Reportagens

Deu zebra! Relembre o nostálgico transporte público do Plano Piloto

Com a previsão de circular em Águas Claras, os conhecidos zebrinhas fazem parte da história da capital e do imaginário dos brasilienses desde da década de 1980

 

Jak Spies, da Agência Brasília | Edição: Saulo Moreno

 

Brasília tem zebrinhas que não fazem parte da fauna do Zoológico. O ônibus compacto, oficialmente nomeado de Transporte da Vizinhança, circula na capital desde 1981 e é popularmente conhecido como Zebrinha por causa das listras que cruzam sua lataria.

Lançado em 1980, o Serviço Especial de Vizinhança começou a operar em 30 de abril de 1981 por meio da portaria nº 61, de 10/7/1980 | Foto: Divulgação/Semob

Os modelos originais tinham cores que contrastavam com a dos outros ônibus do início da capital. Primeiramente em laranja e depois em vermelho, os micro-ônibus listrados com com uma dessas cores e com o branco circularam até 2012.

A partir dessa data, as cores mudaram para verde e amarelo, quando a nova licitação do Sistema de Transporte Público Coletivo do DF determinou a colorização dos veículos de acordo com cada área de operação. Contudo, desde 2021 os ônibus circulam nas cores originais.

“A ideia era criar algo que se destacasse no cinza de Brasília, por isso o laranja. Antigamente todos os ônibus eram cinza ou brancos”, explica o antigo diretor da Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob) que comandou a pasta à época, Adonis Ribeiro Gonçalves.

O padrão estabelecido pela Semob para os atuais Zebrinhas segue estilo criado para o serviço ainda na década de 1980 | Imagem: Divulgação/SEMOB

Agência Brasília leva você de carona para o passado onde esse transporte era bem comum na capital, em mais uma matéria da série especial #TBTdoDF, que utiliza a sigla em inglês de Throwback thursday (na tradução livre, quinta-feira de retrocesso) para relembrar fatos marcantes da nossa cidade.

O nascimento da linha

O Serviço Especial de Vizinhança foi um sistema de transporte público lançado em 1980, começando a operar em 30 de abril de 1981 por meio da portaria nº 61, de 10/7/1980, que ainda está em vigor.

Considerado um transporte complementar, o ônibus diferenciado tinha como objetivo ligar as vias internas da Asa Sul, Asa Norte (W1 e L1) e Lago Sul aos locais de trabalho da Esplanada dos Ministérios e setores de Autarquias, Comerciais e Bancários da capital federal.

Os zebrinhas foram bastante utilizados nas décadas de 1980 e 1990, apesar de sua tarifa ser quase o dobro dos ônibus convencionais. Na época, o serviço contava com 14 linhas e 83 carros | Foto: Clebio Jr/Semob

Era uma opção para os brasilienses que moravam ou trabalhavam nessas áreas e também um incentivo para utilizarem as linhas públicas. A iniciativa foi do ex-governador Aimé Lamaison e do secretário de Serviços Públicos, José Geraldo Maciel. O lançamento contou com uma campanha para que o brasiliense deixasse o carro em casa e utilizasse o transporte público para ir ao trabalho.

A escolha do nome do novo ônibus veio de um concurso popular. Durante as décadas de 1980 e 1990, os zebrinhas foram bastante utilizados, apesar de sua tarifa ser quase o dobro da cobrada nos ônibus convencionais. Na época, o serviço contava com 14 linhas e 83 carros. Entre 15 e 30 mil passageiros utilizavam mensalmente o Zebrinha, que tinha passagens a R$ 3,20 em meados de 2008.

Além da tarifa, os zebrinhas também se diferenciavam por não ter cobrador, então o próprio motorista recebia o dinheiro das passagens. Os micro-ônibus também não circulavam aos sábados, domingos e feriados.

Nostalgia

O Zebrinha foi o primeiro transporte público que a jornalista Mariana Ceratti usou quando, após morar em Belo Horizonte (MG), voltou para Brasília, em 1992. Com 11 anos na época, ela pegava o micro-ônibus para fazer o trecho da 104 Norte, onde ficava a Escola Parque que frequentava, até a 314 Norte, onde morava com os pais.

O Serviço de Transporte Vizinhança foi dividido dentro das áreas operacionais, sendo que a Piracicabana assumiu nove linhas, e a Pioneira, duas. Hoje, o serviço é executado no Plano Piloto, Sudoeste, Cruzeiro e SIA | Foto: Divulgação/Semob

“E eu adorava pegar a Zebrinha porque era um ônibus pequenininho, ele tinha um charme por ser vermelho e ter aquelas listrinhas. Acho que para uma criança tinha um toque especial, na época. E eu me sentia bem segura pelo fato de ter só uma entrada e saída – e meus pais tinham muita confiança também de me deixar fazer esse trajeto sozinha, sempre foi muito tranquilo”, conta Mariana. Ela lembra que usava ônibus quando morava em Belo Horizonte, mas não diferenciados quanto o Zebrinha.

O publicitário Mauricio de Carvalho Sampaio também se recorda de andar de Zebrinha lá pelos idos de 1986, quando tinha por volta de 20 anos e morava na 215 Sul. Ele utilizava o transporte para ir à escola, que ficava na UDF, ou, às vezes, para ir ao Conjunto Nacional. Quando morou na Octogonal, também ia de Zebrinha para ir trabalhar na Funai, que na época ficava no comecinho da W3 Sul.

“Uma história engraçada é que o Zebrinha era mais baixo. Então, uma vez eu entrei e não me toquei que sempre fui alto e dei uma batida com a cabeça no teto que quase caí de volta. É porque ele era menor que os outros, os primeiros chegavam a ser até menores que o micro-ônibus, mais especial para percursos mais curtos”, detalha.

Os zebrinhas voltaram a circular em 2021 com padrão de cores diferente do original | Foto: Renato Alves/Agência Brasília

Mauricio acrescenta sobre o diferencial do transporte: “É a praticidade, ele te deixava mais perto dos locais, circulava mais tranquilo, tinha menos gente que usava. Então a viagem era mais fluida, mais rápida. Se ele voltasse a circular entre as quadras, num espaço mais restrito assim, seria interessante, como um resgate do projeto original.”

A volta dos Zebrinhas

Os zebrinhas voltaram a circular em 2021 com uma faixa branca até altura dos faróis e, na parte superior, a cor vermelha com algumas listras brancas. Segundo o ex-diretor da Semob, Adonis Ribeiro, atualmente a maior parte das linhas sumiram, por não serem consideradas rentáveis.

“O intuito desse tipo de transporte é fazer trajetos onde um ônibus convencional não passa, pequenos trajetos. É um serviço complementar que tem um atendimento diferenciado. Por isso, estamos passando por uma reformulação e criando um sistema de integração para maximizar os trajetos”, detalha.

Com a licitação do Sistema de Transporte Público Coletivo do DF (2011), o Serviço de Transporte Vizinhança foi dividido dentro das áreas operacionais, sendo que a Piracicabana assumiu nove linhas, e a Pioneira, duas. Hoje, o serviço é executado no Plano Piloto, Sudoeste, Cruzeiro e SIA.

Há previsão de que os ônibus zebrinhas comecem a circular em Águas Claras, como ocorre no Plano Piloto. “A principal diferença do serviço hoje é a integração, por meio dos cartões da bilhetagem automática”, explica o subsecretário de Operações da Semob, Márcio Antônio de Jesus.

Segundo o subsecretário, a característica do serviço continua a mesma, mas, com a implantação do sistema eletrônico dos cartões de transporte, o serviço passou a oferecer outras vantagens e, por isso, é bastante utilizado. “O Zebrinha é um veículo ágil, que percorre as vias internas das cidades, facilitando o deslocamento das pessoas, que podem deixar seus carros em casa e utilizar o transporte público coletivo”, afirma.

Antes, as pessoas se deslocavam principalmente até o Setor de Autarquias ou a Esplanada, mas, com a bilhetagem automática, o Zebrinha passou a ser utilizado também por quem faze integração com o metrô ou linhas de longas distâncias, na Rodoviária do Plano Piloto, no Terminal da Asa Sul ou nas estações.

 

 

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Projeto prevê aplicação de multa à distribuidora de energia elétrica em caso de falha no fornecimento

EM TRAMITAÇÃO

Publicado

em

 

Foto: Reprodução/Web

Valor deverá ser compensado como crédito na fatura do usuário. A ideia é ressarcir os consumidores pelos prejuízos, além de estimular investimentos nas redes elétricas

O líder do governo na Câmara Legislativa do Distrito Federal, deputado distrital Robério Negreiros (PSD), apresentou um projeto de lei (PL 927/24) com o objetivo de determinar a aplicação de multa à concessionária de energia elétrica quando houver falha no fornecimento do serviço. A ideia é que sejam criados mecanismos para ressarcir os consumidores por ocasionais prejuízos, bem como estimular investimentos nas redes elétricas e, assim, melhorar a qualidade do serviço prestado.

O valor referente à multa indenizatória, de acordo com a proposta, deverá ser compensado como crédito na fatura de consumo do usuário. A multa será fixada no equivalente a cinco vezes a média do consumo, considerado o intervalo de tempo em que ocorrer falha no fornecimento de energia, e terá como base de cálculo o consumo dos últimos seis meses.

Defesa do consumidor

A proposta foi apresentada após recentes apagões que deixaram centenas de moradores sem luz em algumas regiões administrativas do DF. Para o distrital, esse tipo de situação impede, inclusive, o funcionamento de estabelecimentos e dificulta a expansão dos negócios para que as necessidades da população sejam atendidas.

 

 

Segundo o autor do projeto, por diversas razões as distribuidoras ainda alegam que a queima de itens eletroeletrônicos não é de sua responsabilidade e que os usuários não comprovam que os estragos são consequência das oscilações.“Todos sabem que a falta de energia pode danificar aparelhos eletrônicos, causando prejuízos aos consumidores, e é necessário estabelecer mecanismos para ressarcir tais danos”, defende Robério.

Por esse motivo, a proposta, afirma o parlamentar, tem como intuito garantir direitos e proteger o consumidor do DF. “O fornecimento de energia elétrica é um caso claro de relação de consumo, onde o consumidor é parte extremamente hipossuficiente, razão pela qual seus direitos devem ter tratamento diferenciado”, justifica o distrital.

* Com informações da assessoria de imprensa do deputado Robério Negreiros

Agência CLDF

 

 

Continue Lendo

Reportagens

Recintos do Zoológico de Brasília são reformados para bem-estar dos animais

Estão em obras os espaços destinados a micos, onças, ariranhas e cervídeos. No caso do micário, ampliação está sendo feita para abrigar dois novos bichos que chegaram ao Zoo

Publicado

em

 

Adriana Izel, da Agência Brasília | Edição: Vinicius Nader

 

Em breve, alguns espaços do Zoológico de Brasília estarão de cara nova. Os recintos dos micos, das onças, das ariranhas e dos cervídeos estão em obras para garantir ambientes mais confortáveis para os animais. As intervenções incluem benfeitorias, como pintura, e ampliação, com a criação de novas áreas. Para realizar os trabalhos estão sendo utilizados recursos do Governo do Distrito Federal (GDF) e de emenda parlamentar, num total superior a R$ 1 milhão.

O micário ganhou dois novos recintos que receberão um mico-leão-dourado e um mico-leão-da-cara-dourada | Fotos: Geovana Albuquerque/ Agência Brasília

A grande novidade é a extensão do micário. O espaço ganhou dois novos recintos que serão usados para abrigar dois animais que chegaram ao Zoo vindos de outros estados: um mico-leão-dourado e um mico-leão-da-cara-dourada. O primeiro já está integrado no plantel antigo, enquanto o outro segue no Hospital Veterinário aguardando a liberação para a exposição.

“Precisamos ampliar os espaços adequando às novas normas e algumas exigências que precisamos cumprir. Tem mais ou menos 15 anos que não se tinha entrega aqui no Zoológico”, revela o diretor-presidente da Fundação Jardim Zoológico de Brasília (FJZB), Wallison Couto.

O recinto das onças-pintadas, que já havia passado por intervenções com o aumento da grade e a instalação da cerca elétrica, agora terá outras melhorias. Além de uma nova pintura interna, o espaço voltará a ter uma área com água para os animais poderem nadar. “Tem um tempo já que a parte de água das onças não está funcionando. Vamos revitalizar para que possa voltar a funcionar novamente. Também vamos fazer uma cascata para o bem-estar dos animais”, adianta.

O espaço dedicado aos cervídeos vai ser equipado com um tanque de 24 metros quadrados

As obras se estendem, ainda, para o recinto das ariranhas, onde foi feita a pintura, a reforma do tanque e a recuperação de toda a área, e para o espaço dos cervídeos, onde fica o cervo-do-pantanal, com adaptação para a implantação de um tanque de 24 metros quadrados.

“Todas essas reformas, melhorias e construções foram pensadas para melhorar o ambiente interno dos animais. Temos um planejamento para os próximos cinco anos. O nosso trabalho aqui é de preservação e conservação ambiental. Criamos um cenário para que os animais se sintam bem”, esclarece o diretor-presidente.

Aprovação do público

A analista de sistemas Josiane da Cruz, 31 anos, passou a manhã com as filhas, as gêmeas Helena e Catarina, 3, no Zoológico. Esse é um passeio que a família adora. Ela se mostrou animada com as reformas no espaço. “Sem dúvida vai ser mais agregadora para o Zoológico e para as pessoas que estão vindo aqui fazer uma visita”, define.

Enyo Guimarães elogia as melhorias no espaço das onças-pintadas: “Vai ser mais agradável ver o animal mais confortável”

Para Josiane, o local é uma ótima opção de lazer e de contato com a natureza. “É um excelente lugar para trazer as crianças. Percebemos muitas melhorias. O Zoológico está bem limpinho e legal para passearmos com as crianças”, acrescenta.

O empresário Enyo Guimarães, 35, foi até o Zoo para fazer turismo e se surpreendeu com o espaço. Ele elogiou a iniciativa da FJZB de reestruturar os recintos. “Acredito que a reforma vai ser boa, porque sabemos que as onças gostam de contato com a água. Até para evitar que o animal fique estressado é importante”, diz. “E para nós, como visitantes, vai ser mais agradável ver o animal mais confortável”, analisa.

A empresária Romy do Socorro, 47, veio do Maranhão para conhecer o Zoológico. Essa foi a primeira experiência dela num espaço deste tipo. “Fiquei apaixonada, me encantei”, afirma. Sobre as obras, ela destacou: “Toda benfeitoria é bem-vinda, a população agradece. Quem ganha somos nós”.

 

 

Continue Lendo

Reportagens

Força-tarefa define medidas para fortalecer acolhimento familiar

Recomendações foram publicadas hoje no Diário Oficial

Publicado

em

 

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) reuniu várias instituições, como ministérios e colegiados de assistência social, em uma força-tarefa para garantir o direito de convivência familiar a crianças, adolescentes e jovens mesmo durante medida protetiva de acolhimento. Uma recomendação conjunta foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (23), com objetivos e orientações.

O texto orienta que União, estados, Distrito Federal, municípios, Poder Judiciário e o Ministério Público trabalhem em regime de colaboração com a sociedade civil, para atingir objetivos como a implementação e a ampliação dos Serviços de Acolhimento em Família Acolhedora do Sistema Único de Assistência Social, por exemplo. Também recomenda um esforço para promover a transição da modalidade de acolhimento institucional para acolhimento familiar.

O principal objetivo é permitir que crianças e adolescentes afastados da família de origem por qualquer razão, possam aguardar uma solução em ambiente familiar, por meio de adoção temporária, por exemplo. Esse formato daria lugar à permanência do menor de 18 anos em instituições, até que ele possa ser reinserido na família ou que seja adotado de forma permanente.

As recomendações incluem a meta de garantir o acolhimento em ambiente familiar de, pelo menos, 25% da demanda do país até 2027.

O documento indica estratégias para atingir os objetivos estabelecidos, como o financiamento por diferentes frentes para ampliação do Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora, bem como o direcionamento dos recursos disponíveis preferencialmente para essa modalidade.

A estruturação, oferta e qualificação de formação inicial e de educação permanente para os atores envolvidos na transição, também são medidas previstas para alcançar metas e objetivos.

Mais do que recomendações, o documento é também um compromisso das instituições participantes de concentrar esforços em medidas que possibilitem a transição, como o estudo da situação de cada caso, a elaboração e implementação do Plano Individual de Atendimento (PIA), de forma intersetorial e o envio de relatórios trimestrais para o Poder Judiciário, pelo Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora, por exemplo.

Além do CNJ, assinam o documento ministros e presidentes do Conselho Nacional do Ministério Público, Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, Ministério do Planejamento e Orçamento, Conselho Nacional de Assistência Social, Conselho Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente.

Edição: Graça Adjuto

ebc

Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010