Gente do Meio

CARLOS AYRES BRITTO

8.jpg

O ministro das lições humanitárias

 “Comecei Buffalo Bill,
[o atirador do Velho Oeste]
e terminei Touro Sentado,
[o líder Sioux que morreu
 lutando por seu povo]”.
Ministro Ayres Britto

 

 

 Mais uma lição de Ayres Britto, o ministro do Supremo Tribunal Federal, que foi relator do processo sobre a Terra Indígena Raposa Serra do Sol, e que confessa ter enfrentado o próprio preconceito.

O HOMEM

Para uns, Carlos Augusto Ayres de Freitas Britto, 66 anos, é um homem simplesmente iluminado. Para outros, um brasileiro de rara sensibilidade que tem a missão de ajudar seu País e seu povo. Com certeza, há um consenso: o ministro Ayres Britto, do Supremo Tribunal Federal, é um humanista, democrata, exemplo de humildade e de sabedoria. Não foi surpresa para os 700  participantes do Fórum Mundial de Juízes, realizado no início do ano em Belém do Pará, quando – ao fazer a abertura do evento – o ministro Ayres Britto sentenciou: “Os juízes precisam ler mais poesias, romances e jornais para entender melhor a realidade da sociedade”. O apelo era para que os magistrados brasileiros atuem sempre com sensibilidade e comprometidos com a justiça social. Ayres Britto é, desde 2003, ministro do STF e atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral.

A terra é espírito

“Para os índios, a terra não é um bem mensurável. Para eles, a terra não é uma coisa. Ela é um ser, é um espírito protetor. A Constituição diz: “Os índios não podem ser removidos de suas terras, a não ser diante de uma grave calamidade”. Na cabeça do índio é o seguinte: “Não adianta me pagar pela terra”. Ele não quer ser indenizado nem reassentado. No imaginário do índio, ele pensa: – Eu vou sair daqui, mas meus ancestrais vão ficar. Tirá-los de perto da terra é uma violência”.

O POETA

Sergipano de Propriá, Carlos Ayres Britto, 66 anos, é membro da Academia Sergipana de Letras e autor de várias obras jurídicas e de poesia. (Teletempo, Um Lugar Chamado Luz, Uma Quarta de Farinha, A Pele do Ar, Varal de Borboletras, Teoria da Constituição, O Perfil Constitucional da Licitação). Duas poesias:

O capital reduz
Homem do povo a animal,
E quando o homem do povo
Se comporta como animal,
O capital exige contra ele
A pena capital.
(Pena de morte, 177)

Aquele que passa fome
Fica tão prisioneiro da sua fome
Que não lhe sobra liberdade
Pra mais nada.
(Fome, p. 140)

OUTRAS LIÇÕES

Célula-Tronco – São muitas as lições contidas nos votos do ministro Carlos Ayres Britto. Para ele, quando se tem liberdade de expressão, os tabus acabam. E isto é bom! É o antiobscurantismo. Antes, em março de 2008, ao considerar improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade impetrada contra a Lei de Biossegurança, aprovada pelo Congresso em 2005, o ministro Ayres Britto, relator do processo das Células-Tronco, deu um voto que chamou a atenção do País pela erudição e poesia. Ele sabia que a polêmica era inevitável. Durante um ano estudou muito para preparar seu voto, que foi considerado um dos mais importantes na história do STF. Citou Aristóteles, fez poesia, lembrou Tom Zé  para dar seu voto holístico e  histórico.
“Embrião não é a interrupção de uma gravidez humana. Não há mulher que engravida a distância, por controle remoto”. 

 “Deus fecunda a madrugada para o  parto do sol, mas nem a madrugada é o sol, nem o sol é a madrugada”.

“Tal como se dá entre a planta e a semente, a chuva e a nuvem, a borboleta e a crisálida, a crisálida e a lagarta, ninguém afirma que a semente seja a planta, a nuvem a chuva, a lagarta a crisálida, a crisálida a borboleta!”

Ao relembrar, agora, o voto das células-tronco, Ayres Britto salientou:  “Foi uma decisão magnífica para a ciência. A partir dali já se produziu uma linhagem de células-tronco embrionárias totalmente brasileira. Os pesquisadores agora estão animados porque sabem que não vai faltar dinheiro e não vai haver uma interrupção. Não vai haver uma liminar suspendendo as pesquisas. Fiquei particularmente feliz com essa decisão de vanguarda. Você pode congelar um embrião, pode congelar a fé, mas não pode congelar a ciência”.

Nova lição

E a nova lição veio com o voto sobre o polêmico processo da demarcação da reserva indígena Raposa Serra do Sol. E o ministro Ayres Brito se encantou com a questão indígena. Este processo também foi estudado exaustivamente. À semelhança do voto das células-tronco, Ayres Britto fez um voto holístico e histórico sobre a Raposa Serra do Sol. Resultado: nove dos 10 colegas de STF acompanharam seu voto.

Raposa Serra do Sol

Voto Holístico e histórico

Ministro Ayres Britto defende a manutenção do decreto homologatório que destina a cinco etnias indígenas uma área de mais de 1,7 milhão de hectares em Roraima.

Em entrevista às jornalistas Paloma Oliveto e Mirella D?Elia, do Correio Braziliense, o ministro Ayres Britto abriu sua alma. Vale a pena relembrar.

Duas dignidades

“Antes via o índio como um ser primitivo, de cultura inferior. Mas ao mergulhar totalmente neste trabalho, mudei minhas idéias. Fui explorando os veios da Constituição. Palavra por palavra. Literalmente, estudei cada termo do capítulo sobre os indígenas. Nenhuma preposição escapou. À medida que eu ia lendo a Constituição, eu, que tinha a obrigação de ser um militante da Constituição, fui percebendo que o capítulo versante sobre os índios foi feito por antropólogos e indigenistas de grande conhecimento. Entendi que estava pensando com cabeça de branco e indo no sentido oposto do que prega a lei. A Constituição diz que há duas civilizações. A do branco e a do índio. Há duas dignidades”.

Mão dupla da aculturação

“A aculturação é uma estrada de mão dupla. Não é só o índio nos conhecer para aprender conosco. É a gente também  conviver com os índios para aprender com eles. Para a Constituição, a aculturação é uma soma, um ganho, uma justaposição. O índio aculturado ganha a cultura do branco sem perder sua cultura. O branco que convive com os índios aprende com eles. Eu fui aprendendo aos pouquinhos. Refletindo, estudando, indo atrás das coisas. Eu comecei Buffalo Bill [o atirador do Velho Oeste)  e terminei Touro Sentado (o líder Sioux que morreu  lutando por seu povo)”.

O preconceito

“Antes de me debruçar sobre os mais de 50 volumes do processo, tinha opinião completamente diferente da proferida em meu voto. É  pura verdade. Quando eu comecei, a minha cabeça era “de branco”. Então, já fui dizendo: – Como é que se reserva tanta terra para índio? Mais: os índios fazem parte de uma cultura primitiva e os não índios de uma cultura evoluída. Assim, comecei me pegando preconceituoso. A gente pensa que não tem preconceito, mas tem. Está lá no fundo da gente.”

SUMMARY

Citizenship Votes

 

“I began as Buffalo Bill,
and ended up Sitting Bull.” 
Minister Ayres Britto

 

Ayres Brito, the minister of humanitarian lessons

One more lesson from Carlos Ayres Britto, the Supreme Court Justice and reporting judge in the Raposa Serra do Sol Indigenous territory case who confesses having to face up to his own prejudice.

THE MAN – There are some who believe that Carlos Augusto Ayres de Freitas Britto, 66 years of age is simply an illuminated man. Others think he is a Brazilian of rare sensibilities who has a mission to help the country and its people.  There is certainly a consensus however, that Minister Ayres Britto of the Federal Supreme Court is a humanist, democrat and an example of humility and wisdom. It was no surprise to the 700 participants of the World Justice Forum held earlier this year in Belém, Pará State, when Justice Ayres Britto opened the event and remarked, “Judges need to read more poetry, novels and newspapers to gain insight into the reality of our society.”  The appeal was a call for Brazilian magistrates to act at all times with sensitivity and commitment toward social justice. Ayres Britto has sat on the Brazilian Supreme Court since 2003 and is currently the President of the Superior Electoral Court.
THE POET – Born in Própria, in the state of Sergipe, Carlos Ayres Britto at the age of 66 is a member of the Sergipe Academy of Letters and the author of a number of legal writings and books of poetry.
Two poems:

The capital reduces
The simple man to an animal,
And when the simple man
behaves like an animal,
The capital requires that he be given
Capital punishment.
(Death penalty, 177)

The hungry man
Is so much a prisoner to his hunger
That there is no more freedom left
For anything.
(Hunger, p. 140)

THE LESSONS
Stem Cells – There are a number of lessons contained in the decisions of Justice Carlos Ayres Britto. He believes that when there is freedom of expression, taboos are eliminated. And this is good!  It is the antithesis of obscurity. Previously, in March 2008, when the Direct Action of Unconstitutionality lodged by the Bio-safety Law approved by Congress in 2005 was judged groundless,  Justice Ayres Britto, the reporting judge of the Stem Cell suit, rendered his decision which drew the attention of the Country owed to his erudition and poetry. He knew that the issue was inevitable. He studied intensely for a year to prepare his decision, which is regarded as one of the most important ones in the history of the Supreme Court. He cited Aristotle, wrote poetry, and called on Tom Zé, as well as the teachings of the Catholic saints to render his holistic and historic decision.
“The embryo is not the interruption of human pregnancy. There is no woman who can get pregnant by correspondence, or by remote control.” 
“God fertilizes the dawn to give birth to the sun, but the dawn is not the sun nor is the sun, the dawn.”
“The same is true of the plant and the seed, the rain and the cloud, the butterfly and the chrysalis, the chrysalis and the caterpillar; no one can be sure that the seed will be planted, that the cloud will bring the rain, that the caterpillar will emerge from the chrysalis or that the chrysalis will become a butterfly!”
Ayres Britto emphasized looking back on his stem cell decision: “It was a magnificent decision for science. Based on that, a line of fully Brazilian embryonic stem cells was produced.  Researchers now are more excited because they know that there will be no shortage of money and that there will be no interruptions. There will be no injunctions to suspend studies. I was especially happy with this vanguard decision. You can freeze an embryo, you can freeze faith, but you cannot freeze science.” 


New lesson

And a new lesson has come from the decision related to the polemic process of delineating the indigenous reserve of Raposa Serra do Sol. Justice Ayres Britto was intrigued by the native Brazilian issue. This process also led him to conduct exhaustive studies. The similarity to the stem cell decision resulted in a holistic and historic decision about Raposa Serra do Sol. Result: nine out of ten Supreme Court Justices agreed with his decision. 

Raposa Serra do Sol

HOLISTIC AND HISTORY DECISION  – Justice Ayres Britto defends retaining confirmation decree which has dedicated an area of over 1.7 million hectares in the state of Roraima to five indigenous peoples. During an interview held with journalists Paloma Oliveto and Mirella D?Elia, from the Correio Braziliense, justice Ayres Britto opened up his soul. It makes for good reading.
Prejudice
“Before starting to study the over 50 volumes of the process, I had a completely different opinion than that rendered in my vote. Truthfully, when I began, my mind was “white.” And I thought to myself, how can we reserve so much land for the Indians? Worse yet, I thought that the Indians were part of a primitive culture and non-Indians have an evolved culture.  That’s how I realized that I was prejudiced. We think that we are unbiased, but we are deep down inside.”

Two types of dignity
“I used to see the Indian as a primitive being, belonging to an inferior culture. But once I delved fully into this work, I changed my mind. I explored all the strata of the Constitution, word by word. I literally studied each term under the chapter regarding indigenous people. I left no preposition unturned. As I read the Constitution, I had an obligation to become a Constitutional activist and I realized that the chapter on Indians was written by anthropologists and highly knowledgeable authorities on indigenous people. I understood that what I had thought with the mind of a white man was contrary to that set forth in law. The Constitution states that there are two civilizations – the white one and the one of the native Brazilian. There are two types of dignity.” 

 
Two way acculturation street
“Acculturation is a two way street. It is not only the Indian who needs to learn from us. We must also live with the Indian to learn from them.   According to the Constitution, acculturation is a sum, one gain, and one juxtaposition. The acculturated Indian gains the culture of the white man without losing his own culture. The white man who lives among the Indians learns from them. I started learning little by little, reflecting, studying and going after things.  I began as Buffalo Bill and ended up as  the Sioux tribal chief Sitting Bull.”
The land is the spirit
“Indians believe that land is immeasurable. Land is not a “thing” to them.  It is a being, a spirit protector. The Constitution said, “Indians cannot be removed from their land unless an extremely serious calamity has occurred.”  In the mind of the Indian, “Land cannot be bought.” He does not want to receive indemnity or be relocated. In the mind of the Indian, he believes that he leaves the land, but his ancestors will remain.  Removing them from their land is an act of violence.”

 

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gente do Meio

MARINA SILVA É ELEITA “AMBIENTALISTA DO ANO”

A ministra encantou o público presente ontem, no auditório lotado da CDL- BH, na maior premiação ambiental do Brasil

Publicado

em

 

14º Prêmio Hugo Werneck

 

Na noite dessa terça-feira (02/04), foi realizada a entrega do 14º Prêmio Hugo Werneck de Meio Ambiente e Sustentabilidade, com a participação da Ministra Marina Silva em sua primeira viagem oficial ao Estado. A ministra – eleita pela Revista Nature uma das 10 personalidades mais influentes do planeta para a ciência – recebeu o prêmio de “Ambientalista do Ano”. Ao todo, foram 15 premiados com projetos e iniciativas que se destacam pela diversidade de ações alinhadas com a temática desta edição “Pensar globalmente, agir localmente”.

O Brasil pode ser uma potência que vai ajudar a resolver o problema da segurança alimentar do mundo desde que em base sustentável, com a agricultura de baixo carbono. Podemos ser uma grande alternativa em termos energéticos desde que a gente mantenha o rumo certo em proteger, inclusive, nossas florestas, senão nossa matriz energética corre grande risco porque ela é na maior parte de hidroeletricidade. Nós podemos ser o país da reindustrialização verde, da sociobiodiversidade”, destacou a ministra durante o evento.

Segundo o coordenador do Prêmio, o jornalista e ambientalista Hiram Firmino, o objetivo maior do prêmio é reunir de maneira apartidária, as autoridades e personalidades do mundo ambiental, político e empresarial em torno das mudanças climáticas. O Prêmio Hugo Werneck se tornou uma referência nacional, como o “Oscar da Ecologia” brasileira. Acumula mais de mil inscrições e indicações recebidas, e mais de 170 vencedores e homenageados até hoje. A premiação destaca empresas, governos, pessoas, cidadãos, ONGs, instituições, políticos e personalidades que mais se dedicam à causa hoje universal em defesa do planeta e de sua humanidade, vide a realidade das mudanças climáticas.

homenageado especial desta edição foi Santos Dumont e seu desconhecido protagonismo na luta ambiental. O mineiro patrono da aviação não somente inventou o avião. Ele também foi percursor do ecoturismo. A sua atuação em prol desta atividade fez o Brasil se notabilizar mundialmente na preservação, hoje autossustentável, das Cataratas do Iguaçu.

Criado em 2010, o prêmio homenageia o ambientalista mineiro Hugo Werneck (1919-2008), um dos precursores da consciência ecológica na América Latina. O ambientalista foi o fundador do Centro para a Conservação da Natureza e defensor da criação de importantes áreas verdes de Minas Gerais, como a RPPM Mata do Jambreiro e os parques Nacional da Serra do Cipó e Estadual do Rio Doce.

Conheça os premiados

O troféu de “Melhor Exemplo em Iniciativa Individual” foi entregue pela deputada federal Duda Salabert para a ativista mirim, Júlia Bonitese, de apenas 11 anos de idade. Aluna do Colégio Santo Agostinho em Belo Horizonte, Júlia comanda o projeto Pequenos Protetores do Planeta e faz publicações para crianças, com dicas, lições e até desafios sobre como tornar o meio ambiente mais preservado.  Ela foi mencionada como uma das ativistas ambientais mais novas do país em uma live do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Um hotel que oferece abrigo aos insetos polinizadores durante todo ano foi a iniciativa premiada na categoria “Melhor Exemplo em Fauna”, vinda de uma montadora de automóveis em São Caetano do Sul, no interior paulista. O projeto da General Motors criou hotéis montados com partes de automóveis e materiais reciclados da produção para abrigar insetos polinizadores, importantes agentes do equilíbrio do ecossistema.

O prêmio de “Melhor Exemplo em Educação Ambiental” foi entregue para a Eco Rede Comunitária de Desenvolvimento Socioambiental, a Eco Rede Cidade de Deus. Há mais de 12 anos, a luta encabeçada pela Ong socioambiental, já apresenta resultados concretos estando presente no projeto político-pedagógico de 28 espaços escolares públicos e já tornou-se reconhecida em sete países.

O vencedor na categoria “Melhor Exemplo em Biodiversidade” veio do interior pernambucano, trata-se do Programa de Biodiversidae Jeep da Stellantis South Smerica, cuja proposta é replantar e trazer de volta a Mata Atlântica que existia antes da degradação ambiental causada pela monocultura dos canaviais. A empresa já plantou mais de 150 mil mudas de 295 espécies, incluindo 27 ameaçadas de extinção.

O “Destaque Municipal” desta edição foi para a cidade de Guarujá que, desde de 2022, vem passando por uma grande mudança socioambiental. Tudo isso por causa da instituição de uma lei – a chamada “Lei do Programa Reciclou Ganhou!” que garantiu a continuidade política do projeto local. A ação, pioneira no Brasil, também capacitou seus colaboradores como agentes ambientais.

O projeto vencedor na categoria “Melhor Exemplo em ESG” vem do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte – BH Airport que já não queima mais 201 mil litros por ano de óleo diesel no solo. O Projeto de Descarbonização vem provando que é possível e econômico diminuir o gás carbônico que o setor elimina nos céus do planeta. Com as devidas providências que tomou, somente em 2023, o BH Airport deixou de emitir 563 toneladas de Co2 na atmosfera e colecionam prêmios.

Vem de Uberlândia o “Melhor Exemplo em Saneamento” na forma de um documentário online intitulado: “Sustentabilidade, Desafios de Todos”. Idealizado pelo diretor do Departamento Municipal de Água e Esgoto de Uberlândia (DMAE), Renato Rezende. Não à toa, Uberlândia tornou-se hoje a 5ª cidade brasileira cuja população pode contar com 100% de água e esgotos tratados.

Também é de Uberlândia o “Melhor Exemplo em Água”. Trata-se de um programa que através do DMAE recupera e protege as Áreas de Preservação Permanente (Apps). A iniciativa “Quanto vale a sombra de um Buriti?” é responsável por mais de meio milhão de novas árvores do cerrado, plantadas e monitoradas desde 2008. Produzindo assim, não somente água, mas segurança hídrica para o futuro local e global da sua população.

O prêmio de “Melhor Exemplo de Empresa Parceira em Inovação” foi para a Boston Metal do Brasil, subsidiária integral da Boston Metal, sediada nos Estados Unidos, cuja missão é descarbonizar a produção de aço e transformar a maneira como os metais são feitos sem poluir o planeta.

Na categoria “Mobilização Social”, o premiado foi o geógrafo e articulista político, Mário Mantovani, um dos mais respeitados personagens da história ambiental brasileira. Ele foi fundador e diretor de mobilização social da Fundação SOS Mata Atlântica durante 31 anos e é o atual diretor da fundação florestal do Estado de São Paulo.

Com o projeto Raízes do Vale a Aperam Bioenergia foi a vencedora na categoria “Melhor Empresa”. Um projeto alinhado com o segundo objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU – Fome Zero e Agricultura Sustentável – que está impactando o Vale do Jequitinhonha, propiciando o cultivo de diversas culturas agrícolas de agricultura familiar nas áreas produtivas da empresa.

Fundador do Ibiti Projeto, uma experiência socioambiental que acontece ao redor do parque Estadual do Ibitipoca, na Zona da Mata mineira, Renato Machado ganhou o prêmio de “Melhor Empresário em Ecoturismo”. Tudo começou em 1984, quando ele comprou uma fazenda e, além de uma sofisticada pousada rural, também transformou a área colada ao Parque Estadual em uma reserva ambiental privada. Desde então, passou a comprar e investir em mais terras ameaçadas. O resultado foi a criação de um cinturão verde que hoje protege e contém o avanço da degradação no entorno do parque. A área total adquirida e preservada pelo empresário já é quatro vezes maior que a deste seu vizinho natural, o Parque Estadual do Ibitipoca.

O “Melhor Exemplo em Amor à Natureza” foi para o lado artístico-cultural do Ibiti Projeto. Trata-se de uma galeria de arte a céu aberto, que virou um cartão de visitas internacional, por hospedar uma exposição descomunal: uma ‘big family’, instalada pela artista norte-americana Karem Cusolito. São sete esculturas gigantes e humanizadas que tornou o Ibiti Projeto mais conhecido mundo a fora, por sua pegada ampla e sustentável.

Continue Lendo

Gente do Meio

Liderança Sustentável na Era Digital: Perfis Inspiradores de Cristal Muniz, Marcela Rodrigues e Fe Cortez

Explorando as Jornadas Pessoais e Impactos Globais das Maiores Influenciadoras de Sustentabilidade Online

Publicado

em

 

Nos dias atuais, em que a conscientização ambiental se tornou uma prioridade para a humanidade, a presença de influenciadores desempenha um papel crucial na disseminação de práticas e estilos de vida sustentáveis. Entre esses líderes de opinião, três figuras se destacam de maneira excepcional por seu compromisso inabalável com a sustentabilidade: Cristal Muniz, Marcela Rodrigues e Fe Cortez. Em uma entrevista exclusiva concedida à revista Quem, no âmbito do projeto “Um Só Planeta”, essas influenciadoras compartilharam suas histórias pessoais e revelaram como se interessaram pelo tema e o aplicam em seu dia a dia.

Cristal Muniz: A Defensora Apaixonada da Vida Verde

Cristal Muniz, uma defensora apaixonada da vida verde e fundadora do movimento “Vida Sustentável para Todos”, revelou à Quem como sua infância no interior a despertou para a importância da preservação ambiental. “Crescer em um ambiente rural me ensinou a valorizar os recursos naturais e a entender a interdependência entre o homem e a natureza”, compartilhou Cristal. Sua jornada para se tornar uma influenciadora de sustentabilidade começou com pequenos passos em direção a uma vida mais ecoconsciente. Por meio de suas plataformas de mídia social, ela inspira milhões de seguidores a adotar práticas diárias que promovam um estilo de vida sustentável, desde o consumo consciente até a reciclagem e o apoio a iniciativas locais de preservação ambiental.

Marcela Rodrigues: A Visionária das Cidades Verdes do Futuro

Marcela Rodrigues, uma visionária no campo da urbanização sustentável e cofundadora da ONG “Cidades Verdes do Futuro”, revelou em sua entrevista como sua formação em arquitetura a impulsionou a explorar soluções criativas para tornar as cidades mais amigas do meio ambiente. “A arquitetura oferece uma oportunidade ímpar de repensar a maneira como construímos nossas comunidades, considerando os impactos ambientais a longo prazo”, compartilhou Marcela. Sua missão é promover a criação de espaços urbanos que sejam ecologicamente responsáveis, energeticamente eficientes e socialmente inclusivos. Por meio de campanhas educacionais e projetos de reurbanização, ela espera catalisar uma mudança positiva nas cidades do mundo todo, abrindo caminho para um futuro mais sustentável.

Fe Cortez: A Defensora Incansável da Moda Ética e Sustentável

Fe Cortez, uma defensora incansável da moda ética e sustentável e criadora da plataforma “Moda Consciente”, revelou como sua paixão pela moda a levou a questionar as práticas insustentáveis da indústria. “A moda tem um impacto enorme no meio ambiente e nas comunidades produtoras em todo o mundo. Precisamos repensar radicalmente a maneira como consumimos e produzimos roupas”, afirmou Fe. Ela usa sua plataforma online para educar os consumidores sobre as práticas de produção sustentável e promover marcas que priorizam a transparência e a ética em toda a cadeia de suprimentos. Seu objetivo é criar uma consciência coletiva em torno da importância de optar por opções de moda responsáveis, que não comprometam o bem-estar humano e ambiental.

Essas três influenciadoras exemplares, Cristal Muniz, Marcela Rodrigues e Fe Cortez, estão moldando o cenário da sustentabilidade digital e inspirando uma nova geração de defensores do meio ambiente. Seus esforços coletivos são um lembrete poderoso de que a preservação do nosso planeta é responsabilidade de todos, e cada ação individual pode contribuir para um futuro mais sustentável e próspero para as gerações vindouras.

 

 

Continue Lendo

Gente do Meio

ADEUS, ORLANDO BRITO

Publicado

em

 

O céu de Brasília amanheceu lindo, azul e com muita luz.
Mas nossos corações acordaram tristes, meio sem rumo e repassando um filme de saudades ao relembrar a figura serena, solidária, tranquila, genial e amiga de Orlando Brito.
Que você vá em paz, amigo Britinho.
Seu legado, sua história e seu rico acervo fotográfico e editorial sobre a História recente do Brasil e de Brasília está eternizado.
Nossa mesa dos almoços das sextas-feiras, que já teve um vazio imenso com a despedida do arquiteto Carlos Magalhães da Silveira, em junho do ano passado, agora sofre um outro esvaziamento pela passagem de Orlando Brito.
Num espaço de semana, o fotojornalismo brasileiro fica mais pobre, meio sem graça e nossos olhares reclamam as imagens fantásticas que brotavam das lentes Orlando Brito e Dida Sampaio.
Muito triste!
Orlando deixou livros, causos e histórias. Seu mais recente livro é CORPO E ALMA. Deixou ainda: PERFIL DO PODER (1982), SENHORAS E SENHORES (1992), PODER, GLÓRIA E SOLIDÃO (2002) e ILUMINADA CAPITAL (2003).
Adeus, Orlando Brito. Siga em paz!
FOTO:
Da direita para a esquerda:
Orlando Brito, Paulo Castelo Branco, Silvestre Gorgulho, Lucas Antunes, Cláudio Gontijo, Carlos Magalhães da Silveira, Denise Rothemburg, Reginaldo Oscar de Castro e Austen Branco. Fora da foto, porque chegou mais tarde, a secretária Helvia Paranaguá.
Pode ser uma imagem de 6 pessoas, pessoas sentadas e ao ar livre
Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010