Reportagens

Cine Brasília recebe mostra latino-americana

Filmes são de 15 países da região e de um convidado, Canadá

 

Agência Brasília* | Edição: Carolina Lobo

 

 

O Cine Brasília recebe neste mês, entre os dias 22 e 29, a 6ª Mostra de Cinema Latino-Americana e Caribenha. O evento, com entrada franca, é fruto de cooperação entre a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) e o Grupo dos Chefes de Missão da América Latina e Caribe (Grulac), um dos cinco grupos regionais das Nações Unidas.

São 16 filmes legendados em português, provenientes de 15 países do subcontinente – Argentina, Barbados, Bolívia, Chile, Costa Rica, Cuba, El Salvador, México, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Suriname, Trinidade e Tobago, Uruguai – e um do Canadá, país convidado.

“A seleção de filmes da mostra reflete a diversidade e riqueza da produção existente na América Latina. Os espectadores terão a oportunidade tanto de revisitar alguns dos títulos icônicos da cinematografia da região dos anos 1990 quanto de descobrir obras de jovens talentos”, afirma o diretor da LatAm, entidade que congrega realizadores de cinema na América Latina, Gerardo Michelin. “A mostra também permite que se viaje por nossos países, de norte a sul, passando pelo Caribe, com histórias que tocarão todo mundo”, complementa o uruguaio.

Programação

 Quinta (22)
→ 19h – Costa Rica: Tenho sonhos elétricos. Classificação indicativa: 18 anos
Eva é uma garota de 16 anos, inquieta e de temperamento forte, que vive com sua mãe, sua irmã mais nova e seu gato, mas quer desesperadamente morar com seu pai, de quem é distante. Agarrando-se ao gato enquanto seu pai passa por uma segunda adolescência, Eva se equilibra entre a ternura e a sensibilidade da juventude e a dureza do mundo adulto.
→ 21h – Bolívia: Cuidando do sol. Classificação indicativa: livre
No Lago Titicaca, na Bolívia, uma menina de 10 anos enfrenta uma série de emoções novas e conflitantes quando seu pai vai embora. Lucía construiu seu dia a dia em torno da espera pelo retorno de seu pai.

 Sexta (23)
→ 18h30 – Chile: Allende em seu laberinto. Classificação indicativa: livre
O filme narra as últimas horas do ex-presidente Salvador Allende, junto a seus colaboradores mais próximos, dentro do Palácio da Moeda, em 11 de setembro de 1973. Angústia, desespero, solidariedade, amor são emoções que se misturam e se sobrepõem a cada minuto, na  contagem regressiva para um desfecho que mudará para sempre a história do Chile.
→ 20h15 – Argentina: Bem-vinda, Violeta! Classificação indicativa14 anos
Ana (Débora Falabella) é uma escritora que, ansiosa em busca de alguma inspiração para escrever Violeta, seu próximo romance, ingressa em um reconhecido laboratório literário na Cordilheira dos Andes. Nessa viagem, ela se envolve com Holden (Darío Grandinetti), criador do método pelo qual os escritores abandonam suas próprias vidas para viver como seus personagens. O líder carismático acaba cativando a escritora, que mergulha em uma intensa investigação artística, vivendo, segundo o método orienta, como sua personagem Violeta – até que o equilíbrio entre realidade e ficção sai do controle. O longa é inspirado no romance Cordilheira, de Daniel Galera.

 Sábado (24)
→ 18h30 – República Dominicana: Amanhã não esqueça. Classificação indicativa: 16 anos
Um adolescente com síndrome de Down e seu avô diagnosticado com Alzheimer formam uma relação especial para escapar das hostilidades diárias a tentar encontrar a felicidade. Quando a esposa de Roberto morre, ele acaba indo morar com Jan, o neto de 22 anos com síndrome de Down. Os dois começam a se aproximar, descobrindo que têm muitas coisas em comum, inclusive sonhos que vão realizar juntos.
→ 20h30 – Barbados: Fire in Babylon. Classificação indicativa: livre
Traçando a gloriosa hegemonia da equipe de críquete das Índias Ocidentais no final dos anos 1970 e 1980, o filme descreve como um taco e uma bola foram mais eficazes do que tiros na batalha contra a injustiça racial e a luta pelos direitos dos negros. A história é contada por homens que estiveram lá – como Viv Richards, Michael Holding e Clive Lloyd. Fire in Babylon possui arquivo dinâmico, trilha sonora com clássicos de Bob Marley e The Wailers, Gregory Issacs e Burning Spear. É uma história que celebra a emancipação de um povo através do esporte – no caso, o críquete.

 Domingo (25)
→ 17h30 – Uruguai: A teoria dos vidros quebrados. Classificação indicativa: livre
O especialista de seguros Claudio pensava que teria uma vida tranquila ao ser transferido para uma pacata cidade. Contudo, ele acaba se envolvendo em uma série de eventos estranhos e misteriosos.
→ 19h15 – Cuba: Morango e chocolate, Classificação indicativa: 16 anos
O filme é centrado no papel de David, um estudante universitário diligente, correto, mas homofóbico. Seus conceitos sobre o que é bom e o que é ruim são lançados em um dilema quando ele faz amizade com Diego, um artista homossexual. Entre os dois se desenvolve uma relação que quebra mal-entendidos, preconceitos e intolerâncias. História baseada no conto El Lobo, el bosque y el hombre, do escritor cubano Senel Paz.

 Segunda-feira (26)
→ 18h30 – Trinidade e Tobago: Dias verdes à beira do rio. Classificação indicativa: 14 anos
Em uma remota vila à beira-mar em 1952, em Trinidad, uma negra ambiciosa de 15 anos, Shell, fica encantada com a atraente indiana Rosalie e lisonjeada com a amizade de seu pai, Gidharee, que mentalmente o aceita como um futuro filho. Apesar da doença terminal de seu pai, Shell segue um compassivo Gidharee para trabalhar em sua plantação exótica ao longo do rio com seus grandes cães de caça, na esperança de atrair Rosalie. Enquanto isso, Shell se apaixona por uma garota delicada e delicada da cidade, Joan. O triângulo amoroso se desenvolve, à medida que Shell lidera as garotas, sem perceber a armadilha projetada por Gidharee para prender sua masculinidade. Quando Dragon’s Blood, um líquido estimulante, é dado aos cães de Gidharee, uma forte ameaça é enviada a Shell, que deve enfrentar as consequências de suas ações.
→ 20h15 – Peru: A pena capital. Classificação indicativa: 14 anos
Baseado no livro homônimo de Santiago Roncagliolo. Um homem é assassinado em Lima durante a Copa do Mundo na Argentina de 1978. Félix Chacaltana, funcionário administrativo do governo, investiga o assassinato e descobre uma trama internacional de sequestro, desaparecimento e tortura. Felix também começa a descobrir a vida secreta do país. Embora o Peru esteja aparentemente prestes a voltar à democracia, opositores peruanos e argentinos perseguidos começam a desaparecer em operações militares por toda a cidade. Félix tenta denunciá-lo, mas ninguém acredita nele. Ou talvez ninguém se importe, porque há uma Copa do Mundo. Félix não sabe, mas está prestes a perder a virgindade sexual, política e até futebolística.

 Dia 27 (terça-feira)
→ 18h30 – El Salvador: Minisérie Las Pupusas Capítulo 1. Classificação indicativa: livre
Uma viagem ao coração da comida mais amada por milhões de salvadorenhos, um prato ancestral que fez parte da história de um pais inteiro. Feitas de milho ou de arroz, com queijo ou com torresmo, as pupusas nunca passam despercebidas. A história afirma que, se você não conhece o amor a primeira vista, é porque ainda não ficou frente a frente com uma pupusa salvadoreña.
→ 19h15 – Suriname: O Preço do açúcar. Classificação indicativa: 16 anos
Drama histórico sobre duas mulheres jovens no Suriname do século 18. La blanca Sarith e seu escravo Mini-Mini viviam na próspera plantação de açúcar da família de Sarith. O perigo constante de ataques de escravos fugitivos trouxe a vida protegida da fazenda. Enquanto Sarith se apaixona pela mudança da vida colonial e pela busca de um marido, Mini-Mini tem sua própria oportunidade de ser feliz. Será que ela é capaz e suficientemente valente para apoderar-se dela, às custas de sua ama? Baseado no livro de Cynthia McLeod, uma romancista surinamesa conhecida por seus romances históricos e pela primeira novela que se converteu instantaneamente em uma das autoras mais destacadas do Suriname.

 Dia 28 (quarta-feira)
→ 18h30 – Canadá: A linguagem é uma história de amor. Classificação indicativa: livre
Em uma aula como nenhuma outra, a de Madame Loiseau, que transmite francês para adultos recém-chegados, alguns deles analfabetos. Ansiosos por estudar, aprender, encontrar trabalho e criar a família com tranquilidade, as histórias de dor e esperança dos alunos convergem na sala de aula dessa professora.
→ 20h15 – Paraguai: Los buscadores. Classificação indicativa: livre
A trama conta a história de Manu (Tomás Arredondo), um jornaleiro que mora em Chacarita e trabalha nos arredores de Assunção. Certo dia, Manu recebe um livro que fala sobre a história do Paraguai e revela a existência de um mapa escondido, que pode, ou não, revelar a localização exata de um tesouro escondido na época da Guerra da Tríplice Aliança. Juntamente com seu amigo Fito (Christian Ferreira) e Don Elio (Mario Toñanez), um homem que conhece a aventuras dos “caçadores”, que buscam la plata, ele decide seguir as pistas para encontrar o tesouro que colocaria fim aos problemas econômicos de todos eles que vivem às margens da cheia do Rio Paraguai.

 Dia 29 (quinta-feira)
→ 18h – México: O diabo entre as pernas. Classificação indicativa: 18 anos
Sexo na terceira idade e outros perigos que atormentam os amantes do envelhecimento ganham um toque sincero, inflexível e sombriamente hilariante nesse filme.
→ 20h30 – Panamá: Algo azul. Classificação indicativa: livre
O sonho de se casar de Ana logo se tornará realidade, mas, antes, ela terá que fugir da polícia com um vestido de casamento de uma estrela internacional, enquanto tem o seu coração abalado pelo ex.

Serviço
6ª Mostra Latino-Americana e Caribenha
→ De 22 a 29 deste mês
→ Ingressos: Entrada franca, até atingir a capacidade (619 assentos)
→ Cine Brasília – SHCS EQS 106/107, s/nº Asa Sul. Mais informações: (61) 99878-2198 e Instagram.

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Flavio Dino toma posse no Supremo Tribunal Federal

Cerimônia está marcada para as 16h

Publicado

em

 

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Flávio Dino será empossado nesta quinta-feira (22) no cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

A cerimônia de posse está prevista para começar às 16h e contará com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do vice-presidente, Geraldo Alckmin, além de outras autoridades. Os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, também foram convidados. Cerca de 800 pessoas devem comparecer à solenidade.

Após a cerimônia, às 19h, Dino vai participar de uma missa de ação de graças na Catedral de Brasília. O novo ministro dispensou o tradicional jantar oferecido por associações de magistrados a todos os ministros que tomam posse no STF.

Dino foi indicado pelo presidente Lula para ocupar a cadeira deixada pela aposentadoria da ministra Rosa Weber, ocorrida em outubro de 2022.

Em dezembro do ano passado, Dino ele o nome aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado por 17 votos a 10. Em seguida, também foi aprovado pelo plenário da Casa com placar de 47 votos a 31.

O novo ministro herdará cerca de 340 processos oriundos do gabinete de Rosa Weber. Flávio Dino se tornará relator de processos sobre a atuação do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro durante a pandemia de covid-19 e sobre a legalidade dos indultos natalinos assinados durante a gestão anterior.

Perfil

Flávio Dino chega ao Supremo com 55 anos e poderá permanecer na Corte por 20 anos. A idade para aposentadoria compulsória é de 75 anos. Em sua carreira, o novo ministro colecionou passagens pelos três Poderes.

Dino é formado em direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Foi juiz federal, atuou como presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e chefiou a secretaria-geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Em 2006, entrou para a política e se elegeu deputado federal pelo Maranhão. Entre 2011 e 2014, ocupou o cargo de presidente da Embratur.

Nas eleições de 2014, Dino foi eleito governador do Maranhão pela primeira vez, sendo reeleito no pleito seguinte, em 2018. Em 2022, venceu as eleições para o Senado, mas deixou a cadeira de parlamentar para assumir o comando do Ministério da Justiça do terceiro mandato de Lula.

Edição: Graça Adjuto

ebc

Continue Lendo

Reportagens

Edital de chamamento para gestão do Cine Brasília é publicado

Organização da Sociedade Civil terá orçamento anual de R$ 2 milhões para agir em parceria com a Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Publicado

em

 

Agência Brasília* | Edição: Vinicius Nader

 

A Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec-DF) publicou edital de chamamento para a contratação da nova gestão do Cine Brasília no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta quinta-feira (22). O processo de seleção da Organização da Sociedade Civil (OSC) ficará aberto por 30 dias. Após esse prazo a secretaria terá mais 30 dias para analisar e concretizar o Termo de Cooperação Técnica.

Ao final deste período, a OSC vencedora da seleção fará a gestão compartilhada do Cine Brasília, em parceria com a Secec. O orçamento previsto para a gestão é de R$ 2 milhões por ano, totalizando R$ 6 milhões ao final do contrato.

A gestão compartilhada do Cine Brasília faz parte de um pacote de medidas da Secec visando o audiovisual | Foto: Divulgação/ Secec-DF

O Cine Brasília está fechado, desde o dia 8 de fevereiro, para intervenções e manutenções na estrutura.

“É importante lembrar que agora essa parceria de cogestão tem o prazo de até três anos para dar mais longevidade ao projeto e já possui recursos garantidos para promover o audiovisual do DF, por meio deste equipamento tão importante que é o Cine Brasília”, destaca o secretário de Cultura e Economia Criativa, Claudio Abrantes.

“Ainda neste semestre estamos trabalhando para antecipar o Festival de Cinema e lançar o FAC para o audiovisual. Uma série de medidas para dar o protagonismo que o cinema do DF e o audiovisual merecem”, acrescenta Abrantes.

*Com informações da Secec-DF

 

 

Continue Lendo

Reportagens

Distritais elencam diversos problemas na volta às aulas

Foto: Carlos Gandra/ Agência CLDF

Publicado

em

 

 

 

Reiniciadas esta semana, as aulas da rede pública de ensino do Distrito Federal foram tema de deputados de diversos partidos na sessão ordinária da Câmara Legislativa desta quarta-feira (21). Os parlamentares apresentaram um rol de problemas em todas as áreas, por esse motivo, Gabriel Magno (PT) fez um apelo para que a Secretaria de Educação se faça presente na comissão geral da CLDF que discutirá o tema na próxima semana.

“Faltam professores e monitores, as turmas de educação especial estão sendo fechadas. Há problemas com uniformes e mobiliário. As escolas começaram sem papel, porque o governo não adquiriu e ainda pediu que os gestores adquirissem o material com recursos destinados aos estabelecimentos para outros gastos”, comentou o distrital.

Por sua vez, o deputado João Cardoso (Avante) afirmou que existem escolas, em Sobradinho, nas quais mais 90% dos servidores são temporários. “Fizemos um levantamento e há locais em que apenas os gestores escolares são efetivos”, lamentou. Já Thiago Manzoni (PL) destacou proposição de sua autoria, em tramitação, permitindo o financiamento privado em equipamentos públicos, nesse caso, “para contribuir com as escolas”.

O deputado Rogério Morro da Cruz (sem partido) lembrou que fez várias indicações (sugestões ao GDF) solicitando a pavimentação nas vias por onde transitam o transporte escolar na região de São Sebastião. Ele pediu apoio aos colegas para que destinem recursos, por meio de emendas parlamentares, “para resolver o problema do atoleiro”.

Já Paula Belmonte (Cidadania) contou ter verificado in loco o retorno dos alunos no dia 19 passado e constatou a falta de treinamento para os novos docentes contratados temporariamente. Na avaliação da distrital, a ausência de planejamento “prejudica o professor e o aluno”. Por esse motivo, defendeu a contratação de mais servidores na área de educação. Também apontou dificuldades no transporte escolar.

Creches

A partir de um relato de sua vivência familiar, o deputado Max Maciel (Psol) reclamou da falta de vagas em creches que, segundo ele, chega a 14 mil. “Não podemos permitir que isso aconteça. É urgente incluir no orçamento mais verbas para construir novas creches”. O parlamentar observou que soluções improvisadas “não garantem qualidade”.

Marco Túlio Alencar – Agência CLDF

 

 

Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010