Artigos

Os grandes vencedores do 54º Festival do Cinema Brasileiro

Entre os filmes selecionados nas mostras Competitiva e Brasília, foram distribuídos 46 troféus Candango

 

AGÊNCIA BRASÍLIA* | EDIÇÃO: CHICO NETO

A 54ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (FBCB) teve sua cerimônia de encerramento transmitida em formato virtual na noite desta terça (14), na plataforma play.innsaei.tv. Apresentada por Murilo Rosa e Maria Paula Fidalgo, a cerimônia distribuiu 46 troféus Candango, dois troféus especiais de parceiros e prêmios técnicos às equipes dos 28 filmes selecionados nas mostras Competitiva e Brasília.

 

Alice dos Anjos, que transporta a fantasia de Alice no País das Maravilhas para o sertão nordestino, ganhou seis prêmios | Fotos: Divulgação

 

 

Saudade do Futuro, filme de estreia na direção de longas de Anna Azevedo, foi o grande vencedor do prêmio de Melhor Longa, conferido pelo júri oficial. A obra explora a ligação entre Portugal, Brasil e Cabo Verde pelo mar e a cultura da saudade.

A 54ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro foi realizada pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) em parceria com a Associação Amigos do Futuro e apoio do Canal Brasil, InnSaei.TV, Naymovie e CiaRio.

Alice dos Anjos, de Daniel Leite Almeida, teve resultado arrebatador na premiação do festival, conquistando seis troféus Candango: Filme (pelo júri popular), Direção, Maquiagem (para Claudia Riston), Figurino (para Lívia Liu), Direção de Arte (para Luciana Buarque) e o prêmio Abraccine de Melhor Longa. Filmada em Vitória da Conquista (BA), a obra infantojuvenil transporta a fantasia de Alice, de Lewis Carroll, ao contexto do sertão nordestino, tendo a menina Alice dos Anjos como personagem de uma saga conduzida por personagens improváveis.

Ela e Eu, longa de Gustavo Rosa de Moura – que traz Andréa Beltrão na personagem Bia em plena recuperação após acordar de coma de 20 anos – levou três prêmios Candango: Atriz (Andréa Beltrão), Ator (Eduardo Moscovis) e Roteiro, assinado pelo diretor, a protagonista e Leonardo Levis.

De Onde Viemos, Para Onde Vamos, filme de Rochane Torres que deflagra resistência e conflitos de identidade do povo Iny, habitante da Ilha do Bananal, ganhou prêmios nas categorias Som (Paulo Gonçalves) e Filme com temática afirmativa, além de menção honrosa do júri da Abraccine.

Acaso, de Luís Jungmann Girafa, venceu como Melhor Montagem, por Juana Salama. Já Lavra, de Lucas Bambozzi, ganhou prêmio de Fotografia (Bruno Risas), além de menção honrosa do júri, composto pelo produtor Marcus Ligocki, a diretora Emília Silveira e a diretora-presidente da SPCine, Viviane Ferreira.

A festa dos curtas

Entre os curtas-metragens vencedores na Mostra Competitiva Nacional, Chão de Fábrica, de Nina Kopko – sobre a convivência de operárias em São Bernardo do Campo (SP) nos anos 1979 – conquistou cinco Candangos, entre esses o de Curta, concedido pelo júri oficial; Direção, Atriz (Joana Castro), Montagem (Lis Paim) e Figurino (Gabriella Marra).

O prêmio de Melhor Ator foi para Sebastião Pereira de Lima, mestre Martelo do cavalo-marinho pernambucano, documentado em Da Boca da Noite à Barra do Dia, de Tiago Delácio. O filme levou também o prêmio de Melhor Curta-metragem pelo júri popular, acompanhado pelo prêmio técnico da Naymovie e CiaRio, de R$ 15 mil.

Adão, Eva e o Fruto Proibido, de R.B Lima, ganhou os prêmios de Roteiro pelo júri oficial e Curta-metragem pelo júri da Abraccine. Como Respirar Fora d’Água, de Júlia Fávero e Victoria Negreiros, conquistou o Candango de Som e o Troféu Canal Brasil, entregue ao melhor curta pelo júri técnico do canal. Dani Drumond levou o prêmio de Fotografia por Cantareira, Rodrigo Lélis ganhou Direção de Arte por Filhos da Periferia e Vinne Negrão venceu Maquiagem por Sayonara.

Era uma Vez… Uma Princesa, de Lisiane Cohen, levou o prêmio da categoria Curta com temática afirmativa; e Ocupagem, de Joel Pizzini, recebeu o Prêmio Marco Antônio Guimarães, concedido pelo CPCB ao filme que melhor utiliza material de memória, pesquisa e arquivos do cinema brasileiro.

Terra Nova recebeu o Prêmio Cosme Alves Netto, entregue pela Anistia Internacional ao filme que mais se aprofunda nas agendas dos direitos humanos. Durante a premiação, as atrizes Karol Medeiros e Isabela Catão receberam menção honrosa do júri, composto pelo jornalista e crítico Marcelo Janot, a montadora e roteirista Karen Black e a produtora audiovisual Anamaria Mühlenberg.

Vencedores da Mostra Brasília

O longa Acaso, de Luís Jungmann Girafa, e o curta Benevolentes, de Thiago Nunes, venceram os prêmios de Filme pelo júri oficial da Mostra Brasília, levando também os prêmios técnicos da Naymovie e CiaRio, nos valores de R$ 25 mil e R$ 10 mil, respectivamente.

Advento de Maria, de Vinícius Machado, impressionou ao retratar a história de uma menina transgênero de 11 anos buscando sua identidade. O filme ganhou cinco prêmios: Longa (pelo júri popular), Roteiro, Atriz (Maria Eduarda Maia), Maquiagem (Alzira Bosaipo) e Figurino (Tiago Nery). A Casa do Caminho, de Renan Montenegro, venceu as categorias Curta (júri popular) e Filme com Temática Afirmativa da mostra.

Noctiluzes, de Jimi Figueiredo e Sérgio Sartório, levou os prêmios de Direção e Ator – esse, divididos neste ano entre os três protagonistas, interpretados por André Deca, Chico Sant’Anna e Vinícius Ferreira. O curta Cavalo Marinho, de Gustavo Serrate, venceu Fotografia, enquanto Rodrigo Lelis ganhou o prêmio de Direção de Arte por Filhos da Periferia, de Arthur Gonzaga e Hudson Vasconcelos ganhou Som por Ele tem Saudade, de João Campos.

O Mestre da Cena, de João Inácio, sobre o ator e diretor Gê Martú, venceu prêmio de Montagem, e Gê foi laureado com o Troféu Saruê, concedido pela equipe do caderno de cultura do jornal Correio Braziliense.

O filme Vírus, de Larissa Mauro e Joy Ballard, recebeu menção honrosa do júri, composto pela curadora Fabiana de Assis, a diretora e montadora Adriana de Andrade e o diplomata, crítico e professor de audiovisual João Lanari Bo.

 

Exibição extra

Chão de Fábrica, que ganhou cinco troféus Candango, pode ser visto até quinta-feira (16) na plataforma play.innsaei.tv

A boa notícia para quem não conseguiu acompanhar o Festival de Brasília é que os filmes vencedores pelo júri popular e o júri oficial ficam em cartaz gratuitamente na plataforma play.innsaei.tv até as 23h59 desta quinta-feira (16). Podem ser assistidos Saudade do FuturoAlice dos AnjosChão de FábricaDa Boca da Noite à Barra do DiaAdvento de MariaAcasoBenevolentes e A Casa do Caminho.

Os premiados

Mostra Competitiva – Longas

  • Melhor Filme (júri oficial)
    Saudade do Futuro, de Anna Azevedo
  • Melhor Filme (júri popular)
    Alice dos Anjos, de Daniel Leite Almeida
  • Melhor Direção
    Daniel Leite Almeida, por Alice dos Anjos
  • Melhor Atriz
    Andréa Beltrão, por Ela e Eu
  • Melhor Ator
    Eduardo Moscovis, por Ela e Eu
  • Melhor Fotografia
    Bruno Risas, por Lavra
  • Melhor Roteiro
  • Gustavo Rosa de Moura, Leonardo Levis e Andréa Beltrão, por Ela e Eu
  • Melhor Direção de Arte
    Luciana Buarque, por Alice dos Anjos
  • Melhor Montagem
    Juana Salama, por Acaso
  • Melhor Som
    Paulo Gonçalves, por De Onde Viemos, Para Onde Vamos
  • Menção Honrosa do júri
    Lavra, de Lucas Bambozzi
  • Melhor Caracterização – Maquiagem
    Claudia Riston, por Alice dos Anjos
  • Melhor Caracterização – Figurino
    Lívia Liu, por Alice dos Anjos
  • Melhor Filme com Temática Afirmativa
    De Onde Viemos, Para Onde Vamos, de Rochane Torres

Mostra Competitiva – Curtas

  • Melhor Filme (júri oficial)
    Chão de Fábrica, de Nina Kopko
  • Melhor Filme (júri popular)
    Da Boca da Noite à Barra do Dia, de Tiago Delácio
    + Prêmio Edina Fujii – CiaRio: R$ 15 mil em aluguel de equipamentos de luz, acessórios e maquinários concedidos pela Naymovie, em parceria com a CiaRio
  • Melhor Direção
    Nina Kopko, por Chão de Fábrica
  • Melhor Atriz
    Joana Castro, por Chão de Fábrica
  • Melhor Ator
    Sebastião Pereira de Lima, por Da Boca da Noite à Barra do Dia
  • Menção Honrosa do júri
    Karol Medeiros e Isabela Catão, de Terra Nova
  • Melhor Fotografia
    Dani Drumond, por Cantareira
  • Melhor Roteiro
    R.B Lima, por Adão, Eva e o Fruto Proibido
  • Melhor Direção de Arte
    Rodrigo Lelis, por Filhos da Periferia
  • Melhor Montagem
    Lis Paim, por Chão de Fábrica
  • Melhor Som
    Bia Hong, por Como Respirar Fora d’Água
  • Melhor Caracterização – Maquiagem
    Vinne Negrão, por Sayonara
  • Melhor Caracterização – Figurino
    Gabriella Marra, por Chão de Fábrica
  • Melhor Filme com Temática Afirmativa
    Era uma Vez… Uma Princesa, de Lisiane Cohen

Mostra Brasília – Curtas e Longas

  • Melhor Longa (júri oficial)
    Acaso, de Luís Jungmann Girafa
    + Prêmio Edina Fujii – CiaRio: R$ 25 mil em aluguel de equipamentos de luz, acessórios e maquinários concedidos pela Naymovie, em parceria com a CiaRio.
  • Melhor Curta (júri oficial)
    Benevolentes, de Thiago Nunes
    + Prêmio Edina Fujii – CiaRio: R$ 10 mil em aluguel de equipamentos de luz, acessórios e maquinários concedidos pela Naymovie, em parceria com a CiaRio.
  • Melhor Longa (júri popular)
    Advento de Maria, de Vinícius Machado
  • Melhor Curta (júri popular)
    A Casa do Caminho, de Renan Montenegro
  • Melhor Direção
    Jimi Figueiredo e Sérgio Sartório, por Noctiluzes
  • Menção Honrosa do júri
    Vírus, de Larissa Mauro e Joy Ballard
  • Melhor Atriz
    Maria Eduarda Maia, por Advento de Maria
  • Melhor Ator
    Chico Sant’Anna, André Deca e Vinícius Ferreira, por Noctiluzes
  • Melhor Fotografia
    Gustavo Serrate, por Cavalo Marinho
  • Melhor Roteiro
    Vinícius Machado, por Advento de Maria
  • Melhor Direção de Arte
    Rodrigo Lelis, por Filhos da Periferia
  • Melhor Montagem
    João Inácio, por O Mestre da Cena
  • Melhor Som
    Hudson Vasconcelos, por Ele tem Saudade
    Melhor Caracterização – Maquiagem
    Alzira Bosaipo, por Advento de Maria
  • Melhor Caracterização – Figurino
    Tiago Nery, por Advento de Maria
  • Melhor Filme com Temática Afirmativa
    A Casa do Caminho, de Renan Montenegro

Outros prêmios

  • Candango Conjunto da Obra 2021
    Léa Garcia: vida de cinema
  • Prêmio Marco Antônio Guimarães (CPCB)
    Ocupagem, de Joel Pizzini
    * O prêmio é entregue ao filme que utiliza da melhor maneira o material de memória, pesquisa e arquivos do cinema brasileiro.
  • Prêmio Cosme Alves Netto (Anistia Internacional Brasil)
    Terra Nova, de Diego Bauer
    * Prêmio para o filme que mais se aprofunda nas agendas dos direitos humanos.
  • Melhor Longa-Metragem/Abraccine
    Alice dos Anjos, de Daniel Leite Almeida
    * Prêmio do júri da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine)
  • Melhor Curta-Metragem/Abraccine
    Adão, Eva e o Fruto Proibido, de R.B Lima
  • Menção Honrosa do júri da Abraccine
    De Onde Viemos, Para Onde Vamos, de Rochane Torres
  • Troféu Canal Brasil/curta
    Como Respirar Fora d’Água, de Júlia Fávero e Victoria Negreiros
  • Troféu Saruê
    Gê Martú
    * Prêmio concedido pelo jornal Correio Braziliense

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa

 

 

 

Artigos

Inovação verde

Sustentabilidade e a sigla ESG tem dominado grande parte da pauta de encontros empresariais

Published

on

 

O conceito da sustentabilidade e a sigla ESG tem dominado grande parte da pauta de encontros empresariais, seminários e congressos de negócios. O discurso garante não ser apenas mais um modismo, como tantos outros no passado, e sim um conceito que teria vindo para ficar, até porque não teríamos escolha, se quisermos salvar o planeta. Além disso, as gerações Y e Z estão mais atentas ao assunto e cobrando maior responsabilidade ambiental, social e de governança das empresas.  O mercado financeiro e as certificadoras também observam esse novo momento para oferecer vantagens e reconhecer as companhias que demonstrarem maior comprometimento com a sustentabilidade.

Nessa pauta, um dos principais desafios é desenvolver tecnologias que sejam sustentáveis, tanto economicamente viáveis quanto atraentes para o mercado.  Hitendra Patel, diretora do IXL Center da Hult International Business School, e que no Brasil é parceiro da Revista Amanhã em um ranking de inovação, criou o termo “greenovations” para essas soluções, e destaca a necessidade da viabilidade financeira para o assunto ganhar relevância entre as empresas. Boas ideias e tecnologias não são suficientes para criar produtos e serviços ambientalmente sustentáveis. É preciso torná-los lucrativos e atrativos, criando um círculo virtuoso.

As empresas precisam transformar essa pauta em cultura para que ela permeie os novos modelos de negócios. Os setores público e privado devem trabalhar juntos para evitar excessos na legislação, buscar eficiência nos licenciamentos, equilíbrio e ponderação nas fiscalizações e oferecer estímulos à inovabilidade. É a melhor maneira de transformar o que muitas vezes ainda é visto como moda, ou como um fardo a carregar, em um compromisso espontâneo e duradouro.

 

Escrito por Carlos Rodolfo Schneider – empresário

 

 

Continue Reading

Artigos

Brasil, falta de Neymar e resultado das urnas

Published

on

Tô pensando o seguinte:
NEYMAR faz muita falta à Seleção Brasileira. Assim como o VAR faz falta na eleição no Brasil.
Quando o Juiz vai pro VAR ele busca transparência e retidão no lance.
É tudo que se quer no resultado das urnas.
Continue Reading

Artigos

Debênture Verde: Biotrop investe R$ 92,5 milhões em sustentabilidade no primeiro ano

Com o crescimento acelerado da demanda por produtos biológicos e naturais na agricultura, empresa amplia investimentos em P&D, estruturas, laboratórios e prepara o lançamento de novos produtos, contribuindo cada vez mais com a agricultura regenerativa

Published

on

 

A Biotrop, empresa dentre as líderes em soluções biológicas e naturais para o agronegócio, através da sua controlada – Total Biotecnologia S.A., acaba de ser certificada pelo Bureau Veritas pela destinação de mais de R$ 92,5 milhões de recursos para as iniciativas sustentáveis, oriundas das debêntures verdes captadas.

Do valor de R$ 100 milhões obtidos com o título, um montante superior a 92% foi destinado para investimentos em três importantes blocos: capital de giro para a fabricação e distribuição de bioinsumos; investimentos na planta, que inclui a expansão fabril, equipamentos para os laboratórios, veículos e tecnologia da informação; e para as atividades de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), incluindo inovação, para garantir novos produtos destinados à agricultura sustentável. O valor restante dos recursos da debênture será alocado para novas demandas.

De acordo com o diretor financeiro, Adriano Zan, impressiona o montante que a Biotrop destinou de recursos já no primeiro ano da debênture. “Após a emissão, a companhia tem o prazo de até cinco anos para destinar os 100% de recursos. A rapidez desse processo é a prova da célere adoção de biotecnologias pelos agricultores, sobretudo as soluções sustentáveis da Biotrop. Um passo importante para a empresa e para a agricultura brasileira”, diz.

Para o CEO da empresa, Antonio Carlos Zem, esse relatório comprova o comprometimento e respeito da Biotrop com o mercado e principalmente a transparência com os investidores. “Utilizamos as debêntures verdes, entregamos indicadores financeiros melhores que os requeridos e usamos os recursos de modo sustentável para expandir a agricultura biológica. Pretendemos obter centenas de milhões em financiamentos verdes para 2023, dado o crescimento acelerado, o que pode ser uma ótima oportunidade para nossos credores”, diz.

Zem ressalta ainda as expectativas para o futuro. “Os agricultores no Brasil e na América Latina podem esperar o lançamento de novos produtos e maior capacidade de atender aos clientes. A Biotrop está liderando o mercado com uma robusta plataforma de inovação em várias dimensões dos biológicos. Ao associar P&D de ponta, acesso de mercado superior e equipe preparada e focada exclusivamente em biológicos, conseguimos crescer de forma exponencial, rentável, sustentável, com direção estratégica e através de pessoas extraordinárias!”, finaliza o executivo.

Sobre o título captado

Debêntures verdes são aquelas cujos recursos são investidos tanto em projetos com benefícios ambientais quanto sociais. Esses títulos de renda fixa são emitidos por empresas que precisam financiar um projeto, pagar uma dívida ou aumentar o capital. Para isso, elas pagam uma remuneração em troca do financiamento. No caso da Biotrop, as debêntures foram emitidas conforme a abordagem da ICMA (International Capital Market Association) e das Nações Unidas. O Banco Itaú BBA foi o coordenador-líder da emissão.

Sobre – A Biotrop é uma empresa brasileira, fruto da visão e empreendedorismo de um seleto grupo de profissionais apaixonados pelo agronegócio. Atua com foco em pesquisa e desenvolvimento de soluções diferenciadas e inovadoras, com o objetivo de contribuir para uma agricultura mais sustentável, saudável e regenerativa. Com escritório em Vinhedo (SP) e fábrica em Curitiba (PR), a empresa leva ao mercado o que há de melhor no mundo em soluções biológicas e naturais. Acesse www.biotrop.com.br.

 

 

 

Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010