Artigos

Hiroshima é hoje o símbolo maior da Paz

No epicentro da explosão, a temperatura chegou ao 4.000 graus C e as pessoas simplesmente evaporaram.


Hiroshima é hoje o símbolo maior da Paz


Silvestre Gorgulho


Às 08h15 da manhã do dia 06 de agosto de 1945, na 2a Guerra Mundial, a primeira bomba atômica lançada sobre alvos humanos na História da Humanidade, explodiu a aproximadamente 500 metros de altitude, no céu de Hiroshima. Naquele instante, a cidade foi reduzida a uma planície queimada, com milhares de vidas destruídas.


As perdas materiais foram extraordinárias. O ato gerou a imensa devastação física, ambiental e, talvez, mais grave ainda, moral. Lá se vai mais de meio século da tragédia. Todos nós sentimos, sofremos e pagamos por mais esta perversidade do ser humano.


Dentre as várias instituições que foram criadas em torno da Bomba de Hiroshima, destaca-se a “Stone of Hiroshima”, entidade sem fins lucrativos que, através de palestras, seminários e material áudio visual, lembra ao mundo os lamentáveis efeitos daquele ato, conclamando a todos para uma reflexão sobre a paz mundial.


Em 1995, o Governo Japonês, preparando a visita do Imperador Akihito ao Brasil, doou ao País um exemplar da Pedra da Paz, pedaço do concreto por onde trafegava o “elétrico” da cidade. Esse presente se constituiu em uma das poucas peças materiais que sobreviveram ao desastre.


Cerca de 100 países receberam esta homenagem e guardam com carinho este precioso símbolo de um ato que, pretendemos, não se repita.


O Flash atômico




  • O avião B-29, bombardeiro comandado pelo piloto americano Paul Tibbets, era chamado de Enola Gay. Uma homenagem à mãe do comandante.


  • O Enola Gay levava quatro tripulantes e uma bomba atômica de quatro toneladas. Apelidada de Little Boy, a bomba tinha três metros de comprimentos por 70 cm de largura.


  • Lançada a 9.000 metros de altitude, a bomba explodiu a uns 500 metros do solo, bem em cima da ponte do elétrico da cidade.


  • Estima-se que morreram 140 mil pessoas: 74% morreram no primeiro dia


  • No epicentro da explosão, a temperatura chegou ao 4.000 graus C e as pessoas simplesmente evaporaram.


  • Três dias depois foi lançada outra bomba atômica sobre a cidade de Nagasaki, que deixou mais de 70 mil mortos.


  • A bomba de Hiroshima tinha o equivalente a 17 mil toneladas de TNT. Hoje a maioria das bombas atômicas tem o equivalente a um milhão de toneladas de TNT e pesam apenas 45 quilos.


  • Estima-se que hoje haja mais de 35 mil ogivas nucleares no mundo em poder dos seguintes países: Estados Unidos, Rússia, Inglaterra, França, China, Paquistão, Índia, Israel e Coréia do Norte – segundo os cientistas, o suficiente para destruir o planeta Terra mais de 30 vezes.

Casa do Cerrado


A Fundação Casa do Cerrado, recebeu esta pedra por indicação do presidente Fernando Henrique Cardoso e a mantém exposta em suas instalações, para que os visitantes possam refletir sobre as Guerras e levem consigo a mensagem de Paz.


A Fundação Casa do Cerrado é uma entidade sem finalidade lucrativa, responsável por vários projetos culturais, agrícolas, de biotecnologia, paisagísticos e ambientais. Todos voltados à promoção do desenvolvimento desta região brasileira. Sua sede está situada num parque de 34 hectares, na Asa Norte de Brasília, onde é mantido um belíssimo jardim japonês (o maior fora do Japão), um fantástico jardim típico do Cerrado, um Museu de Taxidermia (animais empalhados) e a Pedra da Paz de Hiroshima.


Inscrição na Pedra da Paz, que está
na Casa do Cerrado, em Brasília


“ Esta laje de granito, foi recortada do pavimento por onde circulava uma das linhas do “Elétrico”, e que foi exposta à explosão atômica sobre Hiroshima, ocorrida às 08:15 do dia 06 de Agosto de 1945.


As lajes, utilizadas para pavimentar as vias publicas por onde circulava a rede de “Elétricos” municipal, que representa o mais importante meio de transporte de Hiroshima, são testemunhas da terrível explosão nuclear que causou a morte de mais de 150.000 pessoas, na mais horrível das tragédias da história da humanidade.


Tendo bem presente um desejo profundo de uma nova ordem mundial, foi gravada nesta laje uma mensagem em prol da paz mundial bem como em algumas outras recolhidas em faixas da linha próxima da Ponte AIOI, que se encontrava localizada a cerca de 200 metros do “ponto zero” e que foram doadas pelo Governo Japonês, através da “Stone for Peace Association of Hiroshima”, a países amigos entre os quais o Brasil.


Tirando lições da calamidade que o povo japonês sofreu e da culpa sentida relativamente às restantes nações envolvidas na II Guerra Mundial, a própria constituição japonesa registra o compromisso de nunca mais desenvolver atos de agressão contra países estrangeiros.


A Fundação Casa do Cerrado sente-se orgulhosa em poder compartilhar com todo povo brasileiro, através deste símbolo, o desejo de um mundo livre da guerra ficando esta recordação do ataque atômico contra Hiroshima, a representar um testemunho constante da importância da PAZ ”.


Hiroshima
Antes e Depois


Silvestre Gorgulho


O Homem é isto:
Sabe… sente… sofre,
mas esquece
O Antes e Depois do Cristo.


O Homem é isto:
Da guerra, não ganhou a Paz
Do sangue, não refez a Vida
E, sem sorte,
O Homem é isto:
Antes e Depois da Morte.


O Homem é isto
Num clarão radioativo
Fez-se a luz
de um novo Jesus:
Hiroshima.
E essa é a nova Cruz


Antes e Depois do Cristo!
A História ensina,
1945 anos acima,
Antes e Depois
De Hiroshima.


O Homem é isto…


 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Orquestra Sinfônica de Brasília apresenta último concerto didático de 2022

Alunos de seis escolas públicas lotaram o Teatro Plínio Marcos

Published

on

 

Agência Brasília* | Edição: Rosualdo Rodrigues

 

Na manhã desta quinta-feira (1º), estudantes de seis escolas da rede pública de ensino do Distrito Federal vivenciaram uma experiência inesquecível embalada pelo som da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (OSTNCS).

A apresentação gratuita ocorreu no Teatro Plínio Marcos, no Eixo Cultural Ibero-Americano, e fez parte do projeto Concertos Didáticos, promovido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) e pela Secretaria de Educação.

O evento foi o último concerto do projeto a ser realizado em 2022 e teve como objetivo compartilhar com os estudantes a magia da música, a cultura das apresentações de orquestra e ainda apresentar o som dos diversos instrumentos que a compõem, abrindo caminhos para a formação de plateia.

“Os jovens ficam emocionados, pois é um universo completamente diferente do que eles têm no dia a dia. O maestro encanta as crianças, desde o começo. É um momento ímpar”Ilane Nogueira, coordenadora de ações culturais do projeto de Ampliação da Educação em Tempo Integral no DF,

“O projeto reúne crianças de escolas públicas e até de algumas áreas rurais do Distrito Federal, que nem sempre têm oportunidade de acompanhar uma apresentação da orquestra. Aqui a gente apresenta e mostra os instrumentos para que elas saibam como funciona, na prática, um concerto musical. Além disso, é uma oportunidade de apresentar esse espaço, o Teatro Plínio Marcos, para a comunidade”, explica o maestro Claudio Cohen.

Acompanharam o concerto jovens estudantes de seis escolas públicas do Paranoá, Santa Maria, Sobradinho, Cidade Estrutural e Asa Norte. A apresentação durou cerca de duas horas e emocionou a todos. No programa, estiveram trilhas sonoras de filmes e grandes nomes da música nacional e internacional, como a banda de rock britânica Beatles e o compositor e cantor brasileiro Luiz Gonzaga.

O projeto dos Concertos Didáticos acontece desde 2016 e já atendeu a mais de 12 mil estudantes em todo o DF. A iniciativa, no entanto, foi interrompida por causa da pandemia de covid-19. Ilane Nogueira, coordenadora de ações culturais do projeto de Ampliação da Educação em Tempo Integral no DF, explica que foram sete apresentações no segundo semestre de 2022, atendendo a mais de 3 mil crianças.

“Estamos retomando o projeto neste período pós-pandemia e tem sido muito bom. Os jovens ficam emocionados, pois é um universo completamente diferente do que eles têm no dia a dia. O maestro encanta as crianças desde o começo. É um momento ímpar”, destaca.

Para Miriam Alves, coordenadora pedagógica da Escola Classe 01 Porto Rico, de Santa Maria, esse tipo de programação é enriquecedor e de grande valia. “As crianças só têm acesso a um tipo de música. E o projeto é ótimo para o crescimento pessoal, uma experiência diferente, para que, ao crescer, elas possam escolher por ter vivenciado isso”, comemora.

Os Concertos Didáticos continuam suas atividades em 2023, dando continuidade a uma ação de sucesso que já atendeu mais de 12 mil estudantes. A participação das escolas é feita por agendamento e segue uma lista de espera organizada pela Secretaria de Educação. A intenção, segundo o maestro Cláudio Cohen, é ampliar o programa, com a realização de mais apresentações ao longo do ano.

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF

 

 

 

Continue Reading

Artigos

Inovação verde

Sustentabilidade e a sigla ESG tem dominado grande parte da pauta de encontros empresariais

Published

on

 

O conceito da sustentabilidade e a sigla ESG tem dominado grande parte da pauta de encontros empresariais, seminários e congressos de negócios. O discurso garante não ser apenas mais um modismo, como tantos outros no passado, e sim um conceito que teria vindo para ficar, até porque não teríamos escolha, se quisermos salvar o planeta. Além disso, as gerações Y e Z estão mais atentas ao assunto e cobrando maior responsabilidade ambiental, social e de governança das empresas.  O mercado financeiro e as certificadoras também observam esse novo momento para oferecer vantagens e reconhecer as companhias que demonstrarem maior comprometimento com a sustentabilidade.

Nessa pauta, um dos principais desafios é desenvolver tecnologias que sejam sustentáveis, tanto economicamente viáveis quanto atraentes para o mercado.  Hitendra Patel, diretora do IXL Center da Hult International Business School, e que no Brasil é parceiro da Revista Amanhã em um ranking de inovação, criou o termo “greenovations” para essas soluções, e destaca a necessidade da viabilidade financeira para o assunto ganhar relevância entre as empresas. Boas ideias e tecnologias não são suficientes para criar produtos e serviços ambientalmente sustentáveis. É preciso torná-los lucrativos e atrativos, criando um círculo virtuoso.

As empresas precisam transformar essa pauta em cultura para que ela permeie os novos modelos de negócios. Os setores público e privado devem trabalhar juntos para evitar excessos na legislação, buscar eficiência nos licenciamentos, equilíbrio e ponderação nas fiscalizações e oferecer estímulos à inovabilidade. É a melhor maneira de transformar o que muitas vezes ainda é visto como moda, ou como um fardo a carregar, em um compromisso espontâneo e duradouro.

 

Escrito por Carlos Rodolfo Schneider – empresário

 

 

Continue Reading

Artigos

Brasil, falta de Neymar e resultado das urnas

Published

on

Tô pensando o seguinte:
NEYMAR faz muita falta à Seleção Brasileira. Assim como o VAR faz falta na eleição no Brasil.
Quando o Juiz vai pro VAR ele busca transparência e retidão no lance.
É tudo que se quer no resultado das urnas.
Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010