Reportagens

Borboletas: flores que voam

As borboletas são insetos tão atraentes que há uma crescente instalação de borboletários para atender a demanda comercial e funcionar como referências em trabalho de educação ambiental e preservação

Publicado

em






Assim que as borboletas se acasalam, a fêmea procura uma planta específica para postura dos seus ovos. É desta planta que as pequenas lagartinhas irão
se alimentar após o nascimento que ocorre entre 7 e 10 dias.

Silvestre Gorgulho, de Brasília



Elas são azuis, amarelas, brancas, vermelhas e pretas. Têm cores, tamanhos e belezas variadas. Com certeza, as borboletas são os insetos mais atraentes e mais vistosos da terra. Grandes ou pequenas, sempre coloridíssimas, elas revoluteiam pelo ar, ziguezagueando por campos e jardins. As borboletas parecem flores. Verdadeiras pétalas que voam. Pertencentes ao grupo dos lepidópteros, as borboletas podem sobreviver em qualquer lugar, embora prefiram habitar regiões quentes e tropicais. Do nascer ao morrer, elas passam por tantas e tão profundas mudanças, que parecem ter várias vidas. É a metamorfose. Para cada etapa de vida, elas têm uma beleza e um regime alimentar diferente. Não é fácil a vida de borboleta. Extremamente visadas por colecionadores e comerciantes, as borboletas são capturadas como matéria-prima para o rico artesanato de souvenirs como pratos, relógios, bandejas e quadros. Além disso, são expostas à ação de inimigos naturais e ainda sujeitas a toda agressão ambiental como poluição, queimadas e desmatamentos.


Para preservá-las e protegê-las, só mesmo com a construção de abrigos para estes insetos. São os borboletários. E mais: também para proporcionar às crianças e estudantes um local público e de fácil acesso de aprendizado sobre a natureza e sobre a importância destes insetos da ordem Lepidoptera na biodiversidade dos ecossistemas.


Existem vários borboletários no Brasil. Agora mesmo, dois novos acabam de ser inaugurados. Em setembro, foi inaugurado o borboletário do Jardim Botânico de Diadema-SP. Em outubro, outro no Jardim Zoológico de Brasília-DF. Várias universidades, jardins botânicos e zoológicos também construíram borboletários para pesquisa, com a finalidade de estudar a criação de espécies em cativeiro e a manutenção de populações livres da ação de seus parasitos e predadores.


Sempre instalados próximos às bordas de uma mata natural, os borboletários têm uma estrutura revestida com sombrite, permitindo a entrada de luz de forma a simular um ambiente natural. No interior são feitos canteiros para o plantio de várias plantas para alimentação das lagartas. São espécies com frutos e flores. O néctar também é alimento para as borboletas adultas.


Para o bom desenvolvimento de um borboletário, é necessário se ter uma equipe técnica que acompanhe o ciclo de cada espécie. Desde a postura até a fase de pupa e a emergência de indivíduos adultos. Os ovos são recolhidos das plantas hospedeiras e levados para um “berçário”.


Após a eclosão, as lagartas são criadas até fase de pupa. Feita a metamoforse e transformadas em adultas as borboletas podem ser soltas.


Objetivos
O objetivo de se ter um borboletário é a preservação da espécie, a educação ambiental e até mesmo o sentido estritamente comercial. A criação para produção de artesanato é autorizada pelo Ibama.


Pela lei, apenas machos podem ser sacrificados e usados no artesanato. As fêmeas, ao nascer, devem ser soltas acompanhadas de dois exemplares do sexo masculino. A proporção de nascimento é de cinco machos para cada fêmea.


Em cativeiro, o índice de reprodução dos ovos é de 50% a 80%, devido à ausência dos predadores e melhores condições climáticas. Na natureza é de 3 a 7%. Em geral, uma parte da produção do borboletário é introduzida no meio ambiente, numa proporção de cinco borboletas soltas na mata, a cada dez unidades.


As borboletas desempenham um papel importante na manutenção dos ecossistemas. Elas contribuem para o aumento da biodiversidade devido sua interação com as plantas, polinizando-as. Também indicam a qualidade do ambiente, pois muitas espécies não resistem a locais degradados.
Segundo Raul Gonzalez Acosta, um economista mexicano que mora há 23 anos no Brasil e há 13 anos está na direção do Jardim Zoológico de Brasília, a idéia de fazer um borboletário surgiu em 1999. “O motivo é simples – explica Gonzalez Acosta que também já foi por três anos consecutivos presidente da Sociedade de Zoológicos do Brasil – “as borboletas além da beleza representam o ciclo da vida. É importante que a população, principalmente os menos fa vorecidos, tenham contato e maior conhecimento sobre a vida desses insetos.”


Lepidopteros: Ibama faz plano de ação







As cores vivas de uma
Heliconae erato

Para o ambientalista Dener Giovanini, coordenador-geral da Renctas – Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres, a criação comercial não funciona. Explica Giovanini que a legalização criou um mercado negro, porque os borboletários não suprem a demanda. Os comerciantes continuam comprando borboletas ilegais, caçando as espécies mais bonitas quase sempre mais raras e ameaçadas de extinção. “Imagina – salienta o dirigente da Renctas – que em Minas, no Rio, no Rio Grande do Sul e no Paraná, as crianças recebem até R$ 2,00 por exemplar capturado, dependendo da espécie. No Amazonas, algumas chegam a custar até US$ 400,00”.


Já o biólogo Josef Bacsfalusi, presidente da Associação Brasileira Pró-Lepidópteros, garante que não é bem assim. Os criadores comerciais também ajudam a preservar a espécie. “Na natureza, o índice de sobrevivência é pequeno. Nos criadouros, chega a 85%. Como as fêmeas têm que ser soltas, aumenta-se o número de borboletas na natureza.”



Plano de Ação
Técnicos do Ibama estão na fase final da preparação de um Plano de Ação Nacional para Conservação e Manejo dos lepidópteros ameaçados de extinção. O plano terá duas área de ação imediata, a partir de janeiro de 2006:



1) Fazer um banco de dados com imagem, descrição, área de distribuição e status de conservação, habitat e ameaças;
2) Uma série de ações que vão precisar serem implementadas.

Borboletário de Brasília
A metamoforse das borbeletas ajuda a explicar o ciclo da vida







A bióloga Kátia Malcher, responsável pelos trabalhos de educação ambiental, explica que as crianças saem das aulas fascinadas por entender como funciona a natureza dos insetos.

Segundo a bióloga Carolina Lobo, responsável pela curadoria e manejo do borboletário de Brasília, a construção era um sonho antigo, mas só foi possível porque houve financiamento da Infraero, como compensação ambiental pela construção da nova pista do aeroporto Juscelino Kubitschek. Nos 228m2 do viveiro, que tem 6 metros de altura, explica Carolina Lobo que foi possível criar três microclimas para melhor adaptação das borboletas. São eles: mata fechada, brejo e campo aberto. O recinto poderá abrigar até 2.000 indivíduos de até 37 espécies, todas nativas do Cerrado.


Anexo ao viveiro, tem uma construção de alvenaria. Esse espaço será usado para receber as crianças, pois uma das finalidades do borboletário é a educação ambiental. Ao lado do viveiro, bem isolado do público visitante, existe um complexo para a criação de borboletas. É a chamada Casa de Criação, onde tem o laboratório para a criação das lagartas. Esse viveiro servirá para a realização de pesquisas e o manejo genético das espécies. Além disso, este complexo possui um horto com canteiros e duas estufas de plantas para a produção de plantas hospedeiras, alimento das lagartas.


Educação ambiental
A bióloga Kátia Malcher é responsável pelos trabalhos de educação ambiental e explica que o borboletário vai receber alunos de quinta-feira a domingo, de 9h00 às 17h00. Dado o impacto das visitas, cada grupo de 20 alunos terá 20 minutos de visita, sempre acompanhados de um monitor. O borboletário tem dois monitores treinados: Alexandre Barbosa, estudante de veterinária, e Rogério Primo, estudante de biologia. A equipe conta ainda com dois tratadores (José Antônio e Benjamim Mendes da Silva) e dois jardineiros (Márcio e Diego).
As borboletas e mariposas são insetos da ordem Lepdoptera, explica Kátia Malcher, um nome científico que vem do grego e significa asas com escamas. “É bom salientar – diz ela – que essas escamas, ao contrário da crença popular, não cega e não causa dano algum a saúde humana”. E acrescenta: “Justamente por passar por uma metamorfose completa, ou seja, por se transformar totalmente, esses insetos são ótimos para uma aula de educação ambiental, pois representam o ciclo da vida”.


Durante as aulas no borboletário, as crianças vão entender que cada espécie leva um tempo diferente na fase de lagarta que é a fase de crescimento do inseto. Depois desse período, a lagarta se transforma em pupa. “Aí é bom saber – salienta Kátia Malcher – que chamamos a pupa da borboleta de crisálida e a pupa da mariposa de casulo”.


E as taturanas, aquelas lagartas cheias de pêlos que é só encostar nelas que elas queimam a mão da gente? Kátia sabe que essa pergunta sempre aparece na hora das aulas, por isso tem a explicação prontinha: “Tem lagartas que são conhecidas como taturanas e algumas delas são tóxicas. Elas são tóxicas, queimam, porque comem plantas que possuem substâncias tóxicas. O corpo delas possuem cerdas pontiagudas ou pêlos que quando são tocados inoculam toxinas. Essas toxinas podem causar, na maioria dos casos, queimação e dores no local. E existe até casos mais graves, como o da lagarta da mariposa Lonomia obliqua que pode causar hemorragia se não for tratada rapidamente. O fato é que todas as lagartas que existem fazem parte de um ciclo de vida destes insetos da ordem Lepdoptera e vão sofrer esta metamorfose, se transformando em borboletas ou mariposas”.


A visita aos borboletários é muito importante para a formação das crianças e as aulas de educação ambiental vão tocar em quatro pontos principais:



1 – As borboletas são bio-indicadoras da poluição do ar.
2 – Ela também é peça importante na polonização das plantas.
3 – Ela devolve micronutrientes com mais rapidez ao solo.
4 – As borboletas, como insetos, estão na base da cadeia alimentar.


Agendamento de visitas
As escolas devem
se programar e agendar
as visitas diretamente
com os responsáveis
pelo borboletário, no
telefone (61) 3345-3248.


Borboletário de Diadema-SP
O Secretário de Meio Ambiente de Diadema, Marco Antonio Mroz, explica os objetivos do borboletário








Inaugurado no dia 16 de setembro, o Borboletário Tropical Conservacionista Laerte Brittes de Oliveira, de Diadema, é o primeiro na região metropolitana de São Paulo. Situado dentro do Jardim Botânico do município, o borboletário de Diadema tem uma produção inicial de 500 borboletas, de cinco espécies: Dryas iulia (Julia); Caligo illioneus (Olho de Coruja); Ascia buniae (Ascia); Heliconius erato e Biblis. As instalações compreendem um viveiro de 187,20 m², onde ficarão as borboletas e um berçário de 10,80 m² para onde serão levados os ovos, criadas as lagartas, ou larvas e onde acontecerá a eclosão das pupas, também chamadas de crisálidas (pra borboletas) ou casulos (para mariposas). O viveiro possui telas de proteção e tem em seu interior cerca de 30 espécies de plantas, que fornecem abrigo, alimento e local para deposição dos ovos. Do lado externo do borboletário foram plantadas árvores de Pau-Brasil, Diadema e Embaúba, além da mata do Jardim Botânico do entorno, que contribuem para que as borboletas convivam no seu habitat natural. O borboletário é climatizado com umidificadores no viveiro e uma temperatura entre 25 a 28% no berçário. As borboletas têm à disposição frutas e um néctar baseado em mistura de água e mel disposta em bebedouros de beija-flor, além do néctar que elas mesmas extrairão das flores. Para falar mais do borboletário de Diadema, conversamos com o Secretário do Meio Ambiente, Marco Antônio Mroz (foto).


Folha do Meio – Qual a importância deste borboletário?
Marco Antônio Mroz –
Esse é o primeiro borboletário da região metropolitana de São Paulo. Foi homologado pelo Ibama e está aberto à visitação pública. É uma importante ferramenta de educação ambiental para Diadema e para todas as cidades aqui em volta.


FMA – E os objetivos?
Marco Antônio –
O objetivo do borboletário é bem amplo. Primeiro contribuir para a preservação das espécies e com a diversidade que se perdeu devido a grande urbanização da região metropolitana sobre a Mata Atlântica. Um outro objetivo é a educação ambiental que vai sensibilizar as pessoas, particularmente as crianças. Elas terão a possibilidade concreta de conhecer como funciona a natureza e o fato de ser a borboleta um bicho tão fascinante, você sensibiliza as crianças para a questão ambiental e para a introdução do conhecimento da biologia.


FMA – Como fica o borboletário dentro do Jardim Botânico?
Marco Antônio –
É importante destacar que o borboletário integra um conjunto de medidas para a revitalização do Jardim Botânico. Entre as medidas está a reforma das estufas, readequação do orquidário e criação do jardim das bromélias, aumento na produção de mudas, sala própria para o Programa de Educação Ambiental, dentre outras ações. Neste espaço de educação ambiental que é o Jardim Botânico, o borboletário terá lugar de destaque por ser o local onde poderão ser vistas espécies vivas em todo o seu ciclo de vida.


FMA – Como será esta visitação?
Marco Antônio –
O importante desta visitação é informar e conscientizar. A visitação será uma aula a céu aberto e vai levar importantes informações aos importantes. É o tipo de trabalho que busca despertar o interesse e a mudança de comportamento das pessoas, e em especial das crianças. Essa aula a céu aberto vai proporcionar ensinamentos com todos os aspectos teóricos e práticos dos elementos que compõem o nosso ecossistema de Mata Atlântica.


FMA – E quais espécies de borboletas estão sendo criadas?
Marco Antônio –
Estão sendo criada cinco espécies: Anteos menippe; Dryas iulia (Julia); Agraulis vanilae (Pingo de Prata); Caligo illioneus (Olho de Coruja) e Ascia buniae (Ascia).
As matrizes foram compradas do borboletário do Sesc Pantanal-MT. Agora, a Secretaria do Meio Ambiente vai começar o agendamento para visitas monitoradas. A cada visita poderão entrar 12 pessoas. Os visitantes vão apreciar a eclosão das crisálidas, o acasalamento, o vôo dos insetos, o acondicionamento dos ovos, das larvas e das pupas. O contato com esses insetos também contribui para desmistificar certos preconceitos arraigados na população como o de que as borboletas são venenosas e que podem cegar.


FMA – Por que o nome de Laerte Brittes?
Marco Antônio –
Esse é o patrono do borboletário. Laerte Brittes de Oliveira foi um importante geógrafo que nasceu em 1960 e morreu este ano.
Ele ingressou na Prefeitura de Diadema em 1983, e começou a trabalhar com as questões do meio ambiente desde a criação desse setor, em 1994.
Atuou na fiscalização ambiental do município e como educador ambiental no Programa de Educação em Saneamento Ambiental.


Mais informações:
Jardim Botânico de Diadema
Rua Ipitá, 193- Jardim Inamar
Tel: (11) 4059-7600


Ciclo da vida


Para explicar toda a grandiosidade do ciclo da vida, nada
como buscar na simplicidade das borboletas um exemplo
de beleza e fragilidade da vida.







O ciclo de vida da borboleta
Caligo, sp também conhecida como “Olho de coruja”.

“Borboletas brancas
São alegres e francas.
Borboletas azuis
Gostam muito de luz.
As amarelinhas
São tão bonitinhas!
E as pretas, então . . .
Oh, que escuridão!”

Vinicius de Moraes


O planeta Terra pode ser considerado como um gigantesco organismo vivo que se auto-mantém por sua capacidade de produzir, elaborar, reciclar e atender a todas suas necessidades. Muitos fatores interagem para manter o equilíbrio ecológico. A água é o elemento mais vital para que todo o processo ocorra, pois impulsiona os ciclos da produção de alimentos, sem os quais não existiria a vida. O ciclo é caracterizado por um fluxo permanente de energia e de matéria, ligando a geologia, a hidrologia, a biologia, a meteorologia, a física, a química e a tantos outros fatores que fazem da vida uma fantástica combinação de fenômenos e de espiritualidade. Para explicar toda a grandiosidade dessa orquestração universal, nada como buscar na simplicidade do ciclo da existência das borboletas um exemplo de beleza e fragilidade da vida.


A diversidade é uma constante quando o assunto é borboletas e mariposas.
Além de cores e formas variadas na estrutura de suas asas, os ovos são uma beleza à parte. São postos isolados ou agrupados, embaixo ou sobre as folhas. Essas são estratégias de defesa que também são diferenciadas para cada espécie. A borboleta fêmea procura uma planta específica para colocar seus ovos, essa planta chamamos de hospedeira. São, justamente, as plantas que vão alimentar as lagartas quando nascem.


As lagartas apresentam várias fases nesse período em que se dedicam ao crescimento.
Durante seu desenvolvimento, as lagartas precisam trocar seu esqueleto externo (exoesqueleto) 4 ou 5 vezes. Nestas mudas são trocadas a pele e a carapaça da cabeça. Esta metamorfose vai permitir que elas dobrem de tamanho.
Cada espécie tem suas variações na quantidade de dias que os ovos levam para eclodirem, mas geralmente este número fica entre 5 a 10 dias. Observe o ciclo de vida da Caligo, sp também conhecida como “Olho de coruja”. Essa espécie é a maior borboleta brasileira. São dois meses, em média, desde a postura do ovo, até a eclosão do adulto. Depois, como adulto, ela vive cerca de dois meses.








Os ovos são postos isolados ou agrupados nas folhas das plantas hospedeiras


Na casa de criação do borboletário, as pupas são cuidadosamente guardadas e tão logo as borboletas nascem são soltas no viveiro. Todo esse trabalho é importante para a realização de pesquisas e o manejo genético das espécies

Summary


FLYING FLOWERS
Butterflies are such attractive insects that there are a growing number of butterfly farms to meet commercial demand and serve as references in research and environmental education


When I am a dreaming child
I sometimes wonder
Whether a butterfly is a flower
That likes to fly around…

Soares da Cunha


They are blue, yellow, white, red and black. They come in a variety of colors, sizes and beauty. Without a doubt, butterflies are the most attractive and showy insects on earth. Large or small but always highly colorful, they flutter through the air, zigzagging through the fields and gardens. Butterflies look like flowers – truly petals that fly. They belong to the lepidopteron group and can survive anywhere, although they prefer to inhabit hot and tropical regions. From the time they are born until the time they die, they undergo so many profound changes that they seem to have different lives. This is metamorphosis. For each stage of life, they have a different type of beauty and diet. The life of a butterfly is not easy. Butterflies are highly prized by collectors and businessmen and are captured as a raw material for embellishing handicraft souvenirs such as plates, clocks, trays and pictures. Moreover, they are exposed to their natural enemies and subject to environmental hazards such as pollution, slashing and burning land and deforestation.
It seems that the only way we can preserve and protect these creatures is by building shelters for them. These are butterfly conservatories or farms. They also serve as an easily accessible public place for children and students to learn about nature and the importance the insects of the Lepidopteron order have in the biodiversity of the ecosystems.
There are several butterfly shelters in Brazil. Just recently two new ones were inaugurated. In September, in the city of Diadema, São Paulo, a butterfly shelter was opened at the Botanical Gardens. In October, another one opened its doors at the zoo in Brasília in the Federal District. Several universities, botanical gardens and zoos have also built butterfly shelters for research and the purpose of studying the creation of the species in captivity and maintaining their populations free from the attack of parasites and predators.
These butterfly havens are always located near the edge of natural wooded areas and the shelters are covered with a material, which enables natural lighting to simulate their natural habitat. The interiors have been planted with a variety of plants to feed the caterpillars. These flower and fruit bearing plants and the nectar also serves as food for the adult butterflies.
In order for a butterfly to develop properly, there must be technically qualified staff to monitor the cycle of each species, from egg laying to the pupa phase and the emergence of the adult individuals. The eggs are collected from the host plant and are taken to a “nursery.” After this stage, the caterpillars are created until the pupa phase. Once metamorphosis has occurred and they have transformed into adults, they are released.


Objectives
The objective of the butterfly reserve is to preserve the species, provide environmental education and even for strictly commercial purposes. The creation of the insect for the production of handicrafts has been authorized by IBAMA. According to the law, only the males can be sacrificed and used for art works. The females after being born must be released in the company of two males. The birth rate of butterflies is five males to every female.
In captivity, the reproductive rate of the eggs ranges from 50% to 80%, owed to the absence of predators and ideal climatic conditions. In nature this rate varies from 3 to 7%. In general, a part of the butterfly production is introduced into the environment at a ratio of five butterflies released into the wild out of every 10 born. Butterflies play an important role in the maintenance of the ecosystems. They contribute to the increased biodiversity owed to their interaction with the plants, by pollinating and sowing seeds. They are also a good indication as to the quality of the environment, since they cannot survive in spoiled or polluted locations.
According to Raul Gonzalez, a Mexican economist who has lived in Brazil for 23 years and has been the director of the Brasília Zoo for 13 years, in addition to holding the position of president of the Brazilian Zoological Society for three consecutive years, the idea of establishing butterfly reserves came about in 1999. The reason was simple and in his words “Butterflies are not only beautiful, but they represent the life cycle. It is important that the population, especially the underprivileged have the opportunity of greater contact and understanding of the lives of these insects.”


Pros and cons
According to the environmentalist Dener Giovanini, general coordinator of RENCTAS – National Network Fighting against Wild Animal Traffic, commercial breeding does not work. Giovanini explains that legalization has created a black market because the number of butterflies available does not meet demand. Traders continue buying illegal butterflies, hunting down the most beautiful species, which are nearly always the rarest and most threatened by extinction. “Imagine, if you will, that in the states of Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul and Paraná, children are paid up to R$ 2.00 for each one caught, depending on the species, and in the Amazon some species go for as much as US$ 400.00,” stated the environmentalist. However, the biologist Josef Bacsfalusi, president of the Brazilian Pro-Lepidopteron Association assures that this is not exactly the case. Commercial breeders also help preserve the species. “In nature the survival rate is very small. In the butterfly farms, this rate jumps to as high as 85%. Since the females have to be released, the number of butterflies in nature also increases.”


Qual menino sonhador
Eu fico às vezes pensando
Que a borboleta é uma flor
Que gosta de andar voando…

Soares da Cunha

Continue a Ler
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Meu amigo Orlando Villas-Bôas seu nome é paz!

Carta de saudade

Publicado

em

 

A vida ensina sempre. Ensinou a você, Orlando, Álvaro, Leonardo e Claudio, ensina a mim e ensina aos nossos filhos. Uma das coisas que aprendi é que só a saudade faz a gente parar no tempo. Sua despedida neste 12 de dezembro 2003, me fez voltar ao mesmo dezembro de 1972, quando você, que tinha acabado de chegar das margens do rio Peixoto, no Xingu, onde contactava os Krenhacãrore, pegou uma kombi em São Paulo e foi para Belo Horizonte paraninfar a turma de Comunicação da UFMG 1972. Por três dias ficou hospedado na minha “república” no 26ª andar do edifício JK, na praça Raul Soares.

À véspera da formatura, 20 de dezembro de 1972, meus 29 colegas e eu tivemos uma verdadeira Aula Magna de Brasil. Foi a mais importante aula dos meus quatro anos de universidade. A aula que direcionou meu caminhar profissional: o jornalismo de meio ambiente. Éramos 30 formandos que, na véspera da grande festa, sentamos no chão do meu apartamento, em círculo como nas tribos, para embevecidos escutar você falando de florestas, de índios, de brancos, de rios, de solidariedade e de bichos.

Sua primeira lição foi, para mim, ex-seminarista, um susto:

“Desde o Descobrimento o homem branco destrói a cultura indígena. Primeiro para salvar sua alma, depois para roubar sua terra”.

Depois vieram as perguntas para matar nossas curiosidades. Suas respostas doces, duras e definitivas vinham aquecidas pela vasta vivência de décadas na Amazônia, como último dos pioneiros da saga da expedição Roncador/Xingu. Eram ouvidas com máxima atenção:

“Foram os índios que nos deram um continente para que o tornássemos uma Nação. Temos para com os índios uma dívida que não está sendo paga”.

“Não fosse a Escola Paulista de Medicina, a Força Aérea Brasileira e a nossa teimosia, muitas tribos já teriam sido aniquiladas”.

“O Serviço de Proteção ao Índio, no Brasil, nunca teve lugar seguro: começou no Ministério da Guerra, com o Marechal Rondon. Depois foi transferido para o Ministério da Agricultura, estagiou no Ministério do Interior e estacionou no Ministério da Justiça. Como o próprio índio, esse serviço parece um estorvo”.

“O índio só pode sobreviver dentro de sua própria cultura”.

 

AMIGO ORLANDO, você junto com Leonardo, Álvaro e Cláudio, irmãos aventureiros na solidariedade, sempre devem estar relembrando histórias fantásticas. Para os índios, vocês vão se juntar ao Sol e ao trovão para virar lenda. E, para os brancos, deixam uma lição de vida e de coragem.

Das lições daquela noite de 20 de dezembro de 1972, eu guardo uma muito especial. Em vez de ensinar, o homem branco deveria ter humildade para aprender. Você falava da harmonia em uma tribo:
“O velho é o dono da história, o homem é o dono da aldeia e a criança é a dona do mundo”.

 

Meu amigo, obrigado pelas lições dadas há exatos 49 anos.

Obrigado por você ter me apresentado o Brasil e ensinado a ser brasileiro.

Nunca mais vou esquecer que para a criança ser a dona do mundo, nós temos que seguir seu exemplo de garra, de audácia e de aventura para defender nossas culturas, conservar nossa diversidade, preservar nossas florestas, proteger nossos rios e contactar sempre em nome da paz.

A PAZ não se pode manter pela violência e pela força, mas sim pelo respeito, pela tolerância e pela serenidade.

 

MEU AMIGO ORLANDO VILLAS-BÔAS. SEU NOME É PAZ!

 

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

Primeira brigada comunitária de São Pedro de Joselândia, no Pantanal de MT, será formada neste fim de semana

Publicado

em

 

Sesc Pantanal

SOS PANTANAL

SESC PANTANAL APOIA PRIMEIRA BRIGADA COMUNITÁRIA
Treinamento da SOS Pantanal, em parceria com o Polo Socioambiental Sesc Pantanal, acontece nos dias 19, 20 e 21 de junho
Começa neste final de semana, o treinamento para a formação da primeira brigada comunitária de São Pedro de Joselândia (171 km de Cuiabá), distrito de Barão de Melgaço, no Pantanal mato-grossense.
A turma de 28 pessoas, que inclui moradores e guarda-parques da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN Sesc Pantanal), faz parte da iniciativa do Instituto SOS Pantanal para estabelecer 28 brigadas no bioma.
São Pedro de Joselândia faz divisa com a RPPN, unidade do Polo Socioambiental Sesc Pantanal que é parceiro da ação e responsável pelos equipamentos doados pela SOS Pantanal em benefício da comunidade. A RPPN Sesc Pantanal é a maior reserva natural privada do país, com 108 mil hectares, e também está localizada no município de barão de Melgaço.
COMBATE À INCÊNDIOS FLORESTAIS
As brigadas serão treinadas com apoio do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos recursos naturais renováveis (Ibama), em convênio com a SOS Pantanal. Também apoiam o treinamento o Corpo de Bombeiros e o Serviço Florestal dos Estados Unidos.
A capacitação consiste em duas etapas. A primeira é uma parte teórica, onde são passadas as instruções e os procedimentos para organização das equipes durante o combate. A segunda é a parte prática, onde os brigadistas aprendem no campo como funciona o combate às chamas.
BRIGADAS PANTANEIRAS
Durante os meses de junho e julho, a SOS Pantanal capacitará cerca de 200 brigadistas, em 8 municípios diferentes de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. As brigadas estão espalhadas nos principais pontos onde historicamente o fogo é mais intenso e recorrente.
SESC PANTANAL
Com 20 anos de experiência na prevenção e combate a incêndios no Pantanal, a Brigada Sesc Pantanal também fará parte da formação. A instituição já realizou no mês de maio a sua capacitação anual de novos brigadistas, em Poconé e Barão de Melgaço, que faz parte das ações preventivas do Polo para a temporada da seca no bioma. Realizada em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso, a formação foi destinada a 40 pessoas, entre guarda-parques, funcionários de fazendas e comunidades rurais e pantaneiras.

Continue a Ler

Reportagens

Como será o trânsito do futuro?

Para pensar soluções estratégicas, o Detran-DF terá um centro de inovação tecnológica

Publicado

em

 

Impulso tecnológico por uma Brasília mais moderna – Agência Brasília

 

O Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) avança mais uma etapa no processo de modernização e transformação digital e começa a desenhar seu futuro no campo da tecnologia com a inauguração do Centro de Inovação Tecnológica – CITDetran.

A nova instalação do Detran, no Edifício de Governança do Parque Tecnológico de Brasília – BioTIC, irá abrigar uma parte da Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação (Dirtec), que terá como prioridade construir uma agenda de desenvolvimento tecnológico voltada, exclusivamente, para pensar o trânsito da capital para as próximas décadas, de forma inovadora e estratégica. Lá será o centro de criação de soluções que irão transformar o dia a dia do trânsito.

“É disso que o Departamento de Trânsito necessita: olhar para o futuro, pensar como será o trânsito daqui a 10 ou 20 anos. E para isso precisamos nos antecipar”, declarou Zélio Maia, diretor-geral do Detran-DF, que quer desenvolver novas tecnologias o mais rápido possível para enfrentar o trânsito cada vez maior e mais complexo do Distrito Federal.

E para o diretor de Tecnologia do Detran, Fábio de Souza, não é apenas uma mudança institucional, mas um novo modelo de desenvolvimento para todo o Departamento. “E não há nada melhor para se fazer isso do que estar em um ambiente de inovação”, explica Fábio, fundamentando a escolha pela Biotic que será, num futuro próximo, o principal polo de desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação do Distrito Federal e que permitirá o estímulo, criação e consolidação dos projetos do Detran, além de possibilitar que as pesquisas se transformem em negócios, assim como estímulo ao desenvolvimento de ações que dinamizem o processo de geração de novos empreendimentos em tecnologia.

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010