Reportagens

Friedrich von Martius na internet

http://florabrasiliensis.cria.org.br

Publicado

em

Silvestre
Gorgulho
, de
Brasília

Flora Brasiliensis, a mais importante
obra botânica do mundo, está
na internet. É a biodiversidade brasileira
apresentada no encontro da biodiversidade
mundial, pois o projeto foi lançado
em 22 de março – Dia Mundial da Água
e na abertura do encontro da biodiversidade,
ou da Conferência das Partes (COP 8)
em Curitiba. Assim, entrou no ar a obra do
naturalista Carl Friedrich Philipp von Martius.
E importante: de graça. Os internautas
terão direito a todas as ferramentas
mais modernas de pesquisa on line. Flora Brasiliensis
reúne descrições de 22.767
espécies, de um total estimado de 50
mil existentes em território brasileiro.
A obra traz 3.811 pranchas com desenhos detalhados
de plantas com suas folhas, flores, frutos
e sementes.

O
projeto Flora Brasiliensis On-Line foi financiado
pela Fundação de Amparo à
Pesquisa do Estado de São Paulo – Fapesp,
pela Natura Cosméticos e pela Vitae
Apoio à Cultura, Educação
e Promoção Social. A digitalização
das imagens foi feita pelo Jardim Botânico
de Missouri, EUA. Em alta resolução
e com grande riqueza de detalhes, os desenhos
poderão ser consultados pelo nome científico
de cada espécie, pelo volume ou pela
página da obra impressa.

Na opinião de Vanderlei
Canhos, diretor-presidente do CRIA, o trabalho
de von Martius foi um exemplo de cooperação
internacional no século 19. “No
século 21, o Flora Brasiliensis On-Line
retoma e atualiza esse tipo de colaboração,
em alto nível e larga escala, usando
tecnologias de compartilhamento de dados”,
afirma.

Para Canhos, os avanços
em informática permitiram a montagem
não apenas de um site, mas de um ambiente
colaborativo que será usado por pesquisadores
de diversos países para avançar
no conhecimento da diversidade vegetal brasileira.

Segundo o diretor científico
da Fapesp, Carlos Henrique de Brito Cruz,
“o projeto conecta um dos maiores trabalhos
sobre biodiversidade jamais produzidos com
um dos principais programas mundiais de pesquisa
em biodiversidade – o Biota/FAPESP – , ao
mesmo tempo em que oferece ao público
os resultados da obra original”. Explica
o biólogo que o Flora Brasiliensis
On-Line é o primeiro passo de um longo
processo para elaborar uma lista atualizada
e completa das plantas que existem no Brasil.
Só o trabalho de atualização
das nomenclaturas contidas na obra de von
Martius levará cerca de cinco anos.
Para o botânico da Unicamp, George Shepherd
“os taxonomistas, que descrevem e classificam
organismos, dependem de obras históricas,
restritas a bibliotecas e herbários
no exterior. O site faz parte de um trabalho
de integração de dados de muitos
países, num esforço para renovar
a taxonomia, derrubando barreiras que impedem
o desenvolvimento da área”.

O desenvolvimento e gerenciamento
do grande banco de dados reunido pelo Flora
Brasiliensis On-Line está sob a responsabilidade
do Centro de Referência em Informação
Ambiental Um banco de imagens de plantas vivas
no campo e de amostras existentes em herbários,
associadas às imagens das pranchas
digitalizadas, está em andamento. Shepherd
concorda e afirma que o projeto não
é importante apenas para que o Brasil
conheça melhor a sua biodiversidade,
mas para que os países vizinhos façam
o mesmo. “Plantas não conhecem
fronteiras”, diz o pesquisador.

MARTIUS E SPIX
Carl Friedrich Philipp von Martius nasceu
na Bavária e veio para o Brasil junto
com zoólogo Johans Baptist von Spix,
na comitiva que trouxe a Grã-Duquesa
austríaca Leopoldina, para casar-se
com D. Pedro I. Esses dois jovens foram encarregados
pelo rei da Bavária, Maximiliano José,
um grande admirador das ciências naturais,
a fazer um levantamento o mais completo possível
da natureza tropical.

De 1817 a 1820, Martius e Spix
se embrenharam pelo interior do Brasil e percorreram
juntos as regiões do Rio de Janeiro,
São Paulo, Minas Gerais, Goiás,
Pernambuco, Piauí, Pará e Amazonas.
Na verdade, Martius e Spix visitaram quase
todos os ecossistemas brasileiros: Mata Atlântica,
Cerrado, Caatinga e Floresta Amazônica.
Faltou conhecer apenas os Campos do Sul e
Pantanal.

Martius morreu aos 74 anos,
sem terminar a obra, que foi concluída
por uma equipe de 65 cientistas de vários
países, coordenada por August Wilhelm
Gichler e Ignaz Urban, em 1906.

Summary

Friedrich von Martius
on the Internet

Flora Brasiliensis, compiled
and written by the naturalist Carl Friedrich
Philipp von Martius, the most important botanical
compendium in the world, is now available
on the Internet. It is Brazilian biodiversity
within the world biodiversity. The project
launch was on March 22, coinciding with World
Water Forum and the opening of the biodiversity
forum at the Conference of Parts (COP 8) held
in Curitiba. This collection of 22,767 species
and their descriptions of a total of 50,000
existing species throughout Brazilian territory
is now free for use by internet navigators
and on line internet research using the most
modern search tools. The work includes 3,811
detailed illustrations of plants as well as
their leaves, flowers, fruits and seeds.

The Flora Brasiliensis On-Line
project was financed by the Fundação
de Amparo à Pesquisa do Estado de São
Paulo – FAPESP (Foundation for the Support
to Research), by the company, Natura Cosméticos
(a natural cosmetics company) and Vitae Apoio
à Cultura, Educação e
Promoção Social (a support,
educational and social promotion organization).
The digitalized images were prepared by the
Botanical Gardens in Missouri, USA. The designs
are in high resolution and a display wealth
of details of and each species, which can
be looked up according to their scientific
names, volume or printed page number.

In the opinion of Vanderlei
Canhos, director president of CRIA, the work
by von Martius served as an example of international
cooperation in the 19th century. In the 21st
century, the Flora Brasiliensis On-Line renewed
and modernized this type of collaboration
on a high level and grand scale using data
sharing technologies,” stated Canhos.
In his opinion, these advances in information
technology, gathering not only the site but
the collaborative environment in which it
was conducted, will be used by researchers
from a number of countries to further knowledge
of Brazilian plant life diversity.

According to the scientific
director of FAPESP, Carlos Henrique de Brito
Cruz, ” the project connects one of the
greatest works about biodiversity ever produced
with one of the most important world biodiversity
research programs – Biota/FAPESP – and at
the same time offers the public the results
of the original work.” The biologist
further explained that the Flora Brasiliensis
On-Line is the first step in a long process
of preparing an updated and comprehensive
listing of the plants that exist in Brazil.

 

Continue a Ler
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Comedouros Criativos

A alimentação complementar aumenta a diversidade nas cidades

Publicado

em

 

Importante lembrar que aquele hábito antigo de colocar ração ou frutas em um recipiente fora de casa para atrair os passarinhos, não era capricho das nossas avós: essa prática de fato beneficia as espécies a longo prazo. A revista científica “Nature Communications” monitorou voluntários que, durante quatro décadas, gostavam de alimentar pássaros em comedouros de jardins e praças urbanas do Reino Unido. O estudo foi publicado comprovando que o número de pássaros não só aumentou como outras variedades se aproximaram e sobreviveram às intempéries e ao forte avanço dos centros urbanos.

No Brasil, que não tem um inverno tão forte, ocorre fenômeno semelhante. Um fato de fácil constatação é que o número de espécies que não frequentam a “boca-livre” permaneceu estável. Também não há aumento na quantidade de pássaros em regiões onde os comedouros não são tão comuns.

Nos comedouros preparados por Johan Dalgas Frisch na sua casa, no centro de São Paulo, logo ao amanhecer, as primeiras interessadas que chegam logo ao amanhecer são as jandaias.

 

HIGIENTE É IMPORTANTE

Mas há um dado significativo e essencial: a higiene dos comedouros é super importante. Não basta colocar alimentos nos jardins de sua casa e garantir a alimentação diária às aves. A má higiene dos comedouros pode contribuir para a transmissão de doenças entre as aves e atrair animais não desejáveis como ratos. Por isso, certifique-se de que o seu comedouro esteja sempre limpinho.

 

AS LIÇÕES DE ROBERTO HARROP

Os comedouros para aves podem ser sofisticados e muito simples. Podem servir de objetos de decoração e algo bem natural como simplesmente colocar um pedaço de frutas espetados num galho de árvore.

 

O cientista social e pesquisador de mercado Roberto Harrop é fascinado por aves. Pernambucano do Recife, tem residência no Condomínio Bosque Águas de Aldeia, onde se dedica a estudar, alimentar, proteger e fotografar as aves da região.

 

Roberto Harrop faz do estudo, da pesquisa e da proteção da natureza seu meio de vida. Na região onde mora, são centenas de espécies de aves , sendo quase cem já fotografadas por Roberto Harrop. Muitas delas compõem seu livro ALVES DE ALDEIA – ORNITOLOGIA DA NAÇÃO PERNAMBUCANA.

 

AVES DE ALDEIA seleciona 75 pássaros do universo ornitológico plantados na aldeia pernambucana onde Roberto Harrop colhe todas as manhãs pelo seu olhar ornitófilo.

 

No prefácio da publicação, o ornitólogo Johan Dalgas Frisch foi muito feliz ao dizer: “… As aves são assim: provocam paixões e despertam encantamento. As aves alimentam a alma humana de humildade, criatividade, engenho e de amor à natureza”.

 

 COMEDOUROS DECORATIVOS

Alguns tipos de comedouros criativos e decorativos que atraem aves até às varandas e jardins das casas.

 

Continue a Ler

Reportagens

Pantanal apoia primeira brigada comunitária

Primeira brigada comunitária de São Pedro de Joselândia, no Pantanal de MT, será formada neste fim de semana

Publicado

em

 

Sesc Pantanal

Treinamento da SOS Pantanal, em parceria com o Polo Socioambiental Sesc Pantanal, acontece nos dias 19, 20 e 21 de junho

 

Começa neste final de semana, o treinamento para a formação da primeira brigada comunitária de São Pedro de Joselândia (171 km de Cuiabá), distrito de Barão de Melgaço, no Pantanal mato-grossense.

A turma de 28 pessoas, que inclui moradores e guarda-parques da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN Sesc Pantanal), faz parte da iniciativa do Instituto SOS Pantanal para estabelecer 28 brigadas no bioma.

São Pedro de Joselândia faz divisa com a RPPN, unidade do Polo Socioambiental Sesc Pantanal que é parceiro da ação e responsável pelos equipamentos doados pela SOS Pantanal em benefício da comunidade. A RPPN Sesc Pantanal é a maior reserva natural privada do país, com 108 mil hectares, e também está localizada no município de barão de Melgaço.

COMBATE À INCÊNDIOS FLORESTAIS
As brigadas serão treinadas com apoio do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos recursos naturais renováveis (Ibama), em convênio com a SOS Pantanal. Também apoiam o treinamento o Corpo de Bombeiros e o Serviço Florestal dos Estados Unidos.

A capacitação consiste em duas etapas. A primeira é uma parte teórica, onde são passadas as instruções e os procedimentos para organização das equipes durante o combate. A segunda é a parte prática, onde os brigadistas aprendem no campo como funciona o combate às chamas.

 

BRIGADAS PANTANEIRAS

Durante os meses de junho e julho, a SOS Pantanal capacitará cerca de 200 brigadistas, em 8 municípios diferentes de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. As brigadas estão espalhadas nos principais pontos onde historicamente o fogo é mais intenso e recorrente.

 

SESC PANTANAL

Com 20 anos de experiência na prevenção e combate a incêndios no Pantanal, a Brigada Sesc Pantanal também fará parte da formação. A instituição já realizou no mês de maio a sua capacitação anual de novos brigadistas, em Poconé e Barão de Melgaço, que faz parte das ações preventivas do Polo para a temporada da seca no bioma. Realizada em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso, a formação foi destinada a 40 pessoas, entre guarda-parques, funcionários de fazendas e comunidades rurais e pantaneiras.

 

 

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

Meu amigo Orlando Villas-Bôas seu nome é paz!

Carta de saudade

Publicado

em

 

A vida ensina sempre. Ensinou a você, Orlando, Álvaro, Leonardo e Claudio, ensina a mim e ensina aos nossos filhos. Uma das coisas que aprendi é que só a saudade faz a gente parar no tempo. Sua despedida neste 12 de dezembro 2003, me fez voltar ao mesmo dezembro de 1972, quando você, que tinha acabado de chegar das margens do rio Peixoto, no Xingu, onde contactava os Krenhacãrore, pegou uma kombi em São Paulo e foi para Belo Horizonte paraninfar a turma de Comunicação da UFMG 1972. Por três dias ficou hospedado na minha “república” no 26ª andar do edifício JK, na praça Raul Soares.

À véspera da formatura, 20 de dezembro de 1972, meus 29 colegas e eu tivemos uma verdadeira Aula Magna de Brasil. Foi a mais importante aula dos meus quatro anos de universidade. A aula que direcionou meu caminhar profissional: o jornalismo de meio ambiente. Éramos 30 formandos que, na véspera da grande festa, sentamos no chão do meu apartamento, em círculo como nas tribos, para embevecidos escutar você falando de florestas, de índios, de brancos, de rios, de solidariedade e de bichos.

Sua primeira lição foi, para mim, ex-seminarista, um susto:

“Desde o Descobrimento o homem branco destrói a cultura indígena. Primeiro para salvar sua alma, depois para roubar sua terra”.

Depois vieram as perguntas para matar nossas curiosidades. Suas respostas doces, duras e definitivas vinham aquecidas pela vasta vivência de décadas na Amazônia, como último dos pioneiros da saga da expedição Roncador/Xingu. Eram ouvidas com máxima atenção:

“Foram os índios que nos deram um continente para que o tornássemos uma Nação. Temos para com os índios uma dívida que não está sendo paga”.

“Não fosse a Escola Paulista de Medicina, a Força Aérea Brasileira e a nossa teimosia, muitas tribos já teriam sido aniquiladas”.

“O Serviço de Proteção ao Índio, no Brasil, nunca teve lugar seguro: começou no Ministério da Guerra, com o Marechal Rondon. Depois foi transferido para o Ministério da Agricultura, estagiou no Ministério do Interior e estacionou no Ministério da Justiça. Como o próprio índio, esse serviço parece um estorvo”.

“O índio só pode sobreviver dentro de sua própria cultura”.

 

AMIGO ORLANDO, você junto com Leonardo, Álvaro e Cláudio, irmãos aventureiros na solidariedade, sempre devem estar relembrando histórias fantásticas. Para os índios, vocês vão se juntar ao Sol e ao trovão para virar lenda. E, para os brancos, deixam uma lição de vida e de coragem.

Das lições daquela noite de 20 de dezembro de 1972, eu guardo uma muito especial. Em vez de ensinar, o homem branco deveria ter humildade para aprender. Você falava da harmonia em uma tribo:
“O velho é o dono da história, o homem é o dono da aldeia e a criança é a dona do mundo”.

 

Meu amigo, obrigado pelas lições dadas há exatos 49 anos.

Obrigado por você ter me apresentado o Brasil e ensinado a ser brasileiro.

Nunca mais vou esquecer que para a criança ser a dona do mundo, nós temos que seguir seu exemplo de garra, de audácia e de aventura para defender nossas culturas, conservar nossa diversidade, preservar nossas florestas, proteger nossos rios e contactar sempre em nome da paz.

A PAZ não se pode manter pela violência e pela força, mas sim pelo respeito, pela tolerância e pela serenidade.

 

MEU AMIGO ORLANDO VILLAS-BÔAS. SEU NOME É PAZ!

 

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010