Reportagens

Homenagem aos profissionais da enfermagem forense é marcada por defesa das mulheres vítimas de violência

Participantes da sessão se emocionaram ao lembrar a trajetória da enfermeira forense Pollyanna Pereira de Moura, vítima de feminicídio por seu ex-companheiro no ano de 2020

 

Foto: Eurico Eduardo/Agência CLDF

 

O que seria somente uma homenagem aos profissionais da enfermagem forense do Distrito Federal acabou se transformando em um manifesto pelo fim da violência contra as mulheres na manhã desta sexta-feira (1), em sessão solene da Câmara Legislativa. O autor da iniciativa, deputado Jorge Vianna (PSD), ressaltou o caráter singular da solenidade. “Hoje não é um dia qualquer, pois lutamos muito para criar o dia da enfermagem forense. Esse projeto inclusive foi vetado e nós derrubamos o veto. Mas tudo mudou quando uma colega morreu”, explicou.

A colega a que Jorge Vianna se referiu é Pollyanna Pereira de Moura, enfermeira forense vítima de feminicídio por seu ex-companheiro no ano de 2020. “Era uma mulher cheia de vida, cheia de coragem. Deixou sua família aqui e foi para Manaus ajudar os colegas no enfrentamento da pandemia”, destacou o deputado.

O rosto de Pollyanna estava estampado nas camisas de vários participantes da sessão solene, que fizeram questão de render homenagem àquela profissional tão querida por seus pares.

Ao longo da solenidade, outros casos de violência contra a mulher foram relatados, levando muitos dos oradores a se emocionarem. “Eu vi uma colega ser assassinada. A dor é irreparável. Cabe aos homens escutar o grito de socorro das mulheres e não ficarmos calados. Precisamos agir”, disse Newton Batista, do Sindicato de Auxiliares e Técnicos em Enfermagem (Sindate).

 

 

A atuação dos enfermeiros forenses no acolhimento das mulheres vítimas de violência foi destacada na sessão solene. “Somos nós da enfermagem que temos o primeiro contato com as vítimas de agressão. Até chegar o perito, nós já vimos as roupas, as marcas, a forma como a pessoa chegou”, afirmou Jorge Vianna, que é enfermeiro.

A deputada Dayse Amarilio (PSB) também ressaltou o papel dos enfermeiros forenses na luta contra as agressões sofridas pelas mulheres e defendeu um projeto de lei de sua autoria que trata do tema.

 

 

“Na hora da acolhida, o profissional da enfermagem forense faz toda a diferença. Por isso peço a sensibilidade dos deputados para derrubarmos o veto ao meu projeto de lei que determina local específico nos hospitais para atendimento às mulheres vítimas de violência. Essa vítima chega ao hospital toda arrebentada e tem muita dificuldade de fazer denúncia ou procurar ajuda. Ela fica esperando atendimento toda arrebentada, junto com os demais pacientes. O meu projeto determina que essa mulher seja acolhida pelo enfermeiro forense”, disse a deputada.

Ativista da Comissão Nacional da Enfermagem Forense, Adriano Araújo lembrou que “a enfermagem forense é uma especialidade nova, mas que já está atuando em todo o país”. Para ele, trata-se de um trabalho que exige conhecimentos específicos que ainda não são ofertados na formação dos profissionais.

Elilssandro de Noronha, do Conselho Regional de Enfermagem, observou que muitas enfermeiras forenses são elas mesmas vítimas de violência e têm dificuldade para denunciar. “No DF, 87% da enfermagem é formada por mulheres e várias delas sofrem agressões no próprio local de trabalho. Muitas vezes as mulheres não denunciam com medo de perder o emprego. Uma colega recentemente levou uma denúncia de abuso sexual à direção de seu hospital, mas tentaram abafar o caso. A profissional não quis ir à polícia com medo de ser demitida. Muitas vezes as enfermeiras são demitidas quando fazem denúncias”, relatou.

 

 

A delegada de polícia Karen Tatiane Langkammer, da delegacia de atendimento à mulher de Ceilândia, também ressaltou a importância da enfermagem forense no combate à violência contra a mulher. “Muitas vezes a mulher chega na delegacia quando já não aguenta mais e está com medo de morrer, mas para nós é apenas a primeira notícia de violência, pois não temos um histórico. Por isso é tão importante a atuação dos enfermeiros forenses. Se o enfermeiro coletou dados anteriores eu terei um histórico para requerer o encarceramento do agressor”, explicou a policial.

Para a defensora pública Keity Satiko Freire, é fundamental que as vítimas procurem ajuda. “A defensoria faz todo tipo de atendimento a mulheres em situação de vulnerabilidade. São mulheres que precisam muitas vezes de casas de apoio”, afirmou.

Keity também fez questão de lembrar que a defensoria pública está à disposição das vítimas. “Toda mulher vítima de violência pode procurar a defensoria que terá atendimento prioritário”, garantiu. Ao final da solenidade, foram conferidas moções de louvor às enfermeiras e enfermeiros forenses do DF que estão na linha de frente do combate à violência contra as mulheres.

 

 

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Proposta de mudança do nome do parque do Sudoeste é arquivada

Audiência pública que seria realizada na quarta-feira (19) para debater a troca do nome também foi cancelada

Publicado

em

 

Foto: Agência Ceub

O projeto de lei nº 582/2023, que previa a modificação da nomenclatura do Parque Bosque do Sudoeste para Parque Monsenhor Jonas Abib, foi retirado de pauta e não será mais votado pela Casa. É o que anunciou o autor da proposta, deputado João Cardoso (Avante), em suas redes sociais na última sexta-feira (14).

O parlamentar afirmou que a iniciativa da proposta se deu para atender a uma reivindicação que chegou ao seu gabinete que visava homenagear o religioso fundador do movimento católico “Renovação Carismática”, mas que, após repercussão negativa dos moradores da Região Administrativa, optou por não dar seguimento à proposta. Consequentemente, a audiência pública organizada para debater o PL também foi cancelada.

Cardoso fez questão de frisar que tanto a iniciativa do PL quanto a decisão por seu arquivamento se deram em atendimento às demandas dos cidadãos, e que suas propostas visam o respeito pela opinião popular.

“Na audiência pública iriamos discutir a proposta, não seria uma imposição. Depois de ouvir diversas pessoas que nos procuraram, decidimos cancelar a audiência e retirar o PL nº 582/2023 de pauta. Quero que os moradores do Sudoeste se sintam tranquilos porque nosso mandato é voltado para a população, não estamos aqui para violentar ninguém, o parque vai continuar com seu nome”, afirmou da tribuna o parlamentar.

O distrital anunciou ainda que está propondo um título de cidadão honorário ao monsenhor, que deverá ser votado em breve e que, futuramente, poderá propor a utilização de seu nome para batizar outra praça ou parque público de Brasília que ainda não tenha nome oficial.

Christopher Gama – Agência CLDF de Notícias

 

 

Continue Lendo

Reportagens

Entrevista coletiva traz detalhes sobre Grand Prix de Boxe

Encontro com a imprensa será realizado nesta quarta (19), com a presença de atletas que representarão o Brasil nas Olimpíadas de Paris 2024

Publicado

em

 

Por Agência Brasília* | Edição: Carolina Caraballo

 

A Secretaria de Esporte e Lazer do Distrito Federal (SEL) realiza nesta quarta-feira (19), às 14h, na Arena BRB Nilson Nelson, a coletiva de imprensa que divulgará detalhes sobre o Grand Prix Internacional de Boxe.

O evento ocorre entre os dias 19 e 22 de junho na Arena BRB Nilson Nelson. A competição é a última antes da participação dos atletas nas Olimpíadas de Paris 2024.

Estão confirmados para a coletiva os atletas Bia Ferreira, Abner Teixeira, Barbara Santos e Luiz Bolinha Oliveira – eles representarão o Brasil na competição em Paris.

Coletiva de imprensa – Grand Prix de Boxe

• Dia: Quarta-feira (19)
•  Hora: 14h
• Local: Arena BRB Nilson Nelson

*Com informações da Secretaria de Esporte e Lazer

 

 

Continue Lendo

Reportagens

‘A Funap mudou a minha vida’, conta reeducando empregado em restaurante do DF

De 2019 a 2024, o prazo de espera de uma pessoa originária do sistema semiaberto para conseguir um emprego caiu de nove para três meses; investimentos em cursos de capacitação e diálogo com os empresários foram responsáveis pela diminuição do prazo

Publicado

em

 

Por Rodrigo Pael, da Agência Brasília | Edição: Chico Neto

 

C.B.S. é um reeducando do sistema prisional do Distrito Federal que trabalha em um restaurante do Distrito Federal há um ano e quatro meses. Para conquistar uma vaga no mercado de trabalho, o funcionário frequentou cursos de capacitação oferecidos pela Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap).

Reforçado pela articulação com empresários, o programa Capacita Funap tem sido responsável pelo aumento do número de reeducandos reinseridos no mercado de trabalho | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

“Trabalho aqui com mais 70 pessoas, entre reeducandos do semiaberto e de monitorados por tornozeleira, e não temos nenhum problema de indisciplina. Muitos aqui, depois de aprenderem uma profissão, já conseguiram empregos em outros lugares”

C.B.S, reeducando

“A gente sabe da dificuldade de conquistar um emprego por já ter passado pelo sistema prisional. Então, eu tive essa visão de me colocar para trabalhar em empresas privadas depois dos cursos que fiz”, relata. “Graças a Deus, está dando certo. Trabalho aqui com mais 70 pessoas, entre reeducandos do semiaberto e de monitorados por tornozeleira, e não temos nenhum problema de indisciplina. Eu já fui cozinheiro, gerente de campo de obras e administrativo. Hoje eu sou um gestor. Sendo gestor, eu tenho a oportunidade de ensinar aos outros reeducandos. Muitos aqui, depois de aprenderem uma profissão, já conseguiram empregos em outros lugares .”

Em 2019, um reeducando do sistema prisional do Distrito Federal poderia ter que aguardar até nove meses para conseguir um emprego e a sua ressocialização. Neste ano, a fila de espera caiu para três meses. Em alguns casos, ex-detentos com cursos ou experiência comprovada podem aguardar até menos de 60 dias para uma recolocação profissional. O programa Capacita Funap, lançado em 2023, e a articulação com empresários foram os grandes responsáveis por essa mudança.

Oportunidades 

Os números de reeducandos reinseridos pela Funap no mercado de trabalho vêm crescendo ao longo dos anos. Em 2019, eram 830 contratados; já em 2020, essa cifra pulou para 1.261. Em 2021, 1.838 apenados estavam trabalhando em empregos conveniados com a fundação no DF. Em 2022, esse número passou para 2.111 e em 2023, para 2.495. O maior salto será computado em 2024. Apenas nos quatro primeiros meses deste ano, 3.100 reeducandos estão contratados por meio da instituição do Governo do Distrito Federal (GDF) – só em maio, 350 reeducandos assinaram contrato de trabalho.

O programa Capacita é gerido pela Funap, órgão ligado à Secretaria de Justiça e de Cidadania do DF (Sejus). “Conquistamos esses números graças à completa reestruturação da fundação”, explica a diretora da Funap, Deuselita Pereira Martins. “Informatizamos todos os processos, e com isso ganhamos em qualidade para atender os reeducandos e as empresas que contratam. A performance da fundação melhorou muito depois da informatização. Equipamos e adquirimos um software de gestão e, com isso, ganhamos em credibilidade”.

“A questão da não reincidência está muito vinculada à possibilidade de essas pessoas terem vínculos empregatícios, portanto é preciso criar as oportunidades para que esses detentos se capacitem”

Marcela Passamani, secretária de Justiça e Cidadania

As ações do GDF para reinserção de reeducandos no mercado de trabalho também impactam a segurança. Os índices de reincidência caíram para menos de 5%. Para garantir esses ganhos a toda a sociedade, a Funap repassa aos ex-detentos contratados um vale-transporte diário de R$ 11 e um vale-alimentação no valor de R$ 17 por dia trabalhado durante três meses, além de uma bolsa que varia entre 3/4 de um salário mínimo para reeducandos sem experiência profissional a um valor próximo de um salário mínimo para portadores de diploma de nível superior ou para o trabalhador que demonstre sólida formação profissional.

“Oferecer profissionalização aos reeducandos é contribuir para a função ressocializadora atribuída às penas privativas de liberdade a fim de reintegrá-los à sociedade”, resume a secretária de Justiça e Cidadania do Distrito Federal, Marcela Passamani. “A questão da não reincidência está muito vinculada à possibilidade de essas pessoas terem vínculos empregatícios, portanto é preciso criar as oportunidades para que esses detentos se capacitem.”

Capacitação

Os cursos ofertados aos reeducandos são das áreas de gastronomia (garçom, copeiros, cozinheiro), construção civil (pintor de parede, bombeiro hidráulico, serralheria, eletricista) e outras capacitações, como costura, práticas agrícolas, empreendedorismo, instalação e manutenção de ar-condicionado e restauração de móveis.

“Os cursos são escolhidos por meio das demandas apresentadas pelas empresas”, explica Deuselita. “São elas que orientam quais as necessidades e nós tentamos atender. Os cursos são contratados em valor que varia entre R$ 2 mil e R$ 2,5 mil por aluno.”

Os reeducandos não têm vínculo com as empresas, e esta é uma vantagem para os empregadores. “Com todo esse investimento, a fundação ganhou ainda mais credibilidade”, afirma Deuselita. “A fundação acompanha, por meio de um preposto que visita as empresas e todos os ex-detentos contratados. Durante os primeiros três meses de experiência, as visitas são mais frequentes; depois desse período, ainda fazemos visitas, mas menos frequentes e sempre que solicitadas”.

Convênio

“Além da qualidade do trabalho e da oportunidade para essas pessoas, as vantagens financeiras para a contratação são muito grandes para a empresa. Aqui dentro é todo mundo igual, todo mundo é funcionário”

B.M.C, gerente de restaurante

Um restaurante no DF é o maior empregador privado em convênio com a Funap, tendo contratado 70 funcionários que cumprem pena. O contrato com a fundação foi firmado há um ano. Os proprietários do estabelecimento fizeram um trabalho de conscientização com a vizinhança para tentar diminuir o preconceito.

“Eu só tenho elogios a fazer à fundação e aos funcionários que trabalham aqui”, avalia o gerente do estabelecimento, B.M.C. “Já estamos estudando para contratar mais 30 reeducandos. Entre dez que vêm trabalhar com a gente, um não se adapta. Isso é mínimo. Nós selecionamos os perfis e estabelecemos as funções, quem vai para trabalho interno e quem vai para o atendimento no restaurante. Nós fazemos um campeonato aqui dentro. Quem tiver a melhor avaliação no Google ganha uma gratificação.”

O gestor faz questão de manter o mesmo tratamento com os contratados: “Além da qualidade do trabalho e da oportunidade para essas pessoas, as vantagens financeiras para a contratação são muito grandes para a empresa. Nossa maior dificuldade é a discriminação que eles sofrem quando são reconhecidos como do sistema prisional. Mas aqui dentro é todo mundo igual, todo mundo é funcionário”.

G.S.S, 28, trabalha no restaurante há um ano. Foi chamado para a empresa por indicação de outro reeducando que já estava empregado. “Eu acreditava que não iria me adaptar em trabalhar neste ramo, mas, com o tempo e com o acolhimento de todos aqui, as dicas que me deram, eu me senti muito melhor”, relata. “Já ganhei até folgas e férias aqui. Hoje tenho uma profissão, sou garçom. Com esse emprego, eu já consegui financiar uma casa para mim no Jardim Ingá. Meu sonho para o futuro é quitar o financiamento. Me sinto muito bem aqui. Aqui não tem discriminação”.

 

 

Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010