes no Brasil quando o território foi colonizado pelos portugueses.

O GUARANI, por sua vez, é a língua falada pelas nações que são encontradas na Argentina, Paraguai, Bolívia e Brasil.

O tema TUPI-GUARANI, origem de um mundo de palavras hoje no nosso Português, é um assunto fascinante.

O tupi-guarani é uma das mais importantes línguas indígenas da América do Sul. O tronco TUPI é o maior, com alguns dialetos por todo o litoral brasileiro.

O padre jesuíta José de Anchieta pesquisou e chegou a redigir até uma gramática de tupi-guarani. Daí que muitas palavras têm origem no tupi-guarani.

O português se firmou no Brasil por uma sucessão de fatores: a expulsão dos jesuítas do Brasil no século 18 pelo marquês de Pombal, a chegada da corte portuguesa em 1808 e o acelerado processo de urbanização. Ainda assim, o português acabou sendo marcado para sempre pelo TUPI GUARANI.

Até hoje, centenas de palavras que nós falamos no Brasil têm origem indígena.

É interessante estudar a origem do nome de muitas cidades brasileiras.

Exemplos:

Itabira: pedra de ponta
Itaberaba: pedra brilhante
Itacolomi: filho ou o menino de pedra.
Itacorubi: de rio das pedras esparsas.
Itaguaçu: pedra grande ou muitas pedras.
Itai-guaçu: rio da pedra grande.
Itaimbé: pedra pontuda, afiada.
Itai-mirim: rio da pedra pequena.
Itaipava ou itapava: pedra levantada; recife, travessão rochoso.
Itajai-guaçu: de Itajai grande.
Itajai-mirim: de Itajai pequeno.
Itajuba: pedra amarela.
Itajubá: pedra amarela.
Itamirim: pedra pequena.
Itapemirim: caminho da pedra pequena
Itapema: pedra rasa, lajeado.
Itamonte: pedra na montanha
Itaperobá: pedra do caminho da canoa.
Itapitanga: pedra vermelha
Itapitinga: pedra de lajedo branco.
Itapoã: pedra redonda.
Itaqui: de pedra afiada, pontuda.
Itatiba: muita pedra, abundância de pedras.
Itaúna: pedra preta.
Itamaramdiba: pedra que rola
Continue Reading

Artigos

GRATIDÃO ETERNA A MEU AMIGO REI

Published

on

 

Continue Reading

Artigos

LEMBRANÇA DE PELÉ EM BRASÍLIA.

Published

on

 

Era 19 de novembro de 2008. Inauguração do novo estádio Bezerrão no Gama.
Dois personagens importantes e uma data para se lembrar:
1) PELÉ dá o pontapé inicial com todas honras e circunstâncias;
2) A meu pedido, pois ela estava em Brasília, e com a ajuda do então embaixador Francisco Seixas da Costa e o pianista Adriano Jordão, a cantora portuguesa Eugénia Melo e Castro canta o Hino Nacional de Portugal: seria a primeira vez que o Hino Português era cantado ao vivo numa partida de Portugal.
3) A pedido do então governador José Roberto Arruda, Zezé de Camargo cantou o Hino Nacional.
4) Nesse dia 19, se comemorava 39 anos do GOL MIL do REI.
Pra quem quiser matar a saudade, é só assistir. Vá bem no início do filme.
Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010