Poesias

Maria Fernanda Gorgulho – Um rastro de luz e amores

Published

on





 


Um rastro de luz e amores


Silvestre Gorgulho


Era uma vez uma menina muito palhaça,
Tão palhaça que era um festival de humor,
Seus dedinhos sorriam de seu próprio rosto e suas pupilas tremeluziam um brilho de amor.


Era uma vez uma menina muito sapeca,
Tão sapeca para sua idade
Que adorava uma moto incrementada e sempre quis viver em alta velocidade.


Era uma vez uma menina bem artista,
Tão artista que dançava aqui e ali
Seu palco encantado era a praia, a praça, o jardim e até a Sapucaí…


Era uma vez uma menina muito vaidosa
Ah! uma vaidade p´rá ninguém botar defeito
Tão vaidosa que sua mãe vivia escondendo a maquiagem, mas não tinha jeito…


Palhaça, sapeca, artista e vaidosa era uma menina transfigurada em cores.
Bem assim: metade ave e metade onça.
Sua plumagem e canto fascinavam pela capacidade de conquistar sorrisos
Mas, selvagem, enfeitiçava pela capacidade de sepultar temores.


Era uma vez uma menina que, em 21 anos, construiu um rastro de luz e amores.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Poesias

Ao Navegante

Published

on

(Ao assumir a Presidência da República, em 15 de março de 1990, Fernando Collor inovou no marketing pessoal, no exagero ao culto da personalidade e nas suas loucuras por água, por terra e por ar.)



AO NAVEGANTE


Silvestre Gorgulho


Collor que busca aventura
N´água, na terra e no ar
Agora quer muito mais:
Vai voar num Mirrage,
Deixando o som para trás.


Mas se cuide, oh Presidente,
E veja o que você faz.
Esse pessoal também erra
E seus erros são fatais.


Tenha muita paciência
E pense um pouquinho mais:
O Iraque em plena guerra
Perdeu bem menos Mirrage
Do que o Brasil na Paz!


 

Continue Reading

Poesias

Aconcágua serás!

Published

on

(Poesia feita por ocasião da morte dos três alpinistas brasileiros – Mosart Catão, Othon Leonardos e Alexandre Oliveira – que morreram no dia 03 de fevereiro de 1998, quando tentavam o feito inédito de chegar ao cume do Monte Aconcágua pela face sul. Essa poesia foi capa da Folha do Meio Ambiente, edição Ecoturismo – Março de 1998)


 


Aconcágua serás! 


 Silvestre Gorgulho



Meu fascínio é teu desafio
e ambos são os preços para tua glória.
Fascínio e desafio são minhas oportunidades
para fazer amigos e heróis.
Amigos: aqueles que chegam aqui em cima, me acariciam e voltam.
Heróis: aqueles que aqui permanecem
e que, por todo o sempre, dormirão ao meu lado,
dividindo comigo magias e encantos.


Eu sinto falta de meus amigos,
aqueles que me visitam e retornam às suas casas.
Sentirás falta de teus amigos,
aqueles que aqui plantam sua morada.
Não chores por eles.
São meus heróis. Meus escolhidos.
Serão sentinelas brancas,
marcando o território de suas pátrias.
Serão Aconcáguas como eu.


Neste meu céu, sem pássaros e sem flores,
sem o vôo solitário do Condor,
minha natureza é o ar, a pedra, a neve e meus alpinistas.
Sim, meus 85 alpinistas, meus 85 heróis,
que como Mozart, Alexandre e Othon
deram um tempo na sua escalada
e quedaram neste céu para sempre.
Todos eles buscaram a glória. E a tiveram.
Venceram o ermo e a solidão.
Cada um deles tem consigo a bandeira congelada de sua Pátria
que seria desfraldada em calorosas emoções, risos e lágrimas.


Montanhista!
Ao beijar a minha testa,
terás o mundo a teus pés.
Mas, se por acaso, o destino
deixar que repouses ao meu lado,
dorme… dorme, meu herói!
Dorme tranqüilo que velarei por ti eternamente…
Aconcágua serás!


 

Continue Reading

Poesias

Minhas Primas

Published

on

Minhas Primas


Silvestre Gorgulho


Como era bom ver minhas primas
Deitadas em meus poemas…
Eram deusas e musas… Muitas delas
Enfeitiçavam minhas rimas…
Brilharam em noites de chuva,
Em noite de lua e em noite estrelas.
Sempre belas…


Como é bom rever minhas primas
Depois que elas conquistaram o mundo.
Todas realizaram sonhos e deixaram rastros.
São cometas de um luzir profundo,
Que souberam galopar os astros…


Nas meninas dos olhos de minhas primas
Enxergo ni-ti-da-men-te meu passado…
No sorriso, um quê de saudade e futuro…
Cada uma delas, do alto de sua elegância,
Consegue me espiar no escuro.
Mas, no duro, podem acreditar,
Seus olhos revelam, mesmo, as aventuras
Dos tempos de infância.


 

Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010