Artigos

As lágrimas de março

É pau, é pedra, é o fim do caminho…

Silvestre Gorgulho


É pau, é pedra, é o fim do caminho
É o copo, é a lata, é até canudinho
É plástico e mais plástico, é o fim da picada
É sujeira, é feiura, é nojeira danada
São os sujismundos de férias
Inundando o verão
Com promessas de lixo no seu coração…


Março está chegando. Tempo de lembrar da belíssima canção Águas de Março, do saudoso maestro Antônio Carlos Jobim. Com lirismo e beleza, Tom cantou os encantos da natureza quando vai fechando o verão. E é justamente quando fecha o verão, quando acabam as férias é que se pode avaliar o péssimo comportamento do brasileiro que usou e abusou dos recantos naturais. Aí, então, a hora é de cantar as Lágrimas de Março. Depois dos Reveillons, das grandes férias e dos carnavais, a natureza chora o comportamento daqueles que fazem das praias, das grutas, das dunas, das ilhas, dos lagos, dos rios e dos parques, um mar de lixo. É o fim da picada…


As praias, coitadas, localizadas nos grandes centros urbanos oferecem um espetáculo digno do Homem da Pedra, que agora, pelo visto, virou o Homem do Plástico. É garrafa e embalagens de plásticos por todos os lados, formando um círculo vicioso em proporção geométrica: os banhistas sujam, não existem lixeiras nas praias e nos parques e os administradores públicos não gerenciam a retirada do lixo. Um caos. O fim do caminho…


O ser humano tem que ter consciência de que quando ele compra um produto, esse produto lhe pertence. Para o bem e para o mau. O carro vai ajudá-lo a ir e vir, mas se não respeitar o novo Código de Trânsito, pronto, as multas também vão chegar. Ao comprar um guaraná, ele poderá deliciar-se do refrigerante, mas a embalagem é de sua responsabilidade. Virou lixo. E o lixo também lhe pertence. Assim, se cada um se responsabilizar pelo seu lixo, já não será mais o fim do caminho. Será um bom início.


Nada mais democrático do que uma praia: lá se relacionam, longe das grifes e da alta costura, o rico e o pobre, o negro e o branco, o católico e o budista. Em qualquer país. Nos reinos, nos impérios, nos socialistas e nos capitalistas. A praia é uma praça pública, onde as pessoas vão despojadas da moda. Aliás, a moda é justamente a pessoa ficar cada vez mais nua. A praia proporciona uma convivência natural, democrática. A praia iguala as pessoas. Aliás, um motivo a mais para respeitá-la, não é?


Veja só este dado: neste verão carioca os banhistas deixaram diariamente nas praias – do Leme à Barra da Tijuca – cerca de 85 toneladas de lixo. Todo o dia foram 85 mil quilos de plásticos, vidros e latinhas. Uma catástrofe ambiental provocada pelo comportamento humano. É o fim da picada…


Se o homem tem sua culpa porque suja e os governos (federal, estadual e municipal) têm sua culpa porque não promovem uma limpeza eficiente, as indústrias também têm culpa no cartório: veja o exemplo das embalagens de plástico descartáveis para refrigerantes, as chamadas “Pet”, que em nome do lucro puro e simples se esqueceu a qualidade ambiental. Antigamente era muito normal a “troca de casco” e proporcionava um reaproveitamento perfeito das embalagens. Chegou a “Pet” – que trouxe comodidade, agilidade e lucro. Mas estas vantagens foram pequenas em vista das terríveis desvantagens que elas provocaram: o lixão do plástico. As embalagens “Pets” foram para os terreiros, para os rios, para os canais e para as galerias fluviais. Resultado: quando elas não estão boiando no mar, nos rios e nos lagos, estão nos bueiros aumentando as inundações e desabamentos.


É hora de dar um basta! Aqueles que curtem a natureza, que buscam as praias, as cachoeiras, as grutas, os rios e os parques para um momento de lazer precisam se despertar para a gravidade do problema. Precisam dar o exemplo e pedir explicitamente aos freqüentadores que eles também respeitem. Não é fácil. Evidente que as questões de meio ambiente envolvem respeito à natureza. E como conseguir levar estas idéias aos humanos que não respeitam nem mesmo os seres da mesma espécie? É ou não é o fim do caminho!


Tom, você que sempre foi maior, e que agora está MAIOR ainda, nos ajude a estancar essas Lágrimas de Março… Nenhum outro país tem a riqueza natural e a exuberância do Brasil. São 4 milhões de km2 de paraísos ecológicos. Uma verdadeira nação verde que seria a sétima do mundo em extensão. Ela precisa ser respeitada e amada. Senão, amigos, não tem jeito, será mesmo o fim da picada…


 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Orquestra Sinfônica de Brasília apresenta último concerto didático de 2022

Alunos de seis escolas públicas lotaram o Teatro Plínio Marcos

Published

on

 

Agência Brasília* | Edição: Rosualdo Rodrigues

 

Na manhã desta quinta-feira (1º), estudantes de seis escolas da rede pública de ensino do Distrito Federal vivenciaram uma experiência inesquecível embalada pelo som da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (OSTNCS).

A apresentação gratuita ocorreu no Teatro Plínio Marcos, no Eixo Cultural Ibero-Americano, e fez parte do projeto Concertos Didáticos, promovido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) e pela Secretaria de Educação.

O evento foi o último concerto do projeto a ser realizado em 2022 e teve como objetivo compartilhar com os estudantes a magia da música, a cultura das apresentações de orquestra e ainda apresentar o som dos diversos instrumentos que a compõem, abrindo caminhos para a formação de plateia.

“Os jovens ficam emocionados, pois é um universo completamente diferente do que eles têm no dia a dia. O maestro encanta as crianças, desde o começo. É um momento ímpar”Ilane Nogueira, coordenadora de ações culturais do projeto de Ampliação da Educação em Tempo Integral no DF,

“O projeto reúne crianças de escolas públicas e até de algumas áreas rurais do Distrito Federal, que nem sempre têm oportunidade de acompanhar uma apresentação da orquestra. Aqui a gente apresenta e mostra os instrumentos para que elas saibam como funciona, na prática, um concerto musical. Além disso, é uma oportunidade de apresentar esse espaço, o Teatro Plínio Marcos, para a comunidade”, explica o maestro Claudio Cohen.

Acompanharam o concerto jovens estudantes de seis escolas públicas do Paranoá, Santa Maria, Sobradinho, Cidade Estrutural e Asa Norte. A apresentação durou cerca de duas horas e emocionou a todos. No programa, estiveram trilhas sonoras de filmes e grandes nomes da música nacional e internacional, como a banda de rock britânica Beatles e o compositor e cantor brasileiro Luiz Gonzaga.

O projeto dos Concertos Didáticos acontece desde 2016 e já atendeu a mais de 12 mil estudantes em todo o DF. A iniciativa, no entanto, foi interrompida por causa da pandemia de covid-19. Ilane Nogueira, coordenadora de ações culturais do projeto de Ampliação da Educação em Tempo Integral no DF, explica que foram sete apresentações no segundo semestre de 2022, atendendo a mais de 3 mil crianças.

“Estamos retomando o projeto neste período pós-pandemia e tem sido muito bom. Os jovens ficam emocionados, pois é um universo completamente diferente do que eles têm no dia a dia. O maestro encanta as crianças desde o começo. É um momento ímpar”, destaca.

Para Miriam Alves, coordenadora pedagógica da Escola Classe 01 Porto Rico, de Santa Maria, esse tipo de programação é enriquecedor e de grande valia. “As crianças só têm acesso a um tipo de música. E o projeto é ótimo para o crescimento pessoal, uma experiência diferente, para que, ao crescer, elas possam escolher por ter vivenciado isso”, comemora.

Os Concertos Didáticos continuam suas atividades em 2023, dando continuidade a uma ação de sucesso que já atendeu mais de 12 mil estudantes. A participação das escolas é feita por agendamento e segue uma lista de espera organizada pela Secretaria de Educação. A intenção, segundo o maestro Cláudio Cohen, é ampliar o programa, com a realização de mais apresentações ao longo do ano.

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF

 

 

 

Continue Reading

Artigos

Inovação verde

Sustentabilidade e a sigla ESG tem dominado grande parte da pauta de encontros empresariais

Published

on

 

O conceito da sustentabilidade e a sigla ESG tem dominado grande parte da pauta de encontros empresariais, seminários e congressos de negócios. O discurso garante não ser apenas mais um modismo, como tantos outros no passado, e sim um conceito que teria vindo para ficar, até porque não teríamos escolha, se quisermos salvar o planeta. Além disso, as gerações Y e Z estão mais atentas ao assunto e cobrando maior responsabilidade ambiental, social e de governança das empresas.  O mercado financeiro e as certificadoras também observam esse novo momento para oferecer vantagens e reconhecer as companhias que demonstrarem maior comprometimento com a sustentabilidade.

Nessa pauta, um dos principais desafios é desenvolver tecnologias que sejam sustentáveis, tanto economicamente viáveis quanto atraentes para o mercado.  Hitendra Patel, diretora do IXL Center da Hult International Business School, e que no Brasil é parceiro da Revista Amanhã em um ranking de inovação, criou o termo “greenovations” para essas soluções, e destaca a necessidade da viabilidade financeira para o assunto ganhar relevância entre as empresas. Boas ideias e tecnologias não são suficientes para criar produtos e serviços ambientalmente sustentáveis. É preciso torná-los lucrativos e atrativos, criando um círculo virtuoso.

As empresas precisam transformar essa pauta em cultura para que ela permeie os novos modelos de negócios. Os setores público e privado devem trabalhar juntos para evitar excessos na legislação, buscar eficiência nos licenciamentos, equilíbrio e ponderação nas fiscalizações e oferecer estímulos à inovabilidade. É a melhor maneira de transformar o que muitas vezes ainda é visto como moda, ou como um fardo a carregar, em um compromisso espontâneo e duradouro.

 

Escrito por Carlos Rodolfo Schneider – empresário

 

 

Continue Reading

Artigos

Brasil, falta de Neymar e resultado das urnas

Published

on

Tô pensando o seguinte:
NEYMAR faz muita falta à Seleção Brasileira. Assim como o VAR faz falta na eleição no Brasil.
Quando o Juiz vai pro VAR ele busca transparência e retidão no lance.
É tudo que se quer no resultado das urnas.
Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010