Artigos

A vida operária da Vila Planalto

Agência Brasília resgata a história do bairro que surgiu para abrigar trabalhadores das obras de construção da capital federal

 

Victor Fuzeira, da Agência Brasília | Edição: Vinicius Nader

 

A poucos quilômetros do imponente Palácio da Alvorada, testemunha dos primeiros traços de Brasília, está a Vila Planalto, bairro que surgiu para abrigar os trabalhadores que ajudaram a erguer as primeiras construções da capital federal.

Nesta quinta-feira, a Vila Planalto é o tema da série #TBTdoDF. A série especial da Agência Brasília aproveita a sigla em inglês – TBT – para throwback thursday (em tradução livre, quinta-feira de retrocesso) para mostrar fatos que marcaram o Distrito Federal.

Como seriam lares temporários, as casas da Vila Planalto foram construídas em madeira | Fotos: Divulgação/ Arquivo Público do DF

Um dos berços da capital federal, a Vila Planalto surgiu em 1957 como reduto dos pioneiros que vieram para o quadradinho e ajudaram a tirar o sonho do presidente Juscelino Kubitschek do papel. Foram necessários 320 hectares para abrigar 22 acampamentos temporários, que acomodavam engenheiros, operários e suas famílias.

O local para instalação dos acampamentos não foi escolhido ao acaso. O engenheiro Pery da Rocha França optou pela área, uma vez que o planejamento de Brasília não previa, inicialmente, a construção de edificações na região.

“É uma região vizinha ao Palácio da Alvorada e ao Brasília Palace Hotel, duas obras que esses trabalhadores estavam escalados para construir”

“O outro fator para a escolha do endereço foi estratégico. É uma região vizinha ao Palácio da Alvorada e ao Brasília Palace Hotel, duas obras que esses trabalhadores estavam escalados para construir”, acrescenta Leiliane Rebouças, 48 anos, moradora da Vila e autora do livro Vizinhos do poder: história e memória da Vila Planalto. A escritora é filha de um pioneiro de Brasília, que chegou à capital federal em um “pau de arara” vindo do Ceará e trabalhou na construção do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional, do Teatro Nacional e da Torre de TV.

“A Vila Planalto tem uma história única, mas que também se confunde com a história do Distrito Federal. Preservá-la é preservar a memória das pessoas que construíram a nossa cidade”Felipe Ramos, subsecretário do Patrimônio Cultural

Em seu livro, ela lembra uma curiosidade sobre a origem do nome do bairro. “Parte desses trabalhadores representava a empresa norte-americana Raymond Concrete Pile Company of the Americas, contratada para atuar também na construção da Barragem do Paranoá e na montagem das estruturas metálicas dos ministérios. No Brasil, essa empresa era representada pela Companhia Planalto, daí o nome”, narra.

Memória

Filha de pioneiros, Leiliane Rebouças escreveu um livro contando a história do bairro | Foto: Tony Oliveira/ Agência Brasília

Em função do viés temporário dos acampamentos, todas as casas que acomodaram os trabalhadores foram construídas em madeira. O objetivo era permitir a rápida demolição das estruturas após a inauguração de Brasília. Hoje, as residências originais se resumem a um pequeno acervo de cinco casas, conhecido como Conjunto Fazendinha.

Esse grupamento residencial é um dos patrimônios materiais da capital. Em 2021, após décadas de abandono de gestões anteriores, o governador Ibaneis Rocha assumiu o acervo como um equipamento a ser administrado pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec). A medida foi acompanhada de aporte de investimentos superiores a R$ 470 mil, revertidos em ações emergenciais para restaurações estruturais das casas.

Para o subsecretário do Patrimônio Cultural, Felipe Ramos, essa é apenas uma das ações públicas executadas na Vila Planalto que ajudam a manter viva a memória candanga. “A Vila Planalto tem uma história única, mas que também se confunde com a história do Distrito Federal. Preservá-la é preservar a memória das pessoas que construíram a nossa cidade, deixando também um legado rico de cultura para as demais gerações”, destaca.

Resistência

Personagem importante na luta pela fixação da Vila Planalto, Leiliane conta que a drástica redução no número de casas originais se deve ao desenvolvimento do bairro e às inúmeras tentativas de remoção dos moradores da área. As investidas tiveram início após a inauguração de Brasília, ainda em 1960, e perduraram até 1988, quando o bairro foi tombado patrimônio histórico do DF. “Quem ficou na Vila Planalto foi porque resistiu e lutou por isso”, enfatiza.

A pioneira Mea Silva Araújo mora há mais de 60 anos na Vila Planalto: “Antigamente, isso aqui parecia um fazendão; todo mundo se conhecia, as crianças brincavam juntas o dia inteiro” | Foto: Tony Oliveira/ Agência Brasília

Uma das moradoras que conquistaram o direito a permanecer no bairro foi a pioneira Mea Silva Araújo. Aos 88 anos, a idosa lembra com orgulho dos quase 62 anos em que vive na região. “Antigamente, isso aqui parecia um fazendão; todo mundo se conhecia, as crianças brincavam juntas o dia inteiro. Às vezes, bate uma saudade daquele tempo!”, narra.

Recentemente, a quadra poliesportiva localizada no centro do bairro foi recuperada e ganhou piso de concreto, pintura e instalação de grades de proteção

Moradora de longa data da Vila Planalto, Mea, uma das primeiras mulheres servidoras da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), comemora o crescimento do bairro. “A Vila cresceu muito e está muito bem-cuidada”, avalia.

O cuidado citado por Mea faz parte do esforço constante do Governo do Distrito Federal (GDF) para preservar esse verdadeiro berço da capital. Recentemente, a quadra poliesportiva localizada no centro do bairro foi recuperada e ganhou piso de concreto, pintura e instalação de grades de proteção. “Além disso, inauguramos uma quadra de areia e um campo sintético. Estamos sempre atentos às reivindicações dos moradores, e esperamos inaugurar mais equipamentos públicos no local”, acrescenta o administrador regional do Plano Piloto, Valdemar Medeiros.

 

Artigos

Ibama lança no Amazonas campanha “Não tire as penas da vida”

Vídeo de conscientização da campanha será exibido durante festival folclórico em Parintins

Publicado

em

 

2024-06-14_Ibama_lanca_no_Amazonas_campanha_Não_tire_as_penas_da_vida

Superintendente do Ibama/AM Joel Araújo / Fotos: Daiane Cortes – Ascom/Ibama

Manaus (14/06/2024) – O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) lançou hoje, 14/06, em Manaus/AM, uma nova edição da campanha “Não tire as penas da vida”, antecedendo a realização do tradicional Festival Folclórico de Parintins, nos dias 28, 29 e 30 de junho.

A autarquia quer reforçar uma das importantes iniciativas a que se dedica há 22 anos: a luta pela preservação dos animais silvestres, fundamental para o equilíbrio dos ecossistemas.

2024-06-14_Ibama_lanca_no_Amazonas_campanha_Não_tire_as_penas_da_vida-2
Foto: Daiane Corte – Ascom/Ibama

Entre as principais espécies ameaçadas por esse comércio ilegal estão as aves, principalmente as do grupo dos psitacídeos (papagaios e araras), além de gaviões, garças, mutuns, entre outras. Um único cocar grande de araras, por exemplo, pode significar o abate de vários indivíduos dessas espécies.

O mote deste ano será a Educação Ambiental. O objetivo é prevenir e combater o comércio ilegal de trabalhos artesanais produzidos com produtos e subprodutos da fauna nativa, tais como brincos, tiaras e cocares, um dos fatores que ameaça a sobrevivência de várias espécies, particularmente as aves.

No lançamento, o superintendente do Ibama/AM, Joel Bentes Araújo Filho, afirmou que a campanha tem uma mensagem clara para incentivar as pessoas a não comercializar, não utilizar e não adquirir artesanatos feitos com partes de animais silvestres. “Estamos atuando com muito rigor contra o turismo que adota práticas ilegais com a utilização da fauna, como a caça e o tráfico de animais silvestres.”, alertou.

Na campanha, serão utilizados tanto os meios tradicionais de comunicação, como TV, rádio, mídia impressa e outdoors, quanto a publicidade digital, com ênfase no marketing por meio de canais on-line, como sites e redes sociais, e em diversos formatos de mídia, incluindo texto, imagem, áudio e vídeo.

“Estamos investindo na conscientização das pessoas.”, diz o superintendente Joel Araújo. “Queremos tocar as pessoas, expondo, sem dissimular, essa realidade triste, que é provocada pelo uso partes de animais silvestres na confecção de artesanatos.”.

Na edição desse ano, o evento irá exibir vídeo da campanha durante o intervalo do festival de Parintins. O vídeo foi desenvolvido pela Assessoria de Comunicação do Ibama em conjunto com a Superintendência do Instituto no Amazonas. A exibição, inédita desde que a campanha foi criada, é uma parceria entre o Instituto e as secretarias de Meio Ambiente e de Cultura do estado.

Parcerias

O Ibama se junta à mobilização em torno da festa, que recebe um número superior a 100 mil visitantes durante os três dias de sua realização. Os fiscais da autarquia visitarão locais de grande afluência de público para coibir a venda de produtos e subprodutos oriundos de animais silvestres.

Os servidores do Ibama estarão ao lado de representantes da prefeitura de Parintins, organizadora oficial do festival, do governo do estado – por meio do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) da Secretaria de Segurança Pública –, universidades, escolas, Ministério Público e de entidades culturais, entre outros. Cada um levará a sua mensagem, realizando ações para que os turistas se divirtam sem causar danos à natureza.

A estratégia de ação se desenvolverá de forma equilibrada, de um lado orientando as pessoas sobre a importância da vida silvestre e a necessidade de respeitá-la tal como é, e, de outro, mostrando a ilegalidade do comércio envolvendo artigos retirados da fauna local.

O Ibama vai incentivar a opção pelo turismo de contemplação, que utiliza o patrimônio natural de forma sustentável. Segundo Joel Araújo, é uma alternativa inovadora, que se adapta às características culturais e ambientais da região, como a abundância de rios, a riqueza da fauna e as peculiaridades da flora.

Cidades de realização da campanha

Manaus é a cidade de onde mais saem visitantes para Parintins. Por isso, nos diversos locais da cidade com relevante circulação de pessoas, em especial os tradicionais pontos turísticos, a divulgação da campanha será amplificada.

De forma a estender ainda mais o alcance, o projeto de comunicação inclui visitas de sensibilização a todos os veículos de imprensa, locais e nacionais, a órgãos públicos e escolas de ensino fundamental e médio.

Os servidores responsáveis por transmitir a mensagem sobre a necessidade de cuidar da fauna silvestre darão atenção especial a dois pontos da capital amazonense, tendo em vista o trânsito elevado de pessoas: o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, por onde passa grande parte dos turistas, e o Porto de Manaus, às margens do Rio Negro, a principal porta de entrada fluvial para o estado do Amazonas, e que tem rotas diárias para Parintins que se intensificam no período do festival.

A cidade de Santarém, embora se localize no estado do Pará, também receberá atenção do Ibama. Isto porque, em função da Festa do Sairé, outra grande manifestação folclórica da Amazônia, de lá se deslocam centenas de visitantes e muitos artesãos para o Festival de Parintins.

A cidade de Parintins (a 369 quilômetros de Manaus), no entanto, será o alvo principal das ações do Ibama e seus parceiros. Como os organizadores do Festival, realizado tradicionalmente no último fim de semana de junho, projetam a presença de mais de 100 mil pessoas (mais de 180 mil em 2023), as ações de divulgação da campanha vão se concentrar com mais ênfase no município.

Nas últimas três décadas, só não houve campanha por dois anos consecutivos, em 2020 e 2021, em função da pandemia de covid-19. O Bumbódromo, onde se apresentam os bois, não foi aberto ao público por conta do alto risco de contaminação.

O planejamento do Ibama para a conscientização das pessoas em relação à necessidade de preservação da vida silvestre não se restringirá ao Festival de Parintins. O projeto inclui levar a campanha para outros lugares do estado onde houver eventos com grande concentração de público e também estendê-la a uma escala nacional.

2024-06-14_Ibama_lanca_no_Amazonas_campanha_Não_tire_as_penas_da_vida-3
Campanha Não tire as penas da vida

Não tire as penas da vida

A campanha “Não tire as penas da vida” teve início em 2002 por meio do então servidor do Ibama Paulo Andrade, que na época trabalhava no setor de fauna do Ibama Amazonas. Paulo realizou um levantamento sobre o uso de aves mortas para a confecção de enfeites para festas folclóricas no Amazonas com penas. O número de abates chegou a mais de 30 mil aves, principalmente araras, em apenas um ano.
A campanha nasceu com a missão de salvar os animais por meio da conscientização de quem confeccionava as peças e de quem as comprava.
Desde então, o Ibama/AM, por meio da Educação Ambiental, realiza esse trabalho não apenas durante os festivais folclóricas, mas em escolas e em visitas a outras instituições.

 

Continue Lendo

Artigos

PARQUES EÓLICOS

Transformando a paisagem e a vida nas comunidades locais e abordando o ruído das turbinas eólicas produzem

Publicado

em

 

 

As usinas eólicas estão se tornando uma característica comum da paisagem em muitas regiões ao redor do mundo. Essas estruturas altas, com suas hélices girando suavemente, representam uma forma de energia renovável que tem o potencial de transformar a dinâmica socioespacial das áreas onde são instaladas. No entanto, essa transformação nem sempre é uniformemente positiva, e um dos principais desafios enfrentados pelas comunidades próximas aos parques eólicos é a poluição sonora.

A Energia Eólica e sua Transformação Socioespacial

Os parques eólicos trazem consigo uma série de mudanças na paisagem e na vida das comunidades locais. Em termos econômicos, eles muitas vezes representam investimentos significativos em áreas anteriormente negligenciadas, trazendo empregos durante a construção e manutenção das usinas. Além disso, os proprietários de terras que hospedam turbinas eólicas em suas propriedades muitas vezes recebem pagamentos de arrendamento, criando uma nova fonte de renda para agricultores e proprietários de terras.

Em termos ambientais, a energia eólica é amplamente considerada uma alternativa mais limpa e sustentável às fontes de energia tradicionais, como o carvão e o petróleo. Ela contribui para a redução das emissões de gases de efeito estufa e ajuda a mitigar os impactos das mudanças climáticas.

O Impacto Social da Poluição Sonora

No entanto, nem tudo são flores quando se trata de parques eólicos. Um dos principais impactos sociais negativos associados a essas estruturas é a poluição sonora. O ruído gerado pelas turbinas eólicas pode ser uma fonte significativa de perturbação para as comunidades vizinhas, afetando o seu bem-estar e qualidade de vida.

O som produzido pelas hélices das turbinas eólicas é frequentemente descrito como um “ruído de baixa frequência”, que pode ser audível a vários quilômetros de distância. Esse tipo de ruído pode interferir no sono das pessoas, causar estresse e ansiedade, e até mesmo afetar a saúde física e mental a longo prazo.

Além disso, a poluição sonora das usinas eólicas pode ter impactos negativos na fauna local, interferindo nas rotas migratórias de pássaros e perturbando ecossistemas sensíveis.

Mitigação e Soluções

Para lidar com o problema da poluição sonora, os desenvolvedores de parques eólicos e as autoridades locais precisam implementar medidas de mitigação adequadas. Isso pode incluir o posicionamento cuidadoso das turbinas eólicas para minimizar o impacto do ruído nas áreas residenciais, o uso de tecnologias de redução de ruído e o estabelecimento de regulamentações e diretrizes claras para o desenvolvimento de parques eólicos.

Além disso, é essencial que as comunidades locais sejam consultadas e envolvidas no processo de planejamento e implementação de projetos de energia eólica, garantindo que suas preocupações e interesses sejam levados em consideração.

Os parques eólicos têm o potencial de desempenhar um papel crucial na transição para uma economia mais sustentável e livre de carbono. No entanto, é importante reconhecer e abordar os impactos sociais negativos, como a poluição sonora, para garantir que esses projetos beneficiem verdadeiramente as comunidades locais e o meio ambiente como um todo. A busca por soluções eficazes para mitigar o ruído das turbinas eólicas é fundamental para garantir que a energia eólica continue sendo uma parte importante do mix energético global.

 

 

Continue Lendo

Artigos

MONUMENTO DE BRASÍLIA

A TORRE DIGITAL SALVOU A PAISAGEM DA NOSSA CAPITAL.

Publicado

em

 

Brasília foi a única cidade brasileira que teve a coragem e o bom-senso de construir uma torre para ser compartilhada por todas as televisões com tecnologia digital, evitando uma poluição visual na paisagem da cidade. O céu é o mar de Brasília, profetizou Lucio Costa.
TRÊS OBSERVAÇÕES NECESSÁRIAS:
1) Para o escritor e paisagista Carlos Fernando de Moura Delphim, ex-Coordenador Geral do Patrimônio Natural do IPHAN, “A Torre Digital de Brasília serviu de importante exemplo às cidades brasileiras, cada vez mais cheias de torres de todas as espécies”. E completou: “Ao subir numa torre ou numa montanha, tanto menores parecem ser as coisas do mundo terreno e maior se manifesta o mundo celeste. Esta é a sensação que tive ao subir na torre do Niemeyer”.
2) Segundo o engenheiro e ex-vice-presidente da Anatel, Jarbas Valente, a Torre de Oscar Niemeyer trouxe harmonia à paisagem de Brasília e melhor qualidade para a tecnologia digital.
3) É importante informar que, para a Anatel, a belíssima torre no Eixo Monumental de Brasília, projeto de Lucio Costa, está em um lugar que não atendia todas as cidades satélites do Distrito Federal. Mais: está totalmente ocupada, não tendo mais espaço para nenhuma antena.
Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010