Artigos

Sem chances na mídia

A mídia trata a questão ambiental só quando tem crise, crime ou tragédia

Sem chances na mídia


A mídia trata a questão ambiental só quando tem crise, crime ou tragédia


Silvestre Gorgulho


Durante o mês da Copa do Mundo a mídia mundial só teve espaço para o planeta bola. É natural. Afinal de contas, esse é o evento esportivo mais espetacular e de maior visibilidade na face da Terra. O futebol é o esporte mais popular. Por tudo isto, a Copa do Mundo virou um grande negócio social, político, econômico, cultural, financeiro e até esportivo.
Todas as mídias cobriram cada minuto das seleções, das torcidas e fizeram uma varredura ampla e irrestrita do país sede. Para se ter uma idéia do tamanho e da visibilidade do negócio Copa do Mundo, segundo a Fifa, 60% da população mundial assistiram aos jogos. E o telespectador teve onipresença garantida pelos olhos de 48 modernas câmeras de tevê e centenas de fotógrafos postados em cada uma das 64 partidas.
Pena que os gols feitos e perdidos, as lágrimas e alegrias das torcidas e a  própria cabeçada de Zidane em Marco Materazzi tiveram muito mais divulgação e repercussão do que o programa Gol Verde que a Fifa, o Pnuma/ONU e o governo alemão fizeram para tornar a Copa do Mundo um evento sustentável.
O programa Gol Verde foi criado para marcar posição em quatro áreas: água, lixo, energia e mobilidade. Klaus Toepfer, ambientalista alemão, coordenador do Gol Verde, explicou em entrevista exclusiva à Folha do Meio Ambiente, edição de maio, que pela primeira vez os cuidados com o meio ambiente foram prioridade máxima numa competição. E que os objetivos foram claros e mensuráveis: conscientizar para a reutilização, reciclagem, reúso da água e economia de energia. Tudo para neutralizar as 100 mil toneladas de dióxido de carbono geradas pelo sistema de transportes, construção e manutenção dos estádios, como também pela presença dos mais de 3 milhões de espectadores.
A idéia do programa nasceu no início da década de 90, quando a Federação Alemã de Futebol começou a pensar em sediar a Copa de 2006.  Questões ambientais ainda nem faziam parte da lista de deveres da FIFA.
Foi triste perder o hexa. Mais triste, ainda, foi ver uma seleção brasileira desestimulada. Mas triste, também, foi ver que, como sempre, a mídia trata a questão ambiental só quando tem crise, crime ou tragédia. Nunca como um processo educativo, para mudar comportamentos e padrões de consumo e de produção.
O Gol Verde não teve a chance merecida nos espaços da mídia. Parece que o processo de educação, de formação cidadã e de preservação do planeta continua sem chances.
Nem o Brasil, que se prepara para a realização de um grande evento esportivo, o PAN 2007, no Rio de Janeiro, está sabendo tirar proveito das lições do programa Gol Verde. Assim, o vexame da seleção nas quadras alemãs, será acrescido de um outro ainda maior: a absoluta falta de interesse dos governos na gestão ambiental.


SUMMARY


During the month-long World Cup event the international press had only space for the realm of football. What could be more natural, after all, this is the most spectacular and visible sporting event on the face of the earth and football is indeed the most popular sport there is, which is why the World Cup has become a major social, political, economic, cultural financial and even sporting phenomenon. 
Every type of media covers each minute of the teams and the fans and takes a sweeping look into the host country.  Just to have an idea of the size and the visibility of the event, according to the organizers, FIFA, 60% of the world’s population watches the games.  Television viewers are guaranteed complete coverage owed to the lenses of 48 modern TV cameras and hundreds of photographers posted at every single one of the 64 games.  
It is a shame that the goals won and lost, the tears and joy of the fans and even the head blow that Zidane delivered Marco Materazzi received greater coverage and comment than did the Green Goal that FIFA, the UN Pnuma and the German government had sponsored to make the World Cup a sustainable event. 
The Green Goal program was created to emphasize four areas:  water, waste, energy and mobility.  Klaus Toepfer, a German environmentalist, coordinator of the Green Goal, explained in an exclusive interview with the Folha do Meio Ambiente, in the May edition, that for the first time environmental concerns were the highest priority at any games and that the objectives were clear and measurable.  These efforts were to make the public aware of reclamation, recycling and reuse of water and energy conservation to offset the 100,000 tons of carbon dioxide generated by the transportation system, construction and maintenance of the stadiums, as well as the presence of over three million spectators.   
The idea for the program first came about in early on in the 90s when the German Football Federation began thinking about hosting the World Cup in 2006.  Environmental issues were not yet part of list of FIFA responsibilities. 
Although it was sad to see Brazil lose out on winning its sixth championship, and witness an unenthusiastic Brazilian team, it is sadder still to see the media, as usual, deal with the environmental issue only in times of crisis, crime or tragedy, and not as an educational process to change behavior, consumer habits and production standards.    
The Green Goal did not have the chance it deserved in the press and to all appearances, the educational process, building citizenship and preservation of the planet have no chance at all.  Even Brazil as it prepares to hold a major sporting event, the PAN 2007, in Rio de Janeiro, does not know how to take advantage of the lessons of the Green Goal program.  Thus, the absolute lack of interest on the part of governments in environmental management will be added to the shame of the Brazilian team on the German fields.


SG

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

SÃO LOURENÇO

Uma estância hidromineral no Sul de Minas que vai além de suas sagradas águas medicinais

Publicado

em

 

Embarque neste video e conheça as belezas, a cultura e as maravilhas de São Lourenço.

 

 

Boa viagem!

 

Obrigado PAIVA FRADE.

Continue Lendo

Artigos

O Dia da ave e a ave Nacional

Dalgas lutou para criar o Dia da Ave e para fazer do Sabiá a Ave Nacional

Publicado

em

 

O SENHOR DOS PÁSSAROS 6

O Dia da ave e a ave Nacional

1 de julho de 2024

Dalgas lutou para criar o Dia da Ave e para fazer do Sabiá a Ave Nacional

Silvestre Gorgulho

 

 

O Dia da Ave é comemorado no Brasil desde 1968. Em 2002, a o Dia da Ave se revestiu de mais significado, pois todas as aves brasileiras passaram a ter, simbolicamente, uma única ave para representá-las: o sabiá laranjeira (Turdus rufiventris) que se transformou na Ave Nacional.

Dalgas lutou para criar o DIA DA AVE, em 5 de outubro. No diploma para as escolas tinha a assinatura do ministro da Educação, Jarbas Passarinho, e de outras autoridades. As duas últimas assinatura: Edson Arantes do Nascimento, o Rei PELÉ e do próprio Dalgas.

O ato burocrático que garantiu o sabiá laranjeira como Ave Nacional foi justamente por sua importância no folclore popular e na literatura do País. A iniciativa para fazer do Sabiá a Ave Nacional partiu o engenheiro e ornitólogo Johan Dalgas Frisch.

Segundo Dalgas Frisch, a APVS deu início a uma campanha em defesa do sabiá-laranjeira (Turdus Rufiventris). “Tivemos o apoio até do escritor Jorge Amado. E em agosto de 2002, a “Folha do Meio Ambiente”, jornal pioneiro na cobertura da temática ambiental, promoveu junto a seus mais de 150 mil leitores e 200 mil internautas, durante um mês, uma enquete para a escolha da ave nacional. Havia duas propostas: o sabiá e a ararajuba. Ganhou o sabiá (Turdus rufiventris) com uma grande vantagem: 91,7% na preferência popular”.

Dalgas Frisch conta que, diante da inequívoca preferência nacional, os então ministros do Meio Ambiente, José Carlos de Carvalho, Paulo Renato de Souza, da Educação, e o chefe da secretaria da Presidência da República, Euclides Scalco, assinaram em conjunto uma exposição de motivos que foi aceita e sancionada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso. Foi feito um novo decreto, retificando os anteriores e determinando o sabiá-laranjeira (Turdus rufiventris) como ave-símbolo da ornitologia e ave nacional do Brasil.

 

O Decreto

DECRETO DE 3 DE OUTUBRO DE 2002

Dispõe sobre o “Dia da Ave” e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso II, da Constituição, DECRETA:

Art. 1 – O “Dia da Ave”, instituído pelo Decreto no 63.234, de 12 de setembro de 1968, será comemorado no dia 5 de outubro de cada ano.

Art. 2 – O centro de interesse para as festividades do “Dia da Ave” será o Sabiá (Turdus Rufiventris), como símbolo representativo da fauna ornitológica brasileira e considerada popularmente Ave Nacional do Brasil.

Art. 3 – As comemorações do “Dia da Ave” terão cunho eminentemente educativo e serão realizadas com a participação das escolas e da comunidade.

Art. 4 – Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 5 – Revoga-se o Decreto no 63.234, de 12 de setembro de 1968.

Brasília, 3 de outubro de 2002; 181o da Independência e 114º da República.

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

 

Em outubro de 2002, José Carlos Carvalho, então  ministro do Meio Ambiente, recebeu de Johan Dalgas Frisch todos os estudos para que o Brasil pudesse definir o SABIÁ como Ave Nacional.

 

O jornal FOLHA DO MEIO AMBIENTE trouxe a reportagem completa na edição 129 de outubro de 2002.

 

Continue Lendo

Artigos

Só discursos e barrativas não apagam fogo

No Pantanal foram detectados 3.262 focos de queimadas com aumento de 22 vezes em relação ao ano passado

Publicado

em

 

Os biomas brasileiros registraram recordes de queimadas nos primeiros seis meses de 2024. Levantamento feito pela WWF-Brasil mostra salienta que o Pantanal e o Cerrado totalizaram a maior quantidade de focos de incêndio para o período, desde o início das medições em 1988 pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

 

Em relatório, a WWF-Brasil acende luz de alerta vermelha:

  • No Pantanal, de 1º de janeiro a 23 de junho, foram detectados 3.262 focos de queimadas, um aumento de mais de 22 vezes em relação ao mesmo período no ano anterior. Este é o maior número da série histórica do INPE.
  • Entre janeiro e junho de 2024, quase todos os biomas brasileiros tiveram um aumento no número de queimadas em comparação ao mesmo período de 2023, exceto o Pampa, afetado por chuvas responsáveis pelas enchentes no Rio Grande do Sul.
  • Na Amazônia, foram detectados 12.696 focos de queimadas entre 1º de janeiro e 23 de junho, um aumento de 76% em comparação ao mesmo período no ano passado, o maior valor desde 2004.

 

SESC PANTANAL FAZ QUEIMA CONTROLADA PARA EVITAR GRANDES INCÊNDIOS

 

O Sesc Pantanal é um exemplo no manejo de sustentabilidade. Com mais de 110 mil hectares de área total, que corresponde a 1% do Pantanal Matogrossense, a área do Sesc virou importante polo de ação econômica e ambiental nos municípios de Barão de Melgaço e Poconé, a pouco mais de 100 km de Cuiabá. Nesses 27 anos de funcionamento, a RPPN do Sesc promoveu vários tipos de atividades desde a produção de livros, documentários sobre a região, educação ambiental, pesquisas científicas, combate a incêndios florestais, ensino a distância, formação de mão de obra, qualificação de trabalhadores e formação de professores. Agora, diante dos terríveis incêndios florestais no Pantanal, o Sesc antecipou algumas técnicas para conter as queimadas. Uma delas é o uso do próprio fogo para evitar sua propagação.

 

 

Reserva do Sesc Pantanal é a primeira a realizar queima prescrita em unidades 

de conservação no Pantanal de MT (Fotos: Jeferson Prado)

Antes de julho, já em junho, começou nesta semana no Pantanal de Mato Grosso o período proibitivo de uso do fogo em 2024. Anteriormente era para 1º de julho. A antecipação ocorre em razão da estiagem severa prevista para os próximos meses, conforme monitoramento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). De acordo com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), somente será autorizado o uso do fogo para fins preventivos, como a queima prescrita realizada pela Reserva Particular do Patrimônio Natural, RPPN Sesc Pantanal, a primeira em unidades de conservação no Pantanal Norte a efetuar o procedimento.

“Somente serão autorizados fogos preventivos, com o objetivo de diminuir a propagação de grandes incêndios na região, com autorização e orientação do Corpo de Bombeiros e Secretaria de Meio Ambiente”, informou a secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti. Este é o caso da queima prescrita que faz parte do Plano de Manejo Integrado do Fogo (PMIF) da RPPN Sesc Pantanal, a maior do Brasil, localizada em Barão de Melgaço (MT). Referência em prevenção a incêndios no Pantanal, a Reserva começou no dia 14 de junho a executar a técnica comprovadamente eficaz em outros biomas brasileiros e em outros países. A queima já havia sido realizada na área em 2021, em caráter de pesquisa.

 

FOGO EM ÁREAS CONTROLADAS

O processo consiste em aplicar chamas de baixa intensidade em áreas controladas, com vegetação mais adaptada ao fogo. Essa queima auxilia na redução de materiais secos com potencial para propagar o fogo, evitando incêndios de grandes proporções. A queima é feita em mosaico, com o objetivo de proteger os 108 mil hectares da RPPN.

 

 

De acordo com a gerente-geral do Sesc Pantanal, Cristina Cuiabália, o PMIF (que pode ser acessado no site www.sescpantanal.com.br), representa um importante avanço pela prevenção do Pantanal. “O objetivo é que ele seja aprimorado e apropriado por outras instituições que planejam adotar a abordagem de MIF. Assim, avançamos como um todo para o manejo mais adequado do bioma, considerando a ampla diversidade de uso e ocupação dos territórios pantaneiros”, diz Cuiabália, destacando o pioneirismo do Polo Socioambiental Sesc Pantanal, iniciativa nacional do Sistema CNC-Sesc-Senac

 

OPERAÇÃO PANTANAL 2024

O Governo de Mato Grosso lançou a Operação Pantanal 2024 de combate a incêndios no Pantanal no dia 17 de junho, sob coordenação da Sema-MT e Secretaria de Estado de Segurança Pública (SESP-MT). A abertura foi realizada no Parque Sesc Baía das Pedras, unidade do Polo Socioambiental Sesc Pantanal, localizada em Poconé (MT). Em 2020, o lugar foi utilizado como Posto de Comando da Operação Pantanal II. Naquele ano, 4 milhões de hectares do Pantanal foram afetados por incêndios florestais no bioma.

E Mato Grosso fez um pacto interfederativo com o Governo Federal, Mato Grosso do Sul e Estados do Amazônia Legal para o combate aos incêndios florestais no Pantanal e na Amazônia. O objetivo é promover uma atuação coordenada e integrada para efetivar a prevenção, o controle e o manejo do fogo, de modo a proteger essas regiões de significativa importância ecológica, econômica e social.

 

 

Continue Lendo

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010