Reportagens

Aumento histórico nas temperaturas oceânicas preocupa cientistas e desencadeia alerta global

Oceanos registram quase dois meses consecutivos de recordes de temperatura, revelando impactos alarmantes do aquecimento global

 

Nos últimos meses, um fenômeno alarmante tem chamado a atenção da comunidade científica e levantado preocupações em todo o mundo. Os oceanos globais vêm acumulando recordes de temperatura consecutivos, atingindo níveis históricos desde o início de março de 2023. Essa tendência crescente das temperaturas oceânicas é um sinal inequívoco dos impactos do aquecimento global e das mudanças climáticas, com consequências potencialmente devastadoras para o planeta e para a vida marinha.

Aumento sem precedentes nas temperaturas oceânicas:
Os dados científicos mais recentes revelam que as temperaturas dos oceanos estão superando sistematicamente os valores históricos a cada dia que passa. Especialistas alertam que esse padrão, mantido por quase dois meses, é um indicativo claro de um aquecimento oceânico sem precedentes. A média global de temperatura dos oceanos em 2023 está muito acima das expectativas, desafiando projeções anteriores.

Causas e impactos do aumento das temperaturas:
As principais causas desse aumento nas temperaturas oceânicas estão ligadas diretamente às mudanças climáticas, que são impulsionadas pelas atividades humanas. A emissão excessiva de gases de efeito estufa, como dióxido de carbono, provenientes da queima de combustíveis fósseis e da destruição de ecossistemas, contribui para o aumento do efeito estufa e, consequentemente, para o aquecimento dos oceanos.

Os impactos desse fenômeno são diversos e preocupantes. Ecossistemas marinhos delicados, como os recifes de coral, estão enfrentando um aumento na mortalidade e no branqueamento de corais devido às altas temperaturas. Isso afeta negativamente a biodiversidade, uma vez que os corais são habitat para uma ampla variedade de espécies marinhas. Além disso, a elevação da temperatura oceânica está levando à migração de peixes e a mudanças na cadeia alimentar marinha, ameaçando a sustentabilidade da pesca e impactando negativamente as comunidades costeiras que dependem dela para sobreviver.

Implicações socioeconômicas e urgentes medidas necessárias:
Os efeitos desse aumento nas temperaturas oceânicas não se limitam apenas ao meio ambiente, mas também têm implicações socioeconômicas significativas. Comunidades costeiras que dependem dos recursos marinhos para subsistência, como pesca e turismo, estão enfrentando um futuro incerto, pois seus meios de vida estão ameaçados pelo declínio da produtividade marinha.

Para combater esse cenário preocupante, é necessário que governos, organizações internacionais e a sociedade em geral ajam de forma urgente e decisiva. Medidas eficazes de mitigação e adaptação são essenciais, incluindo:

Redução das emissões de gases de efeito estufa: A transição para fontes de energia limpa e renovável é fundamental para diminuir a intensidade do aquecimento global e, consequentemente, reduzir o impacto nas temperaturas oceânicas.

Proteção de ecossistemas costeiros: A conservação e preservação de manguezais, estuários e outros ecossistemas costeiros desempenham um papel vital na proteção da biodiversidade marinha e no amortecimento dos efeitos adversos das mudanças climáticas.

Adoção de práticas sustentáveis de pesca: A implementação de regulamentações rigorosas para garantir a pesca sustentável é essencial para preservar os estoques pesqueiros e manter o equilíbrio dos ecossistemas marinhos.

Fortalecimento da educação e conscientização: Promover a conscientização pública sobre a importância dos oceanos e dos impactos das mudanças climáticas é crucial para incentivar ações individuais e coletivas em prol da sustentabilidade.

Cooperação internacional: Os desafios relacionados às mudanças climáticas e ao aumento das temperaturas oceânicas exigem uma abordagem global. A cooperação entre países, por meio de acordos e parcerias, é fundamental para enfrentar efetivamente essa questão.

O aumento sem precedentes nas temperaturas oceânicas registradas nos últimos meses é um alerta claro e preocupante sobre os impactos do aquecimento global e das mudanças climáticas. O impacto dessas temperaturas recordes é sentido tanto no meio ambiente quanto nas comunidades que dependem dos recursos marinhos. Ações imediatas são necessárias para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, proteger os ecossistemas costeiros e promover a sustentabilidade nas práticas de pesca. Somente por meio de uma abordagem global e colaborativa será possível enfrentar esse desafio e garantir um futuro sustentável para nossos oceanos e para as gerações futuras.

 

 

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

No Zoo, mais de 1,4 mil doses de vacina contra covid-19 e gripe

A ação contou com 30 profissionais da Região de Saúde Centro-Sul

Publicado

em

 

Agência Brasília* | Edição: Carolina Lobo

 

A Secretaria de Saúde (SES) segue na busca ativa para alcançar os não vacinados. E o feriado de Corpus Christi foi mais uma oportunidade para ofertar os imunizantes à população. No Jardim Zoológico, o foco foi oferecer a vacina contra a covid-19 e a influenza para todos os públicos elegíveis. A equipe conseguiu aplicar 1.437 doses, com a adesão maior à vacina de gripe – 803 doses aplicadas – e 634 para covid-19. Com as baixas temperaturas e o tempo seco, o momento é de alerta e prevenção.

“Seguiremos incansavelmente na busca pelos não vacinados. A Saúde estará nos locais em que a população está, e estaremos na parceria com os outros órgãos e com a iniciativa privada também. Todos juntos pela vacinação”Lucilene Florêncio, secretária de Saúde

A ação contou com 30 profissionais da Região de Saúde Centro-Sul, responsável pela iniciativa no local. A médica de família e coordenadora de Atenção Primária do Distrito Federal, Fabiana Fonseca, esteve presente ao evento e reforçou que as ações seguirão fora das unidades da Secretaria de Saúde. “Com todo o processo que as pessoas viveram na pandemia e ainda estamos passando, nós reforçamos a importância da vacinação para a proteção de todos. Com as vacinas que temos, é possível sim evitar muitas situações que não afetam só a população, mas a nossa vida e a de quem mais amamos que são nossos filhos, pais e tantos outros queridos próximos a nós. Seguiremos ofertando as vacinas extramuros, e pedimos que a população busque os pontos durante a semana, final de semana e feriados também”, destacou.

Com o período sazonal e o inverno que chega no próximo dia 21, o DF vem ofertando a vacina da gripe com bastante antecedência, e deu início à campanha antes mesmo do Ministério da Saúde. As ações foram fruto de construções para o enfrentamento a esse momento, principalmente da pediatria. Só nesta semana, foram concluídas mais de dez ações externas. O imunizante da gripe precisa ser aplicado todos os anos, pois as cepas podem ser alteradas anualmente, conforme o perfil de circulação. Já para a imunização contra a covid-19, é importante lembrar que o ciclo vacinal completo evita o desenvolvimento de contágios com as novas variantes do vírus.

A família do contador Marcelo Caneiro aproveitou a oportunidade, e todos se vacinaram contra a gripe. A notícia vista pela televisão animou o casal, que levou a pequena filha Júlia. “Ações desse modelo devem continuar, porque assim como nós, que temos que trabalhar e ainda a com a Júlia na creche, é um momento importante que alia o lazer à saúde”, elogiou Marcelo.

Marcelo Caneiro aproveitou a oportunidade de lazer com a família para todos se vacinarem | Foto: Tony Winston/Agência Saúde

A secretária de Saúde, Lucilene Florêncio, reforça o compromisso da Saúde em alcançar a meta do Ministério da Saúde para todos os públicos. Além do Zoológico, esta semana a Saúde esteve presente em diversos órgãos públicos para imunizar a população. O empenho das ações segue alusivo ao Dia Nacional da Imunização, celebrado nesta sexta-feira (9). A secretária destacou que a estratégia extramuros seguirá, indo aos locais onde está o cidadão, principalmente nos lugares de grande circulação.

“Seguiremos incansavelmente na busca pelos não vacinados. A Saúde estará nos locais em que a população está, e estaremos na parceria com os outros órgãos e com a iniciativa privada também. Todos juntos pela vacinação”, anuncia Lucilene. “A vacinação é um ato de amor e representa a prevenção em nossas mãos para evitar o pior, o adoecimento, as internações e, infelizmente, os óbitos”, alerta.

Dados da vacinação

De acordo com o último levantamento do Ministério da Saúde, menos de 30% do grupo prioritário está vacinado contra a influenza no Brasil. A pasta reforçou que a imunização é fundamental porque reduz a carga da doença, sobretudo em pessoas com problemas de saúde e idosos, prevenindo hospitalizações e mortes, além de diminuir a sobrecarga nos serviços de saúde.

Na vacinação contra a covid-19, o país também ainda patina. No balanço do órgão, divulgado nesta semana, apenas 21,3 milhões de pessoas reforçaram a proteção contra a doença. No DF, 429 mil pessoas já se vacinaram. Estão aptos a receber o imunizante bivalente todos os maiores de 18 anos que tenham completado o ciclo inicial com as duas doses da vacina, respeitando um intervalo mínimo de quatro meses após a última dose.

Vacinação no fim de semana

Nesta sexta-feira (9), apesar do ponto facultativo decretado pelo GDF, as unidades da SES funcionarão normalmente, inclusive os locais de vacinação, que seguem abertos também no sábado (10). Confira aqui a lista com endereços e horários.

Ainda no sábado, prossegue a Campanha de Vacinação Antirrábica para cães e gatos. Confira os locais.

*Com informações da Secretaria de Saúde

 

Continue Lendo

Reportagens

Mais de 43 milhões de pessoas já se vacinaram contra gripe no Brasil

Inverno eleva circulação do vírus da gripe Influenza

Publicado

em

 

Até esta sexta-feira (9), 43,3 milhões de doses de vacinas contra a gripe foram aplicadas no Brasil. Segundo o Ministério da Saúde, do total de doses aplicadas 16 milhões foram em idosos, seis milhões em crianças e 2,6 milhões em profissionais de saúde.  

Hoje, Dia Mundial da Imunização, o ministério alerta que a “vacinação é fundamental antes da chegada do inverno, já que esta é a estação do ano com maior circulação dos vírus da [gripe] Influenza”.

A campanha nacional foi encerrada no fim de maio. Mesmo assim, a orientação é no sentido de que estados e municípios estendam a vacinação enquanto tiverem doses disponíveis. A recomendação é para que a população consulte as informações locais para saber onde se vacinar.

Covid-19

O Ministério da Saúde também tem concentrado esforços na proteção da população contra a covid-19. Até agora, cerca de 22 milhões de doses da vacina bivalente foram aplicadas. “O imunizante é destinado a todos os brasileiros maiores de 18 anos que completaram o esquema vacinal primário com as duas doses. É necessário, no entanto, intervalo mínimo de quatro meses desde a administração da última dose”, informa o ministério.

“Tanto as ações de vacinação contra a gripe quanto as da covid-19 são parte do Movimento Nacional pela Vacinação, iniciado em fevereiro deste ano. O movimento é uma das prioridades do governo federal para fortalecer o Sistema Único de Saúde (SUS) e o resgate da cultura de vacinação no país”, ressalta o governo.

Edição: Kleber Sampaio

Continue Lendo

Reportagens

Conheça os principais pontos do relatório do grupo de trabalho da reforma tributária

Texto aprovado pelo GT deverá ser votado pelo Plenário da Câmara em julho

Publicado

em

 

NOVO SISTEMA DE TRIBUTAÇÃO

Eliminação de impostos – substituição de 5 tributos (IPI, PIS, Cofins, ICMS e ISS) por um Imposto sobre Bens e Serviços e um Imposto Seletivo

  • Novo IBS – imposto a ser cobrado no local de consumo dos bens e serviços, com desconto do tributo pago em fases anteriores da produção
  • Imposto dual – o IBS terá uma parcela gerida pela união e outra por estados e municípios
  • Imposto seletivo – será uma espécie de sobretaxa sobre produtos e serviços que prejudiquem a saúde ou o meio ambiente

Alíquotas do IBS – haverá uma alíquota padrão e outra diferenciada para atender setores como o da saúde. Isso porque esses setores não têm muitas etapas, como a indústria

Exceções – a Zona Franca de Manaus e o Simples manteriam suas regras atuais. E alguns setores teriam regimes fiscais específicos: operações com bens imóveis, serviços financeiros, seguros, cooperativas, combustíveis e lubrificantes

Thiago Fagundes/Agência Câmara

CORREÇÃO DE DESEQUILÍBRIOS

Cashback – a emenda constitucional deve prever a implantação de um cashback ou devolução de parte do imposto pago. Mas as faixas da população que seriam beneficiadas e o funcionamento do mecanismo ficarão para a lei complementar

Fundo de Desenvolvimento Regional – para compensar o fim da guerra fiscal, será criado esse fundo com recursos da União para promover regiões menos desenvolvidas

Transição federativa – será feita uma transição que pode ficar entre 40 e 50 anos, para manter a arrecadação de união, estados e municípios. Sem a transição, estados e municípios “produtores” seriam prejudicados com a cobrança do IBS no local de consumo

Transição dos tributos – Apesar de serem feitos modelos, a arrecadação dos novos tributos não é conhecida. Então, essa transição, em torno de cinco anos, terá o objetivo de calibrar as alíquotas de forma a manter a carga tributária

Thiago Fagundes/Agência Câmara

IMPOSTOS SOBRE PATRIMÔNIO

IPVA – será cobrado também sobre veículos aquáticos e terrestres. Será menor para veículos de menor impacto ambiental

IPTU – Os municípios poderão mudar a base de cálculo do imposto por decreto, mas a partir de critérios estabelecidos em lei municipal

ITCMD – A ideia é determinar a progressividade do imposto. Ou seja, alíquotas maiores para valores maiores de herança ou doação

Thiago Fagundes/Agência Câmara

EFEITOS ESPERADOS DA REFORMA

Fim da guerra fiscal – a redução de impostos para atrair fábricas não se justifica mais, porque o imposto será cobrado no destino do bem ou serviço

Crescimento econômico – o IBS simplifica o sistema, eliminando custos para as empresas. A indústria é mais favorecida porque pode ter mais créditos de tributos pagos por insumos

Desoneração das exportações – como o imposto só é cobrado no consumo, as vendas externas podem ser totalmente desoneradas. Por outro lado, as importações terão a mesma taxação do produto nacional

Segurança jurídica – cai a diferenciação entre produtos e serviços, evitando conflitos sobre qual alíquota deve ser aplicada sobre determinado consumo

Transparência – o consumidor vai saber quanto está pagando de imposto em cada produto ou serviço

 

Reportagem – Sílvia Mugnatto
Edição – Wilson Silveira

Fonte: Agência Câmara de Notícias

 

 

Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010