Artigos

Sem chances na mídia

A mídia trata a questão ambiental só quando tem crise, crime ou tragédia

Published

on

Sem chances na mídia


A mídia trata a questão ambiental só quando tem crise, crime ou tragédia


Silvestre Gorgulho


Durante o mês da Copa do Mundo a mídia mundial só teve espaço para o planeta bola. É natural. Afinal de contas, esse é o evento esportivo mais espetacular e de maior visibilidade na face da Terra. O futebol é o esporte mais popular. Por tudo isto, a Copa do Mundo virou um grande negócio social, político, econômico, cultural, financeiro e até esportivo.
Todas as mídias cobriram cada minuto das seleções, das torcidas e fizeram uma varredura ampla e irrestrita do país sede. Para se ter uma idéia do tamanho e da visibilidade do negócio Copa do Mundo, segundo a Fifa, 60% da população mundial assistiram aos jogos. E o telespectador teve onipresença garantida pelos olhos de 48 modernas câmeras de tevê e centenas de fotógrafos postados em cada uma das 64 partidas.
Pena que os gols feitos e perdidos, as lágrimas e alegrias das torcidas e a  própria cabeçada de Zidane em Marco Materazzi tiveram muito mais divulgação e repercussão do que o programa Gol Verde que a Fifa, o Pnuma/ONU e o governo alemão fizeram para tornar a Copa do Mundo um evento sustentável.
O programa Gol Verde foi criado para marcar posição em quatro áreas: água, lixo, energia e mobilidade. Klaus Toepfer, ambientalista alemão, coordenador do Gol Verde, explicou em entrevista exclusiva à Folha do Meio Ambiente, edição de maio, que pela primeira vez os cuidados com o meio ambiente foram prioridade máxima numa competição. E que os objetivos foram claros e mensuráveis: conscientizar para a reutilização, reciclagem, reúso da água e economia de energia. Tudo para neutralizar as 100 mil toneladas de dióxido de carbono geradas pelo sistema de transportes, construção e manutenção dos estádios, como também pela presença dos mais de 3 milhões de espectadores.
A idéia do programa nasceu no início da década de 90, quando a Federação Alemã de Futebol começou a pensar em sediar a Copa de 2006.  Questões ambientais ainda nem faziam parte da lista de deveres da FIFA.
Foi triste perder o hexa. Mais triste, ainda, foi ver uma seleção brasileira desestimulada. Mas triste, também, foi ver que, como sempre, a mídia trata a questão ambiental só quando tem crise, crime ou tragédia. Nunca como um processo educativo, para mudar comportamentos e padrões de consumo e de produção.
O Gol Verde não teve a chance merecida nos espaços da mídia. Parece que o processo de educação, de formação cidadã e de preservação do planeta continua sem chances.
Nem o Brasil, que se prepara para a realização de um grande evento esportivo, o PAN 2007, no Rio de Janeiro, está sabendo tirar proveito das lições do programa Gol Verde. Assim, o vexame da seleção nas quadras alemãs, será acrescido de um outro ainda maior: a absoluta falta de interesse dos governos na gestão ambiental.


SUMMARY


During the month-long World Cup event the international press had only space for the realm of football. What could be more natural, after all, this is the most spectacular and visible sporting event on the face of the earth and football is indeed the most popular sport there is, which is why the World Cup has become a major social, political, economic, cultural financial and even sporting phenomenon. 
Every type of media covers each minute of the teams and the fans and takes a sweeping look into the host country.  Just to have an idea of the size and the visibility of the event, according to the organizers, FIFA, 60% of the world’s population watches the games.  Television viewers are guaranteed complete coverage owed to the lenses of 48 modern TV cameras and hundreds of photographers posted at every single one of the 64 games.  
It is a shame that the goals won and lost, the tears and joy of the fans and even the head blow that Zidane delivered Marco Materazzi received greater coverage and comment than did the Green Goal that FIFA, the UN Pnuma and the German government had sponsored to make the World Cup a sustainable event. 
The Green Goal program was created to emphasize four areas:  water, waste, energy and mobility.  Klaus Toepfer, a German environmentalist, coordinator of the Green Goal, explained in an exclusive interview with the Folha do Meio Ambiente, in the May edition, that for the first time environmental concerns were the highest priority at any games and that the objectives were clear and measurable.  These efforts were to make the public aware of reclamation, recycling and reuse of water and energy conservation to offset the 100,000 tons of carbon dioxide generated by the transportation system, construction and maintenance of the stadiums, as well as the presence of over three million spectators.   
The idea for the program first came about in early on in the 90s when the German Football Federation began thinking about hosting the World Cup in 2006.  Environmental issues were not yet part of list of FIFA responsibilities. 
Although it was sad to see Brazil lose out on winning its sixth championship, and witness an unenthusiastic Brazilian team, it is sadder still to see the media, as usual, deal with the environmental issue only in times of crisis, crime or tragedy, and not as an educational process to change behavior, consumer habits and production standards.    
The Green Goal did not have the chance it deserved in the press and to all appearances, the educational process, building citizenship and preservation of the planet have no chance at all.  Even Brazil as it prepares to hold a major sporting event, the PAN 2007, in Rio de Janeiro, does not know how to take advantage of the lessons of the Green Goal program.  Thus, the absolute lack of interest on the part of governments in environmental management will be added to the shame of the Brazilian team on the German fields.


SG

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

QUANDO RENÉ BURRI CHOROU POR UMA FOTO

A HISTÓRIA DE UMA FOTO EMOCIONANTE

Published

on

 

Antes da inauguração de Brasília, com o Palácio do Planalto prontinho, lindo de morrer, um pedreiro que trabalhou no Palácio, aproveitou para levar sua família para ver sua obra prima. Ele sabia que não poderia estar com sua família (e nem ele próprio) na inauguração.
Era um domingo. René Burri passando ali na Praça dos 3 Poderes, viu aquela família simples (com roupa de ir à Missa) apreciando demoradamente o Palácio do Planalto. Não teve dúvidas. Burri desceu do Jeep e fez essas duas fotos abaixo.
Gostaria que os 22,1 membros deste MEMÓRIA lessem o que René Burri deixou registrado em seu livro BRASÍLIA (Editora Scheidegger & Spiess):
“Para mim Brasília era uma utopia que se transformou em realidade. Era uma cidade que saiu do nada em poucos anos. Existe uma foto no meu livro…ela mostra uma família que chega ao final. Eu tive de chorar quando vi essa imagem. Eram os chamados “candangos”, não? Ele chegou com um machado e chapéu de palha e, no final, quando o trabalho estava pronto, levou a mulher e os filhos com suas melhores roupas para ver o seu trabalho. E depois era a inauguração e esse pessoal teve de partir.”
O grande fotógrafo René Burri pertenceu à geração de fotógrafos que deu sua contribuição para a afirmação da fotografia jornalística e documental como meio de expressão independente e de caráter autoral.
Viajou o mundo. Retratou inúmeras personalidades importantes da História do século 20. Mas não se esqueceu de caminhar pelas ruas, essa fonte inesgotável de surpresas da vida cotidiana.
Ele começou a fotografar aos 13 anos, quando o primeiro ministro do Reino Unido Winston Churchill desfilava pela cidade. Formou-se em fotografia na faculdade de arte de Zurique.
FOTOS:
1 e 2) As duas FOTOS que René Burri tirou da família.
2) Foto do interior do Palácio do Planalto em construção.
3) A inauguração de Brasília, JK acena para o povo na Praça dos 3 Poderes.

Continue Reading

Artigos

300 quilos de lixo são retirados de rio da Amazônia em mutirão

Lançado em setembro de 2021, o programa já mobilizou mais de 600 voluntários e retirou 15,5 toneladas de resíduos dos rios brasileiros

Published

on

 

QUALIDADE AMBIENTAL URBANA

 

Foto: Zack/MMA

 

O dia chuvoso não desanimou os mais de 80 voluntários que participaram do mutirão para recolher resíduos do rio Tapajós, em Santarém (PA). Na sexta ação do programa Rios+ Limpos, do Ministério do Meio Ambiente, foram recolhidos quase 300 quilos de lixo na região de Alter do Chão. O local é famoso pelas praias paradisíacas formadas ao redor do rio e recebe grande quantidade de turistas.

Grupos de voluntários se dividiram a pé e de barco, percorrendo 5 quilômetros de área, e encontraram muito material deixado por quem visita o local. “Garrafas, plásticos, papel, tampas de metal, enfim, uma série de produtos, que não tinham que estar na praia do rio. Então, a mensagem que a gente deixa para todos os turistas e banhistas é: quando vier ao rio, leve seu lixo com você e descarte de forma adequada, contribuindo assim para que a gente tenha rios mais limpos”, destacou o secretário de Qualidade Ambiental do MMA, André França, que também participou do mutirão.

Todo o material recolhido passou por uma triagem e os recicláveis foram destinados às cooperativas de catadores da região. A ação, realizada no mês de dezembro, contou com a parceria da prefeitura de Santarém, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará, além de Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Cooperativa de Reciclagem de Santarém (Coopresan), Grupo de Defesa da Amazônia (GDA) e a Universidade da Amazônia (Unama).

O programa “Rios +Limpos” foi lançado pelo Ministério do Meio Ambiente em setembro de 2021. Em apenas quatro meses, seis mutirões foram realizados com a mobilização de mais de 650 voluntários. Foram retiradas 15,5 toneladas de lixo de importantes rios brasileiros, com destaque para ação no Pantanal, que retirou de uma só vez 10 toneladas de resíduos de rios da região. O programa faz parte da Agenda Ambiental Urbana e tem o objetivo de incentivar ações de despoluição dos rios, limpeza e coleta de lixo, além da implementação de sistemas de tratamento adequado.

 

 

 

Continue Reading

Artigos

Calor acumulado em oceanos bate novos recordes em 2021, alerta estudo

Foi o sexto ano consecutivo de recordes

Published

on

 

O calor acumulado nos oceanos bateu novos recordes pelo sexto ano consecutivo, mostra pesquisa com dados até 2021, publicada hoje (11) na revista científica Advances in Atmospheric Sciences.

Os 23 autores do trabalho, de 14 institutos de vários países, alertam que as temperaturas no mar bateram recordes pelo sexto ano consecutivo. Lembram que são resultados do fim do primeiro ano da Década das Nações Unidas da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável (2021-2030).

O relatório resume dois conjuntos de dados internacionais, do Instituto de Física Atmosférica (IAP, na sigla original), da Academia Chinesa de Ciências, e dos centros nacionais de Informação Ambiental, da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla original), dos Estados Unidos (EUA), que analisam observações sobre o calor nos oceanos e seu impacto desde a década de 50.

O aquecimento dos oceanos “está aumentando incessantemente, em nível global, e este é um indicador primário da mudança climática induzida pela humanidade”, disse um dos autores do documento, Kevin Trenberth, do Centro Nacional de Investigação Atmosférica do Colorado.

No último ano, os estimaram que os primeiros 2 mil metros de profundidade em todos os oceanos absorveram mais 14 zettajoules de energia sob a forma de calor do que em 2020, o equivalente a 145 vezes a produção mundial de eletricidade em 2020.

Toda a energia que os seres humanos utilizam no mundo em um ano é cerca de metade de um zettajoule (um zettajoule é um joule, unidade para medir energia, seguido de 21 zeros).

Além de calor, os oceanos absorvem atualmente entre 20% e 30% das emissões de dióxido de carbono produzidas pela humanidade, levando à acidificação das águas, disse Lijing Cheng (IAP), acrescentando que “o aquecimento dos reduz a eficiência da absorção de carbono e deixa mais dióxido de carbono no ar”.

Os cientistas também avaliaram o papel de diferentes variações naturais, como as fases de aquecimento e arrefecimento conhecidas como El Niño e La Niña, que afetam grandemente as mudanças de temperatura regionais.

Segundo Lijing Cheng, as análises regionais mostram que o forte e significativo aquecimento dos oceanos, desde o fim dos anos 50, ocorre em todos os lugares e que as ondas de calor marinhas regionais têm enormes impactos na vida marinha.

De acordo com Lijing Cheng, o estudo mostra também que o padrão de aquecimento dos oceanos é resultado de mudanças na composição atmosférica relacionadas com a atividade humana.

“À medida que os oceanos aquecem, a água expande-se e o nível do mar sobe. Os oceanos mais quentes também sobrecarregam os sistemas climáticos, criando tempestades e furacões mais poderosos, bem como aumentando a precipitação e o risco de inundações”, alertou.

 

 

 

 

Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010