Reportagens

Zero violência nas escolas cívico-militares

De acordo com as secretarias de Educação e de Segurança Pública, a gestão compartilhada tem sido efetiva na prevenção de casos de agressão no ambiente escolar

 

Adriana Izel, da Agência Brasília I Edição: Débora Cronemberger

 

As drogas e a violência eram situações corriqueiras na realidade do Centro Educacional 1 do Itapoã, que atende 2.414 alunos do 6º ano ao ensino médio. No entanto, isso mudou em 2019, quando a comunidade escolar aprovou a inserção no projeto Escolas de Gestão Compartilhada (EGCs). O CED 1 do Itapoã está entre as 15 escolas do Distrito Federal que integram o programa. Desde o início do ano letivo em 2022, nenhuma das unidades registrou qualquer situação de violência.

“Como existem nas escolas os profissionais da segurança pública, eles sabem identificar os sinais das crianças que estão passando por dificuldades. E, se tiver alguma situação de violência, saberão dar o encaminhamento”– Coronel Alexandre Ferro, subsecretário das Escolas de Gestão Compartilhadas

As EGCs são uma parceria entre as secretarias de Educação e de Segurança Pública, em que as pastas dividem as atribuições: a parte pedagógica fica a cargo dos profissionais da educação e a área disciplinar, da Polícia Militar ou do Corpo de Bombeiros. Das 15 escolas, 11 são geridas pela Secretaria de Educação em conjunto com a Secretaria de Segurança Pública e as demais – quatro ao todo – são de uma parceria do Ministério da Educação com as Forças Armadas.

“Era um desejo meu [fazer parte da gestão compartilhada], tendo em vista a nossa dificuldade, principalmente, com as drogas e a violência na escola. Para nós fez grande diferença, mudou completamente o nosso cenário. Não temos mais problemas com drogas e traficantes e a violência também diminuiu”, conta a diretora do CED 1 do Itapoã, Liesi Beatriz Maciel de Sousa.

 

“Nossa presença aqui fez com que houvesse mais controle, uma calma, um sentimento de segurança”, avalia o capitão Souza Matos

Além disso, o formato de gestão dá mais autonomia para que os profissionais se dediquem à parte educacional. “Eu não tinha tempo para me preocupar com a parte pedagógica. Agora tenho um diretor disciplinar, com isso tenho mais tempo para me debruçar. É um grande ganho”, completa.

Para o subsecretário das Escolas de Gestão Compartilhada, coronel Alexandre Ferro, essa diferença de realidade se deve à presença da segurança na escola. “Como existem nas escolas os profissionais da segurança pública, eles sabem identificar os sinais das crianças que estão passando por dificuldades. E se tiver alguma situação de violência, saberão dar o encaminhamento”, explica. O encaminhamento pode ser tanto no sentido disciplinar, dentro da própria escola, como na condução até a Delegacia da Criança e do Adolescente.

 

 

Meire Cristina da Silva, mãe do aluno João Pedro Paz, diz que a segurança foi determinante para a decisão de matricular o filho na escola

“Há um trabalho preventivo. Os militares se aproximam das crianças, fazem parte de um ciclo de amizade e, quando existe uma propensão, as próprias crianças informam”, explica o ponto focal das escolas cívico-militares da Secretaria de Educação no DF, Wagner Santana.

É o que confirma a adolescente Raquel Alves, 13 anos, do 8º ano do CED 1 do Itapoã: “Eu me sinto mais segura. Podemos contar com eles [os policiais]. A gente se sente mais à vontade para contar coisas desse tipo [violência e bullying], porque vamos ter uma defesa maior”. Por conta da segurança, Raquel diz que a mãe está tentando uma vaga também para a irmã dela. “Meus pais gostam muito. Estão tentando trazer minha irmã mais nova para cá também”, acrescenta.

 

 

O subsecretário das Escolas de Gestão Compartilhada, coronel Alexandre Ferro, e a diretora do CED 1 do Itapoã, Liesi Beatriz Maciel de Sousa: programa investe em ações culturais, como a banda sinfônica

Mãe de João Pedro Paz, de 14 anos, Meire Cristina da Silva, diz que a segurança foi um dos fatores essenciais para colocar o filho na escola. “Optei por trazer ele para cá e ele está adorando. É bem-organizado e ele se sente mais seguro aqui, até em relação a pegar o ônibus. A parada é próxima e os policiais sempre ficam olhando eles irem embora. Acho mais seguro, fico mais tranquila”, revela.

 

 

Policiais levaram para a escola mais atividades físicas

Esporte como escape

O diretor disciplinar do CED 1, capitão Souza Matos, diz que a equipe identificou que os alunos voltaram com uma carga excessiva de energia, o que pode ter relação com o maior número de casos de violência no ambiente escolar em todo o país. “Nesse sentido, temos observado que eles estão mais energéticos. Mas a nossa presença aqui fez com que houvesse mais controle, uma calma, um sentimento de segurança”, afirma.

Para enfrentar este momento, os policiais levaram para a escola mais atividades físicas, a exemplo do pilates e de algumas artes marciais. Também faz parte do programa investir em ações culturais, como a banda sinfônica, e esportivas, a exemplo da iniciativa Escola de Campeões, que oferece futebol, handebol, atletismo, voleibol, basquete e xadrez.

“São atividades oferecidas no contraturno para que essa criança possa sair do ambiente de vulnerabilidade e de violência, ficando protegida na escola. É um modelo que já trouxe muitos ganhos na parte pedagógica que podem ser conferidos nos indicadores da educação básica e na diminuição dos índices de reprovação e evasão escolar”, defende o coronel Ferro, também citando que o formato ajuda a combater ainda o ambiente de violência vivenciado pelos alunos fora da escola.

 

 

 

 

 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

10 áreas em alta no Brasil e cargos com mais oportunidades de emprego

Levantamento do Infojobs mostra alta demanda nas áreas de tecnologia, gestão de pessoas e administração em todos os níveis

Published

on

 

São Paulo, fevereiro de 2023 – Os ambientes humanizados e mais conectados com ferramentas e plataformas digitais nas empresas brasileiras já estão refletindo nas demandas do mercado de trabalho. Seguindo os passos do ano anterior, 2023 começou aquecido para as áreas de tecnologia, administração e gestão de pessoas, de acordo com levantamento exclusivo do Infojobs, HR Tech que desenvolve soluções de tecnologia para o RH das empresas.

 

“Quem busca recolocação profissional ou mudar de emprego pode encontrar as vagas em diferentes regiões do país, em todos os níveis hierárquicos através desse levantamento. Como estamos no começo do ano, ainda pode servir como base para entender as principais tendências profissionais e, quem sabe, avaliar novas possibilidades de carreira”, comentou Ana Paula Prado, CEO do Infojobs.

 

Áreas em alta demanda em Janeiro de 2023

  • Comercial

 

Líder em 2022 em relação a ofertas de vagas, com 50.713 oportunidades, as tendências seguem em alta para a área comercial. É possível se candidatar para funções desde operacionais até cargos de gerência.

 

  • Tecnologia da Informação

 

O setor de tecnologia está em alta há alguns anos, mostrando que as companhias estão sedentas por contratar bons profissionais do segmento. Há oportunidades para todos os níveis hierárquicos, de estagiário a consultor.

 

  • Administração

 

Administradores são necessários em todas as empresas. No entanto, as vagas exigem cada vez mais habilidades específicas para atender as necessidades do mercado atual.  Há ofertas para todos os cargos, de operacionais a supervisão.

 

  • Logística

Com demandas cada vez mais dinâmicas e a tecnologia como ferramenta para as equipes, a área logística é essencial para o funcionamento pleno de algumas empresas. Podem ser encontradas vagas para diferentes níveis profissionais, de operacional a encarregado.

 

  • Gastronomia e Alimentos

Profissionais do setor de alimentos e gastronomia também encontram mais oportunidades, principalmente porque o segmento está em retomada pós-pandemia. Estão disponíveis vagas para todos os níveis, de operacional a coordenador.

 

  • Indústria

O setor responsável pelo processo fabril e desenvolvimento de diversos produtos, está entre as áreas com maior número de vagas abertas atualmente. As ofertas disponíveis são destinadas a todos os níveis.

 

  • Construção Civil

Também devido à retomada, a construção civil apresenta crescimento no número de oportunidades e as empresas estão em busca de profissionais já no início do ano. Além de especialistas, também estão sendo buscados operacionais, auxiliares, consultores e estagiários.

 

  • Finanças

A área financeira está entre os principais setores em destaque, com tendência de crescimento até o fim do ano. Estão disponíveis vagas para todos os níveis.

  • Serviços Gerais

Profissionais de serviços gerais podem encontrar vagas em diferentes regiões do país. Os níveis buscados são: operacional, auxiliar, assistente, supervisor e encarregado.

 

  • Recursos Humanos

Com a busca por aprimoramento e estruturação de equipes de RH ainda mais especializadas em gestão de pessoas e aptas a utilizarem as novas tecnologias para o setor, as empresas procuram por profissionais competentes para continuar o desenvolvimento do trabalho com sucesso. Estão disponíveis vagas para todos os níveis.

 

Sobre o Infojobs 

Com mais de 35 milhões de visitas ao mês e 45 milhões de cadastros, o Infojobs é uma HR Tech que desenvolve soluções de tecnologia para o RH das empresas. Além da plataforma de oportunidades profissionais e busca de talentos, o Infojobs oferece, há 18 anos, soluções integradas de recrutamento com ferramentas avançadas e completas para gerir os processos seletivos das empresas, e facilitam aos candidatos a vantagem de cadastrarem seus currículos de forma gratuita, contemplando profissionais de todos os perfis. Recentemente, a empresa atingiu o número de mais de 120 mil vagas publicadas, garantindo um alto número de oportunidades de emprego.

 

MAIS INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA

NR7 Full Cycle Agency

infojobs@nr7.ag

Renata Sanches

Noelle Neves

 

 

 

Continue Reading

Reportagens

Carnaval abre com System Safadown, Suvaco da Asa e Cafuçu do Cerrado

Depois de dois anos sem folia, o pré-Carnaval de Brasília começa nesta sexta-feira (3), com apresentações a partir das 18h

Published

on

 

Catarina Lima, da Agência Brasília I Edição: Débora Cronemberger

 

O Carnaval volta às ruas de Brasília depois de dois anos sem folia. Neste fim de semana, os blocos Suvaco da Asa, System Safadown e Cafuçu do Cerrado fazem o pré-Carnaval de Brasília. O System Safadown é quem vai abrir os festejos de Momo. O bloco se apresenta nesta sexta-feira (2), a partir das 18h, em um palco montado em frente ao Eixo Cultural Ibero-Americano (antiga Funarte), no Eixo Monumental.

O bloco System Safadown vai abrir o pré-Carnaval de Brasília nesta sexta-feira (3), a partir das 18h | Foto: Luian Valadão

Os foliões do bloco ouvirão muito rock dos anos 1970 e 1980. Esta será a terceira apresentação do System no Carnaval de Brasília. “Esse Carnaval significa a volta da cultura e esta trará a luz que estamos precisando”, avaliou Lucas Formiga, diretor dos blocos System Safadown e Cafuçu do Cerrado.

No sábado (3) pela manhã, será a vez do Suvaco da Asa se apresentar. O bloco desfilará com a banda Mundo Livre S/A, de Pernambuco, uma das fundadoras do Manguebeat. Pela manhã, a versão infantil do bloco, o Suvaquinho, sai às 9h30, também da frente do Eixo Cultural Ibero-Americano. Às 13h, será a vez do Suvaco adulto puxar os foliões.

O Suvaco da Asa, bloco criado há 18 anos, vai animar o sábado junto com a banda pernambucana Mundo Livre/SA | Foto: Nina Quintana

O bloco tem como referência o frevo, mas promete um carnaval multicultural, a exemplo da festa de Recife, na qual se inspira. “A nossa expectativa é a melhor possível. Estamos voltando depois de muita turbulência”, disse Pablo Feitosa, diretor do Suvaco da Asa. Fundado há 18 anos, o bloco desfilou em 16 carnavais desde a sua fundação. Só deixou de sair em 2021 e 2022 devido à pandemia de covid-19.

No domingo (5), será a vez da agremiação que se autointitula o “bloco mais deselegante da cidade”, o irreverente Cafuçu do Cerrado. Com o título A gente tá querendo vida boa!, em homenagem ao hit de outro expoente do manguebeat, a banda Eddie (PE), o Cafuçu começa seu baile no melhor estilo brega às 14h. No palco, revezamento de atrações: DJ Mica, DJs Bagasystem, Sereia Sem Pé e Orquestra Cafuçu. No encerramento, está previsto um grande show da banda Eddie, que convida a cantora pernambucana Karina Buhr.

Os três blocos são gratuitos e totalmente acessíveis a pessoas com deficiência. A estrutura dispõe de banheiros químicos (inclusive adaptados) e praça para compra de alimentos, bebidas e adereços carnavalescos. Os pré-carnavais oficiais do System Safadown, Suvaco da Asa e Cafuçu do Cerrado contam com patrocínio do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal (FAC-DF).

Serviço

Blocos de Brasília celebram, no pré-carnaval, os 30 anos do movimento Manguebeat
Local: Eixo Cultural Ibero-Americano (antigo Complexo da Funarte), no Eixo Monumental
Quando: de sexta (3) a domingo (5)
Quanto: Grátis

Programação

Sexta-feira (3)
System Safadown – Da Lama ao Caos, a partir das 16h
→ DJ Formiga
→ DJ Telma e Selma
→ Mutante – Joana Duah canta Rita Lee. Convidada especial: Gaivota
→ Banda System Safadown. Convidados especiais: Daniela Firme, Gaivota e Rafael Cury.

Sábado (4)
Suvaco da Asa – É tempo de Festejar
→ Bloco infantil Suvaquinho, a partir das 9h30
→ Oficina Percussiva Vivendo e Batucando
→ Grupo Patubatê
→ Suvaco da Asa, a partir das 13h
→ DJ Laine D’Olinda
→ Bloco AVenCemos
→ Grupo cultural Batukenjé
→ Oficina Percussiva Vivendo e Batucando
→ Orquestra Marafreboi, a partir das 16h, com desfile do bloco pelo Eixo Monumental
→ Show da banda Mundo Livre S/A, às 18h
→ DJ La Ursa.

Domingo (5)
Cafuçu do Cerrado – A gente tá querendo vida boa!, a partir das 14h
→ DJ Mica
→ DJs Bagasystem
→ Sereia Sem Pé
→ Orquestra Cafuçu
→ Banda Eddie convida Karina Buhr (PE)

 

 

 

Continue Reading

Reportagens

Plenário da Câmara Legislativa faz minuto de silêncio por Glória Maria

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Published

on

 

O plenário da Câmara Legislativa do Distrito Federal respeitou um minuto de silêncio em memória da jornalista Glória Maria, falecida nesta quinta-feira (2). Durante a sessão ordinária, o deputado Chico Vigilante (PT) lembrou a trajetória da repórter, considerada um ícone da TV brasileira, que estava na Rede Globo desde 1971. “Não a conheci pessoalmente. Mas, ao receber a notícia de sua passagem, senti como se fosse alguém da família”, afirmou o parlamentar.

Vigilante destacou a importância de Glória Maria “por tudo o que ela representa para o jornalismo e para as mulheres pretas, bem como para o conjunto da população deste país. Por tudo o que ela foi”. A sugestão da homenagem foi acatada pelo presidente da Casa, deputado Wellington Luiz (MDB), que conduzia a sessão e afirmou: “Que Glória Maria possa descansar em paz”.

Marco Túlio Alencar – Agência CLDF

 

 

Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010