Entrevistas

Carlos Alberto Rosito: esgoto é o desafio do momento

Os três grandes problemas do saneamento no Brasil são: primeiro: gestão; segundo: gestão; terceiro: gestão

Publicado

em

O saneamento no Brasil e na América Latina constitui uma parcela muito importante na carreira profissional de Carlos Alberto Rosito. Logo depois de formado em 1965, Rosito passou a atuar neste setor. Seu primeiro emprego foi na Companhia Riograndense de Saneamento (CORSAN). Em 1969, ingressou na Companhia Metalúrgica Barbará, atual Saint Gobain Canalização, onde está até hoje, como Conselheiro. Rosito é o sexto brasileiro a ocupar a presidência da Associação Interamericana de Engenharia Sanitária. Nesta entrevista, Rosito fala sobre o panorama do saneamento básico e sobre os desafios e soluções para alcançar os objetivos de desenvolvimento do milênio para o setor. A meta é reduzir pela metade, até 2015, o percentual de pessoas que em 1990 não tinham acesso à água e ao manejo adequado dos resíduos líquidos e sólidos. As PPPs – Parcerias Público-Privadas para investimentos no setor de saneamento básico podem ser uma esperança. Carlos Alberto Rosito explica por quê.



Carlos Alberto Rosito: dois bilhões e 600 milhões de pessoas, hoje, não contam com nenhuma  espécie de esgotamento sanitário


 


 


 


Carlos Alberto Rosito–ENTREVISTA 


Como foi sua eleição para presidir a Associação Interamericana de Engenharia Sanitária – AIDIS, entre 2008 e 2010?
Carlos Alberto Rosito – Bem, dediquei toda minha vida profissional ao setor de saneamento. Em fevereiro de 2006, estava participando de uma reunião em Brasília, juntamente com o atual presidente da ABES (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária), José Aurélio Boranga e o com ex-presidente Antonio César Costa e Silva, quando eles me perguntaram se eu aceitaria ser o candidato brasileiro à presidência da AIDIS para o período 2008-2010.
É bom lembrar que ao longo dos seus quase 60 anos de existência, a AIDIS já teve cinco presidentes brasileiros.  Seria a hora de reivindicar para o Brasil a presidência da entidade.  O convite do Boranga e do César veio numa hora em que teria mais disponibilidade para esse tipo de atividade. Alem disto, sempre foram parte muito relevante de minha vida profissional o saneamento básico e as duas associações relacionadas com o convite: a AIDIS, na qual eu já vinha exercendo uma vice desde 2002, e a ABES – o Capítulo Brasileiro da AIDIS, da qual era associado desde 1967 e onde havia desempenhado funções de Membro do Conselho Diretor.


 E a resposta foi imediata?
Rosito – Não! Ainda refleti por umas 24 horas. Mas acabei aceitando o desafio. A prioridade, já identificada por Boranga e César ao me formularem o convite, constituía-se na necessidade de modernizar a entidade, com ênfase no aspecto comunicação, tanto interna quanto externa.
A eleição seria em Novembro de 2006 durante o XXX Congresso Interamericano da AIDIS, em Punta del Este, no Uruguai.
Apoiado pelo presidente Boranga e pelo Antônio César, estabeleci uma série de contatos com colegas sanitaristas de relevo na América Latina, com o objetivo de definir um programa de ação. Fixamos assim as prioridades do candidato, primeiramente, que viriam a se transformar em prioridades do presidente eleito. Fui eleito por unanimidade.


E qual era o programa de ação?
Rosito – Elas se baseiam em três pontos.
O  primeiro é a modernização da AIDIS com ênfase na comunicação, tanto interna quanto externa.
O segundo é a realização de um novo diagnóstico da atual AIDIS e com base neste estudo a elaboração de um novo plano estratégico – AIDIS 2025, que nos forneça uma visão e objetivos de longo prazo para a  AIDIS.
E o terceiro é o lançamento em toda a América Latina de uma grande campanha pela Universalização até 2025 dos serviços de água, esgoto e resíduos sólidos. E isto fixando ainda uma meta intermediária, até 2015, que é transformação  em realidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, para o setor de água e saneamento.
 
Por que América Latina está tão atrasada no fornecimento de serviços de saneamento?
Rosito – Estamos realmente ainda muito longe daquilo que desejamos, ou seja, a universalização até 2025. Mas posso afirmar que nossa situação é melhor do que a de uma grande parte do mundo em desenvolvimento e subdesenvolvido.
Se você vai aos grandes encontros mundiais da Água, como o Foro Mundial da Água (o último em Março 2006 no México e próximo em Março de 2009 em Istambul) ou a Semana Mundial da Água de Estocolmo, você encontra colegas da África e da Ásia e constata que a nossa situação, é bem menos dramática do que a de muitos deles.


Qual a percentagem de pessoas no mundo que não têm estes serviços?
Rosito – Um bilhão de pessoas no mundo atual ou 17% da população mundial, principalmente na África ao sul do Saara e em partes da Ásia, ainda não possuem acesso permanente a uma água de boa qualidade, disponível em até 1500 metros da residência ou até trinta minutos de caminhada. Dois bilhões e 600 milhões de contemporâneos nossos no mundo atual não contam com nenhuma espécie de esgotamento sanitário.
O conceito no Brasil e na América Latina já não é esse. Quando dizemos que desejamos universalizar o abastecimento permanente de água com qualidade, estamos falando, aqui no Brasil e em geral na América Latina, em conexão domiciliar e instalações hidráulicas no interior de cada domicílio.


Carlos Alberto Rosito–ENTREVISTA 


Rios e mares são soluções fáceis para o descarte de esgoto e de resíduos sólidos


 


 


 


 


 


Como é a evolução destes serviços na América Latina?
Rosito – A evolução da cobertura do abastecimento de água na América Latina evoluiu significativamente nas últimas décadas. Se em 1960 entre os 209 milhões da população total da época, apenas 69 milhões dos latino-americanos dispunham de abastecimento de água, ou 33% do total, em 2000 já éramos 420 milhões os abastecidos, ou 85% da população total de 497 milhões. Dos 77 milhões ainda sem abastecimento, em 2000, 51 milhões estavam na Zona Rural e 26 milhões nas cidades (7% da população urbana de 400 milhões).
 Mas a qualidade deste abastecimento, entretanto, ainda deixa muito a desejar: O abastecimento através de conexão domiciliar atingia apenas 73%  da população; 60% dos sistemas apresentavam intermitência ; a vigilância da qualidade da água era incipiente em muitos sistemas; e a regulação dos serviços ainda muito reduzida. A cidade do Recife é um exemplo disto: há décadas o fornecimento de água não é continuo. Existe a cobertura, mas ela não é permanente.


E no caso do esgotamento sanitário?
Rosito – No caso do esgotamento sanitário a situação na América Latina é pior do que a da água. Apenas 49% da população total é servida por sistema de coleta de esgotos e outros 31% utilizam-se do sistema de fossas sépticas, válido tecnicamente para populações esparsas e em zonas rurais, mas totalmente inadequado para as nossas grandes concentrações urbanas. Em 2000, América Latina tinha 103 milhões sem saneamento básico (86% dos esgotos coletados ainda sem tratamento), o que contribuía dramaticamente para a morte de 77.600 crianças por ano devido a diarréia – doença de origem hídrica, ou seja, 213 mortes de crianças por dia, ou 9 por hora.


E a questão dos resíduos sólidos?
Rosito – No manejo dos Resíduos Sólidos Urbanos nosso desafio também é imenso: dos 400 milhões de habitantes urbanos da América Latina em 2000, ou 80% da população total da região na época, que geravam aproximadamente 360 mil toneladas diárias de lixo (em torno de 900 gramas/ hab/dia), apenas 81% dispunham de serviço de coleta, gerando aproximadamente 300 mil toneladas diárias de lixo coletado.  Pior ainda: apenas 23% do lixo coletado contavam com uma destinação final adequada em aterros sanitários, dignos desta denominação. Nada menos do que 230 mil toneladas por dia eram depositadas indiscriminadamente no meio ambiente, no melhor dos casos com um controle precário.
 
Por que tal situação?
Rosito – Falta de gestão, principalmente, e deficiências igualmente no que respeita aos marcos regulatórios e à comunicação social.
Com uma melhoria destes três fatores – gestão, regulação e comunicação – será muito mais fácil solucionar a equação político-social-econômico-financeira que permita realizar os investimentos necessários para chegar à universalização.


E quanto vai custar?
Rosito – Aproximadamente 5 bilhões de dólares por ano no Brasil, até 2025; ou  14 bilhões de dólares por ano em toda a América Latina, no mesmo período. Isso em uma primeira estimativa grosseira com base no caso brasileiro.
 
Vamos voltar ao caso de Recife, que parece muito grave. De quem é a responsabilidade?
Rosito – A responsabilidade maior é da autoridade local. Quem tem a responsabilidade direta pelo abastecimento de água no Recife é a Compensa que é a Companhia Estadual de Saneamento de Pernambuco, por delegação do município.
A Prefeitura do Recife tem, constitucionalmente, a responsabilidade de fornecer um serviço de qualidade e essa concessão foi dada à Compensa, já há algumas décadas. Temos de admitir que a responsabilidade da municipalidade, de um lado, como poder concedente, e da empresa estadual, de outro, como concessionária do serviço público, não vem sendo cumprida satisfatoriamente e deixa muito a desejar.


Tem solução?
Rosito –  Tem. E a solução adequada parece equacionada. Tenho grande esperança de que nos próximos dois ou três anos a situação se altere radicalmente para melhor. Um novo projeto de abastecimento de água – Sistema Pirapama- está em fase de implantação. Parte relevante dos investimentos já foi feita, e a barragem, de ótima qualidade, está concluída. O desafio atual é o de implantar as adutoras de água bruta da barragem do Pirapama  até a Estação de Tratamento de Água, construir a própria ETA e levar a água tratada até a cidade do Recife, distribuindo-a aos domicílios. 
 
E o que fazer para avançar mais rapidamente nesta questão na América Latina?
Rosito – Uma das mais notáveis características da América Latina é a desigualdade social. Se analisamos o aspecto político-social da região, deparamo-nos com países e cidades desiguais. Você encontra o primeiríssimo mundo em cada um dos nossos países e cidades e você também encontra a África Sub Saariana e a Ásia paupérrima, convivendo ombro a ombro em muitas das nossas nações e cidades da região. Por vezes, até mesmo em alguns dos bairros de nossas maiores metrópoles, se encontra lado a lado o luxo e a miséria. Esta é uma característica nossa e de certa forma abrange os serviços públicos, principalmente de abastecimento de água, coleta de esgoto e manejo dos resíduos sólidos.


Mas o que fazer?
Rosito –  Temos de investir muito e rapidamente em gestão, aprimorando a qualidade dos recursos humanos utilizados pelas concessionárias dos serviços e aproveitando oportunidades de melhorias como nas perdas de água e na eficiência energética de nossos sistemas de águas e de esgotos. Os marcos regulatórios, e entre eles a regulação adequada dos serviços por agências reguladoras com competência técnica e independência administrativa e financeira, também constituem desafios importantes na maioria dos países da região, com uma exceção que serve de alento – o Chile.


Quando o senhor fala em comunicação social, o que quer dizer?
Rosito – Este é um tema importantíssimo. Em matéria de comunicação social temos muito a fazer para levar à sociedade em geral o nosso diagnóstico e a nossa solução de especialistas para um setor tão importante da saúde pública. A sociedade como um todo tem que comprar a idéia e as soluções. Toda ação política forte, todo compromisso político forte nasce por pressão da sociedade.


Por que existe tanta disparidade entre as regiões no Brasil?
Rosito – Porque são vários brasis. Se você olhar para o Brasil, enquanto todas as regiões têm mais de 90% de cobertura urbana de abastecimento de água, o Norte tem apenas 65%. Enquanto o sudeste tem mais de 50% de coleta de esgoto nas cidades, no Norte você tem menos de 20%.
Temos seis grandes problemas no saneamento: primeiro: gestão. Segundo: gestão. Terceiro: gestão. Quarto: comunicação social. Quinto: regulação. Sexto: solucionar a equação político-social-econômico e financeira para fazer investimentos.


E por que isso?
Rosito – É que nestes Estados mais pobres existe uma maior dificuldade de gestão.
O problema financeiro é grande, mas o principal obstáculo é a gestão. Eu costumo dizer que temos seis grandes problemas no saneamento brasileiro e Latino Americano em geral: primeiro: gestão, segundo: gestão, terceiro: gestão, quarto: comunicação social; quinto: regulação; e sexto: a solução da equação político – social – econômico e financeiro para fazer os investimentos e melhorias para levar serviços qualificados de água, coleta e tratamento de esgotos sanitários urbanos e manejo de resíduos sólidos a todos no menor tempo possível.


Sem gestão não há solução?
Rosito –  Isso mesmo. Sem gestão não há solução. E a verdade é que a gestão é ainda, em média, muito deficiente no Brasil. Mas já temos alguns bons exemplos de que é possível chegar a uma boa gestão.


Tem alguns exemplos?
Rosito – Bons exemplos que devem servir de paradigma são empresas regionais como Sabesp, Copasa, Sanepar, Embasa e Saneatins. E  municipais como Sanasa de Campinas, Dmae de Porto Alegre, Águas de Limeira e Águas de Niterói.


Existem perdas de água
tratada?

Rosito – Temos em média perdas de faturamento – físicas e aparentes – nos sistemas brasileiros de distribuição de água de aproximadamente 40%. Isto quer dizer que 40% da água que você produz não são faturados. Ou se perdem fisicamente por falta de medição ou por medição deficiente através de hidrômetros que já não possuem precisão para medir corretamente, cuja manutenção e renovação não foram adequados. Ou se trata de água consumida e não faturada, por motivo de furtos de água em diversos setores.
Não só em favelas e regiões  não urbanizadas, mas também em setores comerciais e residências de alto padrão. Isso varia de cidade para cidade, mas na média desses 40% de água produzida e não faturada no Brasil, poderíamos estimar que 20% correspondem às perdas físicas e os outros 20% são  perdas aparentes.


Existe um exemplo no mundo de uma gestão de excelência?
Rosito – Existe sim. Um dos melhores sistemas do mundo no que respeita ao controle de perdas é o da cidade-estado de Cingapura que perde apenas 4% da água produzida. Cingapura importa da Malásia 80% da água que consome. Os 20% restantes são provenientes da dessalinização da água do mar. Para eles vale muito a pena lutar contra a perda física, mas mesmo assim não conseguiram  baixar dos 4%.
Outro exemplo é Tóquio, que tem todas as canalizações de distribuição metálicas, e com ramais domiciliares em aço inoxidável, perde 5%. Na Europa as perdas totais giram em torno de 10%, alguns paises chegam a 8%. No Brasil, a média é de 40% mas temos os exemplos de Águas de Limeira abaixo dos 20%.




Cingapura tem uma perda de 4%. Tóquio tem uma perda de 5%. A Europa tem uma perda média de 10%.  A perda no Brasil vai a 40%.




E o papel da população nessa questão?
Rosito – É um ponto importante: a comunicação com a população, a conscientização da população de que ela pode e deve exigir uma gestão adequada e transparente destes serviços públicos, são de importância fundamental. Considerando apenas e tão somente o aspecto gestão, temos muito a fazer e grandes oportunidades para progredir.
 
E sobre a cobertura da coleta de esgotos?
Rosito –  Sobre a cobertura da coleta de esgotos, partimos em 1990 de uma cobertura a 56 milhões de habitantes que representavam 39% da população, e a meta 2015 é de estender a cobertura a 140 milhões de habitantes, representando 70% da população. Em 2004, pela PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) estávamos com apenas 87 milhões de habitantes, ou 48% da população cobertos pela coleta de esgotos. Não tenho dados tão atualizados quanto à América Latina, mas  creio que, na média, não devem diferir muito do nosso caso brasileiro. O maior desafio atual é o setor de esgotamento sanitário.
 
E a participação do setor privado?
Rosito – O importante a meu ver é que o serviço seja bem gerido e com total transparência, independentemente de ser o operador do mesmo público ou privado.
Creio que uma maior participação do setor privado, como existe em outros setores da infra-estrutura brasileira, poderá auxiliar em dois aspectos: melhoria da gestão, que é o grande desafio do saneamento no Brasil, e aporte de recursos financeiros.
A exemplo do que acontece em outros setores da infra-estrutura, como transporte, telecomunicações e energia, a participação do setor privado pode ser útil inclusive em PPPs – Parcerias Público-Privadas, que já são um sucesso em alguns dos setores citados e que estão agora chegando ao saneamento. Exemplos das primeiras PPPs no saneamento estamos tendo na Bahia, entre a Embasa e um grupo privado baiano e na Sabesp para a ampliação do abastecimento de água na região Leste da cidade de São Paulo.


As circunstâncias são mais ou menos as mesmas para os vários setores?
Rosito – Não. O caso do saneamento é diferente do da energia elétrica, das telecomunicações e do petróleo & gás, porque no saneamento é o poder municipal pulverizado que tem, constitucionalmente, a responsabilidade pela água, pelo esgoto urbano, e pela coleta e a destinação final do lixo. Nas telecomunicações e na energia elétrica é ao governo federal que cabe  planejar, executar e decidir.
 
Isso pode afetar as cidades de porte médio?
Rosito –  A urbanização foi explosiva nas últimas décadas. No Brasil, em 1960, éramos 55% no campo e 45% nas cidades. Em 1970, tínhamos 55% nas cidades e 45% no campo. O Brasil nos últimos 37 anos colocou nada menos do que 90 milhões de novos brasileiros em cidades. Somos hoje cerca de 140 milhões de brasileiros nas cidades, contra apenas 50 milhões em 1970.Isso equivale a colocar a população de uma Alemanha unificada em cidades. Como ampliar a cobertura de habitação, escola, hospital, água, esgoto, manejo de resíduos sólidos, sem falar em segurança pública, para a população de uma Alemanha unificada em tão somente 37 anos? Ainda mais se consideramos que os recursos do Brasil são os de um país que ainda não é totalmente desenvolvido…
 
Este é um motivo para a deterioração dos centros urbanos?
Rosito – Evidente. São Paulo, há 108 anos, era a quarta cidade brasileira em população.
Hoje é a segunda do mundo juntamente com a cidade do México, só superada por Tóquio. Mesmo assim, São Paulo conseguiu passar em menos de 40 anos, de um déficit de cobertura de água de 30% em 1970, para uma cobertura universal de 100% de água, sem rodízio e com água de qualidade nos dias de hoje.
Há que melhorar a cobertura da coleta e o tratamento de esgoto na grande São Paulo, como também é o caso na nossa segunda metrópole – o Rio de Janeiro. Basta olhar a belíssima baía da Guanabara, nas imediações da Ilha do Fundão, para que nos apercebamos com tristeza de um ambiente totalmente deteriorado e abandonado. Em grande parte pela falência de nossas instituições.


Carlos Alberto Rosito: “Os recursos para investimento são importantes, mas a gestão eficaz é tão importante
quanto eles”,


 


SUMMARY


Basic sanitation


SEWAGE:  CURRENT CHALLENGE


Carlos Alberto Rosito – INTERVIEW


Basic sanitation in Brazil and Latin America comprises an important part of Carlos
Alberto Rosito?s professional life.  After graduating in 1965, Rosito began working in this sector.  His first job was with the Companhia Riograndense de Saneamento (CORSAN). However, in 1969, he joined   Saint Gobain Canalização formerly Companhia Metalúrgica Barbará, where he continues until today as a Board Member.  Rosito is the sixth Brazilian to hold the position of president of the Interamerican Sanitary Engineering Association.  Rosita discusses the basic sanitation scenario in this interview and challenges and
solutions to reach the millennium development objectives in the sector.


Sanitation in Latin America – We are truly very far from our desired goal, i.e., universalization by 2025.  However, on the other hand I can state that our situation is better than off than a large part of the developing world or in underdeveloped countries.  If you visit the major world Water events, such as the World Water Forum (the most recent one was held in March 2006 in Mexico and the next one is scheduled for 2009 in Istanbul) or the World Water Week in Stockholm, you will encounter colleagues from Africa and Asia and see that our situation is much less dramatic than in many of these countries.


World basic sanitation – One billion people in the world today or 17% of the world population, especially in Africa or southern Sahara and parts of Asia still have no permanent access to good quality water available within at least 1500 meters of their residence or 30 minutes away on foot.  There are 2.6 billion people in the world nowadays who do not have any type of sanitary sewage system whatsoever.
The concept in Brazil and Latin America is different. When we say that we want to universalize permanent quality water supply we are referring to here in Brazil and in general in Latin American to household hookups and running water inside each home.


Evolution in Latin America – Progress in terms of water supply extension in Latin American has been remarkable in the last few decades.  In 1960, only 69 million Latin Americans out of the total population of 208 million at that time has water supply, i.e., 33% of the total.  However, in 2000, 420 million has access to water, or 85% of the total population of 497 million.  Out of the 77 million who did not yet have access in 2000, 51 million lived in Rural Areas and 26 million in the cities (7% of the urban 400 million population). 
Nevertheless, the quality of this water supply still leaves a lot to be desired. Domestic water connections can be found in only 73% of the population; 60% of the systems work intermittently; and inspection of the water quality was only just beginning in many systems and regulation of services is still very low.  
The city of Recife is an example of this.  Water supply has not been continuous for decades there.  It is available but not on a permanent basis.


Sanitary sewage – In relation to sanitary waste, the situation is worse than that of water.  Only 49% of the total population is served by a collective sewage system while another 31% uses a septic pool system, technically valid for scattered populations and in rural areas but completely inadequate for our large urban centers.
Latin America in 2000 had 103 million who had no basic sanitation (86% of sewage collected is still untreated), which has contributed dramatically toward the death of 77,600 children this year owed to diarrhea caused by unclean water, i.e., 213 children die per day or nine per hour


Solid waste – In relation to Solid Urban Waste management we also have our work cut our for us:  of the 400 million urban dwellers in Latin American in 2000, or 80% of the total population in the region at that time produced roughly 360,000tons of waste per day (nearly 900 grams per inhabitant/day) only 81% had access to public trash collection services, generating approximately 300,000 tons of trash collected daily.  Even worse is the fact that only 23% of trash collected was disposed of in appropriate sanitary waste dumps.    Not less than 230,000 tons per day were indiscriminately dumped into the environment or under the best of circumstances in locations under precarious controls.


Reasons – Basically this is owed mainly to a lack of management as well as failures in relation to regulatory controls and social communications.  If these three factors – management, regulations and communications were improved, it would be much easier to solve the political/social/economic/financial equation to enable the necessary investments to be made to achieve universalization.


Costs – This requires approximately US$ 5 billion in Brazil through 2025 or US$ 14 billion per year for all of Latin America for the same period and this is the first rough estimate based on the situation in Brazil.

Continue a Ler
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entrevistas

Luiz Simões Lopes – Entrevista sobre o início do ambientalismo

O precursor do ambientalismo no Brasil

Publicado

em

LUIZ SIMÕES LOPES, o precursor do ambientalismo no Brasil

 Silvestre Gorgulho, FGV Rio de Janeiro

“…Todos os povos precisam dedicar atenção às suas reservas florestais. As florestas, nas suas múltiplas utilidades, têm posto de alto relevo na vida das nações, sob o ponto de vista econômico, sanitário e social”.

“… Sob todas as latitudes campeia, infrene, um sinistro espírito de destruição e os homens, tomados de uma demência coletiva que lhes acende diabolicamente as órbitas, lançam-se contra a árvore, sua benfeitora, na ânsia de desnudar a Terra. Por toda parte precisam surgir medidas de proteção.”

“As matas estão cada dia fugindo mais das aglomerações humanas e muitos de vós terão recordação de matas das quais não existem nem vestígios hoje em dia… No Brasil, grande parte dos brasileiros não conhece sequer a árvore que deu nome à Pátria – o Pau Brasil.”

Mais atual, difícil. Mais oportuno, nunca. Quando vemos hoje a ONU e outras entidades propondo estratégias para se obter um desenvolvimento sustentável, recomendando maneiras e ajudando a definir noções comuns relativas a questões ambientais, não podemos imaginar que, neste mesmo Brasil, tão alvo de agressões do exterior, há 59 anos, precisamente em março de 1930, um brasileiro reformista, inconformado, empreendedor e sonhador já estava lutando pela nossa natureza. E fantástico ver que, este brasileiro, com 86 anos, despachando oito horas por dia em seu gabinete, ainda propõe soluções para o hoje e para o amanhã, com a mesma serenidade, lucidez e competência com que, em julho de 1938, por exemplo, promoveu o divisor de águas da administração pública brasileira com a criação do DASP, ou quando assinou a Exposição de Motivos ao presidente da República, para a criação da Fundação Getúlio Vargas.

O professor Luiz Simões Lopes, gaúcho, agrônomo formado em Belo Horizonte, um dos criadores da FBCN – Fundação Brasileira para Conservação da Natureza, mentor e primeiro Diretor Geral do Serviço Florestal, lançador de revistas sobre cultura e educação, como a Revista Florestal, de onde foram tiradas estas citações, desde a década de 20 sinalizava, pela primeira vez no País, “que a Terra era uma bola frágil e pequena, dominada não pela ação e pela obra do homem, mas por um conjunto ordenado de nuvens, oceanos, vegetação e solos” (Comissão Brundtland-1988) Simões Lopes vislumbrou, desde então, a grandiosidade desta tarefa. A humanidade precisava agir conforme essa ordenação natural. Há mais de meio século, este brasileiro – único na sua medida do País – deu seu grito de alerta. Viva a vida !
Silvestre Gorgulho foi até sua sala na FGV, no Rio, e conversou com o professor. Eis a entrevista publicada na primeira edição da Folha do Meio Ambiente, em 1989:

Seu pai, Idelfonso Simões Lopes, foi ministro da Agricultura de Epitácio Pessoa. Este fato influenciou sua formação de agrônomo?
Simões Lopes –
Não, talvez tenha me interessado por agronomia, porque meu irmão mais velho estudou agronomia na Argentina. Numa escola famosa. E, também, porque nós tínhamos fazenda. Formei-me em Belo Horizonte, mais fui aluno da Escola Agrícola Luiz de Queiroz, em Piracicaba, lá fui presidente de uma associação de classe, que estava parada e que incluía também professores da escola. Consegui uma coisa muito importante que foi reviver a revista da associação que se chamava “O Solo”. Sou um criador de revistas. Em Niterói, trabalhei na revista “A Rama” e, no Ministério da Agricultura, criei a “Revista Florestal”, que passou a ser publicada pelo serviço Florestal do Ministério.

Todos os movimentos de saúde, de educação, de cultura e de valorizado do patrimônio têm seu apoio. Há 31 anos o senhor foi o fermento na criação da FBCN. Como foi?
Simões Lopes –
Não, eu não fui o criador. Fui um dos que tomou parte naquele movimento. Havia muito. A fundação foi criada por um grupo grande. Nesta época, eu trabalhava com e presidente Juscelino Kubitschek.

Quando o senhor começou a trabalhar com floresta?
Simões Lopes –
Eu já era funcionário do Ministério da Agricultura, em 1925, como oficial do Gabinete do ministro Miguel Calmon, e fui convidado para ser uma espécie de secretário da Comissão, que ele tinha designado para preparar a legislação inicial do Serviço Florestal.

O senhor também foi o criador de várias revistas.
Simões Lopes –
É que eu já tinha um interesse muito grande pelo assunto. Em 1930, eu já tinha a “Revista Florestal”. Este aqui é um número bonito que consegui fazer (mostrando o exemplar). Eu era o diretor técnico; o Francisco Rodrigues de Alencar, diretor – gerente. Foi em julho e agosto de 1930. Impressa no Rio de Janeiro e à minha custa. Não havia dinheiro do governo, apenas de publicidade.

Como compatibilizar ecologia e desenvolvimento?
Simões Lopes –
Não há incompatibilidade. O território onde está situado Berlim, uma das grandes cidades do mundo, tem 75% de sua área coberta de florestas.

Como o senhor vê a ocupação da Amazônia?
Simões Lopes –
Considero uma destruição. Ela deveria ser ocupada, mas de maneira racional. A tecnologia tem que ir na frente. Cientificamente. Conservando as matas densas, explorando, de maneira racional, as florestas. As nossas florestas, inclusive, são muito ricas até em remédios. Tirar uma floresta nativa e substituí-la por uma floresta produtiva é perfeitamente justificável. Poderá fazer um manejo. As árvores também têm vida, elas não vivem para sempre. Há uma certa época em que elas podem ser cortadas, desde que sejam replantadas ou que as filhas delas continuam nascendo. Mas não fazem isso, porque as queimam.

 

Continue a Ler

Entrevistas

José Israel Vargas, o cientista ambiental

Vargas analisa Conferência de Kyoto

Publicado

em

José Israel Vargas, um cientista ambiental
Silvestre Gorgulho, de Brasília
José Israel Vargas, 70 anos, é o ministro de maior longevidade na atual Esplanada dos Ministérios: tomou posse com Itamar Franco, em setembro de 1992, e foi o único a continuar no Governo FHC. Segredo deste mineiro de Paracatu para tanto fôlego político: competência no fazer, discrição no atuar e honestidade no agir. Atualmente Vargas preside, além do Ministério da Ciência e Tecnologia, a Academia de Ciências do Terceiro Mundo, com sede na Itália, e é o vice-presidente da Comissão Mundial Independente sobre os Oceanos. É ele que lidera, também, cientistas e personalidades da América Latina para elaboração de um documento que será apresentado como reflexão Não-Governamental à Assembléia da ONU, neste ano, a ser realizada em Lisboa, que vai debater a questão ambiental dos oceanos. Como o ministro Vargas tem sido o chefe da delegação brasileira nos foruns internacionais que vem discutindo o efeito estufa, ninguém melhor do que ele para falar sobre a Conferência de Kyoto, onde teve uma participação importantíssima pelas suas posições firmes e avançadas.

Em relação aos compromissos assumidos na Rio 92 e não cumpridos, Kyoto foi um divisor de água?
Ministro –
Sim. Em 92, os países desenvolvidos assumiram o compromisso voluntário de buscar atingir, por volta do ano 2000, os mesmos níveis de emissões de 1990 de gases de efeito estufa. O que não será cumprido por muitos dos países industrializados. Em Kyoto os países assumem o compromisso legal, e não mais voluntário, de redução de suas emissões. Neste aspecto, a Conferência de Kyoto marca o início de um processo irreversível, com a inclusão de um novo fator no ordenamento jurídico das relações internacionais, ou seja, o da necessidade de limitar as emissões dos chamados gases de efeito estufa, em especial gás carbônico, pelas atividades humanas sob pena de mudarmos o clima do planeta.

Os países em desenvolvimento vão ter acesso às tecnologias para um desenvolvimento limpo?
Ministro –
A Convenção já estipula que os países em desenvolvimento devem procurar buscar trajetórias “mais limpas” de desenvolvimento social e econômico, ou seja, seguir desenvolvendo o país com menor emissão de gases de efeito estufa. A construção desta trajetória menos intensiva em gases de efeito estufa, entretanto, considerando que a maior prioridade dos países em desenvolvimento é o desenvolvimento sócio-econômico e, em especial, a erradicação da pobreza, está condicionada à obtenção de ajuda dos países desenvolvidos em termos de provisão de recursos e tecnologias adequados para este fim. A experiência obtida após 5 anos de implementação da Convenção nos mostra que esta ajuda não se materializou quer por dificuldades econômicas dos países desenvolvidos, quer pela falta de um mecanismo que acelerasse este processo. O Protocolo de Kyoto adotou como um de seus artigos, uma proposta, com modificações, que foi originalmente apresentada pelo Brasil e adotada por todo o bloco de países em desenvolvimento. Segundo esta proposta, será criado um Mecanismo de Desenvolvimento Limpo em que recursos dos países desenvolvidos poderão ser aplicados como “oportunidades para auxiliar no cumprimento dos seus tetos de emissão” em projetos que visem a redução de emissões de gases de efeito estufa em países em desenvolvimento. A entidade que operar este mecanismo também se encarregará de certificar que as reduções alcançadas por cada projeto produzam benefícios reais. Este mecanismo poderá ser uma maneira efetiva de produzir a necessária transferência de recursos e tecnologias para os países em desenvolvimento.

Quais os compromissos do Brasil?
Ministro –
O Protocolo não estabelece metas de limitação de emissões para os países em desenvolvimento e, portanto, para o Brasil, porque estes países ainda se encontram em um estágio inicial de desenvolvimento com emissões crescentes. O compromisso do Brasil é o de avançar na implementação do compromisso inicial na Convenção, assumido na Conferência do Rio de Janeiro, em 92, por todos os países em desenvolvimento, ou seja, elaborar um diagnóstico da situação atual para apresentar às Nações Unidas. Neste diagnóstico serão estimadas nossas emissões dos principais gases de efeito estufa (em especial, gás carbônico, metano e óxido nitroso) em todos os setores de atividade humana que geram estes gases. É um esforço enorme se lembrarmos que as atividades humanas que geram gases de efeito estufa abrangem produção e uso de energia (termelétricas, refinarias, transporte, consumo nas residências etc.), produção de gases na indústria (cimento, química, papel e celulose, alumínio, uso de solventes, lubrificantes, vernizes e tintas etc.), uso da terra (desflorestamento, queimadas do cerrado, florestas plantadas), agricultura (pecuária, cultivo de arroz, uso de fertilizantes) e tratamento de lixo e esgoto. Neste esforço estamos envolvendo cerca de 60 instituições no Brasil dos diferentes níveis de governos, empresas públicas e privadas, universidades e organizações não-governamentais, com a ajuda dos maiores especialistas do assunto no país em cada um dos setores envolvidos.

Além do inventário de emissões, vamos apresentar o que o Brasil está fazendo no sentido de combater a mudança do clima. O Brasil tem feito muito em termos de reduzir suas emissões de gases de efeito estufa. Iniciativas como o Pró-álcool, maior programa de energia renovável do mundo, o potencial instalado de 60 GW de hidrelétricas, os programas nacionais de conservação de energia, Procel (setor elétrico) e Conpet (setor petróleo e gás natural), o Prodeem (Programa de Desenvolvimento Energético de Estados e Municípios) são programas no setor energético que permitem que o Brasil apresente um dos menores índices, no mundo, de emissão de gases de efeito estufa por unidade de energia gerada. Na área de uso da terra, vamos apresentar o trabalho de combate e prevenção de queimadas, o Projeto Prevfogo. Também no combate ao desmatamento da floresta amazônica, o Brasil foi pioneiro em utilização de sensoreamento remoto por satélite para avaliar a área anual desmatada e as emissões de gases, e recente legislação busca retirar todos os incentivos que existiam no passado que originaram o quadro atual de desmatamento.

Pessoalmente, o senhor acha que a Conferência de Kyoto foi um avanço?
Ministro –
Estou convencido de que a Conferência de Kyoto representa um novo passo no sentido de enfrentar o problema. A Convenção sobre Mudança do Clima, em 1992, estabeleceu o início do processo de discussão técnica, científica e política do problema de aquecimento global, um problema de longo prazo, assinado e ratificado por mais de 160 países. Em 1995, na 1º Conferência das Partes em Berlim, se verificou que os compromissos de estabilização das emissões contidos na Convenção não seriam atingidos e foi estabelecido o Mandato de Berlim para a elaboração de um protocolo que transformasse os compromissos voluntários em obrigação legais.

Berlim, depois Kyoto. O protocolo será cumprido?
Ministro –
O Protocolo estabelecido em Kyoto em dezembro de 1997 é o fim do processo iniciado em Berlim. Mediante o Protocolo de Kyoto a Convenção segue aprofundando os compromissos dos países e, em especial, dos países desenvolvidos que agora se comprometem, em um documento com vínculos legais, a reduzirem seus níveis de emissões entre 2008 e 2012 em cerca de 5%, tomando como base as emissões de gases de efeito estufa realizadas em 1990. Apesar de ser considerada uma meta modesta por algumas entidades, deve-se reconhecer que alguns países, como os Estados Unidos, por exemplo, emitem atualmente gases de efeito estufa em níveis superiores a 10% acima dos níveis de 1990, o que mostra, por um lado, a dificuldade de definição de políticas voluntárias, como proposto originalmente na Convenção, que efetivamente controlem o nível de emissões geradas pelas atividades econômicas. Por outro lado, o esforço para o cumprimento das metas de Kyoto implica importantes mudanças nas sociedades daqueles países.

No entanto, o problema é de longo prazo e existem incertezas sobre os efeitos do aquecimento global ao nível regional e local. Os cenários do IPCC – Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima, que estimam aumentos da temperatura média da superfície terrestre entre 1 e 3,5 graus Celsius até o ano 2100; a dificuldade de separar os efeitos decorrentes da acumulação de gases de efeito estufa na atmosfera daqueles decorrentes da variabilidade natural do clima; os custos envolvidos ou o tempo necessário para a introdução de inovação tecnológica ou mudança de padrões de consumo são fatores que nos obrigam a planejar em um ambiente de incerteza e adotarmos a precaução como diretriz. A meta estabelecida em Kyoto, se cumprida, representa um primeiro passo na direção do desenvolvimento sustentável e na tentativa de combater o aquecimento global, ao mudarmos a tendência de interferência crescente das atividades humanas no sistema do clima.

Os países ricos vão cumprir o pouco que prometeram?
Ministro –
As dificuldades da solução do problema de aquecimento global decorre basicamente do fato de que os gases de efeito estufa permanecem por longos períodos na atmosfera, sendo que o dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa, permanece por mais de um século na atmosfera. A proposta do Brasil, apresentada nas discussões preliminares para a elaboração do Protocolo, mostra que o problema do aquecimento global foi originado principalmente pelas emissões dos países industrializados após a revolução industrial. Cabe aos países industrializados tomarem a iniciativa de liderança no processo de combater a mudança de clima. Nesse sentido, todos esperamos o cumprimento do Protocolo e certamente haverá uma fiscalização e uma cobrança permanente das promessas feitas em Kyoto. Os países em desenvolvimento que tanto vêm fazendo, apesar de restrições financeiras e tecnológicas, continuarão na busca do desenvolvimento sustentado e estarão prontos para assumirem suas responsabilidades em relação a um regime universal e justo de repartição do ônus de evitar a mudança do clima no momento em que os países industrializados mostrarem que estão efetivamente reduzindo suas emissões em níveis inferiores aos de 1990.

SUMMARY

José Israel Vargas, 70 years of age, in addition to serving at the head of the Ministry of Science and Technology, presides over the Academy of Third World Sciences, with headquarters in Italy, and is vice-president of the World Independent Commission on the Oceans. He also lead the group of scientists and leaders of thought from Latin America in the elaboration of a document to be presented as a non-governmental proposal to the United Nations Assembly to be held this year in Lisbon to debate the question of the ocean environment. In his role of Minister, Vargas also headed the Brazilian delegation in international forums discussing the greenhouse effect. So who better than he to speak about the Kyoto Conference, where he played a most important part by virtue of his forthright and progressive positions.

In terms of the unfulfilled commitments made at Rio’92, was a watershed achieved at Kyoto?
Minister Vargas:
Yes. In ’92, the developed countries made a voluntary commitment to seek, by the year 2000, to bring their emission of greenhouse gases back down to the same level as their 1990 emissions. Most of them have not fulfilled this promise. But in Kyoto these countries made a legally binding commitment, not a voluntary one, to reduce their emissions.

Do you personally feel that the Kyoto Conference was a move forward?
Minister Vargas:
I am convinced that it represents a new step in the way we are confronting the problem. The Convention on Climate Change, signed and ratified in 1992 by over 160 countries, established the beginnings of the process of a technical, scientific and political discussion of the problem of global warming, a long-term problem. In 1995 the First Conference of the Parties in Berlin, it was verified that the commitment made in the Convention to stabilize emissions was not being met, leading to the formulation of the Berlin Mandate establishing the protocol for transforming the voluntary commitments into legal obligations.

Berlin, then Kyoto. Will these obligations be met?

Minister Vargas: The Protocol established in Kyoto in December of 1997 is the culmination of a process begun in Berlin. By means of the Protocol of Kyoto, the Convention has deepened the commitments of the participating countries, and in particular, the developed countries, which now are committed, in a legally binding document, to reducing their level of emissions between 2008 and 2012 by approximately 5%, using the 1990 levels of greenhouse emissions as a base line reference. Although considered by some as a modest goal, it must be recognized that some countries, such as the United States for example, are now emitting greenhouse gases at a level more than 10% above those of the 1990 levels, indicating, on the one hand, the difficulty of defining policies voluntarily, as originally proposed in the Convention, that can effectively control the levels of emissions produced by economic activity. On the other hand, the efforts made to achieve the Kyoto targets imply important changes in the societies of these countries. The goal established in Kyoto, if achieved, represents a first step in the direction of sustainable development and in the fight to control global warming, in changing the tendency of human activities to interfere more and more in the global climate system.

 

Continue a Ler

Entrevistas

Luciano Cordoval – Entrevista sobre Barraginhas

As águas vão rolar

Publicado

em

 

Barraginhas: a salvação das lavouras

A solução para os desertos de Gilbués

Silvestre Gorgulho

Desde a primeira reportagem da Folha do Meio Ambiente sobre o deserto vermelho de Gilbués, em outubro de 2005, o tema não saiu mais da mídia. Depois vieram as matérias sobre as barraginhas. Primeiro em Minas Gerais, depois as experiências feitas pelo técnico da Embrapa, Luciano Cordoval, no Piauí. Mais precisamente na região do entorno do Parque da Serra da Capivara. Cordoval, coordenador do projeto, preparou 30 técnicos da Emater-PI e da COOTAPI – Cooperativa de Técnicos Agrícolas do Piauí que treinaram outros multiplicadores das comunidades locais. Todos foram responsáveis pela implantação de mais de 300 das 3.600 barraginhas programadas na zona rural de 12 municípios: São Raimundo Nonato, Guariba, Paes Landim, Oeiras, São Lourenço, Caracol, Jurema, Acauã, Paulistana, Santa Luz, Coronel José Dias e Aniz de Abreu. E agora as barraginhas chegaram ao município de João Costa, que tem desertos vermelhos à semelhança de Gilbués. Se a iniciativa salvar as terras de João Costa, com certeza Gilbués, também, estará salva. Graças às barraginhas e ao trabalho incansável de um técnico persistente e sonhador: Luciano Cordoval.

A foto mostra o estado avançado de degradação. As casinhas, ao fundo, é a prova
de que já houve um apogeu, onde tudo era verde coberto de matas, mas a ação do homem foi tornando o cenário desertico

 

Folha do Meio – O que o motivou a trabalhar para tentar reverter a degradação das terras de Gilbués?
Luciano Cordoval
– Quando vimos pela primeira vez, na Folha do Meio Ambiente, a reportagem sobre o deserto vermelho de Gilbués, em outubro de 2005, ficamos extremamente estarrecidos.
Olha, foi impressionante  ver aquelas imagens publicadas. Mas, imediatamente, este estarrecimento deu origem a uma empolgação. Sim, porque comecei a buscar uma solução. Queria enfrentar aquele desafio. Queria montar uma equipe para desenvolver tecnologias sociais de conservação de solos e água. Não é fácil trabalhar à distância. Mas este problemão de Gilbués é uma questão humanitária e de solidariedade.

FMA – Você tem acompanhado na mídia o desdobramento da questão dos desertos de Gilbués?
Luciano 
– Sim, estou acompanhando tudo desde aquela primeira matéria que saiu na Folha do Meio. Depois vieram os desdobramentos como no Globo Rural – que até mostrou o jornal de vocês – Globo Repórter, novamente a Folha do Meio Ambiente, com as cartas dos leitores, e muitas citações na Internet.
E o tempo foi passando. Iniciamos nossos trabalhos de captação de águas superficiais de chuvas, pelas barraginhas, para conservação dos solos e água e revitalização de mananciais e córregos, no Semi-Árido e Sub-Úmido piauienses.
Dentre os municípios abrangidos pelo projeto, destacamos o de João Costa, pelo elevado grau de degradação de seus latossolos vermelhos, sob vegetação de Cerrado, após desmatamentos, o que o torna muito parecido ao deserto de Gilbués.

FMA – João Costa está longe de Gilbués. Como você descobriu o deserto vermelho de João Costa ?
Luciano –
O avanço das barraginhas, no Piauí, foi planejado para contemplar doze municípios, sendo oito do Semi-Árido e quatro na transição para o Sub-úmido. Em março e abril de 2007, após caminhada pelos sete municípios vizinhos, para implantar o sistema, chegamos a João Costa.
Eles já tinham ouvido falar do projeto e tiveram o privilégio de assistir recentemente, por meio de suas parabólicas, a uma reportagem da TVE, no programa Mobilizando o Brasil, mostrando o avanço das barraginhas no Semi-Árido piauiense e já estavam ansiosos. Isso porque 60 a 70% dos solos do município encontram-se em elevado grau de degradação. Essa situação criou um am-
biente contagiante, favorável, que está contagiando a todos.

“O que for bom para a região de João Costa será bom para Gilbués. João Costa será uma vitrine demonstrativa para a solução dos desertos vermelhos”

FMA – Por que esses municípios piauienses foram contemplados?
Luciano –
Porque as barraginhas, ao serem premiadas e certificadas como tecnologia social da Fundação Banco do Brasil, em 2003, receberam um aval para serem disseminadas pelo país, e o estado escolhido foi o Piauí. Mais especificamente a região de seu Semi-Árido e um pouco da transição ao Sub-Úmido.
Na verdade foi pela repercussão do sucesso de nossas experiências em Minas Gerais, nos últimos dez anos. Além de nove municípios do Semi-Árido, foram escolhidos três do Sub-Úmido, sob vegetação de Cerrado. Guaribas, Santa Luz e João Costa se enquadram nessa categoria e são mais parecidos com as regiões de Minas onde já vimos desenvolvendo nosso trabalho com as barraginhas. Desde o início, esperávamos muito desses municípios e eles estão correspondendo.

“É preocupante tendência atual de converter enormes áreas em cultivos para a
produção de etanol. O homem avança, come o filé e deixa os ossos: os desertos vermelhos
”.

FMA – Você acredita que João Costa possibilitará o desenvolvimento de um protótipo para Gilbués?
Luciano
– Mesmo estando a 400km de distância, João Costa tem muita similaridade com a região degradada de Gilbués, quanto a solos, predominando os latossolos vermelhos, muito frágeis frente à erosão, além de um regime de chuvas parecido, acima de 1.000 mm. E como nós já estamos familiarizados com a região, as  pessoas  já  estão mobilizadas e motivadas.
Também já foram implantadas as primeiras 300 barraginhas. Agora, nós também estamos motivados e encantados, principalmente com o clima favorável instalado. E também com  todo esse envolvimento que está nos motivando buscar mais recursos para complementar nossa experiência. Estamos  utilizando esse município como nossa base para introduzir uma cultura de plantios em nível, terraceamentos, plantio direto e trabalhar a educação ambiental sustentável.
Assim, queremos mais e mais barraginhas nas fissuras/erosões maiores e milhares de microbarraginhas, não dispersas, mas coladas umas às outras, como alvéolos no “favo de mel”, nas microenxurradas capilares, nas encostas degradadas.

FMA – Como é mesmo esse sistema “favos de mel”?
Luciano
– As barraginhas tradicionais serão feitas nas grandes enxurradas, que já apresentam os sulcos feitos pela erosão. Os milhares de alvéolos (microbarraginhas) serão nas enxurradas minúsculas, capilares, quase imperceptíveis, serão como guarda-chuvas invertidos e dentro de cada alvéolo será plantada uma árvore leguminosa nitrificadora, como leucena e algaroba, que deixará suas folhas caírem, para recuperar o solo.
Enquanto se gasta uma hora de máquina para uma barragi-nha, fazem-se de 8 a 12 microbarraginhas nesse mesmo tempo.

FMA – Então, João Costa será o laboratório?
Luciano
– Justamente, será o laboratório que pensávamos ter na própria região de Gilbués. Já nos encantamos com a região, com o povo, com a problemática, há reciprocidade, é tudo que necessitávamos.
O que for bom para a região de João Costa será bom para Gilbués. Assim, pretendemos tornar João Costa uma vitrine demonstrativa para a solução desse problema de desertos vermelhos de regiões com solos sob vegetação de Cerrado. Domados os solos-problemas, daí a levar para regiões similares, é questão de arranjos adaptativos, ajustes, sintonia fina.
O importante é o homem, o envolvimento com o povo e esse já é nosso parceiro em João Costa, é meio caminho andado. O mais, é correr atrás dos recursos e trabalhar, trabalhar, estamos otimistas.

FMA – Você acredita que outros desertos poderão surgir?
Luciano
– Creio que isso é inevitável, em face do avanço dos desmatamentos e a introdução de pastagens e lavouras sem a aplicação dos cuidados necessários e das técnicas conservacionistas e, principalmente, sem reposição de nutrientes.
Nesse sentido, é preocupante a apressada tendência atual de converter enormes áreas em cultivos para a produção de etanol. O homem avança, come o filé e deixa os ossos, os desertos vermelhos. O Brasil Central está cheio disso.

FMA  – Você é otimista mesmo assim?
Luciano
– Essa é a minha missão, tentar regenerar solos degradados, veredas e matas ci-liares, revitalizar mananciais, nascentes e córregos, implantar capões no entorno das barragi-nhas e nos eixos úmidos formados por elas.Com a umidade readquirida e o sol, vêm o verde, as nascentes, volta a vida, volta a esperança, somos geradores de esperanças e temos conseguido isoo, o que nós torna otimistas.

FMA  – Então,você mudou de estratégia?
Luciano –
Sim, pois desco-brimos nosso sítio de trabalho, tropeçamos no nosso tesouro. Numa região em que a mídia não está fazendo pressão, pode-remos gradativamente, e sem as tensões e cobranças externas, apenas as nossas, ter tranqüilidade para desenvolver nossos planos, não será uma corrida contra o tempo, mas um avanço natural. Penso que nada é por acaso, há momentos em que, como se diz em Minas Gerais, o cavalo está passando arreado à nossa frente…

Os desertos vermelhos de Gilbués estão à espera dos resultados dos experimentos com as barraginhas de João Costa. Uma esperança a caminho.      (Foto: André Pessoa)

 

Continue a Ler

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010