Reportagens

APA de Cafuringa

A luta para defender a última fronteira natural do Distrito Federal

Publicado

em


Alexandre Curado

Com 46.510 hectares, a APA de Cafuringa limita-se ao norte e oeste pelo estado de Goiás, a leste pela DF-150 e pelo ribeirão da Contagem, e ao sul pela APA do Descoberto e pelo Parque Nacional de Brasília. Local de belas cachoeiras como Mumunhas e Poço Azul. Em Cafuringa estão também as cavernas, como a Gruta do Sal, devido ao terreno calcáreo. Engloba parte da Chapada da Contagem e da bacia do rio Maranhão. Preserva um dos mais extensos campos naturais do DF e as maiores reservas de matas mesofíticas que se estendem em direção à bacia do Tocantins.







“Esse passado esquecido nas chapadas e nos vales rendados por uma trama de nascentes, córregos, ribeirões e rios de águas limpas convive com a presença de Brasília, cidade símbolo da modernidade brasileira. O relevo acidentado da região, colocou-a fora do eixo de expansão urbana do Distrito Federal. Na alvorada do século XXI, a APA de Cafuringa desponta como a mais preservada do DF e guarda em seu mar de morros e em suas variadas fitofisionomias importante diversidade biológica”.
Pedro Braga Netto, arquiteto e Mestre em Planejamento Urbano

Silvestre Gorgulho, de Brasília
Na linguagem popular, cafuringa – segundo o Aurélio – é coisa miúda, insignificante. Na linguagem futebolística, são apelidos de dois gigantes: Moacir Fernandes e Marcos Evangelista de Moraes. Moacir, ou melhor, Cafuringa foi o irreverente e driblador ponta direita do Fluminense e do Atlético Mineiro. Marcos, por ter características semelhantes, também recebeu o apelido de Cafuringa, mas acabou sendo apenas Cafu, hoje lateral direito do Milan e da Seleção Brasileira. Já na linguagem ambiental, Cafuringa é uma região miúda no tamanho, mas gigante na suas características e peculiaridades. É uma Área de Proteção Ambiental, situada à noroeste de Brasília – DF, com grande importância natural pela qualidade de seus recursos ambientais, por sua beleza cênica, pelos mananciais, pela flora, fauna e por ser a continuidade do Parque Nacional de Brasília.


Como acontece com todas as áreas de preservação situadas próximas aos grandes centros urbanos, também a APA de Cafuringa corre perigo. A acelerada e desordenada urbanização no Distrito Federal vêm provocando uma série de degradações, desmatamentos, ocupação irregular do solo e poluição de mananciais.
Segundo o arquiteto e mestre em planejamento urbano Pedro Braga Netto, da Secretaria de Meio Ambiente do DF, o futuro da APA de Cafuringa depende da capacidade do governo e da sociedade em colocar em prática as várias propostas já arquitetadas pelos técnicos no sentido de promover uma gestão de manejo adequada e uma preservação eficiente de seus recursos naturais.
Com o objetivo de mostrar a importância da UC, foi lançado o livro “APA de Cafuringa – A Última Fronteira Natural do DF”, dia 12 de abril, editado por Pedro Braga Netto, Valmira Vieira Mecenas e Eriel Sinval Cardoso. Neste livro, vários autores mostraram seus estudos e ressaltaram as peculiaridades da APA, bem como apresentaram propostas para sua preservação.


Valmira Vieira Mecenas – ENTREVISTA


Mecenas da APA de Cafuringa


 







Engenheira-agrônoma, com Mestrado em Ecologia pela UnB, Valmira Mecenas é natural de Balsas-MA. Profissional ligada às questões ambientais do DF desde 1965, Valmira muito se orgulha de ser chamada a Mãe da APA de Cafuringa.

Folha do Meio – Como começou este trabalho com a APA do Cafuringa?
Valmira Mecenas –
Começou em 1987, depois de uma conversa com o prof. Paulo Nogueira Neto, que foi o primeiro Secretário do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia de Brasília, órgão criado pelo então governador José Aparecido de Oliveira.
Nessa época havia uma forte sinalização do crescimento urbano e rural, com profundas mudanças hidroambientais em toda a bacia do Paranoá, onde estão o Plano Piloto e o Núcleo Bandeirante. Diante destes estudos, resolvemos iniciar os trabalhos para a criação da APA de Cafuringa, considerada hoje a última fronteira natural do DF, com 46.510 hectares.


FMA – Mas como foi o andamento destes estudos e deste trabalho?
Valmira –
Desde 1988, lá se vão 18 anos. Nesta luta toda, há um divisor de águas de conscientização ambiental que foi a reunião da ONU, a RIO´92.
Então existem dois cenários. O primeiro foi a construção e ocupação da área do DF a todo custo. Depois da RIO´92, veio o despertar de uma nova consciência ecológica no Brasil. Vieram com esta conscientização, um arcabouço de novas leis e regulamentações que ajudaram a melhorar a qualidade de vida da região.


FMA – O que representa, quanto a biodiversidade, a proteção da fauna e flora da área de Cafuringa?
Valmira –
Em termos de proteção da flora e fauna, a APA de Cafuringa representa muito. É importante salientar que, apesar do esforço da Secretaria do Meio Ambiente em criar nestes 18 anos mais de 58 unidades de conservação, a APA de Cafuringa tem um significado singular, pois preserva um dos mais extensos campos naturais do Distrito Federal.


FMA – O Plano de Manejo da APA de Cafuringa já foi aprovado?
Valmira –
Lamentavelmente nem o Plano de Manejo e nem o zoneamento ambiental da APA foram ainda aprovados. São dois instrumentos normativos que se completam, buscando garantir a sustentabilidade da APA. Urge fazê-los.
São grandes as agressões ambientais na APA: desmatamento da vegetação nativa, exploração mineral tanto licenciada como clandestina, parcelamentos do solo urbano, exploração do calcário e até retirada de areia.

FMA – E como está a exploração mineral na APA do Cafuringa ?
Valmira –
A verdade é que a exploração mineral dentro da APA do Cafuringa está produzindo danos irreversíveis. Além de desfigurar completamente a região, a área tem importância estratégica por ser a última fronteira natural do Distrito Federal. Temos que arregaçar as mãos e defender esta APA.

Continue a Ler
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reportagens

Como será o trânsito do futuro?

Para pensar soluções estratégicas, o Detran-DF terá um centro de inovação tecnológica

Publicado

em

 

Impulso tecnológico por uma Brasília mais moderna – Agência Brasília

 

O Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) avança mais uma etapa no processo de modernização e transformação digital e começa a desenhar seu futuro no campo da tecnologia com a inauguração do Centro de Inovação Tecnológica – CITDetran.

A nova instalação do Detran, no Edifício de Governança do Parque Tecnológico de Brasília – BioTIC, irá abrigar uma parte da Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação (Dirtec), que terá como prioridade construir uma agenda de desenvolvimento tecnológico voltada, exclusivamente, para pensar o trânsito da capital para as próximas décadas, de forma inovadora e estratégica. Lá será o centro de criação de soluções que irão transformar o dia a dia do trânsito.

“É disso que o Departamento de Trânsito necessita: olhar para o futuro, pensar como será o trânsito daqui a 10 ou 20 anos. E para isso precisamos nos antecipar”, declarou Zélio Maia, diretor-geral do Detran-DF, que quer desenvolver novas tecnologias o mais rápido possível para enfrentar o trânsito cada vez maior e mais complexo do Distrito Federal.

E para o diretor de Tecnologia do Detran, Fábio de Souza, não é apenas uma mudança institucional, mas um novo modelo de desenvolvimento para todo o Departamento. “E não há nada melhor para se fazer isso do que estar em um ambiente de inovação”, explica Fábio, fundamentando a escolha pela Biotic que será, num futuro próximo, o principal polo de desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação do Distrito Federal e que permitirá o estímulo, criação e consolidação dos projetos do Detran, além de possibilitar que as pesquisas se transformem em negócios, assim como estímulo ao desenvolvimento de ações que dinamizem o processo de geração de novos empreendimentos em tecnologia.

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

Dia da diversidade biológica

A perda da biodiversidade afeta a humanidade muito mais que se pensa.

Publicado

em

 

A regra é clara. E a mensagem deste ano por ocasião do Dia Internacional da Diversidade Biológica também é clara. Nossas soluções estão na natureza. Conservar e gerenciar a biodiversidade de forma sustentável é necessário para mitigar choques climáticos, garantir a segurança alimentar e hídrica e até mesmo prevenir pandemias. COVID-19, que surgiu da natureza, destacou a conexão íntima entre a saúde humana e nossa relação com o mundo natural. À medida que invadimos a natureza e saqueamos habitats vitais, o número de espécies ameaçadas de extinção está aumentando. Isso também afeta a humanidade e o futuro que desejamos.

 

António Guterres, Secretário Geral da ONU: “À medida que invadimos a natureza e saqueamos habitats vitais, o número de espécies ameaçadas de extinção aumenta. Isso também afeta a humanidade e o futuro que desejamos”.

Enquanto tentamos sair da crise atual melhor do que como entramos nela, vamos trabalhar juntos para preservar a diversidade biológica, para que possamos alcançar nossos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Desta forma, protegeremos a saúde e o bem-estar das gerações futuras.

 

 

VOCÊ SABIA QUE…?

As atuais tendências negativas na biodiversidade e nos ecossistemas prejudicarão o progresso de 80% dos desafios descritos em oito Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

A atividade humana alterou três quartos do ambiente terrestre e cerca de 66% do ambiente marinho.

1 milhão de espécies de animais e plantas estão em perigo de extinção.

 

PERDA DA BIODIVERSIDADE

A perda da biodiversidade afeta a humanidade. Biodiversidade é entendida como a grande variedade de plantas, animais e microorganismos existentes, mas também inclui diferenças genéticas dentro de cada espécie – por exemplo, entre variedades de culturas e raças de gado – bem como a variedade de ecossistemas (lagos, florestas, desertos, agricultura campos, …) que hospedam múltiplas interações entre seus membros (humanos, plantas, animais) e seu ambiente (água, ar, solo …)

A verdade é que os recursos biológicos são os pilares que sustentam as civilizações. Os peixes fornecem 20% da proteína animal para cerca de 3 bilhões de pessoas. Mais de 80% da dieta humana é composta de plantas. Aproximadamente 80% das pessoas que vivem em áreas rurais de países em desenvolvimento dependem de medicamentos tradicionais à base de plantas para cuidados básicos de saúde.

Mas a perda dessa diversidade ameaça todas essas áreas, incluindo nossa saúde. Há evidências de que a perda de nossa biodiversidade pode aumentar os casos de zoonoses – doenças transmitidas de animais para humanos – enquanto, ao contrário, se conseguirmos mantê-la estável, isso pode ser uma grande ferramenta no combate a pandemias como as causadas pela Covid 19.

 

ATIVO GLOBAL DE GRANDE VALOR

O valor da diversidade biológica é amplo. Embora estejamos cada vez mais conscientes de que a diversidade biológica é um ativo global de grande valor para as gerações presentes e futuras, o número de espécies está diminuindo a um ritmo acelerado, devido à atividade humana. Dada a importância da educação pública e da conscientização sobre essa ameaça, as Nações Unidas decidiram proclamar a celebração deste Dia Internacional da Diversidade Biológica todos os anos.

 

“NOSSAS SOLUÇÕES ESTÃO NA NATUREZA”

Como nossa comunidade global deve reexaminar nossa relação com o mundo natural, uma coisa é certa: apesar de todos os nossos avanços tecnológicos, somos completamente dependentes de ecossistemas saudáveis ​​e vibrantes para água, alimentos, medicamentos, roupas, combustível, abrigo e energia, apenas para cite alguns exemplos.

PROGRAMA PARA MÊS E MAIO

Este tema inclui três abordagens essenciais para a biodiversidade. Essas abordagens serão desenvolvidas durantes a semana anterior ao Dia Mundial da Diversidade biológica.

Dia 18 de maio abordará a importância do conhecimento e da ciência.

De 19 a 21 de maio, o foco será na conscientização e conscientização sobre a importância da biodiversidade; e finalmente, no Dia Internacional, eles serão convidados a agir.

 

 

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

3 ações para ajudar o meio ambiente

Publicado

em

 

Por Márcio Juliboni

Aeris

Bons ventos: fabricante de pás para geradores eólicos, a Aeris é uma das favoritas da XP Investimentos (Imagem: Divulgação/Aeris)

 

A pressão da sociedade para que empresas e governos mudem de atitude em relação ao meio ambiente tem surtido cada vez mais efeito. Do lado das companhias listadas em Bolsa, o ESG (conjunto de boas práticas ambientais, sociais e de governança) entrou de vez no leque de preocupações diárias.

O prêmio é o apoio dos investidores, seja na busca por ações dessas empresas, seja na disposição de financiar boas iniciativas de ESG. “Vemos que o foco crescente nas questões ambientais, sociais e de governança pelos investidores, bem como pela sociedade em geral, já tem surtido efeitos no comportamento das companhias”, afirmam Marcella Ungaretti e Giovanna Beneducci, da XP Investimentos., que se debruçaram sobre o assunto.

Papéis indispensáveis

Entre os motivos para essa mudança de atitude, as analistas citam o reconhecimento, pelas empresas, de que o ESG é “um fator cada vez mais imprescindível” para atrair capital. Segundo a XP Investimentos, o cenário atual passa uma “mensagem clara” para os investidores: “tenha em seu portfólio empresas que estão ajudando a impulsionar essa transição e buscando pela sustentabilidade”.

A boa notícia, segundo a gestora, é que existem empresas que já trazem, em seu DNA, as boas práticas ESG. “Na nossa visão, estas são as companhias que fazem parte da solução, e não do problema”, explicam as analistas.

Veja, a seguir, as três ações sugeridas pela XP Investimentos para quem se preocupa com o meio ambiente, mas não abre mão de bons investimentos.

 

Aeris

Fabricante de pás para geradores de energia eólica, a Aeris (AERI3) é destacada pela XP por contribuir para que mais pessoas tenham acesso a energias renováveis no Brasil e no mundo.

Segundo a gestora, a Aeris está “muito bem-posicionada para se beneficiar das tendências ESG em curso ao redor do mundo, ao mesmo tempo em que atua no sentido de combater as mudanças climáticas.”

 

Orizon

Especializada no tratamento e gestão de resíduos, a Orizon (ORVR3) é “uma provedora de soluções chave para as tendências ESG, com o modelo de negócio da empresa baseado na economia circular”, dizem as analistas.

A dupla acrescenta que “a Orizon está muito bem-preparada para acompanhar essa tendência no futuro, o que nos leva a ver a empresa como uma das companhias melhor posicionada na agenda ESG dentro da cobertura da XP.”

 

Enjoei

Para a gestora, a Enjoei (ENJU3) faz parte de um movimento de mudança de hábitos de consumo, liderado pelos jovens. Cada vez mais, os consumidores trocam a propriedade pelo uso compartilhado, e os artigos novos pelos usados.

“Empresas inovadoras, mesmo em setores mais tradicionais, estão adaptando seus modelos de negócios para contemplar essa nova realidade”, diz a XP. “Essa tendência faz parte de um movimento crescente que busca estimular a sustentabilidade por meio do mercado de segunda mão, ou seja, de produtos usados.”

Plataforma digital focada na venda de roupas usadas, a Enjoei é uma “peça-chave na melhoria dos padrões ESG para empresas de vestuário por meio da promoção da moda circular”, segundo a XP.

 

 

 

Continue a Ler

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010