Artigos

Grandeza dos Pequenos

Sábia é a sociedade que dá força aos pequenos e valoriza sua cultura local

Silvestre Gorgulho


Para que um jornal de bairro, de algum movimento de cidadania ou de uma cidadezinha do interior, se hoje é fácil ir a uma banca de rodoviária e comprar um grande jornal da capital ou mesmo do Rio de Janeiro e São Paulo?


Por que uma revista de moda, de educação, de meio ambiente, de turismo de uma cidade se se pode ir até a banca do aeroporto e comprar revistas de moda, de meio ambiente, de turismo de Paris, de Nova York ou de Londres?


Para que uma emissora de rádio de um município perdido nesse mundo de Deus se a coisa mais fácil é sintonizar rádios AM, FM, BBC, CBN e mil e umas outras que têm uma programação muito mais interessante e profissional?


Para que uma TV Comunitária ou uma TV local se a CNN, a ESPN, a RAI, a NNK, a CBS, a Globo e outras 300 e tantas tevês podem chegar à nossa sala por uma simples e improvisada parabólica colocada no telhado?


Para que perder tempo com um grupo de teatro local se podemos ver, sem grandes dificuldades, artistas famosos nos grandes teatros de Nova York, do Rio, São Paulo, Brasília, Salvador e Porto Alegre?


Para que gastar dinheiro fazendo filmes tupiniquins, se a coisa mais fácil é ir até a locadora ou mesmo ao Cinemax, para assistir a filmes de uma indústria fantástica como a de Hollywood que produz filmes muito mais ricos e sofisticados?


Para que dar força ao Coral de sua cidade, de sua empresa, de sua universidade se o mundo pode oferecer corais muito mais preparados e famosos à altura de suas mãos nas lojas de DVDs?


Para que incentivar a orquestra de seu Estado se pela tevê, pelo DVD ou até mesmo com uma pequena viagem se pode assistir a uma orquestra verdadeiramente profissional e famosa?


Para que Carnaval no interior se o Carnaval famoso, que rende dinheiro, que atrai turistas e dá manchetes em revistas e jornais está na Sapucaí?


Para que ter um timinho de futebol, de vôlei, de tênis ou de basquete na nossa cidade do interior se a tevê coloca na nossa sala os melhores jogos, os mais importantes campeonatos e os jogadores mais famosos do mundo?


Sabe por quê?
Porque nem os grandes jornais, as grandes redes de televisão, as grandes revistas, as maiores emissoras de rádio, os famosos grupos de teatro, os filmes de Hollywood, os importantes corais das capitais européias, as orquestras de Berlim e da Áustria, as grandes ligas NBA e os Reals Madris, Arsenals, Flamengos e Corinthians vão sobreviver sem a força do homem do interior, sem o valor cultural e as tradições dos longínquos municípios e sem a diversidade de raça, de história e de criatividade dos pequenos.


Só a imprensa local, só o time local, só a escola local e só os movimentos culturais locais estão comprometidos com quem vive ali. Para a grande imprensa, os lugares pequenos do interior são notícias pelo inusitado, quando algo de muito anormal acontece. Entram no noticiário “nacional” pelo fora de série, pelo exótico e pelo estranho. Quer um exemplo? Pergunte ao mundo o que é Bhopal. Poucos, pouquíssimos mesmos responderão: Bhopal é a capital do estado de Madhya Pradesh, no centro da Índia, conhecida como a cidade dos Lagos e das Mesquitas. A grande maioria, mesmo consultando a Internet, dirá: Bhopal é onde tinha uma indústria de veneno da Union Carbide que deixou vazar gás tóxico, matando muita gente inocente. Tal qual Chernobil, na Rússia, Bhopal ficou conhecida por um terrível acidente. Virou uma palavra negativa. Os belos lagos e as majestosas mesquitas só têm valor para quem vive lá. Se não fosse a imprensa local, as rádios e as tevês locais, Bhopal não seria nem um retrato na parede. Estava definitivamente condenada, sem povo, sem história e sem esperança.


Por isso que se diz que todo cidadão vive no município. Ele busca conhecer outros mundos, mas orgulho mesmo o cidadão tem de sua comunidade, de sua terra, de sua identidade, de sua cultura e de suas tradições.


E sabe por que o local e o pequeno são tão importantes? Simples. Porque só o local e o pequeno permitem a interação. É no círculo do mais próximo que se afirma a identidade pessoal na relação com o outro. O grande nos torna objeto e nos distancia de nós mesmos.


Mas é bom salientar algo muito essencial.


Não é o jornal grande que mata o pequeno.


Não é o clube de futebol grande que mata o pequeno.


Não é a Escola de Samba grande que mata a pequena.


Não é a revista grande que mata a pequena.


Não é a orquestra famosa que mata a pequena.


Não é a rádio grande que mata a pequena.
Pelo contrário, todos os grandes precisam dos pequenos, pois ali está seu celeiro de artistas, de esportistas e de bons profissionais.
O que mata o pequeno é a visão curta das autoridades que querem mais aparecer do que servir.


O que mata o pequeno é a visão distorcida do empresário que quer mais o marketing para vender e multiplicar do que o marketing para dividir e somar.
O que mata o pequeno são os governos que pensam mais nos votos e no apoio do atacado do que do varejo.


Feliz é a autoridade que aprende com os erros dos outros e descobre que a perfeição está nos detalhes.


Civilizada é a nação que não deixa morrer sua cultura e suas tradições locais.
Sábia é a sociedade que dá força aos pequenos e aos alternativos.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Brasil, falta de Neymar e resultado das urnas

Published

on

Tô pensando o seguinte:
NEYMAR faz muita falta à Seleção Brasileira. Assim como o VAR faz falta na eleição no Brasil.
Quando o Juiz vai pro VAR ele busca transparência e retidão no lance.
É tudo que se quer no resultado das urnas.
Continue Reading

Artigos

Debênture Verde: Biotrop investe R$ 92,5 milhões em sustentabilidade no primeiro ano

Com o crescimento acelerado da demanda por produtos biológicos e naturais na agricultura, empresa amplia investimentos em P&D, estruturas, laboratórios e prepara o lançamento de novos produtos, contribuindo cada vez mais com a agricultura regenerativa

Published

on

 

A Biotrop, empresa dentre as líderes em soluções biológicas e naturais para o agronegócio, através da sua controlada – Total Biotecnologia S.A., acaba de ser certificada pelo Bureau Veritas pela destinação de mais de R$ 92,5 milhões de recursos para as iniciativas sustentáveis, oriundas das debêntures verdes captadas.

Do valor de R$ 100 milhões obtidos com o título, um montante superior a 92% foi destinado para investimentos em três importantes blocos: capital de giro para a fabricação e distribuição de bioinsumos; investimentos na planta, que inclui a expansão fabril, equipamentos para os laboratórios, veículos e tecnologia da informação; e para as atividades de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), incluindo inovação, para garantir novos produtos destinados à agricultura sustentável. O valor restante dos recursos da debênture será alocado para novas demandas.

De acordo com o diretor financeiro, Adriano Zan, impressiona o montante que a Biotrop destinou de recursos já no primeiro ano da debênture. “Após a emissão, a companhia tem o prazo de até cinco anos para destinar os 100% de recursos. A rapidez desse processo é a prova da célere adoção de biotecnologias pelos agricultores, sobretudo as soluções sustentáveis da Biotrop. Um passo importante para a empresa e para a agricultura brasileira”, diz.

Para o CEO da empresa, Antonio Carlos Zem, esse relatório comprova o comprometimento e respeito da Biotrop com o mercado e principalmente a transparência com os investidores. “Utilizamos as debêntures verdes, entregamos indicadores financeiros melhores que os requeridos e usamos os recursos de modo sustentável para expandir a agricultura biológica. Pretendemos obter centenas de milhões em financiamentos verdes para 2023, dado o crescimento acelerado, o que pode ser uma ótima oportunidade para nossos credores”, diz.

Zem ressalta ainda as expectativas para o futuro. “Os agricultores no Brasil e na América Latina podem esperar o lançamento de novos produtos e maior capacidade de atender aos clientes. A Biotrop está liderando o mercado com uma robusta plataforma de inovação em várias dimensões dos biológicos. Ao associar P&D de ponta, acesso de mercado superior e equipe preparada e focada exclusivamente em biológicos, conseguimos crescer de forma exponencial, rentável, sustentável, com direção estratégica e através de pessoas extraordinárias!”, finaliza o executivo.

Sobre o título captado

Debêntures verdes são aquelas cujos recursos são investidos tanto em projetos com benefícios ambientais quanto sociais. Esses títulos de renda fixa são emitidos por empresas que precisam financiar um projeto, pagar uma dívida ou aumentar o capital. Para isso, elas pagam uma remuneração em troca do financiamento. No caso da Biotrop, as debêntures foram emitidas conforme a abordagem da ICMA (International Capital Market Association) e das Nações Unidas. O Banco Itaú BBA foi o coordenador-líder da emissão.

Sobre – A Biotrop é uma empresa brasileira, fruto da visão e empreendedorismo de um seleto grupo de profissionais apaixonados pelo agronegócio. Atua com foco em pesquisa e desenvolvimento de soluções diferenciadas e inovadoras, com o objetivo de contribuir para uma agricultura mais sustentável, saudável e regenerativa. Com escritório em Vinhedo (SP) e fábrica em Curitiba (PR), a empresa leva ao mercado o que há de melhor no mundo em soluções biológicas e naturais. Acesse www.biotrop.com.br.

 

 

 

Continue Reading

Artigos

Obra resgata magia da infância em Brasília e celebra a vida nas cidades-satélites

Livro enaltece a pluralidade da capital federal e desperta nostalgia de quem cresceu na região com liberdade para brincar na rua

Published

on

 

A pluralidade nos costumes e os sonhos das pessoas que migraram de todo o país para a capital federal e as cidades-satélites são a inspiração da professora, escritora e artesã Gabi Vasconcelos para a criação do livro Minha Brasília.

Sob a ótica de quem brincava de pés descalços na rua e conhece a saudosa liberdade de ser criança, a autora celebra a infância na terra natal, Taguatinga, e em Sobradinho, onde reside.

Alfabetizadora com mais de 20 anos de profissão, Gabi sentiu necessidade de desenvolver um material histórico e cultural sobre a região voltada ao público infantil. Assim, o livro busca desvincular os moradores da atmosfera de ostentação, corrupção e questões políticas que envolvem o local de onde saem as principais decisões no país.

Minha Brasília é feita, principalmente, de gente!
Pessoas que vieram construir uma cidade e junto
trouxeram sonhos, família, cultura e costumes de
todas as regiões do Brasil. Essa mistura resultou
em história e amor, muito amor.
(Minha Brasília, p. 17)

As páginas revelam as particularidades de Brasília e das cidades do entorno, os locais ideais para um passeio, a conexão entre a arquitetura e a natureza e a variedade cultural que se concentra na capital. A obra evidencia o lado vibrante e acolhedor do Distrito Federal, uma face que não costuma ser mostrada da cidade que tem sua própria identidade formada a partir de uma grande mistura cultural.

Ao transitar por passado e presente, Minha Brasília revela um lugar onde pessoas se encontram em busca de recomeços. Onde crianças crescem alegremente, em um ambiente familiar abundante em culinária, ecoturismo, feiras e com um belo pôr do sol. Ricas em detalhes, as ilustrações de Victor Tavares transportam o leitor para uma infância divertida e colorida, que fazem da imponente capital um verdadeiro lar.

Ficha técnica

Título: Minha Brasília
Autora: Gabi Vasconcelos
ISBN/ASIN: 978-65-00-52583-0
Faixa etária indicada: A partir de 4 anos de idade
Páginas: 24
Preço: R$ 34,16
Onde encontrar: UICLAP

Sobre a autora

A professora, escritora e artesã Gabi Vasconcelos nasceu em Taguatinga (DF) e vive em Sobradinho. É formada em letras e especializada em Ciências Humanas e Direito Educacional. Apaixonada por livros, está sempre se aventurando na escrita. Com mais de 20 anos de convívio com as crianças, a alfabetizadora também é autora das obras infantis “Bela” e “Bela Matusquela”.

Redes sociais da autora

 

 

 

Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010