Reportagens

A revitalização do Parque do Itatiaia

Ministra Marina Silva que estender a outros Parques Nacionais licença de parceria com a iniciativa privada para investir e explorar o potencial turístico

Publicado

em

Fotos
de Marcos Sá Correa


Abaixo,
a Pedra da Tartaruga, na parte alta
do Parque do Itatiaia, e a vegetação
característica de Mata Atlântica
na parte baixa do Parque


 

Silvestre Gorgulho,
de Brasília
O Ministério do Meio Ambiente resolveu
agir e revitalizar a primeira unidade de conservação
criada no Brasil: o Parque Nacional do Itatiaia,
localizado na serra da Mantiqueira, divisa
do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas
Gerais. A ministra Marina Silva lançou,
dia 12 de abril, na sede do Parque, várias
ações elaboradas pela Diretoria
de Áreas Protegidas do MMA, marcando
o início das comemorações
pelos 70 anos do Itatiaia. Foi assinada uma
portaria com as Diretrizes para Visitação
em Unidades de Conservação e
um compromisso de programa de reformas para
o Parque.

Criado em junho de 1937 pelo
então presidente Getúlio Vargas,
o Parque Nacional do Itatiaia foi a primeira
unidade de conservação criada
no Brasil. Abrange uma área de cerca
de 30 mil hectares, que guarda centenas de
nascentes, formações rochosas
(como o pico das Agulhas Negras), além
de uma importante reserva de Mata Atlântica,
refúgio para uma rica fauna, incluindo
o sapo flamenguinho (Melanophryniscus moreirae),
espécie que só existe na região.

 

Jefferson
Rudy


Marina Silva anunciou
no Parque do Itatiaia o programa de
uso público dos parques nacionais

Pelo documento assinado pela
ministra, o MMA propõe o desenvolvimento
do turismo nessas áreas de forma compatível
com um dos principais objetivos do Sistema
Nacional de Unidades de Conservação
da Natureza (Snuc): a preservação
da biodiversidade. Segundo Marina Silva, o
governo entende que a atividade, cuja demanda
vem crescendo a cada ano, pode gerar recursos
para a conservação da natureza
nas UCs e ainda potencializar o uso sustentável
dos serviços vinculados aos ecossistemas.

Os recursos para as obras são
provenientes de compensações
ambientais. No pacote de obras, a ministra
assinou termo de compromisso com a empresa
Novatrans no valor de R$ 3 milhões
e Furnas, no valor de R$ 500 mil. Os recursos
vão ser aplicados na ampliação
do centro de visitantes, que possui uma biblioteca
com obras raras, auditório para 50
pessoas, um museu para abrigar dezenas de
espécies empalhadas da Mata Atlântica,
e também na reforma de trilhas e estradas
e nova sinalização.

Durante a solenidade, a ministra
Marina Silva fez o pré-lançamento
do Programa Nacional de Estruturação
de Uso Público em Parques Nacionais,
com ações para expandir a visitação
de turistas brasileiros e estrangeiros aos
parques nacionais.

A idéia – explicou a
ministra Marina – é conceder à
iniciativa privada licença para investir
e explorar o potencial turístico desses
parques. O Parque Nacional do Itatiaia, da
Tijuca e da Serra dos Órgãos
(RJ), o Parque Nacional do Iguaçu (PR),
Abrolhos (BA), além do Arquipélago
de Fernando de Noronha serão as primeiras
unidades beneficiadas. A ministra também
anunciou a mais nova Unidade de Conservação
criada pelo governo federal, em fevereiro
deste ano: a Estação Ecológica
Guanabara.

A área de proteção
integral de uso sustentável vai proteger
os últimos remanescentes do manguezal
no estado do Rio de Janeiro, além de
permitir o repovoamento das espécies
de peixes.

Nas belas terras do
Visconde

As atrações da Mantiqueira:
a parte alta e a parte baixa do Parque Nacional
do Itatiaia

Silvestre Gorgulho
Visconde de Mauá é hoje um belo
e pequeno município encravado na serra
da Mantiqueira, com charmosíssimas
pousadas, que faz divisa com o município
mineiro de Aiuruoca, do outro lado do espinhaço.
Visconde de Mauá foi o que sobrou em
nome e sobrenome de todas as terras do empresário
Irineu Evangelista de Souza, o Visconde de
Mauá. Foi seu filho, Henrique Irineu
de Souza, que instalou os dois núcleos
coloniais: Visconde de Mauá e Itatiaia.
Em 1908, a Fazenda Nacional adquiriu essas
terras para a criação dos núcleos.
De um lado e de outro, a serra da Mantiqueira
é exuberante em atrações
naturais. É um dos mais importantes
maciços montanhosos do País
que se espalha pelas divisas de São
Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Sua
linha de cumes começa no de Bragança
Paulista seguindo na direção
norte-nordeste por uns 500km, até a
cidade mineira de Barbacena. Nesse contexto
geológico, a Mantiqueira forma picos,
vales, planaltos e uma paisagem de encher
os olhos. O nome Mantiqueira vem do tupi-guarani
e se justifica pela grande quantidade de nascentes,
riachos, cachoeiras e lagos que se formam
em suas encostas: é a “Serra que
chora”. Já Itatiaia, também
vem do tupi-guarani e significa “Pedra
com pontas”.

Entre 1908 e 1916, foi instalado
na região do Parque Nacional do Itatiaia
um programa de fixação de europeus,
chamado de Serviço de Povoamento do
Solo Nacional. Ocuparam os núcleos
coloniais imigrantes suíços,
alemães, austríacos e ibéricos.
Como o empreendimento não foi bem,
as terras foram para o Ministério da
Agricultura que, em 1929, criou uma Estação
Biológica subordinada ao Jardim Botânico
do Rio de Janeiro.
Desde 1913, já havia uma idéia
do botânico Alberto Lofgren de transformar
as terras em Parque Nacional. Ainda neste
ano, José Umbmayer advogou essa causa,
através de uma conferência realizada
na Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro,
que contou com apoio e simpatia de Derby Lofgren
e o Barão Homem de Melo. Mas somente
em 1937, o então presidente Getúlio
Vargas criou o primeiro Parque Nacional do
Brasil – o Parque do Itatiaia.

Ecoturismo
Toda a região da Mantiqueira, em São
Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro é
muito procurada pelos ecoturistas, que buscam
desfrutar de um clima europeu, paisagens deslumbrantes,
pousadas de charme, culinária típica
e opções de passeios em trilha,
canoagem, rapel e banhos de cachoeira. Em
Minas, criou-se – além da APA da Mantiqueira
– um conceito turístico de Terras Altas
da Mantiqueira, que engloba nove municípios
chaves: Itamonte, Passa Quatro, Itanhandu,
Virgínia, Alagoa, Pouso Alto, São
Sebastião do rio Verde, Delfim Moreira
e Marmelópolis.

Atrações
na parte baixa do Parque

Lago Azul
Essa atração é uma piscina
natural do rio Campo Belo e fica bem próxima
do centro de visitantes. A trilha é
bem acessível, mas há uma escadaria
com aproximadamente 120 degraus.

Cachoeira Poranga
Partindo do centro de visitantes, a cachoeira
Poranga fica a 2,5 km subindo a partir do
Centro de Visitantes. Uns 450 metros depois
têm outra piscina natural que cai pelo
rio Campo Belo.
Devido o acesso difícil, tanto das
trilhas como das atrações, os
visitantes devem ter alguma experiência,
mesmo assim devem tomar muito cuidado.

Maromba
A 4km do centro de visitantes está
o complexo do rio Maromba, onde podem ser
encontrados uma piscina natural de Maromba
(1.110 metros de altitude) a cachoeira de
Itaporani e a famosa cachoeira Véu
de Noiva.
Segundo orientação do próprio
diretor do Parque do Itatiaia, Walter Behr,
os Três Picos é um outro atrativo
a que se pode ter acesso. Mas leva um dia
de caminhada, numa trilha íngreme de
6 km por dentro da Mata Atlântica. O
lugar é especial e oferece uma boa
visão do vale do Rio Paraíba,
do Parque e dos contrafortes da Serra da Mantiqueira
e da Serra do Mar. Todos esses acessos para
ser mais seguro devem ser feitos na companhia
de um guia local.
Na parte baixa ainda pode ser visitada a Pedra
de Fundação, que está
à beira da estrada, em frente ao portão
de acesso à Sede do Parque. E também
o Mirante do Último Adeus. Local com
uma vista panorâmica e privilegiada
do Parque, do Vale do rio Campo Belo e da
Serra do Mar.
O diretor Walter Behr ressalta que em épocas
de chuva sempre há que ter mais cuidado
devido as chamadas de cabeças d’água,
que é um fenômeno decorrente
do acúmulo de água na cabeceira
do rio, provocando uma enchente repentina.

Atrações
na parte alta do Parque

O acesso à parte alta
se dá pela via Dutra (Rio-São
Paulo) entrando em Engenheiro Passos, tomando
a rodovia para São Lourenço
e Caxambu. Na divisa com Minas Gerais, na
chamada Garganta do Registro, tem início
a estrada de terra de 13km que chega à
entrada do Parque.
Lá em cima, a 2.400 metros de altitude
nasce o rio Campo Belo, que percorre 38 km
pelo Parque e abastece a cidade de Itatiaia.
É ele o principal responsável
pelo equilíbrio da fauna, flora e forma
a maior parte das belezas naturais do Parque.

Pico das Agulhas Negras
e Maciço das Prateleiras

Na Parte Alta também encontramos o
Pico das Agulhas Negras (2.791 metros de altitude)
e o Maciço das Prateleiras (2.548 metros
de altitude). Quando o tempo está limpo,
que é difícil por causa da neblina
e das nuvens, pode-se avistar todo o vale
do rio Paraíba. À noite, pelos
focos de iluminação, pode-se
um grande número de cidades.
Próximo às Prateleiras – formada
por imponentes blocos de rochas – existem
diversos lagos e curiosas formações
rochosas como a Pedra da Tartaruga, a Pedra
da Maçã e a Pedra Assentada.

Vale do Aiuruoca e Pedra
do Altar

Vale ressaltar a importância de ter
um guia experiente para evitar contratempos
na visita, inclusive o risco de se perder.
Do lado oeste da Serra da Mantiqueira, ou
seja, do lago de Minas Gerais está
o vale do Aiuruoca, com muitas nascentes,
formações rochosas, cachoeiras
e lagos.
Outra atração muito visitada
é a Pedra do Altar, a 2.530 metros
de altitude, que tem um difícil grau
de acesso.

Continue a Ler
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Comedouros Criativos

A alimentação complementar aumenta a diversidade nas cidades

Publicado

em

 

Importante lembrar que aquele hábito antigo de colocar ração ou frutas em um recipiente fora de casa para atrair os passarinhos, não era capricho das nossas avós: essa prática de fato beneficia as espécies a longo prazo. A revista científica “Nature Communications” monitorou voluntários que, durante quatro décadas, gostavam de alimentar pássaros em comedouros de jardins e praças urbanas do Reino Unido. O estudo foi publicado comprovando que o número de pássaros não só aumentou como outras variedades se aproximaram e sobreviveram às intempéries e ao forte avanço dos centros urbanos.

No Brasil, que não tem um inverno tão forte, ocorre fenômeno semelhante. Um fato de fácil constatação é que o número de espécies que não frequentam a “boca-livre” permaneceu estável. Também não há aumento na quantidade de pássaros em regiões onde os comedouros não são tão comuns.

Nos comedouros preparados por Johan Dalgas Frisch na sua casa, no centro de São Paulo, logo ao amanhecer, as primeiras interessadas que chegam logo ao amanhecer são as jandaias.

 

HIGIENTE É IMPORTANTE

Mas há um dado significativo e essencial: a higiene dos comedouros é super importante. Não basta colocar alimentos nos jardins de sua casa e garantir a alimentação diária às aves. A má higiene dos comedouros pode contribuir para a transmissão de doenças entre as aves e atrair animais não desejáveis como ratos. Por isso, certifique-se de que o seu comedouro esteja sempre limpinho.

 

AS LIÇÕES DE ROBERTO HARROP

Os comedouros para aves podem ser sofisticados e muito simples. Podem servir de objetos de decoração e algo bem natural como simplesmente colocar um pedaço de frutas espetados num galho de árvore.

 

O cientista social e pesquisador de mercado Roberto Harrop é fascinado por aves. Pernambucano do Recife, tem residência no Condomínio Bosque Águas de Aldeia, onde se dedica a estudar, alimentar, proteger e fotografar as aves da região.

 

Roberto Harrop faz do estudo, da pesquisa e da proteção da natureza seu meio de vida. Na região onde mora, são centenas de espécies de aves , sendo quase cem já fotografadas por Roberto Harrop. Muitas delas compõem seu livro ALVES DE ALDEIA – ORNITOLOGIA DA NAÇÃO PERNAMBUCANA.

 

AVES DE ALDEIA seleciona 75 pássaros do universo ornitológico plantados na aldeia pernambucana onde Roberto Harrop colhe todas as manhãs pelo seu olhar ornitófilo.

 

No prefácio da publicação, o ornitólogo Johan Dalgas Frisch foi muito feliz ao dizer: “… As aves são assim: provocam paixões e despertam encantamento. As aves alimentam a alma humana de humildade, criatividade, engenho e de amor à natureza”.

 

 COMEDOUROS DECORATIVOS

Alguns tipos de comedouros criativos e decorativos que atraem aves até às varandas e jardins das casas.

 

Continue a Ler

Reportagens

Pantanal apoia primeira brigada comunitária

Primeira brigada comunitária de São Pedro de Joselândia, no Pantanal de MT, será formada neste fim de semana

Publicado

em

 

Sesc Pantanal

Treinamento da SOS Pantanal, em parceria com o Polo Socioambiental Sesc Pantanal, acontece nos dias 19, 20 e 21 de junho

 

Começa neste final de semana, o treinamento para a formação da primeira brigada comunitária de São Pedro de Joselândia (171 km de Cuiabá), distrito de Barão de Melgaço, no Pantanal mato-grossense.

A turma de 28 pessoas, que inclui moradores e guarda-parques da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN Sesc Pantanal), faz parte da iniciativa do Instituto SOS Pantanal para estabelecer 28 brigadas no bioma.

São Pedro de Joselândia faz divisa com a RPPN, unidade do Polo Socioambiental Sesc Pantanal que é parceiro da ação e responsável pelos equipamentos doados pela SOS Pantanal em benefício da comunidade. A RPPN Sesc Pantanal é a maior reserva natural privada do país, com 108 mil hectares, e também está localizada no município de barão de Melgaço.

COMBATE À INCÊNDIOS FLORESTAIS
As brigadas serão treinadas com apoio do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos recursos naturais renováveis (Ibama), em convênio com a SOS Pantanal. Também apoiam o treinamento o Corpo de Bombeiros e o Serviço Florestal dos Estados Unidos.

A capacitação consiste em duas etapas. A primeira é uma parte teórica, onde são passadas as instruções e os procedimentos para organização das equipes durante o combate. A segunda é a parte prática, onde os brigadistas aprendem no campo como funciona o combate às chamas.

 

BRIGADAS PANTANEIRAS

Durante os meses de junho e julho, a SOS Pantanal capacitará cerca de 200 brigadistas, em 8 municípios diferentes de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. As brigadas estão espalhadas nos principais pontos onde historicamente o fogo é mais intenso e recorrente.

 

SESC PANTANAL

Com 20 anos de experiência na prevenção e combate a incêndios no Pantanal, a Brigada Sesc Pantanal também fará parte da formação. A instituição já realizou no mês de maio a sua capacitação anual de novos brigadistas, em Poconé e Barão de Melgaço, que faz parte das ações preventivas do Polo para a temporada da seca no bioma. Realizada em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso, a formação foi destinada a 40 pessoas, entre guarda-parques, funcionários de fazendas e comunidades rurais e pantaneiras.

 

 

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

Meu amigo Orlando Villas-Bôas seu nome é paz!

Carta de saudade

Publicado

em

 

A vida ensina sempre. Ensinou a você, Orlando, Álvaro, Leonardo e Claudio, ensina a mim e ensina aos nossos filhos. Uma das coisas que aprendi é que só a saudade faz a gente parar no tempo. Sua despedida neste 12 de dezembro 2003, me fez voltar ao mesmo dezembro de 1972, quando você, que tinha acabado de chegar das margens do rio Peixoto, no Xingu, onde contactava os Krenhacãrore, pegou uma kombi em São Paulo e foi para Belo Horizonte paraninfar a turma de Comunicação da UFMG 1972. Por três dias ficou hospedado na minha “república” no 26ª andar do edifício JK, na praça Raul Soares.

À véspera da formatura, 20 de dezembro de 1972, meus 29 colegas e eu tivemos uma verdadeira Aula Magna de Brasil. Foi a mais importante aula dos meus quatro anos de universidade. A aula que direcionou meu caminhar profissional: o jornalismo de meio ambiente. Éramos 30 formandos que, na véspera da grande festa, sentamos no chão do meu apartamento, em círculo como nas tribos, para embevecidos escutar você falando de florestas, de índios, de brancos, de rios, de solidariedade e de bichos.

Sua primeira lição foi, para mim, ex-seminarista, um susto:

“Desde o Descobrimento o homem branco destrói a cultura indígena. Primeiro para salvar sua alma, depois para roubar sua terra”.

Depois vieram as perguntas para matar nossas curiosidades. Suas respostas doces, duras e definitivas vinham aquecidas pela vasta vivência de décadas na Amazônia, como último dos pioneiros da saga da expedição Roncador/Xingu. Eram ouvidas com máxima atenção:

“Foram os índios que nos deram um continente para que o tornássemos uma Nação. Temos para com os índios uma dívida que não está sendo paga”.

“Não fosse a Escola Paulista de Medicina, a Força Aérea Brasileira e a nossa teimosia, muitas tribos já teriam sido aniquiladas”.

“O Serviço de Proteção ao Índio, no Brasil, nunca teve lugar seguro: começou no Ministério da Guerra, com o Marechal Rondon. Depois foi transferido para o Ministério da Agricultura, estagiou no Ministério do Interior e estacionou no Ministério da Justiça. Como o próprio índio, esse serviço parece um estorvo”.

“O índio só pode sobreviver dentro de sua própria cultura”.

 

AMIGO ORLANDO, você junto com Leonardo, Álvaro e Cláudio, irmãos aventureiros na solidariedade, sempre devem estar relembrando histórias fantásticas. Para os índios, vocês vão se juntar ao Sol e ao trovão para virar lenda. E, para os brancos, deixam uma lição de vida e de coragem.

Das lições daquela noite de 20 de dezembro de 1972, eu guardo uma muito especial. Em vez de ensinar, o homem branco deveria ter humildade para aprender. Você falava da harmonia em uma tribo:
“O velho é o dono da história, o homem é o dono da aldeia e a criança é a dona do mundo”.

 

Meu amigo, obrigado pelas lições dadas há exatos 49 anos.

Obrigado por você ter me apresentado o Brasil e ensinado a ser brasileiro.

Nunca mais vou esquecer que para a criança ser a dona do mundo, nós temos que seguir seu exemplo de garra, de audácia e de aventura para defender nossas culturas, conservar nossa diversidade, preservar nossas florestas, proteger nossos rios e contactar sempre em nome da paz.

A PAZ não se pode manter pela violência e pela força, mas sim pelo respeito, pela tolerância e pela serenidade.

 

MEU AMIGO ORLANDO VILLAS-BÔAS. SEU NOME É PAZ!

 

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010