Reportagens

Borboletas: flores que voam

As borboletas são insetos tão atraentes que há uma crescente instalação de borboletários para atender a demanda comercial e funcionar como referências em trabalho de educação ambiental e preservação

Publicado

em






Assim que as borboletas se acasalam, a fêmea procura uma planta específica para postura dos seus ovos. É desta planta que as pequenas lagartinhas irão
se alimentar após o nascimento que ocorre entre 7 e 10 dias.

Silvestre Gorgulho, de Brasília



Elas são azuis, amarelas, brancas, vermelhas e pretas. Têm cores, tamanhos e belezas variadas. Com certeza, as borboletas são os insetos mais atraentes e mais vistosos da terra. Grandes ou pequenas, sempre coloridíssimas, elas revoluteiam pelo ar, ziguezagueando por campos e jardins. As borboletas parecem flores. Verdadeiras pétalas que voam. Pertencentes ao grupo dos lepidópteros, as borboletas podem sobreviver em qualquer lugar, embora prefiram habitar regiões quentes e tropicais. Do nascer ao morrer, elas passam por tantas e tão profundas mudanças, que parecem ter várias vidas. É a metamorfose. Para cada etapa de vida, elas têm uma beleza e um regime alimentar diferente. Não é fácil a vida de borboleta. Extremamente visadas por colecionadores e comerciantes, as borboletas são capturadas como matéria-prima para o rico artesanato de souvenirs como pratos, relógios, bandejas e quadros. Além disso, são expostas à ação de inimigos naturais e ainda sujeitas a toda agressão ambiental como poluição, queimadas e desmatamentos.


Para preservá-las e protegê-las, só mesmo com a construção de abrigos para estes insetos. São os borboletários. E mais: também para proporcionar às crianças e estudantes um local público e de fácil acesso de aprendizado sobre a natureza e sobre a importância destes insetos da ordem Lepidoptera na biodiversidade dos ecossistemas.


Existem vários borboletários no Brasil. Agora mesmo, dois novos acabam de ser inaugurados. Em setembro, foi inaugurado o borboletário do Jardim Botânico de Diadema-SP. Em outubro, outro no Jardim Zoológico de Brasília-DF. Várias universidades, jardins botânicos e zoológicos também construíram borboletários para pesquisa, com a finalidade de estudar a criação de espécies em cativeiro e a manutenção de populações livres da ação de seus parasitos e predadores.


Sempre instalados próximos às bordas de uma mata natural, os borboletários têm uma estrutura revestida com sombrite, permitindo a entrada de luz de forma a simular um ambiente natural. No interior são feitos canteiros para o plantio de várias plantas para alimentação das lagartas. São espécies com frutos e flores. O néctar também é alimento para as borboletas adultas.


Para o bom desenvolvimento de um borboletário, é necessário se ter uma equipe técnica que acompanhe o ciclo de cada espécie. Desde a postura até a fase de pupa e a emergência de indivíduos adultos. Os ovos são recolhidos das plantas hospedeiras e levados para um “berçário”.


Após a eclosão, as lagartas são criadas até fase de pupa. Feita a metamoforse e transformadas em adultas as borboletas podem ser soltas.


Objetivos
O objetivo de se ter um borboletário é a preservação da espécie, a educação ambiental e até mesmo o sentido estritamente comercial. A criação para produção de artesanato é autorizada pelo Ibama.


Pela lei, apenas machos podem ser sacrificados e usados no artesanato. As fêmeas, ao nascer, devem ser soltas acompanhadas de dois exemplares do sexo masculino. A proporção de nascimento é de cinco machos para cada fêmea.


Em cativeiro, o índice de reprodução dos ovos é de 50% a 80%, devido à ausência dos predadores e melhores condições climáticas. Na natureza é de 3 a 7%. Em geral, uma parte da produção do borboletário é introduzida no meio ambiente, numa proporção de cinco borboletas soltas na mata, a cada dez unidades.


As borboletas desempenham um papel importante na manutenção dos ecossistemas. Elas contribuem para o aumento da biodiversidade devido sua interação com as plantas, polinizando-as. Também indicam a qualidade do ambiente, pois muitas espécies não resistem a locais degradados.
Segundo Raul Gonzalez Acosta, um economista mexicano que mora há 23 anos no Brasil e há 13 anos está na direção do Jardim Zoológico de Brasília, a idéia de fazer um borboletário surgiu em 1999. “O motivo é simples – explica Gonzalez Acosta que também já foi por três anos consecutivos presidente da Sociedade de Zoológicos do Brasil – “as borboletas além da beleza representam o ciclo da vida. É importante que a população, principalmente os menos fa vorecidos, tenham contato e maior conhecimento sobre a vida desses insetos.”


Lepidopteros: Ibama faz plano de ação







As cores vivas de uma
Heliconae erato

Para o ambientalista Dener Giovanini, coordenador-geral da Renctas – Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres, a criação comercial não funciona. Explica Giovanini que a legalização criou um mercado negro, porque os borboletários não suprem a demanda. Os comerciantes continuam comprando borboletas ilegais, caçando as espécies mais bonitas quase sempre mais raras e ameaçadas de extinção. “Imagina – salienta o dirigente da Renctas – que em Minas, no Rio, no Rio Grande do Sul e no Paraná, as crianças recebem até R$ 2,00 por exemplar capturado, dependendo da espécie. No Amazonas, algumas chegam a custar até US$ 400,00”.


Já o biólogo Josef Bacsfalusi, presidente da Associação Brasileira Pró-Lepidópteros, garante que não é bem assim. Os criadores comerciais também ajudam a preservar a espécie. “Na natureza, o índice de sobrevivência é pequeno. Nos criadouros, chega a 85%. Como as fêmeas têm que ser soltas, aumenta-se o número de borboletas na natureza.”



Plano de Ação
Técnicos do Ibama estão na fase final da preparação de um Plano de Ação Nacional para Conservação e Manejo dos lepidópteros ameaçados de extinção. O plano terá duas área de ação imediata, a partir de janeiro de 2006:



1) Fazer um banco de dados com imagem, descrição, área de distribuição e status de conservação, habitat e ameaças;
2) Uma série de ações que vão precisar serem implementadas.

Borboletário de Brasília
A metamoforse das borbeletas ajuda a explicar o ciclo da vida







A bióloga Kátia Malcher, responsável pelos trabalhos de educação ambiental, explica que as crianças saem das aulas fascinadas por entender como funciona a natureza dos insetos.

Segundo a bióloga Carolina Lobo, responsável pela curadoria e manejo do borboletário de Brasília, a construção era um sonho antigo, mas só foi possível porque houve financiamento da Infraero, como compensação ambiental pela construção da nova pista do aeroporto Juscelino Kubitschek. Nos 228m2 do viveiro, que tem 6 metros de altura, explica Carolina Lobo que foi possível criar três microclimas para melhor adaptação das borboletas. São eles: mata fechada, brejo e campo aberto. O recinto poderá abrigar até 2.000 indivíduos de até 37 espécies, todas nativas do Cerrado.


Anexo ao viveiro, tem uma construção de alvenaria. Esse espaço será usado para receber as crianças, pois uma das finalidades do borboletário é a educação ambiental. Ao lado do viveiro, bem isolado do público visitante, existe um complexo para a criação de borboletas. É a chamada Casa de Criação, onde tem o laboratório para a criação das lagartas. Esse viveiro servirá para a realização de pesquisas e o manejo genético das espécies. Além disso, este complexo possui um horto com canteiros e duas estufas de plantas para a produção de plantas hospedeiras, alimento das lagartas.


Educação ambiental
A bióloga Kátia Malcher é responsável pelos trabalhos de educação ambiental e explica que o borboletário vai receber alunos de quinta-feira a domingo, de 9h00 às 17h00. Dado o impacto das visitas, cada grupo de 20 alunos terá 20 minutos de visita, sempre acompanhados de um monitor. O borboletário tem dois monitores treinados: Alexandre Barbosa, estudante de veterinária, e Rogério Primo, estudante de biologia. A equipe conta ainda com dois tratadores (José Antônio e Benjamim Mendes da Silva) e dois jardineiros (Márcio e Diego).
As borboletas e mariposas são insetos da ordem Lepdoptera, explica Kátia Malcher, um nome científico que vem do grego e significa asas com escamas. “É bom salientar – diz ela – que essas escamas, ao contrário da crença popular, não cega e não causa dano algum a saúde humana”. E acrescenta: “Justamente por passar por uma metamorfose completa, ou seja, por se transformar totalmente, esses insetos são ótimos para uma aula de educação ambiental, pois representam o ciclo da vida”.


Durante as aulas no borboletário, as crianças vão entender que cada espécie leva um tempo diferente na fase de lagarta que é a fase de crescimento do inseto. Depois desse período, a lagarta se transforma em pupa. “Aí é bom saber – salienta Kátia Malcher – que chamamos a pupa da borboleta de crisálida e a pupa da mariposa de casulo”.


E as taturanas, aquelas lagartas cheias de pêlos que é só encostar nelas que elas queimam a mão da gente? Kátia sabe que essa pergunta sempre aparece na hora das aulas, por isso tem a explicação prontinha: “Tem lagartas que são conhecidas como taturanas e algumas delas são tóxicas. Elas são tóxicas, queimam, porque comem plantas que possuem substâncias tóxicas. O corpo delas possuem cerdas pontiagudas ou pêlos que quando são tocados inoculam toxinas. Essas toxinas podem causar, na maioria dos casos, queimação e dores no local. E existe até casos mais graves, como o da lagarta da mariposa Lonomia obliqua que pode causar hemorragia se não for tratada rapidamente. O fato é que todas as lagartas que existem fazem parte de um ciclo de vida destes insetos da ordem Lepdoptera e vão sofrer esta metamorfose, se transformando em borboletas ou mariposas”.


A visita aos borboletários é muito importante para a formação das crianças e as aulas de educação ambiental vão tocar em quatro pontos principais:



1 – As borboletas são bio-indicadoras da poluição do ar.
2 – Ela também é peça importante na polonização das plantas.
3 – Ela devolve micronutrientes com mais rapidez ao solo.
4 – As borboletas, como insetos, estão na base da cadeia alimentar.


Agendamento de visitas
As escolas devem
se programar e agendar
as visitas diretamente
com os responsáveis
pelo borboletário, no
telefone (61) 3345-3248.


Borboletário de Diadema-SP
O Secretário de Meio Ambiente de Diadema, Marco Antonio Mroz, explica os objetivos do borboletário








Inaugurado no dia 16 de setembro, o Borboletário Tropical Conservacionista Laerte Brittes de Oliveira, de Diadema, é o primeiro na região metropolitana de São Paulo. Situado dentro do Jardim Botânico do município, o borboletário de Diadema tem uma produção inicial de 500 borboletas, de cinco espécies: Dryas iulia (Julia); Caligo illioneus (Olho de Coruja); Ascia buniae (Ascia); Heliconius erato e Biblis. As instalações compreendem um viveiro de 187,20 m², onde ficarão as borboletas e um berçário de 10,80 m² para onde serão levados os ovos, criadas as lagartas, ou larvas e onde acontecerá a eclosão das pupas, também chamadas de crisálidas (pra borboletas) ou casulos (para mariposas). O viveiro possui telas de proteção e tem em seu interior cerca de 30 espécies de plantas, que fornecem abrigo, alimento e local para deposição dos ovos. Do lado externo do borboletário foram plantadas árvores de Pau-Brasil, Diadema e Embaúba, além da mata do Jardim Botânico do entorno, que contribuem para que as borboletas convivam no seu habitat natural. O borboletário é climatizado com umidificadores no viveiro e uma temperatura entre 25 a 28% no berçário. As borboletas têm à disposição frutas e um néctar baseado em mistura de água e mel disposta em bebedouros de beija-flor, além do néctar que elas mesmas extrairão das flores. Para falar mais do borboletário de Diadema, conversamos com o Secretário do Meio Ambiente, Marco Antônio Mroz (foto).


Folha do Meio – Qual a importância deste borboletário?
Marco Antônio Mroz –
Esse é o primeiro borboletário da região metropolitana de São Paulo. Foi homologado pelo Ibama e está aberto à visitação pública. É uma importante ferramenta de educação ambiental para Diadema e para todas as cidades aqui em volta.


FMA – E os objetivos?
Marco Antônio –
O objetivo do borboletário é bem amplo. Primeiro contribuir para a preservação das espécies e com a diversidade que se perdeu devido a grande urbanização da região metropolitana sobre a Mata Atlântica. Um outro objetivo é a educação ambiental que vai sensibilizar as pessoas, particularmente as crianças. Elas terão a possibilidade concreta de conhecer como funciona a natureza e o fato de ser a borboleta um bicho tão fascinante, você sensibiliza as crianças para a questão ambiental e para a introdução do conhecimento da biologia.


FMA – Como fica o borboletário dentro do Jardim Botânico?
Marco Antônio –
É importante destacar que o borboletário integra um conjunto de medidas para a revitalização do Jardim Botânico. Entre as medidas está a reforma das estufas, readequação do orquidário e criação do jardim das bromélias, aumento na produção de mudas, sala própria para o Programa de Educação Ambiental, dentre outras ações. Neste espaço de educação ambiental que é o Jardim Botânico, o borboletário terá lugar de destaque por ser o local onde poderão ser vistas espécies vivas em todo o seu ciclo de vida.


FMA – Como será esta visitação?
Marco Antônio –
O importante desta visitação é informar e conscientizar. A visitação será uma aula a céu aberto e vai levar importantes informações aos importantes. É o tipo de trabalho que busca despertar o interesse e a mudança de comportamento das pessoas, e em especial das crianças. Essa aula a céu aberto vai proporcionar ensinamentos com todos os aspectos teóricos e práticos dos elementos que compõem o nosso ecossistema de Mata Atlântica.


FMA – E quais espécies de borboletas estão sendo criadas?
Marco Antônio –
Estão sendo criada cinco espécies: Anteos menippe; Dryas iulia (Julia); Agraulis vanilae (Pingo de Prata); Caligo illioneus (Olho de Coruja) e Ascia buniae (Ascia).
As matrizes foram compradas do borboletário do Sesc Pantanal-MT. Agora, a Secretaria do Meio Ambiente vai começar o agendamento para visitas monitoradas. A cada visita poderão entrar 12 pessoas. Os visitantes vão apreciar a eclosão das crisálidas, o acasalamento, o vôo dos insetos, o acondicionamento dos ovos, das larvas e das pupas. O contato com esses insetos também contribui para desmistificar certos preconceitos arraigados na população como o de que as borboletas são venenosas e que podem cegar.


FMA – Por que o nome de Laerte Brittes?
Marco Antônio –
Esse é o patrono do borboletário. Laerte Brittes de Oliveira foi um importante geógrafo que nasceu em 1960 e morreu este ano.
Ele ingressou na Prefeitura de Diadema em 1983, e começou a trabalhar com as questões do meio ambiente desde a criação desse setor, em 1994.
Atuou na fiscalização ambiental do município e como educador ambiental no Programa de Educação em Saneamento Ambiental.


Mais informações:
Jardim Botânico de Diadema
Rua Ipitá, 193- Jardim Inamar
Tel: (11) 4059-7600


Ciclo da vida


Para explicar toda a grandiosidade do ciclo da vida, nada
como buscar na simplicidade das borboletas um exemplo
de beleza e fragilidade da vida.







O ciclo de vida da borboleta
Caligo, sp também conhecida como “Olho de coruja”.

“Borboletas brancas
São alegres e francas.
Borboletas azuis
Gostam muito de luz.
As amarelinhas
São tão bonitinhas!
E as pretas, então . . .
Oh, que escuridão!”

Vinicius de Moraes


O planeta Terra pode ser considerado como um gigantesco organismo vivo que se auto-mantém por sua capacidade de produzir, elaborar, reciclar e atender a todas suas necessidades. Muitos fatores interagem para manter o equilíbrio ecológico. A água é o elemento mais vital para que todo o processo ocorra, pois impulsiona os ciclos da produção de alimentos, sem os quais não existiria a vida. O ciclo é caracterizado por um fluxo permanente de energia e de matéria, ligando a geologia, a hidrologia, a biologia, a meteorologia, a física, a química e a tantos outros fatores que fazem da vida uma fantástica combinação de fenômenos e de espiritualidade. Para explicar toda a grandiosidade dessa orquestração universal, nada como buscar na simplicidade do ciclo da existência das borboletas um exemplo de beleza e fragilidade da vida.


A diversidade é uma constante quando o assunto é borboletas e mariposas.
Além de cores e formas variadas na estrutura de suas asas, os ovos são uma beleza à parte. São postos isolados ou agrupados, embaixo ou sobre as folhas. Essas são estratégias de defesa que também são diferenciadas para cada espécie. A borboleta fêmea procura uma planta específica para colocar seus ovos, essa planta chamamos de hospedeira. São, justamente, as plantas que vão alimentar as lagartas quando nascem.


As lagartas apresentam várias fases nesse período em que se dedicam ao crescimento.
Durante seu desenvolvimento, as lagartas precisam trocar seu esqueleto externo (exoesqueleto) 4 ou 5 vezes. Nestas mudas são trocadas a pele e a carapaça da cabeça. Esta metamorfose vai permitir que elas dobrem de tamanho.
Cada espécie tem suas variações na quantidade de dias que os ovos levam para eclodirem, mas geralmente este número fica entre 5 a 10 dias. Observe o ciclo de vida da Caligo, sp também conhecida como “Olho de coruja”. Essa espécie é a maior borboleta brasileira. São dois meses, em média, desde a postura do ovo, até a eclosão do adulto. Depois, como adulto, ela vive cerca de dois meses.








Os ovos são postos isolados ou agrupados nas folhas das plantas hospedeiras


Na casa de criação do borboletário, as pupas são cuidadosamente guardadas e tão logo as borboletas nascem são soltas no viveiro. Todo esse trabalho é importante para a realização de pesquisas e o manejo genético das espécies

Summary


FLYING FLOWERS
Butterflies are such attractive insects that there are a growing number of butterfly farms to meet commercial demand and serve as references in research and environmental education


When I am a dreaming child
I sometimes wonder
Whether a butterfly is a flower
That likes to fly around…

Soares da Cunha


They are blue, yellow, white, red and black. They come in a variety of colors, sizes and beauty. Without a doubt, butterflies are the most attractive and showy insects on earth. Large or small but always highly colorful, they flutter through the air, zigzagging through the fields and gardens. Butterflies look like flowers – truly petals that fly. They belong to the lepidopteron group and can survive anywhere, although they prefer to inhabit hot and tropical regions. From the time they are born until the time they die, they undergo so many profound changes that they seem to have different lives. This is metamorphosis. For each stage of life, they have a different type of beauty and diet. The life of a butterfly is not easy. Butterflies are highly prized by collectors and businessmen and are captured as a raw material for embellishing handicraft souvenirs such as plates, clocks, trays and pictures. Moreover, they are exposed to their natural enemies and subject to environmental hazards such as pollution, slashing and burning land and deforestation.
It seems that the only way we can preserve and protect these creatures is by building shelters for them. These are butterfly conservatories or farms. They also serve as an easily accessible public place for children and students to learn about nature and the importance the insects of the Lepidopteron order have in the biodiversity of the ecosystems.
There are several butterfly shelters in Brazil. Just recently two new ones were inaugurated. In September, in the city of Diadema, São Paulo, a butterfly shelter was opened at the Botanical Gardens. In October, another one opened its doors at the zoo in Brasília in the Federal District. Several universities, botanical gardens and zoos have also built butterfly shelters for research and the purpose of studying the creation of the species in captivity and maintaining their populations free from the attack of parasites and predators.
These butterfly havens are always located near the edge of natural wooded areas and the shelters are covered with a material, which enables natural lighting to simulate their natural habitat. The interiors have been planted with a variety of plants to feed the caterpillars. These flower and fruit bearing plants and the nectar also serves as food for the adult butterflies.
In order for a butterfly to develop properly, there must be technically qualified staff to monitor the cycle of each species, from egg laying to the pupa phase and the emergence of the adult individuals. The eggs are collected from the host plant and are taken to a “nursery.” After this stage, the caterpillars are created until the pupa phase. Once metamorphosis has occurred and they have transformed into adults, they are released.


Objectives
The objective of the butterfly reserve is to preserve the species, provide environmental education and even for strictly commercial purposes. The creation of the insect for the production of handicrafts has been authorized by IBAMA. According to the law, only the males can be sacrificed and used for art works. The females after being born must be released in the company of two males. The birth rate of butterflies is five males to every female.
In captivity, the reproductive rate of the eggs ranges from 50% to 80%, owed to the absence of predators and ideal climatic conditions. In nature this rate varies from 3 to 7%. In general, a part of the butterfly production is introduced into the environment at a ratio of five butterflies released into the wild out of every 10 born. Butterflies play an important role in the maintenance of the ecosystems. They contribute to the increased biodiversity owed to their interaction with the plants, by pollinating and sowing seeds. They are also a good indication as to the quality of the environment, since they cannot survive in spoiled or polluted locations.
According to Raul Gonzalez, a Mexican economist who has lived in Brazil for 23 years and has been the director of the Brasília Zoo for 13 years, in addition to holding the position of president of the Brazilian Zoological Society for three consecutive years, the idea of establishing butterfly reserves came about in 1999. The reason was simple and in his words “Butterflies are not only beautiful, but they represent the life cycle. It is important that the population, especially the underprivileged have the opportunity of greater contact and understanding of the lives of these insects.”


Pros and cons
According to the environmentalist Dener Giovanini, general coordinator of RENCTAS – National Network Fighting against Wild Animal Traffic, commercial breeding does not work. Giovanini explains that legalization has created a black market because the number of butterflies available does not meet demand. Traders continue buying illegal butterflies, hunting down the most beautiful species, which are nearly always the rarest and most threatened by extinction. “Imagine, if you will, that in the states of Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul and Paraná, children are paid up to R$ 2.00 for each one caught, depending on the species, and in the Amazon some species go for as much as US$ 400.00,” stated the environmentalist. However, the biologist Josef Bacsfalusi, president of the Brazilian Pro-Lepidopteron Association assures that this is not exactly the case. Commercial breeders also help preserve the species. “In nature the survival rate is very small. In the butterfly farms, this rate jumps to as high as 85%. Since the females have to be released, the number of butterflies in nature also increases.”


Qual menino sonhador
Eu fico às vezes pensando
Que a borboleta é uma flor
Que gosta de andar voando…

Soares da Cunha

Continue a Ler
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Com 10% de umidade do ar, DF entra em alerta vermelho

Registro foi feito em uma estação do Inmet do Gama no domingo (19) acompanhado de termômetros marcando mais de 30º. Atenção às dicas da Defesa Civil

Publicado

em

A situação crítica favorece também a ocorrência de incêndios. A queimada de lixo ou qualquer atividade com fogo merece atenção | Fotos Joel Rodrigues/ Agência Brasília
MARLENE GOMES, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: ROSUALDO RODRIGUES

O Distrito Federal está em estado vermelho com relação à baixa umidade do ar. Isso significa que a região entrou no estado de emergência, depois de apresentar níveis críticos, como o índice de 10º registrado no Gama, neste domingo (19). O alerta é do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

O alerta somente é emitido quando a umidade do ar fica abaixo de 12%. Nessa situação, existe grande risco de ocorrências de incêndios florestais. Também é preciso redobrar os cuidados com a saúde porque aumentam os riscos de doenças respiratórias e das pessoas apresentarem dores de cabeça, sangramento do nariz e secura nos olhos, entre outros problemas.

Apesar de parecer pior do que nos anos anteriores, o chefe da Defesa Civil do DF em exercício, tenente coronel do Corpo de Bombeiros Rossano Bohnert, garante que a baixa umidade e o calor são semelhantes e comuns neste período de final da seca.

 

Valem as dicas de sempre: hidratação constante, evitando a prática de esportes e a exposição ao sol nos períodos mais críticos do dia – além de uma alimentação mais balanceada

 

Enquanto isso, valem as dicas de sempre: hidratação constante, evitando a prática de esportes e a exposição ao sol nos períodos mais críticos do dia – além de atenção a uma alimentação mais balanceada, sempre que possível. “Sabemos que o consumo de alimentos leves, como saladas, frutas e legumes, ajuda na digestão e dá mais disposição para suportar o calor e ar mais rarefeito”, explica Bohnert.

O Inmet prevê chuvas para a próxima semana, o que ainda não está confirmado.

 

Primavera

Nesta quarta-feira (22), começa oficialmente a primavera. As chuvas esperadas na estação trazem o clima mais ameno, que caracteriza o período. “Por enquanto, o clima deve continuar do mesmo jeito até quarta-feira (21). Vai predominar o calorzão e a secura. Só teremos possibilidade de chuvas lá para quinta-feira (23)”, explica a metereologista Naiane Araújo, do Inmet.

Com a temperatura máxima passando da casa dos 30º e a baixa umidade do ar, na capital federal, é importante que a população redobre os cuidados. A cartilha que o brasiliense não pode esquecer indica que é preciso beber bastante líquidos, evitar a exposição ao sol nas horas mais quentes do dia, usar hidratante na pele e procurar umidificar o ambiente.

A situação crítica favorece também a ocorrência de incêndios. A queimada de lixo ou qualquer atividade com fogo merece atenção. Os fumantes devem ter o cuidado de não jogar no chão as bitucas de cigarro. Esse hábito torna-se muito perigoso, principalmente nas margens de vias e rodovias. Qualquer pessoa que observar um foco de incêndio deve comunicar ao Corpo de Bombeiros, pelo número 193.

 

Mensagens de alerta

A Defesa Civil, da Secretaria de Segurança Pública do DF, faz o monitoramento dos alertas emitidos pelo Inmet. O órgão, então, envia mensagens advertindo sobre o tempo e a prevenção de riscos para os moradores cadastrados.

Para se cadastrar no serviços de alerta da Defesa Civil, o interessado deve enviar uma mensagem de texto para o número 40199, com o Código de Endereçamento Postal (CEP) da região.

 

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

Energias renováveis ajudam no combate à desigualdade social no Brasil

Publicado

em

 

*Cristiana Nepomuceno Soares
 

Por conta da grande extensão territorial e da diversidade de biomas, o Brasil conta com uma variedade de recursos naturais – o que proporciona um maior investimento em uma matriz energética limpa. Mas, a realidade atual reflete um cenário adverso ao esperado. É em meio à crise climática e à pandemia de Covid-19, que a necessidade de renovação da matriz energética evidenciou  um problema que o país enfrenta nas diferentes esferas: a desigualdade social.

É cada vez mais evidente que, não é mais possível alimentar essa disparidade. Enquanto os demais países caminham para a expansão de políticas que reafirmam o compromisso ambiental, o Brasil caminha no oposto, já que ainda depende de combustíveis fósseis para geração de energia –  o que coloca o país em desvantagem.

Com o agravamento da crise climática e a urgência da agenda ambiental ser alinhada, na prática, com um discurso sustentável, fica cada vez mais evidente que o futuro da energia passa pela matriz limpa e sustentável – o que desempenha um papel fundamental no setor  elétrico.

Lacuna social

De acordo com os dados divulgados pela Agência Internacional de Energia Renovável (International Renewable Energy Agency – Irena), em paralelo à queda no investimento de óleo e gás, as energias renováveis apresentaram recorde de investimentos no primeiro trimestre de 2020 (em meio a pandemia de Covid-19). Embora os recursos renováveis estejam frequentemente ligados às pautas ambientais e a busca por um futuro sustentável, o uso desses recursos reflete no desenvolvimento econômico e social do país.

Um maior aproveitamento das energias renováveis não engloba apenas a transição energética do país, mas também caminha como ferramenta de igualdade social. Recentemente, o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Reive Barros, divulgou que, atualmente, o país tem 83% de sua matriz elétrica originada de fontes renováveis. Agora, é preciso promover políticas que reforcem o uso de energias renováveis de forma eficiente e que funcionem com a economia global.

O Brasil ainda precisa lidar com um de seus principais entraves nas questões ambientais: entender que um meio ambiente preservado é um direito de todo cidadão e que a utilização de recursos naturais impulsionam o desenvolvimento socioeconômico. Por muitas vezes, esse discurso de sustentabilidade é visto como obstáculo e não como um potencial a ser desenvolvido: a competitividade industrial. A produção industrial de baixo carbono gera empregos em grande escala e o país possui recursos para o investimento em insumos de baixo carbono.

Há, ainda, o fator mais colaborativo para esse cenário. No Brasil, as regiões de maior potencial para fontes de energia eólica e solar são os municípios que possuem um baixo IDH. Consequentemente, apostar e investir nessas localidades é uma potencial ferramenta de combate à desigualdade social.

Sobre a Dra. Cristiana Nepomuceno de Sousa Soares

É graduada em Direito e Biologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, em Belo Horizonte. Pós-Graduada em Gestão Pública pela Universidade Federal de Ouro Preto- MG. Especialista em Direito Ambiental pela Universidade de Alicante/Espanha. Mestre em Direito Ambiental pela Escola Superior Dom Helder Câmara.

Foi assessora jurídica da Administração Centro-Sul da Prefeitura de Belo Horizonte, assessora jurídica da Secretaria de Minas e Energia- SEME do Estado de Minas Gerais, consultora jurídica do Instituto Mineiro de Gestão das Águas- IGAM, assessora do TJMG e professora de Direito Administrativo da Universidade de Itaúna/MG. Atualmente é presidente da Comissão de Direito de Energia da OAB/MG.

 

 

Continue a Ler

Reportagens

A escola ideal é o tema do Quinto Desafio

Desafio global incentiva o conhecimento de jovens sobre sustentabilidade, economia circular e cidades circulares; Inscrições continuam abertas e participantes novos ainda podem competir em três desafios;

Publicado

em

 

Está no ar a quinta etapa do PlayEnergy, desafio global promovido pela Enel Spa para incentivar o conhecimento de jovens sobre sustentabilidade, economia circular e cidades circulares. Com o tema “Torne a escola digital”, o quinto desafio propõe que as equipes projetem a escola ideal. Com prêmios que podem chegar a 2000€, podem se inscrever estudantes com idades entre 14 e 20 anos, sozinhos ou em equipes de até 3 pessoas, através do site: https://playenergy.enel.com/ Não é necessário ter participados dos outros desafios para competir nessa etapa. Ainda é possível participar de três desafios, que estarão no ar nos próximos três meses, além do Final Online Challenge.

 

Em uma cidade circular, todas as escolas têm baixo impacto ambiental e foram projetadas a partir de critérios sustentáveis. Os participantes deverão imaginar como é a escola que eles desejam, incluindo iniciativas que sejam relevantes para o dia a dia da comunidade escolar e para a cidade em seu entorno. Lembrando sempre de colocar em prática conceitos de economia circular e desenvolvimento sustentável.

 

As Equipes são convidadas a criar seus projetos utilizando as ferramentas disponibilizadas no site do evento. Todas as Equipes que completarem o projeto ganham 100 pontos e os projetos serão colocados para votação, ganhando pontos extras pelos votos recebidos. Os membros da equipe podem também compartilhar seus projetos nas redes sociais, para incentivar a votação. Nove equipes serão premiadas no ranking mensal, com prêmios que vão de 75 euros a 150 euros em compras online. Em caso de empate, para determinar o ranking mensal, será considerada vencedora a equipe que tenha obtido primeiro a pontuação que levou ao empate.

 

Entenda o PlayEnergy

Nesta edição do PlayEnergy, poderão participar estudantes com idades entre 14 e 20 anos e professores de sete países: Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Grécia, Itália e Peru. Participantes poderão se inscrever sozinhos ou em equipes de até 3 pessoas e ganhar pontos extras com outras atividades pelas redes sociais. Serão sete desafios ao longo de sete meses e um desafio final, o Final Online Challenge, com foco no conceito de Cidade Circular. Inscrições podem ser feitas através do site https://playenergy.enel.com/.

 

A PLAYENERGY é uma iniciativa global da Enel Spa, multinacional de energia e um player integrado líder nos mercados globais de energia e energias renováveis, em parceria com a Campus Party. Para mais informações sobre participação, desafios e premiação, veja o regulamento do concurso no site https://playenergy.enel.com/br/assets/pdf/rules.pdf

 

Sobre a Enel Brasil

A Enel atua no Brasil com geração, distribuição e transmissão de energia por meio da Enel Brasil e suas subsidiárias. Em distribuição, o Grupo atende mais de 17 milhões de clientes por meio de suas subsidiárias brasileiras em São Paulo, Ceará, Rio e Goiás. No setor de geração, o Grupo Enel é o maior produtor de energia solar e eólica do país em capacidade instalada e portfólio de projetos com uma capacidade instalada total de 3,4 GW, dos quais 1.210 MW são eólicos, 979 MW solares e 1.269 MW hidrelétricos. No país, o Grupo também possui e opera duas linhas de transmissão com uma capacidade total de 2.200 MW conectando o país à Argentina. A estratégia de atuação da Enel é baseada no seu Plano de Sustentabilidade e nos compromissos assumidos com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU. Globalmente, a Enel está presente em mais de 30 países, com cerca de 74 milhões de clientes finais corporativos e residenciais em distribuição de energia.

Continue a Ler

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010