Janela da Corte

MILTON SELIGMAN

Publicado

em


Silvestre Gorgulho


Depois que Brasília acolheu esta dupla gaúcha de Santa Maria, Graça e Milton, “Os Céus de Brasília” nunca mais foram os mesmos. E o fato está provado não só em ações, mas também em fotos que correram o mundo e ganharam prêmios graças às lentes de Graça, jornalista e anjo-da-guarda de um dos mais brilhantes e articulados profissionais de sua geração: Milton Seligman. Engenheiro de formação, poliglota, analista de sistemas, executivo internacional (foi diretor de projetos da IPS – uma agência internacional de notícias, com sede em Roma), Seligman ganhou credibilidade política e respeito de correligionários e adversários por duas atitudes difíceis de serem encontradas hoje em dia: isenção e desprendimento pessoal. Em 1986, Milton Seligman era presidente do PMDB-DF e teve papel importantíssimo na primeira eleição de Brasília: recusou cargos no Governo José Aparecido (de quem é amigo pessoal e aprendeu a ser bem “mineiro”) e deixou de ser candidato, com o único sentido de fortalecer seu partido, que elegeu os senadores Pompeu de Souza, Meira Filho e os deputados Sigmaringa Seixas, Márcia Kubitschek e Geraldo Campos. Oriundo de movimentos estudantis no Rio Grande do Sul, onde foi líder e presidente de diretório acadêmico nos tempos da ditadura, Seligman se declara hoje um “social-democrata”, seguindo os passos do PSDB e a liderança de Fernando Henrique. Pelo seu perfil político amplo e moderado, sempre hábil e equilibrado nas negociações, Milton Seligman nega, mas todas as fontes confirmam que ele continua como Vice-Ministro da Justiça na saída de Nelson Jobim. E mais: todos os astros prevêem que suas renúncias e isenções políticas do passado darão mais força e iluminarão seu caminho político futuro. Milton Seligman, hoje Ministro Interino da Justiça, abre a Janela da Corte para falar de política, de Brasília – cidade que adotou definitivamente – e de Brasil.


1 – O que mais o incomoda em Brasília.
A segregação social que é mais acentuada aqui, em função do nível de vida de algumas Satélites e do Plano Piloto. É por isso que defendo políticas públicas voltadas para a redistribuição de renda.


2 – O clone é uma realidade da engenharia genética. Dê o nome de cinco brasileiros que, pela importância, mereceriam ser copiados em série.
A minha formação familiar judaica, com forte influência cristã, me coloca sempre ao lado da vida e dos valores éticos e morais do ser humano. Um ser de laboratório, resultado de artifícios da engenharia genética, é uma criatura assustadora. Defendo a reprodução natural de seres humanos e acredito que a herança genética natural é a garantia que os nossos melhores valores possam progredir e aprimorar-se.


3 – Depois de ser presidente do PMDB-DF, uma avaliação: é mais fácil ser um tucano de FHC ou um peemedebista do dr. Ulysses?
Foi fácil ser um peemedebista do Dr. Ulysses como é fácil ser um tucano de Fernando Henrique. Ambos são líderes que se complementam na história política brasileira. Se um conduziu o movimento que conquistou a Democracia, o outro conduz um movimento que está reformando o Brasil. São líderes que se sucedem.


4 – Três nomes que sabem honrar o nome de Brasília?
Oscar Niemeyer, Athos Bulcão e Vera Brandt.


5 – A política é uma arma para se fazer justiça ou um caminho mais fácil para encobrir injustiças?
A política é o mecanismo que busca, por meio do equilíbrio de posições, construir desenvolvimento e justiça social. Não há como negar que muito fazem mal uso deste instrumento, revertendo-o para conquistar vantagens pessoais.


6 – Brasília não é mais a mesma. Caiu a qualidade de vida porque o nivelamento é por baixo ou porque é uma tendência nacional?
Brasília é Brasil. Todo o Brasil está vivendo um processo de adaptação, um processo de despertar para um mundo diferente onde o padrão de vida está associado a valores bastante diversos. Existência de empregos, preservação do meio ambiente, segurança pública, educação eficiente, saúde, etc. Os tempos são de mudança, mas Brasília segue sendo um paradigma de desenvolvimento humano para o qual nós brasilienses devemos construir as condições de sustentabilidade.


7 – Os líderes sindicais brasileiros fizeram do sindicalismo uma profissão ou perderam o bonde da história?
Acho que as duas coisas. Ainda temos líderes respeitáveis. Mas no Brasil, o sindicalismo vem perdendo espaço pela falta de atualização de suas bandeiras de luta. De fato, alguns radicalizam o discurso para esconder a falta de propostas ou a defesa de teses ultrapassadas.


8 – Bolsa Escola, Projeto Orla e DF Verde. O PT está no caminho certo?
Eu gosto muito destes três projetos e os defendo. O Orla foi, inclusive, plataforma de campanha de Maria de Lourdes, candidata do PSDB. Entretanto, a avaliação sobre o caminho do PT em Brasília tem que ser ampliada. Sinto falta, por exemplo, de uma política de valorização do servidor público em uma sociedade sem inflação, da inércia em relação a uma política de geração de empregos e do modo como o PT conduz sua política de alianças na Câmara Distrital.


9 – Quem pensa grande e quem pensa pequeno no Governo do PT de Brasília?
Considero, apenas, que o valor intelectual do Governador Cristóvam Buarque está fora de discussão. Trata-se de um dos grandes pensadores contemporâneos do Brasil.


10 – Sem autonomia econômica, sede dos 3 Poderes e do Corpo Diplomático, foi bom para Brasília conseguir a autonomia política?
Brasília tem menos de 40 anos e 10 de representação política. Temos que melhorar muito o nível do debate e a qualidade das propostas, mas estamos progredindo. Temos que continuar trabalhando para seu aprimoramento.


11 – Todos são iguais perante a Lei ou para a Justiça tem gente conseguindo “ser mais iguais do que os outros”?
Somos um País injusto, mas desejoso de mudar. A herança de injustiça social que temos, fruto de tantos anos de concentração de renda começou a mudar. Nosso maior problema reside nas desigualdades e isto ainda permite que alguns sejam “mais iguais do que os outros”. Mas está mudando.


12 – Há espaço para uma esquerda “light” em Brasília?
Há espaço para todos em Brasília. Somos a síntese do Brasil.


13 – Para quem o eleitor brasiliense dará mais votos para deputado federal. Para Milton Seligman ou para Sigmaringa Seixas?
Sempre votei no Sigmaringa, fiz campanha para ele e me orgulho disto. É um amigo querido que tem espaço garantido na vida pública de Brasília. Hoje estamos em partidos diferentes e eu tenho minhas pretensões políticas, que dependerão sempre das decisões de meu partido, o PSDB. Sigmaringa e eu queremos o mesmo tipo de sociedade, mas acreditamos em caminhos diferentes.


14 – Qual o pecado capital de Brasília?
Não ter conseguido levar a qualidade de vida do Plano Piloto para o Entorno

Continue a Ler
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Janela da Corte

ARLETE SAMPAIO

Publicado

em

Artele

Por nascimento, ela é baiana de Itajiba;
Por educação secundária,
ela é mineira de Belo Horizonte; Pela
universidade e pela política, ela é
brasiliense da gema. Arlete Sampaio, vice-governadora
do DF, médica-sanitarista, uma das
fundadoras da CUT-DF, com profunda militância
sindical, mora em Brasília há
26 anos. Duas coisas me chamaram atenção
na conversa com a vice-governadora e no acompanhamento
diário que faço do Governo petista.
Primeiro: Arlete veio da ala mais radical
do partido, uma trotskista de carteirinha,
e hoje é o equilíbrio do partido
e do Governo Cristóvam. Segundo: neste
caleidoscópio de críticas a
membros do governo petista, neste emaranhado
de brigas e disputas, a vice-governadora –
queiram ou não – é inatacável.
Da linha trotskista de ontem ela virou o ponto
de unidade de hoje. É por isso que
vale a pena saber um pouco mais desta mulher
que, no difícil cargo de vice, é
– por assim dizer – uma unanimidade de seriedade
e coerência. Uma médica que está
sempre pronta a colocar mercúrio-cromo
nas feridas abertas por companheiros do partido
e do governo. Arlete Sampaio abriu a Janela
da Corte deste domingo e mostrou que tanto
a baianice como a mineirice ficaram lá
para trás. Agora a vice é uma
candanga legítima que não está
disposta a entregar, de graça, o espaço
e o respeito que conquistou.

1 – O que mais a incomoda
na política?

A predominância dos projetos individuais
sobre os projetos coletivos.

2 – Ser governo lhe
agrada?

Sim, no sentido de poder realizar os nossos
ideais.

3 – Em três anos
de governo do PT, no difícil papel
de vice-governadora, quais foram os três
momentos mais gratificantes?

A participação nas plenárias
do Orçamento Participativo. As inaugurações
de obras que mudam para melhor a qualidade
de vida da população. A visualização
do crescimento da consciência-cidadã,
como no programa Paz no Trânsito.

4 – E quais foram os
três momentos mais amargos?

As injustas críticas feitas ao GDF,
principalmente no primeiro ano. As incompreensões
mútuas entre o GDF e o Movimento Sindical.
As críticas amargas feitas por companheiros
que participaram do Governo.

5 – Há algum
desconforto em ser vice?

Vice, como se diz, é vice. Há
um certo desconforto por nem sempre poder
imprimir um estilo próprio de trabalho.

6 – O Lula não
queria sair candidato à Presidência.
E saiu. A senhora não gostaria de ser
novamente vice. Vai ser?

Tudo depende da discussão que estamos
fazendo no âmbito interno do PT e depois
com os Partidos da Frente. Se for necessário,
repito a dose.

7 – Como médica-sanitarista,
a saúde pública brasileira tem
jeito?

Claro que tem. Depende apenas de vontade política
e de profundo compromisso com o povo.

8 – Onde a senhora mais
se realizou: coordenando os programas de saúde
pública do DF, na direção
no PT-DF ou no cargo de vice-governadora?

Pela amplitude das ações das
quais tenho participado é, sem dúvida,
mais gratificante ser vice-governadora.

9 – Como vice-governadora
a senhora coordena as Administrações
Regionais e órgãos do GDF; implantou
o Programa Integrado de Combate ao Uso e Abuso
de Drogas no DF; coordena o Orçamento
Participativo; e coordena as bancadas petistas
na Câmara Distrital e Federal. Governar
é mais fácil do que se pensava?

Primeiro, uma correção: não
coordeno as bancadas. Quem coordena é
o Governador. E, neste ano, o melhor trabalho
realizado foi no planejamento político-financeiro
do governo e na coordenação
na área de habitação.
Agora vamos à resposta: é sempre
fácil fazer qualquer coisa, quando
fazemos com boas intenções,
com clareza do que queremos e com firmeza
de posições.

10 – Se o Governo petista
começasse hoje e fazendo um replay
do que passou: qual o principal erro que a
senhora tentaria evitar?

Cometemos alguns erros. Talvez o maior tenha
sido em não divulgar, com dados e fatos,
a situação caótica em
que encontramos o Distrito Federal.

11 – Sinceramente, qual
o grande mérito do Governo Cristóvam
Buarque?

Ser democrático, popular e honesto.

12 – Delfin Neto disse
que Lula será mais uma vez sparring
eleitoral. Isso tem sentido?

Claro que não. Ele sabe bem das incertezas
do momento político brasileiro e sabe
que Lula tem boas chances eleitorais e pode
bem nocautear FHC.

13 – Como a senhora
vê a saída de Luiza Erundina
e Vitor Buaiz do PT: Uma Questão de
acomodação.

foram tarde. O PT tem regra para ser cumprida.
Grande perda. Estavam no ninho errado.
Embora seja uma perda, o PT tem regras para
serem cumpridas.

14 – Dê o nome
de três brasileiros vivos que a senhora
mais admira.

Luiz Inácio Lula da Silva, pela inteligência
excepcional; Chico Buarque de Holanda, pela
sensibilidade quase feminina; e Fernanda Montenegro,
que aliás é minha xará,
por seu talento.

15 – Qual destas três
máximas está mais próxima
da verdade:

· Exatamente no momento em que você
pensa que vai conseguir juntar duas extremidades,
alguém as muda de lugar.
· Nunca ande por caminhos já
traçados. No máximo eles vão
levar a lugares onde outros já estiveram.
· Atrás de um grande homem tem
sempre uma grande mulher.
Nenhuma delas faz minha cabeça.

16 – O PT tem que mudar
para crescer ou tem que crescer para mudar
ou tem que continuar como está?

Nenhuma das formulações expressam
as necessidades do PT, mas poderia admitir
que “tem que crescer para mudar”,
na medida em que crescendo expressaria melhor
o sentimento da nossa população.

17 – O Partido aceitará
contribuição da iniciativa privada
para a próxima campanha eleitoral?

No último encontro, o partido decidiu
aprovar as contribuições de
Pessoas Jurídicas, mas dentro da mais
absoluta transparência.

21/12/1997

Continue a Ler

Janela da Corte

“PACOTÃO”

Publicado

em

 

Charles "Chuck" Pretto selected to serve as District Governor 2022-23 | District 5340

Ele é muito mais estranho do que a vitória
de Antônio Carlos Magalhães no
Senado. Mais misterioso do que o veto do governador
Cristóvam Buarque à Fazenda
Santa Prisca. Muito mais esquisito do que
o Secretário de Turismo, Rodrigo Enrollemberg.
Mais temeroso do que o próprio Michel
Temer. E muitíssimo mais arredio a
entrevistas do que o deputado José
Genoíno. Todos os anos, no Carnaval,
um estranho, inusitado, misterioso e arredio
personagem aparece fugaz nas crônicas
de jornais, tevês e rádios de
Brasília. Jornalistas do mundo inteiro
fazem de tudo para conseguir dele um único
depoimento, uma única frase que seja.
E nada. Para os repórteres mais novos,
isso pode até valer uma promoção.
Para os experientes, quem sabe, um Prêmio
Esso. Quem for de Carnaval, já matou
a charada. Estamos falando, é claro,
de Charles Pretto, o ditador perpétuo
e vitalício da “Sociedade Armorial
Patafísica Rusticana – O Pacotão”,
o mais famoso e irreverente Bloco Carnavalesco
de Brasília, melhor dizendo, do Brasil.
O Pacotão comemora, este ano, 20 anos
de Carnaval, sempre na contramão da
avenida e da história, consolando os
fracos e reprimidos e aterrorizando os poderosos
de plantão…sejam eles os carrancudos
generais da falecida ditadura militar, príncipes
de carteirinha da sociologia ou os barbudos,
carecas e barrigudos petistas dos governos
democráticos e populares.
Recém chegado de Miami, onde deixou
seu cunhado vistoriando a reforma de seu barraco
em West Palm Beach, Charles Pretto concordou
em falar. Depois de mil subterfúgios,
concedeu essa entrevista inédita. Primeira
e única, garante ele. Evoluindo na
boquinha da garrafa, com revelações
destampadas sobre o poder, o PT, o FHC, o
prazer e, é claro, sobre Brasília
e o Pacotão, Charles Pretto não
está nem um pouquinho preocupado em
segurar o tcham. Abre a Janela da Corte deste
domingo de Carnaval e coloca seu tcham de
fora. Um horror!

1) O que o incomoda
mais:

Em Brasília: as gambiarras do Governo
do PT e o Principado do Palácio da
Alvorada.
No Governo do PT: a liderança do senador
José Roberto Arruda.
Na ARUC: a concorrência que fazem ao
meu Bloco
No Carnaval: o de sempre, a falta de quorum
do Congresso.

2) Qual foi a melhor
marcha do Pacotão?

Sem dúvida nenhuma, o Aiatolá,
de 1979. Aliás, ela não foi
apenas a melhor. Foi a única. Até
hoje o povo só sabe cantar “Ga-gá,
ga-gá, Geisel/ Você nos atolou
/E o Figueiredo também vai atolar/
Aiatolá, Aiatolá, venha nos
salvar / Que esse governo já ficou
gagá/ Ga-gá, ga-gá, Geisel…”

3) Três carnavalescos
de Brasília que sabem acontecer na
Sapucaí?

Antigamente era o Haroldo Meira, que foi Administrador
de Brasília, não gostava do
Carnaval da cidade e fugia na véspera
para desfilar na Mangueira. Hoje é
o Moa, que vai desfilar na ARUC no domingo,
pega um avião depois do desfile e na
segunda-feira desfila na Portela. Pena que
ele não queira mais saber do Pacotão.
O terceiro maior carnavalesco parece que este
ano vai dar o cano: Itamar Franco, o rei da
Sapucaí, porta-estandarte do Fusca
e topete de honra do Grêmio Recreativo
Unidos do Pão-de-Queijo.

4) A reeleição
foi um “pacotão”?

Ixe! Não passou de um “pacotinho”.
O príncipe Fernando II ainda tem muito
que aprender comigo. Pra que reeleição,
professor? Por que ele não faz como
eu, que sempre me declarei ditador perpétuo
e vitalício do meu Bloco? É
verdade que eu não tinha o Serjão
pra atrapalhar, nem o Maluf pra ajudar…
Tem nada não, um dia ele aprende. Se
o Toninho Perdura não lhe der a receita,
é só me procurar. Afinal de
contas, depois de quarta-feira, eu entro no
PLV (Plano de Licença Voluntária),
e vou gastar minha grana em Miami, num barraco
com privada de ouro que eu aluguei ao lado
da mansão do outro Fernando, o Primeiro.
Terei muito tempo livre.

5) Cristovão
rima com Estevão? Isso dá samba
ou atravessa na avenida?

Dá um sambão rasgado, com direito
a socos e caneladas. Dinheiro pra gravar o
CD não vai faltar. É só
pedir pra Odebrecht ou sacar a fundo perdido
nas sobras da “Operação
Uruguai”. Dá também frevo,
maracatu, salsa, merengue, bolero e samba-canção.
Quem sabe o mestre Jamelão não
topa gravar? O risco é que, com tanta
baixaria, vão acabar reinventando a
“dança da bundinha”…

6) E o que você
faz quando o Pacotão está de
recesso?

Bem, não consegui arrancar do “Duque
de Águas Claras”- Grão-Senhor
do Governo Democrático e Popular do
DF – um DAS compatível com as minhas
qualidades de estadista. Assim, não
me resta outra alternativa senão apelar
ao “Barão da Santa Prisca”
para conseguir uma boquinha como prefeito
biônico da “OKlândia”,
a nova cidade que vai nascer ali, desinteressadamente.
OK, deputado?

7) É verdade
que este ano você vai distribuir frango,
a âncora do Real, na concentração
do Pacotão?

Injustiça. Será frango com iogurte,
a mais nova receita do cardápio do
chef Malan. Será minha contribuição
para a estabilidade da moeda. Assim, quem
sabe, acabam com os estoques de frango e iogurte,
que ninguém agüenta mais, e eles
resolvem baixar o quilo do filé mignon
e o preço do passe do Ronaldinho.

8) O que você
acha do Joãozinho Trinta ter trocado
o Carnaval do Rio pelo de Brasília?

Uma questão de oportunidade. Pelo visto
ele descolou alguma boquinha com o “Duque
de Águas Claras”. O perigo é
ele aprender a fazer Carnaval com o pessoal
da ARUC, enlouquecer de vez e querer comprar
a Mocidade Independente do Gama. Ou então
ter um filho com a Marilena Chauí e
se candidatar a Secretário de Cultura
do Governo Democrático e Popular. Já
pensou!

9) Qual a virtude capital
do Pacotão?

Não ter capital. Infelizmente…Se
tivesse, quem sabe, meu cunhado poderia terminar
o meu barraco em West Palm Beach!

10) Qual o pecado capital
de Brasília?

Ter um pacotão em cada Palácio
e uns pacotinhos em cada gabinete. Infelizmente…

Continue a Ler

Janela da Corte

OLIVEIRA BASTOS

Publicado

em

 

Brasília no topo dos destinos – Agência Brasília

Foto: Divulgação/Setur

 

 

Evandro de OLIVEIRA BASTOS nasceu no Pará,  colonizado por franceses, e talvez por essa herança cultural tenha sido o maior crítico literário brasileiro, antes de ser o diretor de jornais importantes de todo o País, inclusive este Jornal de Brasília. Fundou uma enorme escola de Jornalismo, sem cadeiras e sem diplomas. Descobriu, por exemplo, o incrível poeta maranhense da virada do século, Sousândrade, e o revelou aos irmãos Augusto e Haroldo de Campos. Foi secretário de Oswald de Andrade, Augusto Frederico Schmidt, Anísio Teixeira e Roberto Campos. Conviveu com Governos e Presidentes e está preparando suas memórias num livro sobre Imprensa e o Poder. Aliás, um livro muito esperado por quem a mira a pena ferina de um dos textos mais brilhantes do País. Hoje é a vez de Oliveira Bastos debruçar-se sobre a Janela da Corte.

1 – Duas coisas que mais o incomodam em Brasília.

Em primeiro lugar o clima de secura, acompanhada de frio e ventos. Incrível como a meteorologia e os veículos de comunicação ainda associam “tempo bom” à ausência de chuvas… Outra coisa detestável, pelo ridículo, é a caricatura em que se transformam muitas pessoas que perderam o poder e necessitam mostrar que ainda possuem alguma importância, como se o poder fosse a melhor, ou talvez a única característica de suas personalidades. Drumond dizia: “Como são tristes as coisas (quando) consideradas sem ênfase”.

2 – Duas coisas que mais o incomodam no Governo Cristovam.

Primeiro, não ser Governo. Depois pensarem que o governo é do Cristovam.

3 -Quem precisa cair no Real?

A sociedade brasileira que está custando a entender que um Presidente como Fernando Henrique não acontece em todas eleições.

4 – Para quem vai a Medalha de Ouro e a Medalha de Lata no Governo de Brasília, na equipe de FHC, no Congresso e na Imprensa?

Pensar coisas tão sérias em termos de medalhinhas é ridículo. Depois, corre-se sempre o risco da síndrome de Zagalo que consiste em destinar medalhas de ouro a quem nunca mereceu a de lata.

5 – Um recado para o governador Cristovam Buarque.

Mestre: faça uma reforminha agrária no DF, começando pelas “posses” improdutivas e pelos arrendamentos não cumpridos. Tem muito chão bom de palanque…

6 – Quais foram o pior e o melhor Governador de Brasília?

Brasília sempre foi bem administrada e por dois motivos: sempre teve recursos e sempre foi muito vigiada e até perseguida pela opinião pública nacional. Mas o Roriz, realmente, mudou o metabolismo da cidade, tirando-a da fantasia (“Capital da Esperança”) e fincando-a de vez na pobre realidade de Goiás. Foi o maior de todos os governadores, mas dizem que quer voltar, o que seria um erro trágico. Sua campanha, com os bandidos que ele deixou órfãos, não seria eleitoral mas criminal.

7 – Dois nomes que sabem fazer Brasília ser respeitada lá fora? 

Kássia Éller e Joaquim Cruz.

8 – Quem daria um bom governador de Brasília?

O Cristovam.

9 – Quem jamais deveria governar Brasília?

Quem quer muito ser governador. A escolha deveria sempre recair em alguém que não queira. Não é assim que são escolhidos os Papas? Talvez, por eleger os que não querem ser Papa, a Igreja tem 2.000 anos e seus Chefes são infalíveis.

10 – Qual o pecado capital de Brasília?

Não ter estrutura para estimular os pecados veniais, ligados ao ócio com dignidade.

11 – O brasileiro quer revolução ou quer espetáculo?

O velho Rivarol disse que o povo não se interessa por revoluções, mas pelo seu espetáculo. Os Sem Terra parecem confirmar isso. Brasília, como cidade, é uma revolução que precisa de espetáculos. Tudo aqui, com exceção da cidade e do pôr-do-sol, é medíocre. Como a cidade é monumental, a vida transcorre nesse limite perigoso entre o tédio e o deslumbramento. É preciso fazer a cidade chegar ao povo. Até hoje o Lago Paranoá é uma miragem para a maioria dos brasilienses. Pode?!

Continue a Ler

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010