Reportagens

Filmes que concorrem ao Troféu Câmara Legislativa serão exibidos de 15 a 18 de novembro

Quatro longas e oito curtas metragens disputam premiação de R$ 240 mil e traçam panorama da produção local

 

Os 12 filmes que concorrerão ao 24º Troféu Câmara Legislativa – destinado a premiar as melhores produções cinematográficas do Distrito federal, durante o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro – serão exibidos, no Cine Brasília, de 15 a 18 de novembro, às 18 horas. A é entrada franca. Serão quatro longas metragens e oito curtas (veja lista abaixo), que disputarão um total de R$ 240 mil em prêmios.

Filmes de ficção e documentários disputarão R$ 100 mil reais, valor destinado ao melhor longa-metragem escolhido pelo júri oficial – que será anunciado nos próximos dias –, além de outros R$ 40 mil, destinados à produção escolhida por votação do público que comparecer às sessões da Mostra Brasília, espaço do Festival que exibirá os concorrentes do Troféu Câmara Legislativa.

Entre eles, José Eduardo Belmonte, maior vencedor do Troféu Câmara Legislativa, apresentará o longa “O pastor e o guerrilheiro”, que debate “os conflitos históricos e o triste legado da ditadura militar brasileira”. Já o cineasta Pedro Lacerda levará à tela dois importantes personagens da cidade, Ivan Presença e Chiquinho da UnB, no documentário “Profissão Livreiro”, discutindo os desafios impostos pelos novos modelos de negócio do mercado editorial.

Integram a seleção de longas, “Capitão Astúcia”, do diretor Felipe Gontijo, que une neto e avô em uma aventura para debater o envelhecimento. Enquanto, Wesley Godim fecha a seleção com “Afeminadas”, documentário sobre o universo drag queen de Brasília.

Panorama da produção local

Considerados a “porta de entrada” do universo cinematográfico, os curtas metragens trarão um panorama da vasta produção local. “Desamor”, de Herlon Kremer, aborda o delicado tema da separação; “Super-heróis”, de Rafael de Andrade, celebra os heróis do cotidiano; “Plutão não é tão longe daqui”, de Augusto Borges e Nathalya Brum, cria uma fictícia favela, às margens da Ceilândia, onde se abrigam opositores de um governo autoritário; e “Manual da Pós-verdade”, de Thiago Foresti, investiga o lugar da produção jornalística em meio às fake news.

Por sua vez, Carolina Monte Rosa exibirá “Tá tudo bem”, curta que debate diferenças sociais atenuadas pelo isolamento; e Juliana Corso mostra “Virada de jogo”, filme que conecta narrativas femininas por meio da dor e do amor próprio. Já Marcelo Cuhexê apresentará “Levante pela Terra” – realizado em acampamento homônimo, em Brasília, durante a pandemia, trata do avanço de leis que impactariam os direitos indígenas; e Vínícius Schuenquer apresenta “Reviver”, sobre perdas do passado e superação.

Os oito curta metragens concorrerão a prêmio de R$ 30 mil, que será pago ao melhor filme indicado pelo júri oficial, e mais R$ 10 mil, pelo júri popular. No caso dos prêmios técnicos, todos os 12 filmes (longas e curtas) disputarão igualmente. O melhor diretor receberá R$ 12 mil. As demais categorias – ator, atriz, roteiro, fotografia, montagem, direção de arte, edição de som e trilha sonora – farão jus a R$ 6 mil, cada.

Os filmes foram selecionados por uma comissão formada Allyson Xavier, publicitário; Péterson Paim, cineasta; Sérgio Moriconi, crítico e curador; Sidiny Diniz, produtor; e Simônia Queiroz, produtora.

Longas metragens

Afeminadas
Direção: Wesley Godim

Capitão Astúcia
Direção: Filipe Gontijo

O pastor e o guerrilheiro
Direção: José Eduardo Belmonte

Profissão livreiro
Direção: Pedro Lacerda

Curtas metragens

Desamor
Direção: Herlon Kremer

Levante pela Terra
Direção: Marcelo Cuhexê

Manual da pós-verdade
Direção: Thiago Foresti

Plutão não é tão longe daqui
Direção: Augusto Borges e Nathalya Brum

Reviver
Direção: Vinícius Schuenquer

Super-Heróis
Direção: Rafael de Andrade

Tá tudo bem
Direção: Carolina Monte Rosa

Virada de jogo
Direção: Juliana Corso

Marco Túlio Alencar – Agência CLDF

 

 

 

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Flavio Dino toma posse no Supremo Tribunal Federal

Cerimônia está marcada para as 16h

Publicado

em

 

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Flávio Dino será empossado nesta quinta-feira (22) no cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

A cerimônia de posse está prevista para começar às 16h e contará com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do vice-presidente, Geraldo Alckmin, além de outras autoridades. Os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, também foram convidados. Cerca de 800 pessoas devem comparecer à solenidade.

Após a cerimônia, às 19h, Dino vai participar de uma missa de ação de graças na Catedral de Brasília. O novo ministro dispensou o tradicional jantar oferecido por associações de magistrados a todos os ministros que tomam posse no STF.

Dino foi indicado pelo presidente Lula para ocupar a cadeira deixada pela aposentadoria da ministra Rosa Weber, ocorrida em outubro de 2022.

Em dezembro do ano passado, Dino ele o nome aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado por 17 votos a 10. Em seguida, também foi aprovado pelo plenário da Casa com placar de 47 votos a 31.

O novo ministro herdará cerca de 340 processos oriundos do gabinete de Rosa Weber. Flávio Dino se tornará relator de processos sobre a atuação do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro durante a pandemia de covid-19 e sobre a legalidade dos indultos natalinos assinados durante a gestão anterior.

Perfil

Flávio Dino chega ao Supremo com 55 anos e poderá permanecer na Corte por 20 anos. A idade para aposentadoria compulsória é de 75 anos. Em sua carreira, o novo ministro colecionou passagens pelos três Poderes.

Dino é formado em direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Foi juiz federal, atuou como presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e chefiou a secretaria-geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Em 2006, entrou para a política e se elegeu deputado federal pelo Maranhão. Entre 2011 e 2014, ocupou o cargo de presidente da Embratur.

Nas eleições de 2014, Dino foi eleito governador do Maranhão pela primeira vez, sendo reeleito no pleito seguinte, em 2018. Em 2022, venceu as eleições para o Senado, mas deixou a cadeira de parlamentar para assumir o comando do Ministério da Justiça do terceiro mandato de Lula.

Edição: Graça Adjuto

ebc

Continue Lendo

Reportagens

Edital de chamamento para gestão do Cine Brasília é publicado

Organização da Sociedade Civil terá orçamento anual de R$ 2 milhões para agir em parceria com a Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Publicado

em

 

Agência Brasília* | Edição: Vinicius Nader

 

A Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec-DF) publicou edital de chamamento para a contratação da nova gestão do Cine Brasília no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta quinta-feira (22). O processo de seleção da Organização da Sociedade Civil (OSC) ficará aberto por 30 dias. Após esse prazo a secretaria terá mais 30 dias para analisar e concretizar o Termo de Cooperação Técnica.

Ao final deste período, a OSC vencedora da seleção fará a gestão compartilhada do Cine Brasília, em parceria com a Secec. O orçamento previsto para a gestão é de R$ 2 milhões por ano, totalizando R$ 6 milhões ao final do contrato.

A gestão compartilhada do Cine Brasília faz parte de um pacote de medidas da Secec visando o audiovisual | Foto: Divulgação/ Secec-DF

O Cine Brasília está fechado, desde o dia 8 de fevereiro, para intervenções e manutenções na estrutura.

“É importante lembrar que agora essa parceria de cogestão tem o prazo de até três anos para dar mais longevidade ao projeto e já possui recursos garantidos para promover o audiovisual do DF, por meio deste equipamento tão importante que é o Cine Brasília”, destaca o secretário de Cultura e Economia Criativa, Claudio Abrantes.

“Ainda neste semestre estamos trabalhando para antecipar o Festival de Cinema e lançar o FAC para o audiovisual. Uma série de medidas para dar o protagonismo que o cinema do DF e o audiovisual merecem”, acrescenta Abrantes.

*Com informações da Secec-DF

 

 

Continue Lendo

Reportagens

Distritais elencam diversos problemas na volta às aulas

Foto: Carlos Gandra/ Agência CLDF

Publicado

em

 

 

 

Reiniciadas esta semana, as aulas da rede pública de ensino do Distrito Federal foram tema de deputados de diversos partidos na sessão ordinária da Câmara Legislativa desta quarta-feira (21). Os parlamentares apresentaram um rol de problemas em todas as áreas, por esse motivo, Gabriel Magno (PT) fez um apelo para que a Secretaria de Educação se faça presente na comissão geral da CLDF que discutirá o tema na próxima semana.

“Faltam professores e monitores, as turmas de educação especial estão sendo fechadas. Há problemas com uniformes e mobiliário. As escolas começaram sem papel, porque o governo não adquiriu e ainda pediu que os gestores adquirissem o material com recursos destinados aos estabelecimentos para outros gastos”, comentou o distrital.

Por sua vez, o deputado João Cardoso (Avante) afirmou que existem escolas, em Sobradinho, nas quais mais 90% dos servidores são temporários. “Fizemos um levantamento e há locais em que apenas os gestores escolares são efetivos”, lamentou. Já Thiago Manzoni (PL) destacou proposição de sua autoria, em tramitação, permitindo o financiamento privado em equipamentos públicos, nesse caso, “para contribuir com as escolas”.

O deputado Rogério Morro da Cruz (sem partido) lembrou que fez várias indicações (sugestões ao GDF) solicitando a pavimentação nas vias por onde transitam o transporte escolar na região de São Sebastião. Ele pediu apoio aos colegas para que destinem recursos, por meio de emendas parlamentares, “para resolver o problema do atoleiro”.

Já Paula Belmonte (Cidadania) contou ter verificado in loco o retorno dos alunos no dia 19 passado e constatou a falta de treinamento para os novos docentes contratados temporariamente. Na avaliação da distrital, a ausência de planejamento “prejudica o professor e o aluno”. Por esse motivo, defendeu a contratação de mais servidores na área de educação. Também apontou dificuldades no transporte escolar.

Creches

A partir de um relato de sua vivência familiar, o deputado Max Maciel (Psol) reclamou da falta de vagas em creches que, segundo ele, chega a 14 mil. “Não podemos permitir que isso aconteça. É urgente incluir no orçamento mais verbas para construir novas creches”. O parlamentar observou que soluções improvisadas “não garantem qualidade”.

Marco Túlio Alencar – Agência CLDF

 

 

Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010