Reportagens

Brasil das Águas

A qualidade dos rios e lagos

Published

on

Silvestre Gorgulho



A Câmara de Comércio Brasil-Alemanha entregou solenemente os Prêmios von Martius-2004, em São Paulo. Na categoria Natureza o vencedor foi o Projeto Brasil das Águas, idealizado e executado pelo casal Gérard e Margi Moss. Mas o que pretende esse projeto pioneiro no mundo? Simples, saber como estão as águas de todos os rios e lagos brasileiros. Do Oiapoque ao Chuí. De operação extremamente complexa e de uma logística fantasticamente bem elaborada, o Brasil das Águas acaba de fazer um levantamento inédito da qualidade das águas brasileiras. O resultado geral foi apresentado pela primeira vez à Agência Nacional das Águas, em Brasília, dia 12 de dezembro.



Margi e Gérard Moss percorreram 110 mil km,
coletaram mais de mil amostras e promoveram
exames completos das águas interiores do Brasil









Uma tribo indígena às margens do rio Cururu-ri, no Pará, ao sul do encontro do rio Teles Pires com o Juruena,
que formam o rio Tapajós.

O que é o projeto “Brasil das Águas”
O projeto utiliza um avião anfíbio, transformado em laboratório aéreo, para realizar um levantamento inédito sobre a qualidade das nossas águas doces. O Brasil possui 12% de toda a água doce do planeta. Segundo Grard Moss, somente um avião poderia alcançar os cantos mais distantes do território nacional para coletar amostras de água e tornar possível a realização de um estudo tão abrangente dentro de um período de pouco mais de um ano.


O projeto começou em outubro de 2003. Mais de mil amostras foram coletadas em vôos que até agora totalizam aproximadamente 110.000 km, uma distância equivalente a mais de duas voltas do nosso planeta pela linha do equador. Todas as regiões hidrográficas do país foram analisadas pelo projeto. Os resultados finais vão ser apresentados à diretoria da ANA em 12 de dezembro.
Resultados
Há um mutirão de pesquisadores engajados no projeto. Várias universidades – UFRJ, USP, UFV (Viçosa), UFF (Fluminense) estão analisando as amostras em busca de informações diferentes segundo a especialidade de cada uma. O parecer final e comparativo sobre os resultados dessas análises será dado pelo limnólogo professor José Galizia Tundisi e ficará pronto em meados do ano que vem.

Conscientização
Segundo Margi Moss, que acompanha o piloto como fotógrafa da expedição e como responsável pelo manuseio das amostras, além da pesquisa sobre a qualidade das águas brasileiras, o projeto objetiva sempre conscientizar a população para os problemas relacionados à água, sua preservação e uso racional. “Nosso objetivo é interagir não somente com o meio acadêmico mas também com o público em geral” (Veja sua entrevista na página seguinte).


Através do site também é possível acessar fotos, acompanhar o diário e obter informações completas sobre a pesquisa. A seção “Salvem Nossas Águas” abre um canal direto com o usuário, publicando as mensagens e apelos enviados por todas as camadas da população brasileira, preocupadas com a saúde das águas de suas regiões. Com material especial dirigido aos jovens, a “Página das Escolas” foi criada para atender a estudantes e professores que estudam a escassez de água no mundo.


“A vida continua e a nossa vontade de buscar
caminhos para ajudar a preservar nossos
recursos naturais também
continua cada vez mais forte”
.


O Brasil está cuidando bem deste patrimônio fantástico que é sua grande reserva de água doce?
Margi – Gostaria de dizer que sim. De um lado, tem pessoas, tem cidades, tem empresas, tem institutos, universidades e ONGs, tem a ANA, todos tentando cuidar desse patrimônio. Do outro lado, tem pessoas, municípios, indústrias e fazendeiros que não se importam com nada. Não ligam para essa riqueza fantástica. As cidades que tratam o esgoto no Brasil são muito poucas. Basta descer às margens de qualquer rio para ter uma visão de tristeza: lixo, saco plástico, garrafas PET, latas de cerveja. Só não se vê baterias e pilhas porque não bóiam. Uma tristeza! Isso no Brasil inteiro. Na Amazônia, os grandes rios são tão grandes e as águas tão abundantes que os rios são tratados como verdadeiras lixeiras que leva tudo embora… No Sul e Sudeste, também, os rios são os grandes receptores de esgoto e lixo. E isso não é só no Brasil, tem lugar no mundo que é ainda pior. Mas não podemos perder a esperança. Temos que ir à luta e fazer como aquelas pouquíssimas cidades que tratam o esgoto e o lixo como, por exemplo, Brasília, Araçatuba-SP e Cachoeira de Itapemirim-ES. São poucas comunidades que se organizaram em mutirões de limpeza para que nossas águas doces continuem ‘doces’ e não amargamente intragáveis.


Qual será o produto final do projeto?
Margi –
Primeiro, será um mapeamento completo, agora em 2004, das condições das nossas águas interiores. Do Oiapoque ao Chuí, da Paraíba ao Acre, tudo coletado e medido usando os mesmos parâmetros. Sabemos muito bem que isso não é uma palavra final sobre o assunto, até porque somente passamos uma vez por cada ponto. Mas a diferença é a abrangência do projeto e a inclusão de rios e lagos remotos.
O professor José Galizia Tundisi é uma autoridade em recursos hídricos e está envolvido no projeto desde o início. Ele vai escrever o parecer final e coletar os dados analisados pelos vários pesquisadores num livro especializado, de teor técnico e científico. Todos os pesquisadores vão participar desse livro.
Além disso, pretendemos publicar um livro fotográfico. Como todo o projeto, que é patrocinado pela Petrobras e Eletrobras, vamos mostrar a abundância e a beleza das nossas águas. A publicação será acompanhada de um DVD, é claro. Captamos imagens lindíssimas. As pessoas vão perceber a grandiosidade e a maravilha que foi realizar este trabalho. Além de entender melhor como funcionava o sistema de captação de amostras, as pessoas vão se sentir viajando conosco na cabine do hidroavião.


Como as escolas, prefeituras e instituições terão acesso a essas publicações?
Margi –
Para falar a verdade, ainda não sei como, até mesmo porque ainda não decidimos nem o formato do livro. O fato é que temos interesse que esse trabalho, pela sua importância e pela sua beleza, não fique longe do alcance da população brasileira. Até mesmo os patrocinadores do projeto terão interesse em distribuí-lo e torná-lo acessível ao maior número de escolas, de tomadores de decisão e de formadores de opinião de todos os cantos do Brasil. Não é um trabalho para ficar na gaveta e, tenho certeza, não ficará na gaveta.


Qual foi o momento mais emocionante desta epopéia?
Margi –
Silvestre, é impossível responder essa pergunta… Foram tantos! Foi uma experiência fantástica para os olhos e para o coração. Imagina você ver aquele bando de botos cor-de-rosa nos rios amazônicos dando um show de alegria. Olha, é de emocionar. Lembro muito bem, e é uma imagem que não sai de minha retina, quando vi um boto cor-de-rosa na foz de um afluente do alto Tocantins. Na hora eu pensei, o que acontece com os botos quando fecham os rios com grandes barragens? Isto porque o boto estava rio acima das obras de mais uma hidroelétrica [do Peixe] nesse rio maravilhoso. Tive a impressão que na sua ingenuidade animal o boto nem podia imaginar que estava numa prisão, a espera de uma sentença de morte. Suponho que botos não gostam de águas paradas e eutróficas. Então é uma grande alegria vê-los livres e soltos pelas águas da Amazônia.


E qual o próximo projeto?
Margi –
Ah, ainda não posso contar por vários motivos, inclusive porque estamos estudando. Mas garanto que esse projeto Brasil das Águas não termina aqui. Nem poderia! Ele é muito maior, ele precisa de ter continuidade. Só a organização dos resultados finais, a tabulação da pesquisa e a própria confecção do livro e do DVD já é outra aventura. É muito complexo.
Mas a vida continua e a nossa vontade de buscar caminhos para ajudar a preservar nossos recursos naturais também continua cada vez mais forte.


Desastre, dor e tristeza


Nem tudo são flores numa aventura como essa. No dia 11 de novembro o casal Moss sofreu uma terrível dor. Perderam três amigos que documentavam os trabalhos do projeto no arquipélago das Anavilhanas. Um acidente, a 80km Manaus com um hidroavião Cessna 185, tirou a vida do piloto Paulo Miranda Correia, do fotógrafo Nicolas Reynard e do jornalista Joël Donnet. As reportagens sobre o Brasil das Águas eram para três revistas francesas: Paris Match, Terre Sauvage e National Geographic.


As duas aeronaves (de Gérard e dos franceses) decolaram de Manaus às 7h30 e o Cessna acompanhava o vôo do Talha-Mar. Segundo Gérard, no momento do acidente, o Talha-Mar voava um pouco à frente do Cessna, mantendo contato permanente pelo rádio. Gérard percebeu que, a partir de um determinado momento, o piloto Paulo Miranda não respondia mais.


Gérard e Margi retornaram. Encontraram o avião na água com os flutuadores para cima e a cabine submersa. Um barco já se aproximava do local para prestar socorro. Gérard pousou e foi a nado até o avião. Realizou repetidos mergulhos na tentativa de resgatar os ocupantes do Cessna. A fuselagem estava submersa verticalmente, bastante destroçada, abaixo dos flutuadores. O Cessna tinha a cauda para cima e a cabine nas profundezas. Gérard não teve êxito em chegar à cabine. Além do piloto Paulo Miranda Correia, morreram o fotógrafo Nicolas Reynard e o jornalista Joël Donnet.


Nicolas Reynard trabalhava para a National Geographic e já havia realizado várias reportagens sobre a Amazônia. Ele amava profundamente o Brasil. Uma semana antes havia ficado noivo de Maria Bittencourt, uma maranhense que vive em Manaus. As fotos aéreas que ele estava tirando do Talha-Mar sobrevoando as Anavilhanas eram para fechar a reportagem.


Joël Donnet chegara dois dias antes e era sua primeira visita ao Brasil. Ele era um jornalista muito bem preparado. Na véspera havia feito uma longa entrevista com Margi e Gerard Moss, em Manaus.


silvestre@gorgulho.com

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Reportagens

Consumidores apresentam quase 1 milhão de reclamações na Anatel

Queixas foram contra serviços de telefonia, internet e TV

Published

on

 

Relatório divulgado esta semana pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) mostra que durante o primeiro semestre de 2022, foram registradas um total de 951,3 mil reclamações contra prestadoras de serviços de banda larga fixa, TV por assinatura e telefonias móvel e fixa.

De acordo com a Anatel, o número de queixas apresentadas junto ao serviço de atendimento ao consumidor representa um volume 6,5% menor do que o registrado no segundo semestre de 2021. Segundo a agência, o Índice de Reclamações (IR), que é calculado a partir do número de reclamações mensais das prestadoras por mil acessos caiu de 0,55 para 0,51 entre o segundo semestre de 2021 em relação ao primeiro semestre de 2022.

“O resultado do primeiro semestre desse ano retoma a tendência de queda nas reclamações desde o recorde de 4 milhões de queixas registradas em 2015. A redução foi interrompida nos dois primeiros anos da pandemia de covid-19”, informou a agência.

O serviço que registrou maior número de reclamações foi referente ao celular pós-pago, com 360.068 queixas e com IR de 0,59. Em segundo lugar está o serviço de banda larga fixa, com 240.098 reclamações e IR em 0,81.

O serviço de celular pré-pago foi o terceiro maior alvo de reclamações, com 143.739 queixas e um IR de 0,20; seguido do serviço de telefonia fixa (135.271 reclamações e IR em 0,85) e da TV por assinatura (65.887 reclamações e IR em 0,72).

As reclamações contra as prestadoras desses serviços podem ser feitas de forma online, no site da Anatel, onde há uma área específica para isso, com um passo a passo que ajuda o consumidor a fazer a reclamação. Para acessá-lo, clique aqui.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC

 

Continue Reading

Reportagens

Ibama participou, no início deste mês, da Expoacre

Evento mostrou o papel do Instituto e sua importância para o país, como a efetiva preocupação com os diversos biomas brasileiros e as ações frequentes de fiscalização em prol do meio ambiente

Published

on

 

Rio Branco (15/08/2022) – O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) participou, em agosto, da 47ª edição do evento Expoacre, em Rio Branco (AC). Na ocasião, o Instituto apresentou em seu estande atividades relacionadas à fiscalização ambiental, combate aos incêndios florestais, regularização ambiental de áreas embargadas – dentre outras.

Os visitantes puderam ver fotografias de diversas ações do Ibama, além dos uniformes e veículos usados pela autarquia, equipamentos utilizados nas queimadas e até artesanatos indígenas apreendidos, que seriam enviados ilegalmente pelos Correios.

A equipe de educação ambiental da superintendência, junto ao supervisor de brigadas do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo) no Acre, receberam duas turmas de crianças de escola pública do ensino fundamental para apresentar atividades voltadas à importância de não criar animais silvestres em casa, de não atear fogo em lixo nos quintais, de manter a floresta viva, bem como assistiram a uma palestra sobre como funciona a atuação do Instituto no combate ao fogo e também sobre o uso do fogo controlado. As crianças montaram quebra-cabeças da Turma do Labareda – mascote do Prevfogo – e receberam gibis com atividades educativas.

O Ibama preza pela Educação Ambiental (EA) no contexto da gestão ambiental pública, pois acredita ser uma atividade que, na atribuição da coletividade, constrói valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas à conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade. Este conceito consta no artigo 1° da Lei 9.795, de 1999, que define a Política Nacional de Educação Ambiental.

Assessoria de Comunicação Social do Ibama

 

 

 

Continue Reading

Reportagens

Dia dos Pais: entenda origem da data no Brasil e no mundo

Comemoração na maioria dos países ocorre em junho

Published

on

 

O segundo domingo de agosto é a data reservada no Brasil para homenagear os pais. Aqui, o Dia do Papai foi instituído pelo publicitário Sylvio Bhering em 1953, na época diretor do jornal O Globo e da Rádio Globo, conforme registros do site de memória da empresa de comunicação

Inicialmente, a data escolhida era 16 de agosto, quando a Igreja Católica celebrava São Joaquim, pai de Maria, a mãe de Jesus. O dia dedicado ao santo mudou, mas o oitavo mês do ano fez sucesso entre os comerciantes que ganharam um período para aquecer as vendas.

“O Dia das Mães já existia, então a ideia foi: por que não ter também um Dia dos Pais? E, aqui no Brasil, mais declaradamente, surgiu como uma ideia mercadológica, publicitária mesmo. Então muito ditado até mesmo para movimentar o comércio”, explicou Sérgio Dantas, professor de Marketing da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

A data foi consagrada em agosto e no domingo, tradicionalmente um dia de encontros familiares. São Joaquim passou a ser celebrado em 26 de julho, junto de Sant´Ana, mãe de Maria, que virou o Dia dos Avós.

Dantas, no entanto, indica outro provável motivo para a manutenção da homenagem em agosto. “Eu acredito que foi estrategicamente escolhido porque o comércio tem datas marcantes. A gente finaliza o ano com o Natal, que é a grande data. Tem depois, no primeiro semestre, o Dia das Mães, que é a segunda maior data de movimento. Logo depois, em junho, tem o Dia dos Namorados. E aí só o Dia das Crianças, em outubro. Acho que a ideia foi tentar espaçar isso ao longo do ano”, aponta. Entre essas datas, o Dia dos Pais foi a última a ser definida.

Outros países

As especificidades da data escolhida para o Brasil fazem com que o país seja um dos únicos a homenagear os pais em agosto. A data mais disseminada no mundo, reconhecida em pelo menos 70 países, é o terceiro domingo de junho, uma história que começa nos Estados Unidos.

Sonora Luise Smart, filha de um agricultor que lutou na Guerra Civil em 1862, queria homenagear o pai, William Jackson, que criou os filhos sozinhos após a morte da esposa.

A data escolhida para a primeira comemoração, ocorrida em 1910, foi 19 de junho, data do aniversário do pai de Sonora. A ideia se espalhou e foi oficializada, em 1966, pelo presidente Lyndon Johnson como o terceiro domingo de junho.

“Padronizou de ser no terceiro domingo, que até era um dia mais fácil das famílias estarem juntas e de vivenciarem o propósito do Dia dos Pais, que é justamente essa união, a comunhão. Como os Estados Unidos são um país que dita tendências, muitos países acabaram seguindo essa determinação deles”, aponta Dantas.

Há também países que celebram a data em 19 de março, Dia de São José, como Portugal, Espanha, Itália, Andorra, Bolívia e Honduras.

Edição: Lílian Beraldo

 

 

 

Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010