Artigos

CANOAGEM PARA CURAR E CELEBRAR A VIDA

Sobreviventes do câncer de mama praticam esporte milenar fortalecendo corpo e mente nas águas do Lago Paranoá, em Brasília

 

Márcia Turcato, texto Fotos: João Paulo Barbosa (arquivo Canomana)

 

Nada detém uma mulher determinada. E quando elas são várias, se tornam imbatíveis. Larissa Lima, presidente da Associação Canomama de Saúde, Esporte e Cultura do Distrito Federal, mobiliza atualmente 56 mulheres em torno de uma atividade lúdica – a canoagem – para celebrar a vida. Todas mulheres participantes são sobreviventes do câncer de mama. Algumas se submeteram a mastectomia em uma mama, outras nas duas. Larissa Lima, uma delas, fundou a Canomama em 2015.

 

O Dragon Boat é uma modalidade chinesa de canoagem voltada para o fortalecimento físico e mental. O Dragon da Canomama tem 14 metros e comporta 22 mulheres, sendo 20 remadoras, uma tamborista e uma lemista.

 

 

O grupo de Brasília, pioneiro no Brasil, integra a iniciativa Remadoras Rosa que, por sua vez, faz parte de uma ação internacional com sede na Nova Zelândia, a ‘International Breast Cancer Paddlers’. As participantes da atividade praticam a canoagem em um modelo chinês, o Dragon Boat, recomendado para mulheres que tiveram câncer de mama pelo médico canadense Donald Mckenzie, especialista em Medicina Esportiva e titular da Universidade de British Columbia.

 

 

Donald Mckenzie, especialista em Medicina Esportiva, participou do encontro ‘Ka Ora Brasil Baixada Santista’, em São Vicente-SP, quando fez uma palestra no SESC-Santos “Remar em Dragon Boats é Medicina”. (SESC)

 

REMADA MELHORA O FLUXO LINFÁTICO

Os estudos do médico Donald Mckenzie, iniciados em 1996, comprovam os benefícios da prática de exercício dos membros superiores, proporcionados pela canoagem. A remada melhora o fluxo linfático e previne o desenvolvimento de linfedema, inchaço nos tecidos do organismo, que podem provocar restrição de movimentos. Todos os estudos foram realizados pensando no Dragon Boat.

Ao escolher esse tipo de embarcação, o médico levou em conta uma canoa que pudesse incluir o maior número de limitações causadas pelo câncer às mulheres, e o único barco que atende esse requisito é o Dragon, porque permite que as mulheres remem para um lado somente, e tem uma tocadora de tambor e um lemista, ou seja, quem tem limitação de um lado rema de outro e quem tem limitação dos dois lados pode tocar o tambor ou fazer o leme da embarcação.  Não há troca de lado de remo como é usual na canoa polinésia.

 

 

O objetivo da prática esportiva é permitir vivências com foco na manutenção da qualidade de vida e na prevenção de doenças, com orientação da fisioterapeuta oncológica Nadia Gomes.

 

DRAGON BOAT

O Dragon Boat é uma modalidade chinesa de canoagem voltada para o fortalecimento físico e mental. O Dragon da Canomama tem 14 metros, pesa 250 kg, e comporta 22 mulheres, sendo 20 remadoras, uma tamborista e uma lemista. Larissa Lima é a capitã do time, dando os comandos. A canoa é conduzida pela lemista e a tripulação mantém a frequência das remadas de acordo com o ritmo do tambor tocado pela mulher que fica na proa da embarcação.

 

 

Larissa Lima, antes de colocar o barco-dragão na água, dá um curso básico para as mulheres participantes.

 

CANOMAMA E ASCADE

As atividades da Canomama são realizadas até três vezes por semana no Lago Paranoá, utilizando a base da escola de canoagem CPP ExtremeBsb, que funciona em parceria com o Clube ASCADE- Associação dos Servidores da Câmara dos Deputados. Além da própria canoagem, as atividades da Canomama proporcionam um momento de descontração e bem-estar, possibilitando integração e trocas afetivas, importantes para o tratamento oncológico, além de aulas de ioga, de tai chi chuan, meditação, orientação nutricional e esportiva.

A canoa Dragon Boat tem um grande significado para as mulheres que venceram o câncer. Na mitologia chinesa o dragão remete à força do renascimento e da criação, lealdade, beleza, coragem, e nobreza. Esses valores da cultura chinesa dão suporte às mulheres da Canomama no processo de recuperação e cura. A Associação está aberta para receber todas as mulheres que venceram o câncer e podem fazer atividade física.

 

FISIOTERAPIA ONCOLÓGICA

O objetivo da prática esportiva é permitir vivências com foco na manutenção da qualidade de vida e na prevenção de doenças, com orientação da fisioterapeuta oncológica Nadia Gomes, 34 anos, que está no grupo desde a sua fundação. Ela orienta o tratamento oncológico combinado com a canoagem. Ela também participa das remadas para estabelecer os protocolos necessários para a entrada segura das mulheres no projeto. Com base nos pedidos médicos e históricos individuais, ela determina a amplitude dos movimentos e a força de cada uma.

Em outubro de 2022, a Canomama promoveu o 1º Festival de Dragon Boat de Mulheres Sobreviventes do Câncer de Mama e o 1º Encontro Nacional de Remadoras Rosas em Brasília. O evento, realizado com patrocínio da embaixada da China, e apoio do GDF e da Marinha do Brasil, reuniu 350 mulheres de sete países no clube ASCADE. As remadoras brasileiras também estiveram no Festival Internacional de Dragon Boat, na Itália, e no Encontro Latino-Americano em Neuquén, na Argentina. O mais recente foi o Pan-americano de Dragon Boat 2023, no Panamá, onde as brasileiras conquistaram uma medalha de prata (categoria 200 m) e bronze (categoria 500 m).

 

 

Artigos

SÃO LOURENÇO

Uma estância hidromineral no Sul de Minas que vai além de suas sagradas águas medicinais

Publicado

em

 

Embarque neste video e conheça as belezas, a cultura e as maravilhas de São Lourenço.

 

 

Boa viagem!

 

Obrigado PAIVA FRADE.

Continue Lendo

Artigos

O Dia da ave e a ave Nacional

Dalgas lutou para criar o Dia da Ave e para fazer do Sabiá a Ave Nacional

Publicado

em

 

O SENHOR DOS PÁSSAROS 6

O Dia da ave e a ave Nacional

1 de julho de 2024

Dalgas lutou para criar o Dia da Ave e para fazer do Sabiá a Ave Nacional

Silvestre Gorgulho

 

 

O Dia da Ave é comemorado no Brasil desde 1968. Em 2002, a o Dia da Ave se revestiu de mais significado, pois todas as aves brasileiras passaram a ter, simbolicamente, uma única ave para representá-las: o sabiá laranjeira (Turdus rufiventris) que se transformou na Ave Nacional.

Dalgas lutou para criar o DIA DA AVE, em 5 de outubro. No diploma para as escolas tinha a assinatura do ministro da Educação, Jarbas Passarinho, e de outras autoridades. As duas últimas assinatura: Edson Arantes do Nascimento, o Rei PELÉ e do próprio Dalgas.

O ato burocrático que garantiu o sabiá laranjeira como Ave Nacional foi justamente por sua importância no folclore popular e na literatura do País. A iniciativa para fazer do Sabiá a Ave Nacional partiu o engenheiro e ornitólogo Johan Dalgas Frisch.

Segundo Dalgas Frisch, a APVS deu início a uma campanha em defesa do sabiá-laranjeira (Turdus Rufiventris). “Tivemos o apoio até do escritor Jorge Amado. E em agosto de 2002, a “Folha do Meio Ambiente”, jornal pioneiro na cobertura da temática ambiental, promoveu junto a seus mais de 150 mil leitores e 200 mil internautas, durante um mês, uma enquete para a escolha da ave nacional. Havia duas propostas: o sabiá e a ararajuba. Ganhou o sabiá (Turdus rufiventris) com uma grande vantagem: 91,7% na preferência popular”.

Dalgas Frisch conta que, diante da inequívoca preferência nacional, os então ministros do Meio Ambiente, José Carlos de Carvalho, Paulo Renato de Souza, da Educação, e o chefe da secretaria da Presidência da República, Euclides Scalco, assinaram em conjunto uma exposição de motivos que foi aceita e sancionada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso. Foi feito um novo decreto, retificando os anteriores e determinando o sabiá-laranjeira (Turdus rufiventris) como ave-símbolo da ornitologia e ave nacional do Brasil.

 

O Decreto

DECRETO DE 3 DE OUTUBRO DE 2002

Dispõe sobre o “Dia da Ave” e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso II, da Constituição, DECRETA:

Art. 1 – O “Dia da Ave”, instituído pelo Decreto no 63.234, de 12 de setembro de 1968, será comemorado no dia 5 de outubro de cada ano.

Art. 2 – O centro de interesse para as festividades do “Dia da Ave” será o Sabiá (Turdus Rufiventris), como símbolo representativo da fauna ornitológica brasileira e considerada popularmente Ave Nacional do Brasil.

Art. 3 – As comemorações do “Dia da Ave” terão cunho eminentemente educativo e serão realizadas com a participação das escolas e da comunidade.

Art. 4 – Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 5 – Revoga-se o Decreto no 63.234, de 12 de setembro de 1968.

Brasília, 3 de outubro de 2002; 181o da Independência e 114º da República.

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

 

Em outubro de 2002, José Carlos Carvalho, então  ministro do Meio Ambiente, recebeu de Johan Dalgas Frisch todos os estudos para que o Brasil pudesse definir o SABIÁ como Ave Nacional.

 

O jornal FOLHA DO MEIO AMBIENTE trouxe a reportagem completa na edição 129 de outubro de 2002.

 

Continue Lendo

Artigos

Só discursos e barrativas não apagam fogo

No Pantanal foram detectados 3.262 focos de queimadas com aumento de 22 vezes em relação ao ano passado

Publicado

em

 

Os biomas brasileiros registraram recordes de queimadas nos primeiros seis meses de 2024. Levantamento feito pela WWF-Brasil mostra salienta que o Pantanal e o Cerrado totalizaram a maior quantidade de focos de incêndio para o período, desde o início das medições em 1988 pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

 

Em relatório, a WWF-Brasil acende luz de alerta vermelha:

  • No Pantanal, de 1º de janeiro a 23 de junho, foram detectados 3.262 focos de queimadas, um aumento de mais de 22 vezes em relação ao mesmo período no ano anterior. Este é o maior número da série histórica do INPE.
  • Entre janeiro e junho de 2024, quase todos os biomas brasileiros tiveram um aumento no número de queimadas em comparação ao mesmo período de 2023, exceto o Pampa, afetado por chuvas responsáveis pelas enchentes no Rio Grande do Sul.
  • Na Amazônia, foram detectados 12.696 focos de queimadas entre 1º de janeiro e 23 de junho, um aumento de 76% em comparação ao mesmo período no ano passado, o maior valor desde 2004.

 

SESC PANTANAL FAZ QUEIMA CONTROLADA PARA EVITAR GRANDES INCÊNDIOS

 

O Sesc Pantanal é um exemplo no manejo de sustentabilidade. Com mais de 110 mil hectares de área total, que corresponde a 1% do Pantanal Matogrossense, a área do Sesc virou importante polo de ação econômica e ambiental nos municípios de Barão de Melgaço e Poconé, a pouco mais de 100 km de Cuiabá. Nesses 27 anos de funcionamento, a RPPN do Sesc promoveu vários tipos de atividades desde a produção de livros, documentários sobre a região, educação ambiental, pesquisas científicas, combate a incêndios florestais, ensino a distância, formação de mão de obra, qualificação de trabalhadores e formação de professores. Agora, diante dos terríveis incêndios florestais no Pantanal, o Sesc antecipou algumas técnicas para conter as queimadas. Uma delas é o uso do próprio fogo para evitar sua propagação.

 

 

Reserva do Sesc Pantanal é a primeira a realizar queima prescrita em unidades 

de conservação no Pantanal de MT (Fotos: Jeferson Prado)

Antes de julho, já em junho, começou nesta semana no Pantanal de Mato Grosso o período proibitivo de uso do fogo em 2024. Anteriormente era para 1º de julho. A antecipação ocorre em razão da estiagem severa prevista para os próximos meses, conforme monitoramento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). De acordo com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), somente será autorizado o uso do fogo para fins preventivos, como a queima prescrita realizada pela Reserva Particular do Patrimônio Natural, RPPN Sesc Pantanal, a primeira em unidades de conservação no Pantanal Norte a efetuar o procedimento.

“Somente serão autorizados fogos preventivos, com o objetivo de diminuir a propagação de grandes incêndios na região, com autorização e orientação do Corpo de Bombeiros e Secretaria de Meio Ambiente”, informou a secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti. Este é o caso da queima prescrita que faz parte do Plano de Manejo Integrado do Fogo (PMIF) da RPPN Sesc Pantanal, a maior do Brasil, localizada em Barão de Melgaço (MT). Referência em prevenção a incêndios no Pantanal, a Reserva começou no dia 14 de junho a executar a técnica comprovadamente eficaz em outros biomas brasileiros e em outros países. A queima já havia sido realizada na área em 2021, em caráter de pesquisa.

 

FOGO EM ÁREAS CONTROLADAS

O processo consiste em aplicar chamas de baixa intensidade em áreas controladas, com vegetação mais adaptada ao fogo. Essa queima auxilia na redução de materiais secos com potencial para propagar o fogo, evitando incêndios de grandes proporções. A queima é feita em mosaico, com o objetivo de proteger os 108 mil hectares da RPPN.

 

 

De acordo com a gerente-geral do Sesc Pantanal, Cristina Cuiabália, o PMIF (que pode ser acessado no site www.sescpantanal.com.br), representa um importante avanço pela prevenção do Pantanal. “O objetivo é que ele seja aprimorado e apropriado por outras instituições que planejam adotar a abordagem de MIF. Assim, avançamos como um todo para o manejo mais adequado do bioma, considerando a ampla diversidade de uso e ocupação dos territórios pantaneiros”, diz Cuiabália, destacando o pioneirismo do Polo Socioambiental Sesc Pantanal, iniciativa nacional do Sistema CNC-Sesc-Senac

 

OPERAÇÃO PANTANAL 2024

O Governo de Mato Grosso lançou a Operação Pantanal 2024 de combate a incêndios no Pantanal no dia 17 de junho, sob coordenação da Sema-MT e Secretaria de Estado de Segurança Pública (SESP-MT). A abertura foi realizada no Parque Sesc Baía das Pedras, unidade do Polo Socioambiental Sesc Pantanal, localizada em Poconé (MT). Em 2020, o lugar foi utilizado como Posto de Comando da Operação Pantanal II. Naquele ano, 4 milhões de hectares do Pantanal foram afetados por incêndios florestais no bioma.

E Mato Grosso fez um pacto interfederativo com o Governo Federal, Mato Grosso do Sul e Estados do Amazônia Legal para o combate aos incêndios florestais no Pantanal e na Amazônia. O objetivo é promover uma atuação coordenada e integrada para efetivar a prevenção, o controle e o manejo do fogo, de modo a proteger essas regiões de significativa importância ecológica, econômica e social.

 

 

Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010