Artigos

Construindo a Paz

Nobel tem seis categorias anuais: Paz, Física, Química, Medicina, Literatura e Economia

 

Construir a paz é saber liderar um grupo, deixando de culpar os outros, para assumir as responsabilidades que provocam mudança. O conceito de paz implica na ausência de violência. Implica em luta pelo respeito à justiça social, econômica e religiosa, aos direitos humanos e às conquistas que buscam mitigar a pobreza, a fome e as desigualdades. Sem comida não há paz. O símbolo mundial da paz e o maior líder pacifista da história moderna não foi contemplado com o Prêmio Nobel da Paz. Sim, precursor da filosofia “Satyagraha” ou “Verdade-Firmeza”, o indiano Mahatma Gandhi, que conseguiu a independência da Índia em 1947, não recebeu essa honra. O fato diminui a premiação? Não! Mas mostra que também ela sofre por interesses políticos dos mais diversos.

 

 

Em 10 de dezembro de 1901 houve a primeira entrega oficial do Prêmio Nobel da Paz, criado por Alfred Nobel. Como entender que um fabricante de armas criou o maior prêmio de reconhecimento por iniciativas que visem a paz? Vale lembrar: no final da vida, Alfred Nobel (1833-1896) sentiu-se incomodado pelo uso feito de seu invento: a dinamite. Paradoxalmente, graças a sua revolucionária invenção, milhões de pessoas no mundo morreram pelas bombas e outros artifícios de guerra. Mas, a história mostra que essa nunca foi a intenção de Alfred Nobel. Ele ganhou fortunas, mas perdeu as esperanças quando o homem fez de sua invenção uma máquina de matar. Ao morrer, fez o testamento destinando sua fortuna para a “The Nobel Foundation”, que incentivaria aqueles que alcançassem avanços de “grande benefício para a humanidade”.

 

COMO FUNCIONA A ESCOLHA DOS PREMIADOS

A escolha do Prêmio Nobel funciona assim. Existem seis categorias do prêmio: Paz, Física, Química, Medicina, Literatura e Economia. Cada categoria tem seu próprio comitê especializado. Esse comitê tem a missão de solicitar, receber e analisar indicações de candidatos feitas por professores, cientistas e acadêmicos. Cada ano são centenas de indicações. Cada comitê escolhe os finalistas obedecendo seus próprios métodos.

Por que não há Prêmio Nobel para a Matemática? Bem, essa é uma boa história. A Matemática ficou de fora. Apesar de extensas especulações, não se sabe com certeza o porquê dessa omissão. E para matemática não ficar fora do movimento dos grandes e prestigiados prêmios, matemáticos de várias partes do mundo, no congresso mundial de matemática de 1924 em Toronto, no Canadá, decidiram criar duas medalhas de ouro para reconhecer o mérito dos matemáticos que se destacarem.

 

E O PRÊMIO NOBEL DE MATEMÁTICA?

As especulações do porquê que Alfred Nobel não deixou um prêmio para a Matemática são muitas. A mais comum, embora não tão bem fundamentada, é por ele ter se decepcionado com uma mulher com a qual tinha uma relação amorosa séria. Segundo especulações, ela o rejeitou por um outro sueco, o famoso matemático Gosta Mittag-Leffler. Alfred não sublimou essa perda.
E por que o Nobel da Paz é concedido em Oslo, na Noruega? Esta e outra questão que desperta curiosidade e que ganha asas no mundo das especulações. De fato, Alfred Nobel deixou explícito que o Prêmio da Paz deveria ser entregue em Oslo e não em Estocolmo. Segundo Turill Johansen, ex-secretária da Fundação Nobel, ninguém sabe a verdadeira razão. Mas especula-se que na época, a Noruega pertencia à Suécia e Alfredo parecia gostar dessa união. Então preferiu deixar por escrito, em 1895, seu desejo de que o parlamento norueguês selecionasse o comitê responsável pelo Nobel da Paz.

 

PRÊMIO NOBEL DA PAZ

O Prêmio Nobel da Paz é o mais famoso, mais prestigiado e o mais conceituado de todos. Tem uma história de 121 anos. Hoje é a comenda mais valorizada da História, tanto que a simples indicação ao Nobel da Paz já é um título de distinção. A premiação, concedida por méritos, já foi dada 817 vezes a indivíduos e 23, a organizações. Pouquíssimos ganharam mais de uma vez – no total, foram 813 pessoas e 20 entidades.

O Brasil nunca teve um Prêmio Nobel. E não é por falta de trabalho. (Ver outras três matérias nesta edição BRASIL E O PRÊMIO NOBEL). Mas neste lacar, a Argentina ganha do Brasil de 5 a zero. O país mais premiado com o Nobel é os Estados Unidos.

E o Brasil? Ah! O Brasil ainda reclama muito de nenhum de seus cidadãos ter recebido essa indicação. Daí, a importância do ato registrado neste mês de janeiro em Oslo, na Noruega. Em nome da paz foi protocolado no Conselho Norueguês do Nobel (The Norwegian Nobel Committee), o nome do ex-ministro Alysson Paolinelli para o Nobel 2021. A indicação partiu de entidades brasileiras, capitaneados pelo Diretor da ESALQ – Escola Superior Agricultura Luiz de Queiroz, professor Durval Dourado Neto, pela USP – Universidade de São Paulo, e pelo ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, professor e coordenador do Centro de Agronegócio na Escola de Economia de São Paulo, da Fundação Getúlio Vargas e Embaixador Especial da FAO para as Cooperativas.
Vale lembrar o próprio professor Alysson Paolinelli: “sem comida não há paz. Sem paz não há harmonia nem desenvolvimento social e econômico”.

 

 

Artigos

TUPI GUARANI e o PORTUGUÊS

Published

on

Pensando alto: os Yanomami, outrora longe dos ‘homens brancos’, eram felizes na Floresta Amazônica. Atualmente, enfrentam a ameaça da destruição pela intensa presença de garimpeiros ilegais.

Na verdade, o Brasil de 1500 era dos índios. Aqui viviam mais de 5 milhões deles. Depois da Descoberta por Cabral, a população indígena foi se definhando e a ocupação e exploração de suas terras virou uma triste realidade.

A propósito dos índios Ianomami, estava pensando na contribuição do Tupi Guarani à nossa Língua Portuguesa.

De acordo com o Censo, que leva em consideração pessoas com mais de 5 anos de idade que usam o idioma em seu próprio domicílio, as línguas mais usadas no Brasil são o tikuna (com 34 mil falantes), o guarani kaiowá (com 26,5 mil), o kaingang (22 mil), o xavante (13,3 mil) e o yanomami (12,7 mil).

O TUPI diz respeito à língua Tupinambá, que era falada pelas comunidades indígenas existentes no Brasil quando o território foi colonizado pelos portugueses.

O GUARANI, por sua vez, é a língua falada pelas nações que são encontradas na Argentina, Paraguai, Bolívia e Brasil.

O tema TUPI-GUARANI, origem de um mundo de palavras hoje no nosso Português, é um assunto fascinante.

O tupi-guarani é uma das mais importantes línguas indígenas da América do Sul. O tronco TUPI é o maior, com alguns dialetos por todo o litoral brasileiro.

O padre jesuíta José de Anchieta pesquisou e chegou a redigir até uma gramática de tupi-guarani. Daí que muitas palavras têm origem no tupi-guarani.

O português se firmou no Brasil por uma sucessão de fatores: a expulsão dos jesuítas do Brasil no século 18 pelo marquês de Pombal, a chegada da corte portuguesa em 1808 e o acelerado processo de urbanização. Ainda assim, o português acabou sendo marcado para sempre pelo TUPI GUARANI.

Até hoje, centenas de palavras que nós falamos no Brasil têm origem indígena.

É interessante estudar a origem do nome de muitas cidades brasileiras.

Exemplos:

Itabira: pedra de ponta
Itaberaba: pedra brilhante
Itacolomi: filho ou o menino de pedra.
Itacorubi: de rio das pedras esparsas.
Itaguaçu: pedra grande ou muitas pedras.
Itai-guaçu: rio da pedra grande.
Itaimbé: pedra pontuda, afiada.
Itai-mirim: rio da pedra pequena.
Itaipava ou itapava: pedra levantada; recife, travessão rochoso.
Itajai-guaçu: de Itajai grande.
Itajai-mirim: de Itajai pequeno.
Itajuba: pedra amarela.
Itajubá: pedra amarela.
Itamirim: pedra pequena.
Itapemirim: caminho da pedra pequena
Itapema: pedra rasa, lajeado.
Itamonte: pedra na montanha
Itaperobá: pedra do caminho da canoa.
Itapitanga: pedra vermelha
Itapitinga: pedra de lajedo branco.
Itapoã: pedra redonda.
Itaqui: de pedra afiada, pontuda.
Itatiba: muita pedra, abundância de pedras.
Itaúna: pedra preta.
Itamaramdiba: pedra que rola
Continue Reading

Artigos

GRATIDÃO ETERNA A MEU AMIGO REI

Published

on

 

Continue Reading

Artigos

LEMBRANÇA DE PELÉ EM BRASÍLIA.

Published

on

 

Era 19 de novembro de 2008. Inauguração do novo estádio Bezerrão no Gama.
Dois personagens importantes e uma data para se lembrar:
1) PELÉ dá o pontapé inicial com todas honras e circunstâncias;
2) A meu pedido, pois ela estava em Brasília, e com a ajuda do então embaixador Francisco Seixas da Costa e o pianista Adriano Jordão, a cantora portuguesa Eugénia Melo e Castro canta o Hino Nacional de Portugal: seria a primeira vez que o Hino Português era cantado ao vivo numa partida de Portugal.
3) A pedido do então governador José Roberto Arruda, Zezé de Camargo cantou o Hino Nacional.
4) Nesse dia 19, se comemorava 39 anos do GOL MIL do REI.
Pra quem quiser matar a saudade, é só assistir. Vá bem no início do filme.
Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010