Reportagens

Catástrofe com as andorinhas azuis

Temporada de furacões nos EUA sacrifica 90% das andorinhas migratórias

Published

on

 

andorinha-pequena-de-casa (Pygochelidon cyanoleuca) | WikiAves - A Enciclopédia das Aves do Brasil

Silvestre Gorgulho,
de Brasília
A notícia é mais do que triste.
É terrível! O ornitólogo
John Dalgas Frisch começou o ano apavorado
com a tragédia que se abateu sobre
as andorinhas azuis (Progne subis), andorinhas
vermelhas (Hirundo rústica) e até
as batuíras (Tringa melanuleuca). Depois
de visitar pessoalmente os locais onde estas
pequenas aves migratórias costumavam
chegar no Brasil e de buscar informações
com autoridades e ambientalistas nos locais
onde ele não pode visitar, Dalgas Frisch
falou desanimado: “Perdemos mais de 90%
das andorinhas e batuíras que migram
todos os anos dos Estados Unidos e Canadá
para o Brasil fugindo do forte inverno no
Hemisfério Norte. Foi uma verdadeira
desgraça”. E a causa é
conhecida: os furacões Katryna, Rita
e Wilma.

“Para se entender um pouco
a gravidade da situação – diz
Dalgas – a cidade de Ribeirão Preto
(SP) costumava receber na segunda semana de
dezembro cerca de 100 mil andorinhas. Este
ano não tinha 10 mil. Em São
José do Rio Preto (SP), como em Barretos,
não chegou uma única andorinha
azul. Em Manaus, das mais de 200 mil que migravam
todo ano, este ano deveria ter um quinto delas”.
“A verdade nua e crua – resume o ornitólogo
– é que a temporada forte de furacões
do ano passado matou uns 90% das andorinhas
que costumavam migrar para o Brasil. Uma tragédia!
O Brasil recebia mais de 6 milhões
de andorinhas. As que não morreram
diretamente atingidas pelos furacões,
ficaram feridas e não conseguiram completar
a migração”.

Notícias tristes
Em Manaus chegavam, em dezembro, três
grupos de andorinhas. Dalgas Frisch explica
que o primeiro grupo, de mais ou menos 10.000
andorinhas, dormia nos tubos quentes da refinaria
da Petrobras; o segundo grupo, com cerca de
60.000 andorinhas, dormia nas arvores iluminadas
com luz de sódio no pátio de
estacionamento do Aeroporto Eduardo Gomes;
e um terceiro grupo dormia na praça,
no centro de Manaus.

Segundo Dalgas, “no estacionamento
do aeroporto de Manaus, nem os taxistas dão
notícias delas. [Em geral os taxistas
acompanham sempre o bando de andorinhas, por
causa da sujeira que fazem na capota dos táxis].

“Telefonei para a Refinaria
da Petrobras, a REMAN, e o engenheiro de produção
confirmou que chegaram pouquíssimas
andorinhas este ano”, informa com tristeza
o ornitólogo. Cada vez que busca mais
informações sobre as andorinhas,
as notícias são de tragédia.
Ou elas morreram em território americano,
em Nova Orleans, ou foram pegas pelos furacões
quando atravessavam o Golfo do México
ou o Caribe.

Quanto às batuíras
(Tringa melanuleuca) e maçaricos (Calidris
fuscicollis) alguns ainda conseguiram se salvar,
porque, com o mau tempo, eles ficam no chão
e buscam refúgio atrás de árvores
ou pedras.

Já as andorinhas, quando
descem, sempre posam em galhos de árvores
ou fios. Aí ficam totalmente desprotegidas.
Elas recebem um impacto tal dos furacões
que ficam muito machucadas, explica o ornitólogo
Dalgas Frisch.

Falcão da Groelândia
curte verão paulistano


Reinaldo Mandacaru dá show de
arte fotografando gastronomia e acaba
de fazer uma das fotos mais bonitas
de um falcão peregrino. A foto
foi tirada nas janelas do Hotel Gran
Sol Meliá, em São Paulo.

Bons agouros dinamarqueses,
vindos da ilha do Disco na Groelândia,
chegaram ao Brasil nas asas de um falcão
peregrino (Falco peregrinus tundrius). São
Paulo, maior cidade brasileira, acaba de receber
a especial visita desta ave, que tem o nome
de Zorro. Segundo o ornitólogo John
Dalgas Frisch, esse falcão peregrino
costuma fugir, todo ano do rigoroso inverno
das escarpas das montanhas da Groelândia
e aportar em terras brasileiras. “O Brasil
recebeu com especial carinho esta visita,
que despertou a atenção de milhares
de pessoas que vivem na cidade de São
Paulo”, diz Dalgas e explica: “Zorro
veio passar o Natal de 2005, se hospedando
em vários prédios e parques.

O falcão peregrino sempre
foi símbolo de poder e prestígio
entre os povos antigos como no Egito, na Coréia
e Japão. Para Johan Dalgas Frisch,
que acaba de lançar dois novos livros
“Aves Brasileiras” e “Aves
Brasileiras Minha Paixão” a presença
de Zorro às vésperas do Natal,
na América do Sul, é interpretada
como um bom agouro para o próximo ano
de 2006 tanto para sua terra natal como para
o país que o recebeu. “É
por isso que milhares de olhos observam, diariamente,
com muita atenção, os céus
de São Paulo, afim de terem o privilégio
de ver o falcão peregrino e ter todos
os seus sonhos realizados”, explica o
ornitólogo. Zorro retorna à
Groelândia, no início de março.
Logo depois do Carnaval no Brasil!

As andorinhas e o
controle ecológico de pragas


O ornitólogo John Dalgas Frisch
e sua esposa Birte foram recebidos em
Grigsville, Illinois (EUA) por J. L.
Wade, presidente do Nature Society,
inventor das casinhas de alumínio
que salvaram as antorinhas-azuis da
extinção no Hemisfério
Norte.

A primeira conseqüência
é ambiental. Segundo os pesquisadores,
cada andorinha se alimenta de mais de 2 mil
pequenos insetos por dia, como pernilongos,
mosquitos, brocas, sugadores de cana-de-açucar,
vaquinhas-de-feijão etc. Elas praticam
o verdadeiro controle biológico de
pragas, pois devoram estes insetos justamente
nos meses de sua maior proliferação.
“Esse equilíbrio ecológico
feito pelas andorinhas faz baixar drasticamente
o número de insetos vivos, sobretudo
fêmeas dispostas à desova, evitando
o perigoso crescimento de larvas e lagartas”
explica Dalgas e alerta. “Logo, logo
vamos sentir na pele a conseqüência
do aumento dos pernilongos. E, também,
o fato terá conseqüências
econômicas, pois as plantações
vão exigir mais uso de agrotóxicos”.

Para se ter uma idéia
do benefício que as andorinhas traz
para os agricultores, Dalgas lembra que nos
Estados Unidos, como as floresas deram lugar
a extensas e mecanizadas lavouras, as andorinhas
azuis quase foram extintas por perderem seu
habitat de procriação. “O
extermínio destas andorinhas só
não aconteceu porque o agricultor norte-americano
percebeu o benefício que elas traziam,
pois bandos devoravam, diariamente, trilhares
de insetos e larvas.

Aí, os próprios
agricultores começaram a recuperar
seu habitat natural e até a instalar
em suas propriedades casinhas de alumínio
onde as aves pudessem morar e procriar”.

Conclui o ornitólogo
Dalgas Frisch: “Para quem ficava alardeando
que as aves migratórias poderiam trazer
a gripe aviária para o Brasil, fica
a triste lição. Nem gripe aviária
– o que era um absurdo dizer uma coisa destas
– e nem as próprias aves conseguiram
chegar”.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Reportagens

Petrobras conclui venda de campos terrestres no Ceará

Published

on

 

A Petrobras, em continuidade ao comunicado divulgado em 14/08/2020, informa que finalizou hoje a venda da totalidade de suas participações nos campos terrestres de Fazenda Belém e Icapuí, denominado conjuntamente de Polo Fazenda Belém, localizados na Bacia Potiguar, no estado do Ceará, para a 3R Fazenda Belém S.A., anteriormente denominada SPE Fazenda Belém S.A..

Após o cumprimento das condições precedentes, a operação foi concluída com o pagamento à vista de US$ 4,6 milhões para a Petrobras, já com os ajustes previstos no contrato. O valor recebido hoje se soma ao montante de US$ 8,8 milhões pagos à Petrobras na data da assinatura do contrato de compra e venda. Além desse montante, a companhia ainda receberá US$ 10 milhões, no prazo de um ano após o fechamento da operação, o qual será corrigido com base nas condições previstas no contrato de compra e venda.

A presente divulgação está de acordo com as normas internas da Petrobras e com as disposições do procedimento especial de cessão de direitos de exploração, desenvolvimento e produção de petróleo, gás natural e outros hidrocarbonetos fluidos, previsto no Decreto 9.355/2018.

Essa operação está alinhada à estratégia de gestão de portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando à maximização de valor e maior retorno à sociedade. A Petrobras segue concentrando os seus recursos em ativos em águas profundas e ultraprofundas, onde tem demonstrado grande diferencial competitivo ao longo dos anos.

O Polo Fazenda Belém

O Polo compreende os campos terrestres de Fazenda Belém e Icapuí, localizados no estado do Ceará, onde a Petrobras é detentora de 100% de participação. A produção média do Polo Fazenda Belém de janeiro a julho de 2022 foi de aproximadamente 575 barris de óleo por dia (bpd).

Sobre a 3R Fazenda Belém S.A.

A 3R Fazenda Belém S.A. é uma empresa com foco no redesenvolvimento de campos maduros e em produção, subsidiária integral da 3R Petroleum Óleo e Gás S.A., companhia listada no Novo Mercado da B3.

Continue Reading

Reportagens

CLDF realiza homenagem à Sociedade Brasileira de Eubiose

A Sociedade Brasileira de Eubiose (SBE) de Brasília completa 60 anos

Published

on

 

Proposta pelo deputado Robério Negreiros, a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) realizou nesta quarta-feira (10/8) uma sessão solene para homenagear os 60 anos de fundação da Sociedade Brasileira de Eubiose (SBE) em Brasília, e o Dia Nacional da Eubiose. Guiada pelo 2º secretário da Casa, a celebração foi transmitida ao vivo pela TV Câmara Distrital e contou com a presença de diversas personalidades.

Ao abrir a sessão solene, Robério Negreiros explicou os fundamentos da Eubiose. “Trata-se de uma filosofia de vida que tem uma causa muito nobre, que é de ensinar a viver em equilíbrio com o nosso meio ambiente e com as outras pessoas de forma mais pacífica e tolerante e a lidar melhor com as adversidades, isso tudo com o foco voltado ao desenvolvimento mental, espiritual científico e artístico entre os seres humanos.”

O parlamentar sublinhou também a relevância da instituição na melhoria da qualidade de vida e desenvolvimento pessoal daqueles que buscam seguir a filosofia. “É uma organização que sempre atuou com diversos projetos de forma efetiva na vida das pessoas. Apontando o caminho de uma construção crítica de autoconhecimento acabando por se tornar uma das chaves para uma vida mais saudável, feliz e em harmonia.”

O coordenador de ética e política da Sociedade Brasileira de Eubiose, Fernando Nascimento, agradeceu a homenagem à instituição. “Hoje é um dia de muita alegria para nós, finalizamos aqui a comemoração dos 60 anos da criação do departamento de Brasília. A homenagem à instituição que entende a importância do Brasil nessa construção de uma civilização mais justa e mais fraterna é importante.”

Fernando frisou ainda o papel da SBE no período eleitoral. “Nesse ano de eleições estamos trazendo especialistas de dentro e de fora da Eubiose para falar sobre os problemas brasileiros e das soluções que a gente deve tomar. Mais do que pensar na posição do candidato A ou B, acho que nosso dever seria buscar mais informações sobre o país, sobre os problemas brasileiros, para que a gente tenha um voto mais consciente e saiba avaliar se o candidato A fez pelo Brasil o que deveria fazer, se o candidato B fez, e qual é uma posição consciente em relação a isso e não uma briga de vaidade, de egos e reprodução de fake news que não leva a nada.”

Ariel Jefferson de Souza, mestre de ordem da SBE, pontuou algumas ações desenvolvidas pela instituição e seu papel destacado no Distrito Federal. “Temos tido atuação marcante na formação cultural do povo brasiliense. Nesses 60 anos, foram proferidas inúmeras palestras públicas em nossa sede e em diversos auditórios de instituições da cidade. A nível social, temos contribuído com instituições filantrópicas com campanhas para distribuição de alimentos, roupas e brinquedos para famílias carentes do DF. Nosso fundador, professor Henrique José de Souza, disse que Brasília é a centralização da obra, essa obra grandiosa em prol da fraternidade universal e da união entre os povos.”

Leonardo Faria Jefferson de Souza, jovem presidente da Sociedade Brasileira de Eubiose, reforçou o papel e o foco da SBE. “Num breve retrospecto, grandes mudanças ocorreram dentro e fora da nossa instituição, mas independentemente, seguimos nosso caminho de forma inabalável, no intuito de promover o engrandecimento cultural, espiritual e material do povo brasileiro”, disse.

Ao final da sessão solene, foram entregues moções de louvor aos presentes que contribuíram de maneira ativa à Sociedade Brasileira de Eubiose, no Distrito Federal.

Isabella Almeida – Agência CLDF

Continue Reading

Reportagens

Senado aprova PL que altera limites da Floresta Nacional de Brasília

Projeto de lei prevê ajuste em duas áreas, a fim de promover a regularização urbana de dois assentamentos. Texto abre espaço a novas definições, no futuro, para compensação da Flona

Published

on

 

Flona dispõe de áreas com trilhas e infraestrutura abertas ao público – (crédito: Flona/Divulgação)

A Floresta Nacional de Brasília (Flona) pode ter os limites alterados em breve. O Senado Federal aprovou, nesta quarta-feira (10/8), o Projeto de Lei (PL) nº 2.776/2020, que modifica áreas da unidade de conservação para regularização urbana de dois assentamentos.

A Flona se localiza próximo às regiões administrativas de Taguatinga e Vicente Pires. O PL prevê que duas partes dela deixem de integrar a floresta, pois na Área 2, com 996,47 hectares, fica o assentamento 26 de Setembro; e, na Área 3, de 3.071 hectares, encontra-se o Maranata.

Além disso, o limite da Área 4 será reduzida para, aproximadamente, 1.887 hectares. Por outro lado, a Área 1 será ampliada, para abranger a Área de Proteção de Mananciais (APM) dos Córregos Currais e Pedras, passando a ter 3,7 mil hectares.

A Área 1 é considerada a porção mais preservada, onde ficam trilhas e as partes com infraestrutura abertas aos visitantes da Flona. O PL prevê novas definições, no futuro, para fins de compensação da floresta, desde que consideradas as viabilidades ambiental, social e econômica.

Agora, o projeto de lei segue para o Palácio do Planalto, onde passará por avaliação do presidente Jair Bolsonaro (PL), que pode sancionar ou vetar a proposição.

Com informações da Agência Senado e da Agência Brasil

 

 

 

Continue Reading

Reportagens

SRTV Sul, Quadra 701, Bloco A, Sala 719
Edifício Centro Empresarial Brasília
Brasília/DF
rodrigogorgulho@hotmail.com
(61) 98442-1010